Invocado para outro mundo

Hajime ficou lá com as mãos protegendo seu rosto e com os olhos fechados, mas quando ele escutou sons de sussurros ele lentamente abriu os olhos.

Hajime olhou ao redor em total admiração. A primeira coisa que atraiu seus olhos foi o enorme mural. O mural tinha quase dez metros de altura. Havia uma pessoa com feições andróginas[1] com uma auréola nas costas e um longo cabelo louro com um leve sorriso no mural. Uma planície cheia de grama, um lago e montanhas estavam desenhadas no fundo e a pessoa tinhas ambos os braços extendidos. Era um belo mural. Era um mural incrível. Contudo, Hajime sentiu que os olhos da pintura pareciam frios.

Quando ele olhou ao redor, ele notou que eles estavam em um enorme salão. Ele se perguntou se o salão inteiro era feito de mármore. A construção inteira era feita com um suave brilho branco, ela tinha pilares gigantes que foram esculpidos lindamente e o teto era feito em um formato de domo. O lugar todo parecia com uma catedral e o salão tinha uma atmosfera solene.

Parecia que Hajime e o resto dos alunos estavam no topo de um pedestal que estava localizado na parte mais profunda do prédio. Eles estavam em uma posição mais alta do que a área ao redor. Seus colegas também olharam ao redor impressionados pelo que estavam vendo. Aparentemente, todos os estudantes que estavam presentes na sala de aula naquele momento acabaram nesta situação.

Hajime olhou para trás. Lá estava Kaori também olhando ao redor assustada pelo que estava diante deles. Ela não parecia ferida, então Hajime se sentiu aliviado.

Quem sabe, as pessoas que estavam cercando o pedestal seriam capazes de explicar a situação. Yeah. Hajime e seus colegas não eram os únicos aqui. Havia ao menos 30 pessoas ajoelhadas orando com ambas as mãos na frente de seus peitos. Todos eles vestiam túnicas brancas que eram bordadas com ouro e eles tinham um cajado a seu lado. A ponta do cajado se expandia como um leque e várias peças de discos estavam penduradas em um círculo.

Um sacerdote em particular parecia ter quase 70 anos de idade. Mas o que o fez se destacar foi a sua mitra[2] que tinha quase 30 centímetros de altura. Ele andou em frente na direção deles. Apesar de sua idade avançada, ele estava vestindo uma túnica muito chamativa. Ele poderia ser alguém na casa dos 50 anos se não fossem pelas rugas gravadas em seu rosto.

Com seu cajado em mãos, o velho sacerdote falou com eles com uma voz clara e calma que combinava com sua aparência.

(Sacerdote): “Bem-vindos a |Tortus|, nosso Herói e seus caros compatriotas. Nós os recebemos. Meu nome é Ishtar Lombard e eu sou o Papa da Igreja dos Santos. Por favor, vamos nos dar bem”

Depois que ele se apresentou, ele mostrou um sorriso que normalmente era associado com pessoas mais velhas e gentis.


Atualmente, Hajime e o resto dos alunos foram levados para outro lugar. Eles atravessaram o grande salão e viram várias mesas alinhadas dez metros a frente deles. Sem nenhuma exceção, esta sala era feita com detalhes deslumbrantes. Pela perspectiva de um leigo, parecia que todo o trabalho de decoração da sala tinha sido feito com técnicas excepcionais. Provavelmente, este era o lugar onde eles iriam comer. O grupo de quatro pessoas de Kouki e Aiko-sensei sentaram na ponta da mesa. Hajime se sentou no último lugar disponível.

Ninguém fez nenhum som enquanto eles eram guiados para esta área onde se sentaram. Suas mentes ainda estavam tentanto entender o que aconteceu. Ficou a cargo de Ishtar explicar a situação. Mesmo Kouki com seu excesso de carisma estava pensando em silêncio. Aiko-sensei reuniu os estudantes como uma professora faria, mas ela estava com os olhos cheios de lágrimas.

Quando todos se sentaram, com um timing incrível, as camareiras entraram empurrando carrinhos. Yeah. Camareiras de verdade! Não aquelas camareiras Obaa-sans[3] gordas que infestavam a Terra. Essas eram mulheres reais e lindas, lindas camareiras que habitavam os sonhos dos homens.

A maioria dos garotos da classe encararam as camareiras devido a suas mentes de adolescentes. Apesar das garotas estarem os olhando com olhos frios.

Hajime instintivamente encarou a camareira que veio para o seu lado servi-lo uma bebida… mas por alguma razão, ele sentiu um arrepio em sua espinha e ele desviou seu olhar. Quando e olhou na direção do arrepio, Hajime viu Kaori sorrindo para ele. Hajime decidiu parar de olhar.

Ishtar começou sua explicação depois de confirmar que todos tinha recebido uma bebida.

(Ishtar): “Tenho certeza que vocês todos estão confusos. Eu vou explicar primeiro, então por favor, escutem até o fim antes de fazerem qualquer pegunta”

Depois disso, Ishtar arbitrariamente explicou a situação que parecia uma fantasia.

Em resumo…

Primeiro, o mundo era chamado de |Tortus|. Neste mundo, havia três raças principais. Humanos, Demônios e Demi-Humanos. Os Humanos governavam a área Norte. Os Demônios governavam a área Sul. Os Demi-Humanos viviam em paz na região selvagem do Leste.

Entre essas raças, os Humanos e os Demônios estavam em guerra por vários séculos. Quando comparados, um Demônio era muito mais forte do que um Humano, mas os Humanos tinham a vantagem numérica. Ambos os lados não tinham entrado em uma guerra de larga escala há algumas décadas, mas eles estavam se preparando. Recentemente, houve relatos de acontecimentos anormais. A mobilização de monstros pelos Demônios.

Monstros eram tidos com uma variação dos animais selvagens que receberam magia e mudaram. Eles não eram considerados organismos vivos. Eles tinham o poder para usar magias peculiares que outras raças usavam e isto os tornava animais poderosos e perigosos.

Até agora, poucas pessoas foram capazes de domar eles. Mesmo se eles pudessem ser domesticados, o domador poderia apenas controlar um ou dois monstros no máximo. Este tipo de situação era completamente diferente para os Demônios. Isto significava que os Humanos já não tinham mais sua vantagem numérica. Agora a raça Humana estava enfrentando uma crise.

(Ishtar): “Aquele que convocou vocês aqui foi Eht-sama. Ele é o Deus que nos protege e aquele que nós cultuamos na Igreja dos Santos. Ele é aquele que criou este mundo. Provavelmente, Eht-sama percebeu que se as coisas continuassem como estavam, os Humanos enfrentariam a destruição. Por esta razão, vocês foram invocados para impedir este futuro.

O mundo de onde vocês vieram possui um nível maior do que o nosso. As pessoas do seu mundo terão poderes excepcionais aqui. Antes da invocação, nós oramos para Eht-sama. Vocês são a ‘salvação’ que ele enviou. Com seus poderes, nós iremos derrotar os Demônios e salvar os Humanos como é o desejo de Eht-sama”

Ishtar disse isto com uma expressão muito impetuosa. Ele devia estar repetindo o que o oráculo disse a ele. Mas de 90% dos Humanos seguiam os ensinamentos da igreja, aqueles que ouviam o oráculo frequentemente recebiam uma posição de poder.

Hajime suspeitou desta tão falada “Vontade de Deus”. Ele sentiu que Ishtar estava distorcendo a verdadeira forma do mundo e o que eles estavam enfrentando. As pessoas que queriam protestar subitamente apareceram. Aiko-sensei era uma delas.

(Aiko): “Por favor, não faça piadas! No fim, essas crianças irão lutar em uma guerra! Eu não posso permitir tal coisa! Eu absolutamente não vou permitir isso! Por favor, deixe-nos voltar! Certamente, as famílias deles estarão preocupadas! O que vocês fizeram não passa de sequestro!”

Aiko-sensei estava furiosa. Ela era uma professora de estudos sociais muito popular que tinha 25 anos de idade. Ela tinha um rosto infantil com seu um metro e meio de altura. O cabelo dela era curto. Para o bem de seus alunos, ela tentou seu melhor e essa era uma cena muito emocionante. Em muitas ocasiões, os estudantes foram protegidos por ela, mesmo seu físico não parecendo o de uma adulta.

Os alunos costumavam chama-la de Ai-chan, mesmo se ela ficasse irritada quando eles se referiam a ela assim. Ela tinha o objetivo de ser uma professora digna.

Ela estava enfurecida pela invocação irracional e se posicionou contra isto. Ah. Ai-chan estava tentando o seu melhor de novo. Havia alguns estudantes que estavam olhando para a censura de Aiko-sensei para Ishtar com sentimentos de diversão. As palavras seguintes de Ishtar congelaram a todos.

(Ishtar): “Eu simpatizo com os seus sentimentos. Infelizmente, nós não temos como devolve-los para seu mundo”

O silêncio dominou a sala. Havia um ar gelado que apareceu através de toda a área. Todos os olhares estavam em Ishtar, sem saberem como responder a isso.

(Aiko): “Isso é impossível? O que você quer dizer com é impossível? Se você pode nos invocar, você pode nos mandar de volta!”

Aiko-sensei gritou.

(Ishtar): “Como eu disse antes, foi Eht-sama quem invocou vocês. A magia que intefere em outros mundos é a magia que nós humanos não podemos usar. Se vocês podem ou não voltar, cabe a Eht-sama decidir”

(Aiko): “Tal coisa…”

Aiko-sensei perdeu suas forças nesse ponto e caiu em sua cadeira como uma pedra. Os alunos começar a se agitar com isso.

(Aluno A): “Mentira! Por que não podemos voltar?”

(Aluno B): “Iyaa! Eu só quero voltar!”

(Aluno C): “Não brinque sobre uma guerra! Não me sacaneie!”

(Aluno D): “Por que, por que, por que…”

Os alunos começaram a entrar em pânico com a situação. Nem Hajime estava bem com isso. Contudo, sendo um Otaku, ele leu sobre este tipo de situação muitas vezes antes. Assim, ele esperava por esses padrões. Já que este não era o pior cenário possível, ele estava muito mais calmo do que os outros estudantes. Aliás, um dos piores cenários seria ser invocado para ser um escravo.

Enquanto todos estavam de guarda baixa, Ishtar estava apenas assistindo as reações dos estudantes com calma e escolheu deixar isso fluir naturalmente. Entratanto, Hajime podia ver que além dessa expressão calma havia desprezo por eles. O sacerdote devia estar pensando que eles deveriam se sentir honrados por serem escolhidos por Eht-sama.

Ainda assim, o pânico não diminuiu. Neste momento, Kouki se levantou e bateu na mesa com força. Este som surpreendeu os estudantes e ele ganhou a atenção deles. Quando ele confirmou que ele tinha a atenção de todos, Kouki começou a falar.

(Kouki): “Todos vocês, não há motivos para fazer tanta bagunça na frente de Ishtar-san. Ele não fez nada para nós… eu… eu irei lutar. Os humanos deste mundo estão enfrentando uma crise, isto é um fato. Sabendo disso, eu não posso ignorar seus pedidos por ajuda. Se eu fui invocado para salvar humanos, nós devemos ser capazes de voltar depois que salvarmos eles. Ishtar-san, o que você acha disso?”

(Ishtar): “Correto. Eht-sama irá responder ao desejo de seus salvadores”

(Kouki): “Nós todos tempos poderes especiais, não é? Desde que chegamos aqui, eu posso sentir este poder”

(Ishtar): “Sim, isso mesmo. Praticamente, cada um de vocês tem poder várias vezes maior do que as pessoas deste mundo”

(Kouki): “Então está tudo bem. Eu vou lutar. Eu vou salvar as pessoas e então nós poderemos ir para casa. Eu vou salvar o mundo, vocês vão ver!”

Kouki apertou seu punho com força enquanto declarava isto. Kouki mostrou seu sorriso brilhante. Neste momento, não havia dúvidas que seu carisma extremo foi muito efetivo. Os alunos que antes tinham expressões de desespero começaram a recuperar a calma e o vigor. Os olhos de Kouki brilhavam tanto que pareciam ter encontrado esperança nesta situação. Metade das garotas da escola estava o olhando com admiração.

(Ryutaro): “Eu pensei que você poderia dizer algo assim. Se você fizesse isso sozinho, eu ficaria preocupado. Eu também vou lutar”

(Kouki): “Ryutaro”

(Shizuku): “Neste momento é tudo o que podemos fazer. Não é como se eu odiasse isto, mas eu vou lutar também”

(Kouki): “Shizuku”

(Kaori): “Eh. Se Shizuku-chan está indo, eu vou tentar o meu melhor”

(Kouki): “Kaori”

O costumeiro grupo de quatro concordou com Kaori. O resto dos colegas parecia aprovar e seguiu o fluxo. Aiko-sensei tentou argumentar contra com seus olhos molhados, mas contra a exibição de Kouki, isso foi inútil.

Depois de tudo, parecia que todos iriam participar da guerra. A maioria dos alunos não entendia realmente o que significava ir para a guerra. Eles estavam apenas fantasiando isso. Era provável que eles concordaram como uma forma de escaparem da dura realidade que eles estavam, ou talvez seus espíritos aceitaram a surreal situação. Hajime apenas observava Ishtar enquanto pensava sobre isso. O sacerdote tinha uma expressão muito satisfeita no rosto.

Hajime também notou isso. Enquanto Ishtar estava dando a explicação, ele observou Kouki. Ele confirmou que reação eles teriam ao ouvir a hitória. Com o forte senso de justiça de Kouki, era fácil imaginar sua reação sobre a tragédia que cairia contra os humanos. Depois de ele falar apenas sobre a ferocidade dos Demônios, Ishtar especificamente enfatizou em sua crueldade. Ishtar provavelmente teve uma boa previsão. Ele estava se perguntando quem teria a maior influência no grupo.

Era natural para alguém da maior religião do mundo, mas que pessoa ardilosa. Hajime adicionou Ishtar como alguém com quem ele deveria ter cuidado em sua cabeça.


Aquele que estava esperando por eles depois da invocação não era uma sacerdotisa ou uma princesa, mas um cara realmente velho!


[1] Andrógino é um adjetivo que se refere ao que apresenta simultaneamente características do sexo masculino e feminino. É o mesmo que “hermafrodita”, que é o animal ou vegetal que reune em si os caracteres dos dois sexos.

[2] Mitra é um chapéu alto, com uma fenda na parte superior e duas fitas que caem sobre as espáduas, usado pelo Papa, pelos bispos, arcebispos e cardeais.

[3] Obaa-san significa “tia” em japonês.