A rota da fuga

(Hajime): “Merda! Por que não está aqui?”

Se passaram três dias desde que ele matou o Urso de Garra Curvada. Hajime esteve procurando pelo caminho que o levaria para os andares superiores e já tinha explorado 80% deste andar. Comer o Urso fez seu Status aumentar de novo e já não havia nada neste andar que poderia ameaçar Hajime agora. Isto o permitiu acelerar sua busca na vasta área em um ritmo acelerado, mas, apesar disto, ele não encontrou nada.

Não, seria errado dizer que ele não encontrou nada. Para ser mais preciso, ao invés de encontrar o caminho “que subia”, o caminho “que descia” foi descoberto dois dias atrás. A estrutura do |Calabouço| que consistia de muitos andares definitivamente teria um caminho que o levaria para cima, mas não importava o quanto ele procurasse, ele simplesmente não podia encontrar este caminho.

Além disso, ignorando o estranho |Calabouço|, o método de criar diretamente um caminho para cima através da ‖Transmutação‖ já tinha sido testado. No fim, não importava se era para cima ou para baixo, ele descobriu que depois de avançar até certo ponto, de alguma maneira, as paredes paravam de reagir a ‖Transmutação‖. Não havia limites para a ‖Transmutação‖ dentro do andar, mas parecia existir algum tipo de proteção que o impedia de subir ou de descer. O |Grande Calabouço Orcus| era um |Calabouço| criado nos tempos antigos e cheio de mistérios.

Era por isso que ele só poderia procurar por um caminho para cima, mas uma decisão tinha que ser tomada se o caminho não fosse encontrado: ele deveria descer ainda mais dentro do |Grande Calabouço|?

(Hajime): “… um beco sem saída, huh. As bifurcações foram todas investigadas. Que merda é esta!? ] Suspiro [”

Hajime suspirou profundamente enquanto aceitava que um caminho que o levaria para cima não poderia ser encontrado. Assim, ele seguiu para a sala onde ele descobriu as escadas que levavam para baixo.

Essa escadaria era extremamente malfeita. Poderia se dizer que era mais uma estrada do que uma escadaria. A partir desse ponto, não havia mais nenhuma [Pedra de Luz Verde], deixando a área em frente na completa escuridão e com uma aura ameaçadora. Era como olhar para a boca de um monstro enorme. O sentimento de “é impossível sair assim que você entrar” naturalmente apareceu.

(Hajime): “Haaaa! Pode vir! Seja lá o que for, se você tentar me atrapalhar, matar e devorar!”

Hajime bufou ao pensar nisso e os cantos de seus lábios se curvaram formando um sorriso perverso. Assim, ele entrou na escuridão sem qualquer hesitação.

Este andar era muito escuro. Era natural para um |Calabouço| subterrâneo, mas todos os andares em que ele esteve até o momento tinham as [Pedras de Luz Verde] e mesmo que esses andares fossem sombrios, não chegava ao ponto em que você não poderia ver o que estava na sua frente. Contudo, parecia que este andar não tinha nenhuma [Pedra de Luz Verde].

Parando por um tempo, Hajime estava esperando que seus olhos de alguma maneira se acostumassem com a escuridão, mas não importava quanto tempo passasse, não houve nenhuma mudança. Como um último recurso, ele pegou uma [Pedra de Luz Verde] para usar como lanterna em sua mochila improvisada que ele fez transmutando fios do pelo do Urso de Garra Curvada.

Falando francamente, possuir uma fonte de luz na escuridão era o mesmo que se matar se houvessem Feras Mágicas por perto. No entanto, como ele não seria capaz de se mover sem isto, Hajime só poderia assumir o risco. Ele não poderia avançar com sua mão direita ocupada, por isso ele prendeu a pedra em seu cotovelo esquerdo que não possuía mais um antebraço.

Depois de prosseguir por um tempo, notando que algo estava brilhando dentro da passagem, Hajime se concentrou ao máximo. Avançando enquanto ficava escondido nas sombras o máximo possível, ele subitamente sentiu uma presença desagradável a sua esquerda. Ele instantaneamente pulou para trás e apontou a [Pedra de Luz Verde] para essa presença. Lá havia um lagarto cinza com aproximadamente dois metros de comprimento preso na parede, encarando Hajime com seus olhos dourados.

Esses olhos dourados brilharam por um momento e no instante seguinte…

(Hajime): “!?!?!?”

Junto do som de algo se quebrando, o resto do braço esquerdo de Hajime começou a virar pedra. A petrificação imediatamente se espalhou pela [Pedra de Luz Verde] e dentro de alguns segundos, houve o som de algo se partindo e ela se despedaçou completamente. Com a fonte de luz destruída, a escuridão tomou conta da área mais uma vez. A petrificação de seu braço já estava alcançando seu ombro.

Hajime estalou sua língua e pegou um frasco de [Água Sagrada] em seu coldre, que também foi feito com fios do pelo do Urso, e a bebeu em um único gole. Como esperado, a petrificação parou e a parte petrificada voltou ao normal em um piscar de olhos.

“Como se atreve a fazer isto!”… enquanto praguejava em seu interior, ele pegou uma [Granada de Luz] de seu cinto e jogou contra o Lagarto de Olhos Dourados. Ao mesmo tempo, dentro da escuridão, aqueles olhos começaram a brilhar de novo. Hajime não pareceu se importar enquanto ele instantaneamente recuava usando o ‖Teletransporte‖.

Assim, mudanças apareceram no pedregulho atrás do lugar onde Hajime estava e, consequentemente, ele se despedaçou como se estivesse desgastado pelo tempo. Parece que ele possuía poderosos “Olhos Malignos de Petrificação”! Em termos de RPG, isto era provavelmente um Basilisco[1].

Enquanto pensava neste tipo de coisa, Hajime puxou [Donner] e a segurou diante de seus olhos, protegendo seus olhos fechados. Então… ] bang! [… os arredores foram banhados por uma intensa luz, pintando suas visões com a luz.

(Basilisco): “Ku-ua!?”

Talvez ele nunca tenha experimentando uma luz tão intensa até este momento, mas a figura de um Basilisco desorientado apareceu na escuridão. Hajime atirou sem hesitação. O tremendo poder escondido dentro das balas que foram disparadas sem uma boa precisão atravessaram a cabeça do Basilisco e pulverizaram seu crânio, devastando completamente seu interior. A bala que atravessou a cabeça deixou um profundo buraco na parede e… ] Shuuuuuuu [… deixou para trás o som de pedra queimando.

Como resultado da aceleração eletromagnética, o local em que elas ficaram presas estavam emitindo altas temperaturas. Este era provavelmente o poder do [Metal Tauru] fortalecido pelo calor.

Hajime, enquanto ainda se mantinha atento a vizinhança, se aproximou do Basilisco, rapidamente rasgou sua carne e recuou para outro local. Como esperado, era impossível comer despreocupadamente quando ele estava em uma situação onde estava praticamente cego. Por enquanto, Hajime escolheu continuar a explorar.


Hajime continuou caminhando na escuridão. Apesar de sentir que tinha procurado por várias dezenas de horas, ainda assim, a escadaria que levava para baixo ainda não tinha sido encontrada. Pelo caminho, ele derrotou muitas Feras Mágicas e coletou muitos minérios e já estava ficando difícil carregar tanta coisa. Assim, Hajime decidiu construir uma base.

Depois de encontrar um local adequado, ele colocou sua mão na parede e começou a transmutar. Não houve nenhum problema para abrir um buraco na parede e ele foi ainda mais fundo na passagem. Hajime continuou a transmutar um espaço com um tamanho de seis tatames[2]. Então, pegando um cristal branco azulado do tamanho de uma bola de basquete de sua mochila improvisada, ele a fixou em uma abertura na parede. O que ele pegou era o [Cristal Divino]. Ele também colocou um frasco abaixo do cristal para coletar as gotas de água.

A propósito, Hajime nomeou o [Cristal Divino] como [Pedra de Cura], e a [Água Sagrada] de [Poção]. Era de fato uma representação de uma medicina restauradora que se vê em jogos, mas graças as grandes diferenças em seus efeitos, era meio patético simplesmente compara-la com uma simples poção de cura.

(Hajime): “Muito bem. Hora de comer”

Hajime pegou a carne de um recipiente (feito com a ‖Transmutação‖) em sua mochila. Usando a ‖Capa do Relâmpago‖, ele cozinhou a carne. O menu do dia incluía: Basilisco assado, Coruja assada (que atirava suas penas como uma espingarda) e um Gato de Seis Pernas assado. Sem tempero.

(Hajime): “Itadakimasuuuu[3]

Enquanto comia com sons de mordidas audíveis, dor começou a gradualmente percorrer seu corpo. Mais uma vez, seu corpo foi fortalecido. Isso significava que as Feras Mágicas daqui possuíam força equivalente ou maior do que a do Urso de Garra Curvada. A combinação do ambiente sombrio com a magia única definitivamente se provaria um problema. Mas os verdadeiros sentimentos de Hajime eram que, contanto que ele atirasse com [Donner], tudo seria esmagado.

Hajime continuou a comer enquanto ignorava a dor e bebia a [Água Sagrada]. A contínua dor que começou com sua dor fantasma tornou Hajime extremamente resistente a essa sensação.

(Hajime): “] Mordida [… fuuuuu. Estou cheio. Agora, meu Status…”

Enquanto dizia isso, Hajime pegou sua [Placa de Status]. O atual Status de Hajime era…

 

Nome:Nagumo Hajime17 anos de idadeHomem
Classe:SinergistaLevel:23 (6↑)
Força:450 (150↑)Vitalidade:550 (150↑)
Resistência:350 (50↑)Agilidade:550 (100↑)
Poder Mágico:500 (100↑)Resistência Mágica:500 (100↑)
Habilidades
‖Transmutação‖ [+ Avaliação de Mineral] [+ Transmutação Precisa] [+ Investigação de Mineral] [+ Separação de Mineral] [+ Fusão de Mineral] ‖Manipulação de Magia‖Estômago de Ferro‖Capa do Relâmpago‖Passo Divino‖ [+ Aerodinâmica] [+ Teletransporte] ‖Garra Aérea‖Visão Noturna ‖Detecção de Presença ‖Resistência a Petrificação ‖Compreensão da Linguagem

Houve um aumento substancial exatamente como ele esperava. Até o número de habilidade aumentou em três. Olhando ao redor com cuidado, ele conseguia enxergar os arredores de forma muito melhor do que antes. Parecia ser o efeito da ‖Visão Noturna‖.

Como as Feras Mágicas do abismo possuíam presenças muito fracas, era incrivelmente vantajoso ter a ‖Detecção de Presença‖.

Finalmente, a última habilidade. Infelizmente, a habilidade única do Basilisco era ‖Resistência‖ e não ‖Petrificação‖. “Olhos Malignos da Petrificação! Parecia tão legal…”, Hajime ficou um pouco desapontado.

Assim, Hajime começou a transmutar para repor os itens gastos. Criar uma única bala requeria uma imensa concentração. De qualquer maneira, era um produto extremamente preciso. O estriamento[4] gravado em [Donner] seria inútil se o tamanho da bala não encaixasse perfeitamente. A quantidade de explosivos comprimidos não permitia erros. Além disso, produzir uma única bala lhe tomava quase trinta minutos. Até mesmo ele considerava esse um belo trabalho e estava impressionado pela extraordinária força de vontade que ele demonstrou ao enfrentar a morte.

Apesar que consumir muito tempo, seu poder era indispensável e como ele também poderia aumentar muito sua proficiência com a ‖Transmutação‖, não havia nada para reclamar. Graças a suas habilidades, remover as impurezas dos minérios se tornou algo fácil e, por outro lado, até a fusão se tornou mais fácil. Na realidade, as habilidades da ‖Transmutação‖ de Hajime eram comparáveis aos melhores Sinergistas do |Reino|.

Hajime continuou a transmutar em silêncio. Além disso, ele só tinha descido um andar. Era impossível estimar o quão profundo era o abismo. Ele planejou continuar sua busca assim que acabasse de usar a ‖Transmutação‖ para voltar para casa, mesmo que fosse apenas um momento mais cedo. Não havia sentido se demorar. No solitário abismo, a pálida luz do [Cristal Divino] iluminava a expressão determinada de Hajime, que estava apenas começando sua jornada para conquistar o |Calabouço|.

Além de usar a ‖Transmutação‖ em sua base para repor seus itens algumas vezes, Hajime estava em constante movimento. Descansando um pouco durante suas investigações no vasto |Calabouço|, ele não fazia ideia de quanto tempo se passou. Com a ajuda da ‖Visão Noturna‖, ele não precisava mais se preocupar com a escuridão e com a ‖Detecção de Presença‖, ele era capaz de sentir qualquer Fera Mágica em um raio de dez metros. Hajime avançou em sua busca rapidamente.

Então, as escadas que o levavam para o andar debaixo finalmente foram descobertas, o que fez Hajime desce-las sem hesitação.

Neste andar, o chão estava completamente coberto por piche como se fosse um pântano grudento. Como isso prendia seus pés, era terrivelmente difícil para se mover. Hajime franziu o cenho enquanto ele usava as pedras protuberantes ou a ‖Aerodinâmica‖ como apoio para iniciar sua busca.

Enquanto usava a ‖Investigação de Mineral‖ para examinar os minérios nos arredores enquanto avançava, ele descobriu um minério interessante.

 

Minério das Chamas
Um minério preto brilhante. Ele se torna alcatroado[5] quando aquecido. Seu ponto de fusão[6] é 50º Celsius. Porém, sua forma alcatroada se incendeia a 100º Celsius, alcançando temperaturas acima de 3.000º Celsius. A duração da combustão depende da quantidade de alcatrão[7] presente.

(Hajime): “… sem chances…”

A expressão de Hajime congelou em um sorriso enquanto ele lentamente levantou suas pernas. Tendo pisado várias vezes na substância parecida com piche que cobria todo o andar. O pastoso líquido escorreu pelos sapatos de Hajime.

(Hajime): “Ar-armas de fogo estão fora…”

Considerando a temperatura de combustão de 100º C, era provável que ele não pegasse fogo tão facilmente. Se ele incendiasse, a reação em cadeia faria o andar inteiro ser engolido pela alta temperatura de 3.000º C. Nesse caso, ele não estava confiante de que poderia sobreviver mesmo com seu estoque de [Água Sagrada].

(Hajime): “Tanto o canhão elétrico e a ‖Capa do Relâmpago‖ não podem ser usados…”

[Donner] era uma arma poderosa. Mesmo sem a aceleração eletromagnética, apenas o poder explosivo da [Pedra de Combustão] era mais do que o suficiente. Contudo, isso só se aplicava a Feras Mágicas comuns. Por exemplo, contra os Soldados Esqueletos, a aceleração eletromagnética não seria necessária e até mesmo contra o Behemoth era esperado causar um dano decente, mas as Feras Mágicas do abismo eram anormais. As Feras Mágicas do andar de cima não pareciam estar no Level de um monstro normal. Além disso, as Feras Mágicas deste andar seriam derrotados pelo simples poder explosivo das balas?

Deixando de lado esse tipo de pensamento, os cantos da boca de Hajime se levantaram.

(Hajime): “Vamos lá. Isso não muda o que eu vou fazer. Matar e devorar”

Com o canhão elétrico e a ‖Capa do Relâmpago‖ desativados, Hajime recomeçou sua exploração.

Nesse instante… ] Gachin! [

(Hajime): “!?!?!?”

Com fileiras de incontáveis dentes afiados alinhados em uma boca enorme, uma Fera Mágica parecida com um tubarão pulou de dentro do piche. Mirando a cabeça de Hajime, suas mandíbulas se fecharam com um enorme som assim que seus dentes bateram um no outro. Apesar de Hajime ter conseguido desviar ao inclinar seu corpo, ele estremeceu.

[Hajime]: (“A ‖Detecção de Presença‖ não reagiu!”)

Bem, desde que ele obteve a ‖Detecção de Presença‖, ele manteve esta habilidade constantemente ativa. Ele deveria ser capaz de detectar qualquer criatura viva em um raio de dez metros sem falha. Apesar disso, ele não pôde sentir o Tubarão que acabou de ataca-lo.

Errando sua mordida em Hajime, o Tubarão mergulhou no piche com um ] plop [ e desapareceu mais uma vez.

[Hajime]: (“Merda! Como imaginei, não consigo sentir a presença dele!”)

Hajime rangeu seus dentes pela incompreensível situação. De qualquer forma, para evitar danos, Hajime passou a se mover com a ‖Aerodinâmica‖.

Como se estivesse esperando por esse momento, o Tubarão pulou mais uma vez.

(Hajime): “Não me subestime!”

Hajime deu um mortal no ar e atirou contra o Tubarão que estava passando por baixo de sua cabeça enquanto ele estava de ponta cabeça. A bala disparada por [Donner] tinha o objetivo de perfurar seu alvo e atingiu precisamente as costas do Tubarão com um excelente timing.

Contudo…

(Hajime): “Merda! Foi repelida!”

No momento que a bala atingiu o alvo, como se fosse ela fosse feita de borracha, a pele do Tubarão afundou e facilmente refletiu a bala. Parecia que a pele do Tubarão tinha a propriedade de ‖Mitigação[8] de Impacto Físico‖.

(Tubarão): “Grr!”

Pensando que era natural para ele mergulhar no piche depois de errar seu alvo, o Tubarão fez um movimento surpreendente. Aterrissando por um único instante, o Tubarão se virou e pulou em Hajime outra vez. De alguma forma Hajime conseguiu esquivar ao girar seu corpo, mas seu flanco foi levemente rasgado. O impacto fez Hajime cair no piche. Apesar de ter seu corpo todo pintado pelo negrume, ele se apressou para se levantar e pulou no ar mais uma vez. Logo após ele fazer isso, as mandíbulas do Tubarão se materializaram diretamente embaixo de onde Hajime saiu e com um audível ] Bakun! [ elas se fecharam de novo.

Suor frio começou a escorrer pelo corpo de Hajime que estava saltando no ar usando a ‖Aerodinâmica‖. No entanto, mesmo sendo cercado, seus lábios formaram seu habitual sorriso destemido.

(Hajime): “Pode vir!”

Com a ‖Aerodinâmica‖, Hajime pulou pelo ar, nunca parando no mesmo local enquanto esperava pelo momento para atacar. Demonstrando toda a sua concentração adquirida durante seus treinos com a ‖Transmutação‖, a paisagem a seu redor gradualmente desapareceu.

[Hajime]: (“… não é problema ser incapaz de detectar sua presença. Eu nem tinha essa habilidade antes. Mesmo que eu não possa sentir sua presença, ele definitivamente vai estar lá”)

Hajime estava tão focado em pensamentos enquanto pulava que ele acidentalmente perdeu o equilíbrio. O Tubarão não perdeu a oportunidade e instantaneamente pulou de um ponto cego nas suas costas.

(Hajime): “Salvo pela sua simplicidade!”

Hajime que supostamente perdeu o equilíbrio, imediatamente se endireitou e repeliu o ataque do Tubarão com um giro no meio do ar enquanto balançava [Donner] com sua mão direita.

No momento seguinte, o Tubarão estava esguichando sangue de um corte profundo em seu flanco enquanto caía no piche. O Tubarão se debateu em agonia.

Hajime deliberadamente fingiu perder seu equilíbrio para expor suas costas e entregar um momento, um lugar e uma oportunidade para incitar um ataque. Assim, envolvendo [Donner] com a magia única do Urso de Garra Curvada, a ‖Garra Aérea‖, ele o perfurou.

Hajime se aproximou do Tubarão que se debatia e balançou [Donner] para baixo em direção a cabeça do monstro. A ‖Garra Aérea‖ dividiu a cabeça do Tubarão. Mesmo ele não sendo capaz de formar três ‖Garras Aéreas‖ como o Urso de Garra Curvada, seu corte ultrapassava em muito o de espadas famosas. Era mesmo uma magia única confiável para combates a curta distância.

(Hajime): “Muito bem. Vamos confirmar o motivo para sua presença não ser detectada”

Hajime disse isso enquanto lambia seus lábios.

Depois disso, a carne do Tubarão foi removida e guardada antes de ele continuar sua exploração e, finalmente, a escadaria que levava para o próximo andar foi encontrada.


Nome:Nagumo Hajime17 anos de idadeHomem
Classe:SinergistaLevel:24 (1↑)
Força:450Vitalidade:550
Resistência:400 (50↑)Agilidade:550
Poder Mágico:500Resistência Mágica:500
Habilidades
‖Transmutação‖ [+ Avaliação de Mineral] [+ Transmutação Precisa] [+ Investigação de Mineral] [+ Separação de Mineral] [+ Fusão de Mineral] ‖Manipulação de Magia‖Estômago de Ferro‖Capa do Relâmpago‖Passo Divino‖ [+ Aerodinâmica] [+ Teletransporte] ‖Garra Aérea‖Visão Noturna‖Detecção de Presença‖Ocultar Presença ‖Resistência a Petrificação‖Compreensão da Linguagem

[1] Em algumas descrições, como em bestiários europeus e lendas clássicas, o basilisco é considerado uma serpente fantástica, cujo olhar e bafo teriam o poder de matar através da petrificação.

[2] Aproximadamente uma sala com 2,73 metros por 3,64 metros.

[3] Itadakimasu uma expressão muito conhecida que os japoneses utilizam antes das refeições. Ela serve para demonstrar gratidão pela comida. Ao pé da letra ela pode ser traduzida como: “receber“.

[4] Estriamento (em inglês: rifling) é o processo onde ranhuras em forma de hélice no cano de uma arma ou arma de fogo conferem uma rotação a um projétil em torno do seu eixo mais longo.

[5] Alcatroado significa untado ou revestido com alcatrão.

[6] O ponto de fusão designa a temperatura a qual uma substância passa do estado sólido ao estado líquido. Esta temperatura é a mesma quando a substância se solidifica, ou seja, passa do estado líquido para o estado sólido.

[7] O alcatrão é uma mistura de substâncias betuminosas (mistura líquida altamente inflamável), espessa, escura e de forte odor, que se obtém da destilação de certas matérias orgânicas, principalmente de carvão, ossos e de algumas madeiras resinosas.

[8] Mitigar é o ato de diminuir a intensidade de algo, fazer com que fique mais brando, calmo ou relaxado.