As circustâncias de Shia Haulia

Nota do Autor (Chuuni Suki)

Mesmo sendo tão súbito, a trama está em progresso.

Por mais diferente que tenha sido o desenvolvimento… não pude fazer nada.


(Shia): “Por favor, ajude a minha tribo!”

A voz da garota com orelhas de coelho, Shia Haulia, ecoou no cânion. Aparentemente, esta coelha não estava sozinha e seus companheiros também estavam com problemas parecidos. “Ela está bastante desesperada”, pensou Yue enquanto aumenta a força de seus chutes. Não havia sinais de ela soltar Hajime apesar das marcas de sapato em seu rosto.

Como ela estava tão desesperada, Hajime não pôde fazer nada… e decidiu usar a ‖Capa do Relâmpago‖.

(Shia): “ABABABABABABABABABABAABABABA!?”

Depois de ajustar a voltagem para uma dose não letal, ela provavelmente não seria capaz de se mover por um tempo. As orelhas de coelho de Shia ficaram de pé e seu cabelo soltou fumaça. Quando a ‖Capa do Relâmpago‖ parou, ela caiu no chão enquanto seu corpo tremia.

(Hajime): “Nossa, que coelha patética. Devemos ir, Yue?”

(Yue): “Nn…”

Como não havia mais nada para fazer, Hajime começou a colocar |Poder Mágico no veículo.

Porém…

(Shia): “Eu… eu não vou deixaaar”

Shia se levantou como se fosse um zumbi e se agarrou na perna de Hajime. Surpreso, Hajime imediatamente parou de usar seu |Poder Mágico na moto.

(Hajime): “Vo-você é como um zumbi. Mesmo tendo sido não letal… como você se levantou? Isso me assustou por um momento…”

(Yue): “… assustador”

(Shia): “Uuuuu. O que você disse!? Eu também tenho algo para dizer! Chutar e me eletrocutar foi cruel demais! Eu vou cobrar isso, sabia! Como desculpa, por favor, ajudem o meu clã”

Em sua ira, Shia transmitiu sua demanda com uma compostura inesperada. Apesar de Hajime pensar em arrastar ela do que jeito que ela estava, quando ele pensou que ela não soltaria tão cedo e imaginou uma garota com orelhas de coelho coberta de sangue agarrada nele… isso o deu arrepios.

(Hajime): “Droga, o que é que você quer? Por enquanto, eu vou escutar, então me solte. Eh. Não vá limpando seu rosto com o meu casaco!”

Quando ele disse que a escutaria, o rosto de Shia começou a brilhar com um sorriso e ela casualmente limpou seu rosto sujo com o casaco de Hajime. Que bons modos… irritado, Hajime acertou ela e Shia gritou Hagyun!” enquanto se agachava.

(Shia): “Eu-eu fui atingida de novo! Mesmo meu pai nunca tendo me batido! Olhe bem para a minha beleza e esta proporção… não pode ser que você prefira homens… então por que você recusa o meu poder de sedução? Ai, afunn!?”

Como ele escutou algumas declarações impróprias, com Shia ainda agachada, Hajime acertou a cabeça dela com o calcanhar. Algumas veias podiam ser vistas na testa dele.

(Hajime): “Quem você está chamando de gay? Coelha irritante. Agora que você mencionou, como você conhece esses termos? Yue e você, de onde diabos vocês aprenderam esse tipo de coisa? Bem, vamos deixar isso de lado por enquanto. Apesar de eu não saber de onde saiu essa piada sobre sedução, o motivo para eu recusar seu convite é porque eu tenho uma beldade de mais alto nível atrás de mim. Tente olhar para a forma digna de Yue e veja porque eu não entendi de onde você tirou a ideia de me seduzir”

Enquanto dizia isso, Hajime deu uma olhada em Yue. Ouvindo as palavras dele, Yue estava escondendo suas bochechas coradas com sua mão enquanto balançava seu corpo. O cabelo dela refletia a luz do Sol como se fosse uma estrela. Sua pele que era como a de uma boneca de porcelana estava agora vermelha e era capaz de encantar qualquer um sem exceções.

A aparência de Yue era diferente daquela do primeiro encontro deles. Vestindo um vestindo todo branco com uma mini saia preta decorada com um babado e um longo casaco com linhas azuis por cima. E também pequenas botas e meias que iam até o joelho. Todas essas peças foram feitas com as roupas de Oscar e os materiais das Feras Mágicas pela própria Yue. As roupas também tinham alta durabilidade para proteger a usuária.

Por outro lado, Hajime vestia roupas parecidas compostas de um casaco preto e vermelho com detalhes brancos e vermelhos. Elas também foram feitas por Yue. Primeiramente, Yue fez para ele roupas brancas para eles ficarem com aparências parecidas, mas é claro que isso era muito constrangedor por causa do cabelo branco de Hajime. Ficando completamente branco, ele se sentiu desconfortável com seu atual estilo.

Shia só podia hesitar com um “Uu” enquanto ela via a beleza de Yue. Mas havia algo que precisava ser corrigido por Hajime, porque a visão dele era subjetiva e ele não levou a proporção em consideração. Em poucas palavras, quando vista imparcialmente, Shia não perdia em termos de beleza.

Um longo e reto cabelo cinza tingido com tons azuis e olhos azuis-claros. Sobrancelhas e cílios brancos combinados com sua pele branca a davam um ar misterioso. Suas mãos e pés eram esguios e longos, as orelhas e cauda de coelho só aumentavam a graça dela. Quando vista, os amantes de fofuras certamente iriam derramar lágrimas de felicidade.

Acima de tudo isso… havia uma coisa que faltava em Yue. Dito isso, Shia tinha grandes peitos e eles eram enfatizados por suas roupas curtas; eram verdadeiras armas que não podiam ser detidas. Eles balançavam violentamente com qualquer movimento dela. Só para confirmar, violentamente, não eram apenas saltos.

Resumindo, a confiança dela em sua figura e estilo não era estranha. Poderíamos dizer que Hajime é que era o estranho. Se fosse antigamente, ele com certeza estaria gritando “Orelhas de coelho!!” e agarraria ela…

Ainda assim, o orgulho de Shia foi ferido. E a palavra proibida foi dita…

(Shia): “Ma-mas… no caso do peito, a vitória é minha! Você não vê que essa garota é uma tábua!”

(Yue): “Tábua…”

(Hajime): “Tábua…”

(Shia): “Pettanko[1]

O grito dela ecoou pelo vale. Yue que estava tremendo pela vergonha subitamente saiu da moto com sua expressão escondida por sua franja.

Hajime só podia murmurar “Aaaaa” enquanto olhava para o céu e silenciosamente começava a rezar. Garota com orelhas de coelho, descanse em paz…

Nesse momento, era possível ver em Yue, um abismo ainda mais profundo do que o |Grande Cânion Raisen|.

A voz parecida com sussurro de Yue podia ser ouvida pelas orelhas de coelho trêmulas de Shia.

(Yue): “… você já terminou suas preces?

… como se se desculpar pudesse resolver isso…

… só morra! Só morra!

‖Imperador da Tempestade‖

(Shia): “AAAAAA!!”

De repente, um tornado apareceu e engoliu Shia, a jogando em direção ao céu. Os gritos dela ecoaram pelo cânion. Depois de dez segundo, ] Gusha [! Ela caiu na frente de Hajime e Yue.

As convulsões dela eram completamente ridículas. A imagem dela era a mesma de um fracasso em forma de criança. Apenas vestindo roupas rasgadas, essa cena não poderia ser descrita como nada além de patética. As coisas que não deveriam ser vistas estavam visíveis devido a sua figura de ponta cabeça. Algo como isto poderia despertar centenas de anos de amor.

A expressão de Yue parecia dizer “Trabalho bem feito!” enquanto ela limpava o suor e caminhava até Hajime. Com ele sentado na moto, ela calmamente encarou ele.

(Yue): “… você prefere eles grandes?”

Era realmente uma pergunta complicada. Se Hajime dissesse “Sim!”, ele sofreria o mesmo destino daquela infeliz coelha que ainda estava convulsionando. Isso deveria ser evitado.

(Hajime): “… Yue, não se trata do tamanho. Quem é o seu parceiro é o mais importante”

(Yue): “…”

Por enquanto, ao invés de responder “Sim” ou “Não”, Hajime deu uma resposta vaga. Realmente hesitante. Yue semicerrou seus olhos em consentimento enquanto se sentava silenciosamente atrás dele.

Em segredo, Hajime, suando frio, tentou encontrar outro assunto para quebrar o silêncio, mas nada veio a sua mente.

Contudo, imediatamente após seus olhos encararem Shia tentando libertar sua cabeça com as duas mãos enquanto seu corpo tremia, em sua mente, ele tentou transformar isso em uma nova conversa.

(Hajime): “Ela está se movendo… é mesmo um zumbi. O nível de resistência dela é mesmo acima do normal…”

(Yue): “… nn”

Depois de um longo silêncio, Yue respondeu e isso o deixou mais tranquilo. Ao mesmo tempo, um som de ] Zubo [ surgiu quando Shia puxou sua cabeça coberta de lama para fora.

(Shia): “Uuuuu. Sendo vista por olhos tão cruéis. Eu não queria mesmo ser vista assim”

Com olhos cheios de lágrimas, Shia esfregou suas roupas rasgadas e murmurou alguma coisa enquanto se arrastava para mais perto de Hajime. Era mesmo como um filme de terror.

(Hajime): “Haaaaa. Quão alta é a sua resistência? Isso não é normal, sabia? O que é você?”

Com a suspeita de Hajime, Shia se sentou e finalmente contou o problema dela. Ela ficou com uma expressão séria enquanto se sentava na frente de Hajime e Yue que estavam no veículo. Bom, já era tarde demais para muitas coisas, porém…

(Shia): “Deixem eu me apresentar de novo. Eu sou Shia Haulia da tribo dos Homens-Coelhos, Haulia. A verdade é…”

Finalmente, Shia começou a resumir sua história.

Shia e sua tribo, as centenas de Homens-Coelhos Haulia, costumavam viver em paz no |Mar de Árvores Hartzena|. A tribo dos Homens-Coelhos tinha excelente audição e eram ótimos na Furtividade, mas seus atributos eram baixos quando comparados com outros Demi-Humanos porque eles tinham um rank menor que o dos outros Demi-Humanos. Eles eram gentis e não gostavam de lutar e tratavam a tribo inteira como se fossem uma grande família. Além disso, eles tinham ótimas figuras em geral, diferente da beleza dos Elfos. Como eles eram fofos, eles eram capturados pelo |Império Hoelscher| para virarem escravos e se tornavam produtos populares.

Um dia, na tribo Haulia, uma das tribos dos Homens-Coelhos, uma garota nasceu com uma anormalidade. Mesmo entre os Homens-Coelhos que normalmente tinham cabelos azuis-escuros, essa criança tinha cabelos cinza com tons azuis. Além disso, ela possuía magia que os Demi-Humanos não tinham: ela podia manipular magia diretamente. Ela era capaz de usar essa certa magia peculiar.

É claro que a tribo ficou muito confusa. Uma criança que não deveria ter nascido na tribo dos Homens-Coelhos, não, que não deveria ter nascido entre os Demi-Humanos. Ela tinha um poder parecido com a das Feras Mágicas. Normalmente, isso a faria ser discriminada. Contudo, ela nasceu em uma tribo de Homens-Coelhos que tinha uma profunda conexão entre cada um de seus integrantes como uma família de centenas. A tribo Haulia decidiu criar a garota.

Entretanto, se a existência dela fosse descoberta pelo país dos Demi-Humanos, |Faea Belgaen|, ela seria com certeza executada. Isso mostrava o quanto eles desprezavam as Feras Mágicas. Como regra deste país, assim que uma Fera Mágica fosse encontrada, ela deveria ser executada. Havia um registro de uma pessoa que foi expulsa do país por deixar uma Fera Mágica fugir. Além disso, havia a discriminação contra a tribo. Para uma tribo que podia usar magia, eles seriam perseguidos tanto pelos humanos quanto pelos Demi-Humanos. As outras raças que usavam magia já tinham entrado no |Mar de Árvores|, mas matar essas raças já era algo comum.

Além disso, a tribo Haulia escondeu a garota e a criou em segredo por 16 anos. No entanto, a existência dela foi descoberta. Por isso, a tribo Haulia fugiu para o |Mar de Árvores| antes de ser capturada em |Faea Belgaen|.

Houve outros que decidiram ir para a área das montanhas ao Norte devido aos produtos da região. Mesmo sendo um lugar primitivo, era melhor do que ser capturado pelo |Império| ou por um mercador de escravos.

Contudo, a tentativa deles foi esmagada pelo |Império|. Mesmo eles chegando no |Mar de Árvores|, eles foram imediatamente encontrados pelos soldados imperiais. Não se sabia o que os soldados estavam fazendo ali, mas encontrando um esquadrão, a tribo Haulia não teve escolha além de fugir para o Sul.

Mesmo com os homens tentando obstruir o caminho para permitir que as mulheres e crianças fugissem, havia muita diferença entre o potencial de soldados treinados que podiam usar magia e os gentis e pacíficos Homens-Coelho. Quando eles notaram, metade já tinha sido capturada.

Eles continuaram desesperadamente fugindo para evitar a aniquilação e chegaram no |Grande Cânion Raisen| como último recurso. De fato, o exército imperial não iria para um lugar onde a magia não podia ser usada. Até que tudo terminasse, a tribo iria esperar nesse local. A tribo apostou entre os ataques das Feras Mágicas e a retirada dos soldados do |Império|.

Mas os soldados do |Império| não se retiraram. Eles decidiram esperar na entrada do cânion onde o pelotão se posicionou. Eles esperavam pela tribo dos Homens-Coelho que teriam que fugir por esse caminho quando fosse atacada pelas Feras Mágicas.

E foi isso o que aconteceu. As Feras Mágicas atacaram eles. Depois do que aconteceu, eles não podiam se render ao |Império|. Entre escapar do cânion ou fugir das Feras Mágicas, a única opção da tribo Haulia era entrar no cânion para tentar escapar. Foi por isso que eles continuaram seguindo nas profundezas do despenhadeiro…

(Shia): “… quando nós chegamos, de 60 pessoas, apenas 40 sobravam. Eles vão ser aniquilados se isto continuar. Alguém tem que nos ajudar!”

Desde o começo, Shia tentou apelar com arrependimento e ressentimento em seu rosto. Aparentemente, Shia era o mesmo que Yue e Hajime, uma exceção neste mundo. Particularmente, ela era o mesmo que Yue quanto ao atavismo[2].

Depois de terminarem de escutar a história dela, Hajime respondeu com honestidade sem mudar sua expressão.

(Hajime): “Eu me recuso”


[1] Pettanko é um termo em japonês para se referir a uma mulher com peitos pequenos e que é insegura ou obcecada com esse assunto.

[2] Atavismo é um termo que se refere a reaparição de um descendente de alguma espécie que apresenta características que permaneceram latentes por várias gerações.