Na |Cidade Brook| (Parte 1)

Eles podiam ver uma cidade a distância. Era uma cidade pequena cercada por um fosso e cercas. Havia um portão de frente para a estrada com uma cabana a seu lado. Deveria ser o posto dos guardas. Mesmo sendo uma cidade pequena, havia uma organização de segurança. Graças a isso, Hajime pensou que eles seriam capazes de fazer compras com facilidade e relaxou seu rosto.

(Shia): “… se você está de bom-humor, você não pode tirar esse colar logo?”

Shia, com uma expressão desapontada, pediu a Hajime que estava sorrindo enquanto olhava para a cidade. Fixado no pescoço de Shia havia um colar preto cravado com um pequeno cristal discreto. Era algo resistente que Hajime usou como punição para os deslizes verbais de Shia. Devido a algumas razões, ela não poderia tirar o colar, por isso Shia pediu a Hajime que o removesse apenas para ver suas palavras passarem pelos ouvidos de Hajime.

Lentamente, Hajime e seu grupo podiam claramente ver a cidade, então ele colocou o [Veículo Mágico de Duas Rodas] na [Caixa do Tesouro] e começou a seguir a pé. Ele fez isso para não causar uma comoção ao chegar na cidade em uma moto completamente negra.

Pelo caminho, Shia continuou reclamando. Como esperado, as reclamações apenas passavam pelos ouvidos de Hajime e eles finalmente chegaram no portão da cidade. Como ele tinha pensado, a cabana ao lado do portão era um posto de guarda, com um homem armado saindo de dentro dela. Ele estava equipado com uma armadura de couro e uma espada longa em sua cintura. Ao invés de um soldado, ele parecia mais como um aventureiro. Esse homem que parecia ser um aventureiro fez Hajime e seu grupo pararem.

(Guarda): “Por favor, parem. Me mostrem suas [Placas de Status]. Aliás, quais são seus objetivos vindo para esta cidade?”

Poderia ser algo parecido como uma regulação, porque enquanto ele falava com eles, ele parecia desmotivado. Hajime puxou sua [Placa de Status] enquanto respondia à pergunta do guarda.

(Hajime): “Nosso objetivo principal é obtermos suprimentos. Eles serão usados na nossa jornada”

Uma voz indiferente, “Huuuum”, pôde ser ouvida do guarda enquanto ele checava a [Placa de Status] de Hajime. Depois disso, ele piscou seus olhos, segurou a placa um pouco mais longe e então esfregou os olhos. Vendo o guarda agindo dessa maneira, Hajime suou frio e pensou: “Ah, isto é ruim, eu esqueci de esconder aquilo”.

Dentro da [Placa de Status], havia uma função para esconder os valores números e a coluna de habilidades. Para Aventureiros e Mercenários, a revelação de habilidades de combate se provaria fatal. Hajime imediatamente tentou enganar o guarda contando uma mentira.

(Hajime): “Há pouco tempo, eu fui atacado por Feras Mágicas. Parece que ela quebrou nesse momento”

(Guarda): “El-ela quebrou? Isso foi, bom…”

O guarda estava perplexo. Não era de se estranhar. Afinal, a [Placa de Status] de Hajime não mostrava seu Level, e os valores numéricos no Status, assim como sua coluna de habilidades, estavam completamente fora do padrão. Mesmo que ele tenha ouvido algumas vezes sobre pessoas que perderam suas [Placas de Status], para isso estar quebrado (no sentido de estar com defeito), isso era algo que ele nunca tinha escutado antes. Normalmente, ele iria apenas rir disso, mas algo inacreditável estava sendo exibido, então ele não sabia como reagir a isso.

Para piorar essa situação, Hajime encolheu seus ombros como se fosse alguém completamente incomodado com isso.

(Hajime): “Se ela não está quebrada, o que está sendo exibido não seria estranho demais? É como se eu fosse um monstro. Sr. Guarda, eu pareço um monstro que poderia destruir uma cidade apenas com um dedo?”

Para Hajime, que fez uma piada enquanto abria suas duas mãos, o guarda apenas mostrou um sorriso sem graça. Se o que a [Placa de Status] mostrasse estivesse correto, então ele seria um monstro que facilmente superaria até mesmo os Reis Demônios e Heróis. Mesmo sem ouvir essa explicação, ele já tinha considerado que a placa estava quebrada.

Se ele soubesse que Hajime era na verdade um monstro, com toda certeza, este guarda iria desmaiar. Hajime, que descaradamente disse essa mentira, olhou para Shia e Yue, que estavam com expressões de espanto.

(Guarda): “Haha, bem, é claro que isso não é possível. Mesmo que eu nunca tenha escutado sobre um defeito na exibição, bom, há sempre uma primeira vez para tudo… e essas duas…”

Virando seus olhos para Yue e Shia, o guarda pediu para ver as [Placas de Status] delas. Apenas para ficar atordoado. Com o rosto completamente vermelho, ele olhou alternadamente de Yue para Shia com um olhar vazio. Mesmo que já tenha sido dito, Yue era uma linda garota com a aparência de uma boneca de porcelana. Shia, quando calada, também era uma linda garota que passava uma sensação misteriosa. Em outras palavras, o guarda estava realmente encantado com elas.

Hajime limpou a garganta de forma forçada e o guarda se virou em pânico para Hajime.

(Hajime): “Quando fomos atacados pelas Feras Mágicas, esta garota perdeu sua placa. Quanto a esta Mulher-Coelho… você entende, não é?”

Talvez por ter aceitado isso, o guarda acenou em consentimento e então devolveu a [Placa de Status] de Hajime.

(Guarda): “Mesmo assim, como foi que você colocou as mãos em tal beldade. Homens-Coelhos com cabelos prateados não são raros? Você é na verdade um ricaço?”

O guarda perguntou a Hajime com inveja e ciúmes misturados em sua voz, enquanto continuamente espiava as duas. Hajime apenas encolheu os ombros sem dar nenhuma resposta.

(Guarda): “Bom, tanto faz. Vocês podem passar”

(Hajime): “Aa, obrigado. Oops, espere um segundo. Onde posso vender matérias-primas?”

(Guarda): “Ang? Se for isso, há a Guilda de Aventureiros se você seguir pela estrada central. Se você quer pessoalmente levar os itens para uma loja, pergunte na Guilda. Eles vão te dar um mapa simples desta cidade”

(Hajime): “Ooh, você foi bem gentil conosco. Obrigado”

Depois de receber a informação do guarda, Hajime e seu grupo passaram pelo portão e entraram na cidade. Pelo portão, parecia que o nome desta cidade era |Brook|. Dentro da cidade havia uma atmosfera animada. Mesmo que não estivesse no nível da cidade |Holward|, que ficava próxima do |Calabouço Orcus|, havia muitas barracas além de vozes anunciando suas mercadorias e sons de pessoas pechinchando.

Com tanta animação, esse ambiente poderia melhorar o ânimo de qualquer um. Não apenas Hajime, mas os olhos de Yue pareciam felizes. Contudo, já há algum tempo, Shia estava tremendo e encarando Hajime com olhos marejados.

Sem dizer nada, ela apenas encarava ele com os olhos vermelhos. Como isso deixou ele irritado, Hajime suspirou. “Para interromper meu clima feliz”, foi isso o que Hajime pensou enquanto encarava Shia.

(Hajime): “O que foi? Finalmente entramos na cidade e você está com uma cara igual a de uma Fera Mágica parecida com um gorila que está tentando desesperadamente bloquear um pedregulho que está caindo do céu”

(Shia): “Quem é um gorila! Ou melhor, como você sabe sobre esse tipo de forma derrotada!? Se fosse Hajime-san, você só iria explodi-la em um movimento! É lamentável imaginar isso!”

(Yue): “… isso é algo como ficar te cutucando enquanto chora”

(Shia): “É uma sequência de ataques!? Isso é cruel demais! Uh, que injusto!”

Shia estava respondendo eles com raiva. Ela tentou apelar, “Eu estou infeliz!”, com todo o seu corpo enquanto agitava seus braços. A propósito, o episódio com a Fera Mágica parecida com um gorila é uma história da vez em que Hajime estava polindo seu método de compressão. De forma alguma ele deixou de se divertir com o bullying. Yue estava alegremente cutucando Shia nesse experimento. Aliás, esta Fera Mágica era a que possuía a magia especial ‖Grande Braço‖.

(Shia): “É por causa disto! Este colar! Por culpa disto eu estou sendo confundida com uma escrava! Hajime-san, se você entendeu, então remova ele! Uu, é crueeeel, nós não somo companheiroooos?”

Parecia que esse era o motivo para Shia estar furiosa. Mesmo eles sendo companheiros de viagem, ela estava chocada ao receber o mesmo tratamento de um escravo. Naturalmente, o colar que Hajime colocou nela não era um [Colar de Escravo] e ele não tinha o poder de restringir Shia. Mas, independentemente do que fosse dito, um choque é um choque.

Vendo Shia assim, Hajime coçou a cabeça e então olhou para ela.

(Hajime): “Sabe, uma não-escrava Demi-Humana, além disso, uma popular com grande demanda da raça dos Homens-Coelho, não seria capaz de caminhar livremente dentro de uma cidade, não é? Além do mais, uma com cabelos cinzentos como você iria atrair atenção, ainda mais com sua figura e estilo excepcionais. Se você não declarasse que era a escrava de alguém, você instantaneamente se tornaria um alvo assim que entrasse na cidade. Depois disso, haveria uma tempestade de sequestradores aparecendo. Seria trabalhoso… por que você ficou assim?”

Enquanto explicava a situação, Hajime subitamente encarou Shia, que estava envergonhada com as bochechas vermelhas enquanto ouvia ele. Yue também deu um olhar frio para Shia.

(Shia): “Mo-mou, Hajime-san. Para começar a dizer algo assim na frente de todos. Dizer que eu tenho uma figura e estilo excepcionais, a mais fofa e encantadora de todas no mundo, mou! Isso foi constrange… bugera!?”

A mão direita de Yue seguiu seu caminho até a bochecha de Shia que estava distraída no momento. Com a mente repleta de amor, Shia soltou um grito e caiu. Sem usar fortalecimento corporal, ela se levantou enquanto esfregava sua bochecha que estava vermelha de uma forma diferente da de antes.

(Yue): “… não se empolgue”

(Shia): “… eu sintu muto, Yue-zan”

Ouvindo as palavras frias de Yue, o corpo de Shia tremeu. Enquanto ficava impressionado com a aparência das duas, Hajime continuou sua explicação.

(Hajime): “Aaaa, eu vou terminar minha explicação. Dentro do território humano, eu estou te protegendo ao dizer que você é minha escrava. Se eu não fizesse isso, teríamos muitos problemas e isso tudo seria culpa sua”

(Shia): “É que… apesar de entender isso…”

Ela entendia o motivo e o mérito. Mas Shia estava com uma expressão infeliz, ela sentia dificuldade em aceitar isso. Como ela tinha um forte desejo de ser chamada de companheira por eles, ela era incapaz de simplesmente aceitar isso. Desta vez, foi Yue quem falou com Shia.

(Yue): “… não se importe com o que as moscas pensam de você”

(Shia): “Yue-san?”

(Yue): “… a coisa mais importante é que aqueles importantes para você te entendam… não é?”

(Shia): “… te-tem razão. É verdade”

(Yue): “… nn, mesmo eu estando relutante… Shia é alguém que eu reconheço como uma companheira… não ligue para as pequenas coisas”

(Shia): “… Yue-san… ehehe. Muito obrigado mesmo”

Ela era uma Princesa Vampira que usou seu poder e escutou seu povo. Apesar de ela ter sido traída, ela descobriu uma nova resposta de que mesmo pequenas palavras eram capazes de carregar um enorme peso. Era por isso que suas palavras foram capazes de quebrar a pedra dentro do coração de Shia. Todos os membros da tribo Haulia, até mesmo Hajime e Yue, entendiam que Shia se tornou importante para esses dois. Era desnecessário passar pelo problema de fazer mil pessoas entenderem isso. É claro que, mesmo se eles pudessem fazer isso, não faria sentido pensar nisso…

Ouvindo as palavras de Yue, Shia sorriu com timidez enquanto dava uma espiada em Hajime. Ela estava esperando que ele dissesse alguma coisa.

Hajime, que sentiu que não teria outra escolha, relutantemente começou a dizer algumas palavras.

(Hajime): “Bem, eu não vou abandonar você se você for atacada porque eles descobriram que você não é minha escrava”

(Shia): “Mesmo que isso signifique que a cidade inteira se torne sua inimiga?”

(Hajime): “Você já se esqueceu do que eu fiz com os soldados do |Império|?”

(Shia): “Então, você vai fazer isso mesmo que o inimigo seja um país!? Fufu!”

(Hajime): “O que você disse? Não importa mesmo que seja este mundo ou os Deuses, isso não mudará nada. Se é um inimigo, não importa quem seja, eu vou lutar”

(Shia): “Kufufu, você escutou isso? Yue-san. Você escutou o que Hajime-san acabou de dizer? Nós somos importantes para ele, não somos?”

(Yue): “… a única pessoa importante de Hajime sou eu”

(Shia): “Waaaa, por favor, leia o clima! Desta vez, você deveria apenas dizer o mesmo de sempre ‘… nn’!”

Shia estava feliz e gostando disso, apesar de suas queixas. Ouvindo isso, quando o momento chegasse, ele iria lutar contra o mundo. Como esperado, isso era algo que faria uma mulher feliz. Especialmente se a outra pessoa era alguém por quem você estava apaixonada.

Hajime, que apertou seus olhos, olhou para as duas brincando uma com a outra (ou pelo menos era o que parecia para ele), começou a explicar sobre o colar de Shia.

(Hajime): “Mais uma coisa, como esse colar incorpora o [Minério da Telepatia] e um minério especial, use ele se você estiver em um momento de necessidade. Ele é capaz de ser usado ao colocar magia diretamente nele”

(Shia):[Minério da Telepatia] e um minério especial?”

[Minério da Telepatia] era um mineral capaz de transferir os pensamentos. Esse era um minério criado com a ‖Magia da Criação‖ que permitia ao usuário usar a habilidade ‖Telepatia‖[1], a quantidade de magia usada era proporcional à distância. Acima de tudo, atualmente, nesta era, não havia nada como telefones, então todos que possuíssem o mesmo minério dentro de uma certa distância seriam capazes de ter uma conversa secreta.

O minério especial foi criado usando a ‖Magia da Criação‖ para dar ao usuário as habilidades ‖Detecção de Presença‖ e ‖Detecção Específica‖. Quando a ‖Detecção Específica‖ era usada, era possível detectar apenas uma presença específica entre uma multidão e identificar uma presença entre muitas. Quando era usada, essa habilidade teria o papel de um sinalizador ao colocar magia no minério. A força do sinal seria proporcional a quantidade de magia usada.

Ouvindo a explicação de Hajime, Shia fez um elogio.

(Hajime): “A propósito, esse colar pode ser removido ao usar uma certa quantidade de magia, sabia?”

(Shia): “Entendiiii, em outras palavras… é porque você queria sempre escutar minha voz e saber do meu paradeiro. É isso o que Hajime-san está sentindo? Mou, você gosta tanto assim de mim? Como imaginei, isso é um pouco demais… ou melhor, ah, não é como se eu odiasse is… bbaberun!?”

(Yue): “… não se empolgue”

(Shia): “] Soluça [, eu sintu muto”

Com uma bela curva, o chute de Yue foi voando até a parte detrás da cabeça de Shia, que caiu depois de dar um grito estranho. Uma voz fria pôde ser ouvida de Yue. Mesmo que ela fosse fraca em combate a curta distância… Yue deu um esplêndido chute alto, assim, Shia de desculpou com os olhos cheios de lágrimas. Mesmo que ela fosse reconhecida como uma companheira de jornada, parecia que Yue não perdoaria se Shia tentasse se aproximar de Hajime. Acima disso, era questionável chamar o comportamento e discurso de Shia de aproximação.

Com tal clima alegre (?), eles continuaram a caminhar pela estrada principal até que eles encontraram um letreiro com uma enorme espada desenhada nele. Era o mesmo letreiro que ele viu na Guilda de Aventureiros da cidade |Holward|, apesar do tamanho ser duas vezes menor do que o da outra cidade.

Depois de confirmar o letreiro, Hajime entrou ao abrir a porta com serenidade.


[1] Telepatia é definida na parapsicologia como a habilidade de adquirir informação acerca dos pensamentos, sentimentos ou atividades de outro ser consciente, sem o uso de ferramentas tais como a linguagem verbal, corporal, de sinais ou a escrita.