Na |Cidade Brook| (Parte 2)

Como Guildas têm a imagem de ser um lugar onde pessoas brutas se reuniam, Hajime pensou que esse seria um lugar sujo, mas na verdade era inesperadamente limpo. Havia um balcão na frente da entrada e um restaurante a esquerda. Havia algumas pessoas que pareciam ser Aventureiros, comendo e conversando. Julgando pela forma que ninguém pedia saquê, era possível que eles não servissem bebidas no local. Para aqueles que quisessem beber, eles teriam que ir para um bar.

Quando Hajime e seu grupo entraram na Guilda, naturalmente, os Aventureiros concentraram seus olhares neles. No início, como eram apenas três pessoas desconhecidas, eles não prestaram muita atenção, mas quando os olhares chegaram até Yue e Shia, a curiosidade nesses olhos aumentou. Houve aqueles que ergueram suas vozes pela admiração. Houve aqueles que encararam elas em espanto exatamente como o guarda e então houve aqueles que foram golpeados por suas namoradas. Era muito característico para Aventureiros não serem impedidos apenas com um tapa.

Era um cenário favorável, apesar de algumas pessoas tentarem incomoda-los, parecia que eles seguiriam a lógica, se seguraram e apenas observaram. Como não havia motivos para continuar de pé na entrada, Hajime seguiu para o balcão.

No balcão estava uma charmosa… e sorridente tia. Sua constituição era boa. Sua largura era o dobro da de Yue. Aparentemente, uma linda mulher como recepcionista era apenas uma fantasia. Era como as empregadas reais e profissionais da Terra que eram em sua maioria tias. Não importava em que mundo você estivesse, a dura realidade era a mesma. A propósito, Hajime era apenas normal, ele não esperava ver uma bela mulher como recepcionista. Se ele disse que não, então ele não esperava. Era por isso que Hajime queria que Yue e Shia parassem com os olhares glaciais. Já há algum tempo, esses olhares estavam perfurando ele.

Talvez por ela saber o que estava passando na mente de Hajime e seu grupo, a tia continuou usando seu charme.

(Recepcionista): “Mesmo você tendo uma flor em cada mão, isso ainda é insuficiente? É uma pena que eu não seja uma linda recepcionista!”

… a tia provavelmente não usou uma magia especial para ler mente. Hajime, com o rosto se contorcendo, foi capaz de dar uma resposta.

(Hajime): “Não, eu nunca pensei nisso”

(Recepcionista): “Ahahahaha, você está subestimando a intuição de uma mulher? Eu simplesmente sou capaz de entender a simplicidade de um homem. Não tente desviar seus olhos tanto assim, isso vai reduzir sua credibilidade, sabia?”

(Hajime): “… eu estou realmente impressionado”

A resposta de Hajime foi “Minha nossa, nessa idade e repentinamente recebendo um sermão, como é nosso primeiro encontro, você pode me perdoar?”. Uma desculpa, que não era realmente uma desculpa, para a tia, afinal, não era como se ele odiasse ela. Os Aventureiros que estava comendo, deram uma olhada em Hajime enquanto diziam “Ahhhh, ele também foi repreendido pela tiaaaa”. Parecia que os Aventureiros se comportavam por causa desta mulher.

(Recepcionista): “Muito bem, mais uma vez, bem-vindo a Guilda de Aventureiros, filial de |Brook|. Quais são os seus negócios?”

(Hajime): “Aa, eu quero saber onde posso vender matérias-primas”

(Recepcionista): “Vender matérias-primas. Então, você pode me mostrar sua [Placa de Status] primeiro?”

(Hajime): “Nn? É necessário mostrar sua [Placa de Status] ao comprar algo?”

Para a pergunta de Hajime, a tia estava mostrando um tipo de expressão que mostrava incerteza.

(Recepcionista): “Você não é um Aventureiro? Certamente, a [Placa de Status] não é necessária para comprar algo, mas se você for confirmado como um Aventureiro, haverá um aumento de 10% no preço dos itens que você vender”

(Hajime): “Entendo”

Como a tia disse, havia vários privilégios ao ser um Aventureiro. Era devido aos Aventureiros serem aqueles que coletavam matérias-primas como [Pedras Mágicas] e medicamentos de cura que eram necessidades cotidianas. Aliás, não era possível saber quando a cidade seria atacada por Feras Mágicas, assim, nenhum amador tentaria coletar matérias-primas. Era natural dar privilégios correspondentes aos perigos.

(Recepcionista): “Há outros benefícios, tais como 10 a 20% de desconto em estalagens e lojas associadas a Guilda e é possível usar carruagens de graça se você tiver um rank elevado. O que você vai fazer? Você quer se registar? A taxa é mil Ruta”

Ruta era a moeda usada no continente Norte deste mundo, |Tortus|. O [Minério Zagaruta] era um minério especial usado para fazer esta moeda. A diferença nas cores era feita ao se misturar diferentes minerais usando um método especial junto do selo gravado. Azul, vermelho, amarelo, roxo, verde, branco, preto, prata e ouro eram as cores. Os respectivos valores eram 1, 5, 10, 50, 100, 500, 1.000, 5.000 e 10.000 Ruta. Surpreendentemente, os valores eram os mesmo do Japão.

(Hajime): “Uuuun, entendi. Mesmo que você tenha me explicado com tanto esforço, eu não posso me registrar agora. Eu sinto muito, eu não tenho nenhum dinheiro. É possível vender isso primeiro? É claro que o valor original está bom para mim”

(Recepcionista): “Não diga isso na frente dessas duas fofuras. Eu vou ajudar, não é como se fosse um inconveniente para mim, sabia?”

A tia era muito legal. Hajime decidiu aceitar a bondade dela e mostrou sua [Placa de Status].

Ele teve certeza de esconder as informações desta vez, mostrando apenas seu nome, idade, sexo e classe. Apesar da tia também ter pedido as de Yue e Shia, ela foi cortada. Essas duas nem ao menos tinham placas para começo de conversa, mas seria possível pedir para faze-las. Contudo, os valores numéricos de seus Status e suas habilidades seriam vistas pela tia.

Mesmo Hajime querendo ver os Status delas, ele pensou que suas magias especiais seriam descritas na coluna das habilidades. Se essas três existências fossem divulgadas, isso só causaria problemas, então eles decidiram deixar isso para o futuro.

Novas informações estavam escritas na [Placa de Status] que foi devolvida. Havia uma coluna de ocupação ao lado da coluna da classe, que estava preenchida com a palavra “Aventureiro” ao lado de uma marca azul.

Esta marca azul era o rank de Aventureiro. Ela continuava com vermelho, amarelo, roxo, verde, branco, preto, prata e ouro… você deve ter percebido. Isso mesmo, os ranks de Aventureiros eram os mesmos das moedas. Em outras palavras, Aventureiros rank Azul tinham “O valor de apenas 1 Ruta” ou algo do tipo. Era doloroso. Certamente, o Mestra da Guilda que pensou neste sistema era uma pessoa perversa.

Aliás, o limite para alguém com uma classe não-combatente era o rank Preto. Parecia que como o rank Preto mal chegava a quatro dígitos, você seria aplaudido por chegar tão longe. Alguém que atingisse o rank Ouro seria um objeto de admiração. Você deve ter entendido como as cores funcionavam para os Aventureiros.

(Recepcionista): “Se você é um homem, então trabalhe duro para chegar ao Preto, entendeu? Não mostre seu lado entediante para essas garotas”

(Hajime): “Aa, eu vou fazer isso. Então, está tudo bem vende-los agora?”

(Recepcionista): “Sem problemas. Eu tenho as qualificações para avaliações, então me mostre tudo”

Parecia que a tia não era apenas uma recepcionista, mas também uma avaliadora de itens vendidos. Ela era uma excelente tia. Hajime já tinha tirado as matérias-primas de sua [Caixa do Tesouro] e as colocou em uma bolsa de antemão. Esses itens eram os pelos, garras, presas e [Pedras Mágicas] de Feras Mágicas. Quando o conteúdo foi posto no balcão e as matérias-primas foram vistas, a tia mostrou uma expressão de espanto.

(Recepcionista): “Es-esses são…”

Ela timidamente pegou os itens e então os apurou um a um. Depois de prender a respiração pelo nervosismo, a tia finalmente levantou a cabeça. Assim, ela suspirou e olhou para Hajime.

(Recepcionista): “Você trouxe algo inesperado. Esses não são… das Feras Mágicas do |Mar de Árvores|?”

(Hajime): “Aa, isso mesmo”

Hajime também queria seguir o padrão aqui, foi por isso que ele não pegou as matérias-primas das Feras Mágicas do Abismo nesse local. Se materiais desconhecidos fossem exibidos, isso iria causar uma grande comoção na mesma hora. Mesmo que ele estivesse hesitando porque as matérias-primas das Feras Mágicas do |Mar de Árvores| não eram comuns para essa cidade, ele não tinha nenhum outro material, então ele decidiu vender isso. Vendo a reação da tia, ele entendeu que fez algo incomum afinal.

Se ele mostrasse os materiais do Abismo, provavelmente, o Mestre da Guilda apareceria! Súbito aumento de rank! Os olhos da recepcionista se tornariam corações! Seria esse tipo de cenário… foi algo bom ele não ter feito isso. Esse foi o porquê de Hajime querer que Yue e Shia parassem de olhar para ele com olhos frios, porque isso fazia o corpo dele tremer.

(Recepcionista): “… você também é imprevisível”

A tia olhou para Hajime impressionada.

(Hajime): “Eu não entendo o que você quer dizer”

Mesmo que ele tenha mudado, sua alma de otaku não poderia ser apagada… de alguma forma, a situação ficou assim. Hajime, que fingiu não saber de nada, olhou para longe.

(Recepcionista): “Como há muito materiais de boa qualidade do |Mar de Árvores|, obrigado por nos vender eles”

A tia, mesmo sem saber de nada, continuou a falar. Parecia que ela era capaz de ler o clima. Ela realmente era uma simpática e excelente tia.

(Hajime): “Eles não são comuns?”

(Recepcionista): “Você sabe, o senso de direção humano fica fora de controle dentro do |Mar de Árvores|. Assim que você se perder, não terá uma segunda chance. É um lugar muito arriscado. É por isso que ninguém tenta ir até lá. Apesar de ser possível comprar Demi-Humanos para entrar lá, é mais lucrativo vender eles na capital. Eles serão vendidos por um alto valor e isso tornaria mais fácil para melhorar a fama de alguém”

A tia deu uma olhada em Shia. Ela provavelmente imaginou que eles receberam a ajuda de Shia para ir até o |Mar de Árvores|. Parecia que, graças a Shia, ela não suspeitou das matérias-primas do |Mar de Árvores|.

Depois que a tia avaliou todos os materiais, ela apresentou o pagamento. O valor dos itens vendidos era 487.000 Ruta. Era uma quantia excelente.

(Recepcionista): “Este valor é o bastante? Eu acho que você receberia mais na capital”

(Hajime): “Bem, eu não ligo para isso”

Hajime recebeu 51 peças da moeda Ruta. Este dinheiro, talvez devido a uma característica do minério, era estranhamente leve, era por isso que não era incômodo carregar mais do que 50 peças da moeda Ruta. Afinal, se fosse um incômodo, Hajime poderia apenas colocar as moedas dentro da [Caixa do Tesouro].

(Hajime): “A propósito, eu escutei do guarda do portão que eu posso conseguir um mapa simples desta cidade…”

(Recepcionista): “Aa, por favor, aguarde um momento… aqui, é este aqui. Por favor, use ele como referência porque as estalagens e lojas recomendadas estão marcadas aí”

No mapa recebido, havia elaboradas informações e descrições escritas com simplicidade que o tornavam um maravilhoso item. Ele sentiu que era quase inacreditável receber isto de graça.

(Hajime): “Oi, oi, isto está certo? Para um mapa tão esplêndido ser entregue sem nenhuma cobrança… eu pensei que seria preciso dinheiro para fazer algo deste nível…”

(Recepcionista): “Eu não ligo, eu só faço isso como um hobby. Para aqueles que fazem isso como parte de suas responsabilidades, isso é só um rascunho”

A tia era mesmo uma pessoa excelente. Por que esta pessoa virou a recepcionista de uma Guilda? O nível que ela queria chegar era ainda maior? Certamente, deveria existir um drama sublime por trás disso.

(Hajime): “Entendo. Bom, isso ajuda”

(Recepcionista): “Isso é bom de se ouvir. Além disso, como você tem dinheiro, por favor, fique por aqui por um tempo. Apesar da ordem pública desta cidade não ser ruim, podem existir alguns homens imprudentes por aí, especialmente com essas duas”

A tia, que estava atenta desde o início, era mesmo uma boa pessoa. Hajime respondeu com “Eu farei isso” enquanto ria. Assim, ele se virou e caminhou até a entrada. Yue e Shia o seguiram depois de se curvarem. Alguns Aventureiros no restaurante estavam furtivamente sussurrando enquanto seus olhos estavam colados em Yue e Shia até o fim.

(Recepcionista): “Fumu, em vários sentidos, eles são pessoas interessantes…”

A tia alegremente murmurou isso ao vê-los indo embora.


Hajime e seu grupo, seguindo o mapa que merecia ser chamada de guia, decidiram seguir para a estalagem chamada Estalagem Masaka. De acordo com a descrição, ela servia comidas deliciosas, tinha boa segurança e também tinha um banho. A última parte foi o que ajudou na decisão. Apesar do preço ser consideravelmente caro, não havia problemas porque eles tinham bastante dinheiro. Logo, eles chegaram no estabelecimento chamado Masaka

No primeiro andar da estalagem, havia uma sala de jantar cheia com algumas pessoas tendo suas refeições. Quando Hajime e seu grupo entraram, os olhares se focaram em Yue e Shia como era de se esperar. Eles ignoraram isso. Quando eles chegaram no balcão, o que apareceu foi uma garota com quase 15 anos que animadamente os recepcionou.

(Garota): “Bem-vindos, bem-vindos a Estalagem Masaka! Hoje, vocês estão aqui para se hospedarem? Ou vocês estão aqui apenas para comerem?”

(Hajime): “Hospedagem. Apesar de já ter visto no guia, este lugar é tão bom quanto foi descrito?”

A garota acenou com a cabeça quando Hajime mostrou o mapa especial da tia.

(Garota): “Aa, é a introdução de Catherine-san. Sim, é como está escrito. Quantas noites você quer ficar?”

Apesar da garota tentar prontamente continuar com os procedimentos, Hajime estava pensando em outra coisa. Hajime estava chocado ao saber que o nome da tia era Catherine. A garota o chamou…

(Garota): “Ummmmm, Sr. Cliente?”

(Hajime): “Ah, aa, desculpe. Só por uma noite. O com refeições e banho”

(Garota): “Sim. O banho será 100 Ruta por 15 minutos. Na verdade, ele fica vazio neste horário”

A garota mostrou a tabela de horários. Como ele queria aproveitar isso, ele queria agendar o lado dos homens e mulheres por duas horas. Quando ele disse isso, “Eh, por duas horas!?”, a garota ficou surpresa. Não podia ser diferente, Hajime era um japonês afinal.

(Garota): “Então, ummmm, e sobre os quartos? Mesmo tendo quartos duplos e triplos…”

A garota olhou para Hajime e seu grupo com curiosidade. Ela estava em sua puberdade. Contudo, Hajime podia sentir que os outros clientes, que estavam comendo suas refeições, estavam interessados na conversa. Apesar de saber que Yue e Shia eram lindas, parecia que elas se destacavam mais do que ele imaginava. Como havia muitas pessoas que eles não conheciam no local, Hajime ficou levemente paralisado.

(Hajime): “Aa, o quarto triplo por favor”

Hajime disse isso sem qualquer hesitação. As pessoas ao redor começaram uma confusão e as bochechas da garota ficaram completamente vermelhas. Contudo, havia uma pessoa que rejeitou as palavras de Hajime.

(Yue): “… nada bom. Dois quartos duplos”

Era Yue. Os clientes ao redor, especialmente os homens, olharam para Hajime com expressões que diziam “Bem-feito!”. Eles interpretaram as palavras de Yue como se fosse para eles se dividirem entre homens e mulheres. Entretanto, as próximas palavras de Yue os colocou em desespero.

(Yue): “… um para mim e Hajime. Shia no outro quarto”

(Shia): “Quuu, o que há com isso!? Eu não quero ficar de fora! O quarto triplo é melhor, sabia!”

Para Shia que protestava ferozmente, Yue disse apenas uma coisa.

(Yue): “… eu vou ficar distraída se Shia estiver lá”

(Shia): “Distraída… o que você quer dizer?”

(Yue): “… é que nós vamos… … … entendeu?”

(Shia): “Bu!? Waaaa, não diga isso neste lugar! Isso é vulgar!”

Ouvindo as palavras de Yue, os homens que entraram em desespero começaram a mirar olhos cheios de chamas de inveja para Hajime. A garota da estalagem, com o rosto vermelho, olhava alternadamente entre Hajime e Yue. Hajime, que pensou que isso só o deixaria envergonhado se a situação continuasse, tentou parar isso, mas o plano dele foi um pouco lento demais.

(Shia): “En-então, Yue-san, por favor, fique no outro quarto! Hajime-san e eu vamos ficar no mesmo quarto!”

(Yue): “… hou, e então?”

O olhar frio e penetrante de Yue se virou para Shia que apontou com seu dedo. Graças a seu poder, Shia, que se lembrou de seus dias de treinamento, disse enquanto tremia, “Eei, coragem de mulher”, e então devolveu o olhar enquanto declarava em voz alta.

(Shia): “En-então, eu vou entregar minha virgindade para Hajime-san!”

Silêncio surgiu. Nenhuma, nem mesmo uma única palavra foi dita, nem mesmo um ruído foi ouvido. Agora, todos da estalagem estavam focados em Hajime e seu grupo e encaravam eles. Da cozinha, os pais da garota estavam dizendo “Ara, ara, maa, maa” e “A juventude é boa”.

Yue estava tremendo com olhos frios como o zero absoluto[1].

(Yue): “… hoje é o aniversário da sua morte”

(Shia): “Uh, eu-eu não vou perder! Eu vou derrotar Yue-san e vou me tornar a heroína principal a partir de agora!”

(Yue): “… eu vou te mostrar, nenhum discípulo é mais forte do que seu mestre”

(Shia): “Eu vou usurpar sua posição!”

Uma pressão anormal jorrava de Yue e Shia, que estava tremendo, segurava sua Marreta. Era mesmo um pandemônio, todos estavam nervosos e confusos com esta atmosfera crítica.

Então…

] GOCHINn! GOCHINn! [

(Yue): “Hiu!?”

(Shia): “Hakyu!?”

O som de punhos atingindo as garotas foi acompanhado dos gritos delas. Yue e Shia, com os olhos cheios de lágrimas, se agacharam enquanto cobriam suas cabeças com as duas mãos. Aquele que acertou as cabeças das duas era, logicamente, Hajime.

(Hajime): “Jesus, vocês estão incomodando todos e, acima de tudo, estão me envergonhando”

(Yue): “… uu, o amor de Hajime é doloroso…”

(Shia): “S-só um pouco mais, só um pouco mais de tempo e então… com o fortalecimento corporal a dor seria…”

(Hajime): “Vocês colhem o que plantam, idiotas”

Hajime mirou seus olhos frios nas duas, então ele se voltou para encarar a garota. Ela corrigiu sua postura quando Hajime olhou para ela.

(Hajime): “Eu sinto muito pela comoção. O quarto triplo, por favor”

(Garota): “… quarto triplo nesta situação… em-em outras palavras, três pessoas? In-incrível… hah, não me diga que agendar o banho por duas horas também é para aquilo!? Lavar o corpo um do outro! Então… fa-fazendo isto e aquilo… que anormal!”

A mente da garota se perdeu em uma pequena viagem. A proprietária, que não podia mais suportar isso, arrastou a garota para dentro. O homem que parecia ser seu pai continuou com os procedimentos da hospedagem. Quando ele entregou a chave, ele se desculpou, “Eu sinto muito pela minha garota”. Em seus olhos, “Você é um homem afinal, não é?”, esse tipo de mal-entendido estava sendo transmitido. Com certeza, ele seria do tipo que diria “Você aproveitou a noite?” quando a manhã chegasse.

Como não importava o que fosse dito, os mal-entendidos continuariam, junto dos olhares céticos dos outros clientes e com Yue e Shia ainda agachadas no chão ombro a ombro, Hajime correu direto para o terceiro andar onde seu quarto estava localizado. Depois de um momento, o tempo que estava parado voltou a se mover e o ambiente ficou barulhento de novo. Hajime se sentiu estranhamente cansado e decidiu ignorar isso. Quando Yue e Shia entraram no quarto, elas foram para a cama, enquanto Hajime, que já tinha se jogado na sua, desligava sua consciência.

Depois de dormir por várias horas, Hajime foi acordado por Yue quando chegou a hora do jantar. Assim, os três desceram para a sala de jantar. Por algum motivo, os clientes que estavam lá quando eles estavam se registrando continuavam nos mesmos lugares.

Por um momento, Hajime sentiu suas bochechas se contraindo, então, ele reassumiu sua calma e se sentou. Em seguida, a garota da estalagem de antes apareceu como uma garçonete e disse com o rosto vermelho “Eu sinto muito por antes”. Apesar de ela estar se desculpando, ela não podia esconder a curiosidade em seus olhos. A comida que Hajime pediu era deliciosa e era uma comida normal que ele finalmente pôde comer depois de muito tempo, então ele queria comer calmamente, mas ele não poderia fazer nada além de suspirar.

Dentro do banho, apesar do horário para homens e mulheres serem diferentes, Yue e Shia invadiram. Assim, outro pandemônio teve início apenas para terminar com Hajime as punindo com golpes em suas cabeças. A silhueta da garota da estalagem poderia ser vista se movendo pelo local sorrateiramente. Quando ela foi descoberta espiando pela proprietária, ela recebeu palmadas na bunda…

Mesmo na hora de dormir, Yue e Shia naturalmente foram até a cama de Hajime. Como seu braço direito já estava ocupado, Shia, que estava agarrada a seu braço esquerdo, chorou devido a frieza do braço artificial. Hajime podia sentir Shia através dos pseudo-nervos, especialmente a sensação das armas letais, e isso perturbou sua mente. Quando isso foi descoberto, Yue o encarou de perto com olhos mortais. Isso continuou por toda a noite…

Na manhã seguinte, Hajime fez um juramento. Da próxima vez, ele iria apenas pedir um quarto duplo para Yue e ele sem nenhum questionamento. Não importava se Shia ficaria de mau humor por isso. Afinal, o silêncio de Yue não era muito bom para a saúde mental dele.

Depois de terminar o café da manhã, Hajime entregou algum dinheiro para Yue e Shia e pediu que elas ajudassem a comprar os itens necessários para a viagem. Havia algum tempo até que a hospedagem deles acabasse. Assim, enquanto Yue e Shia se encarregavam dessa tarefa, ele iria terminar suas atividades dentro do quarto.

(Shia): “Que atividades?”

Shia o questionou. Contudo, Hajime estava…

(Hajime): “Há algo que eu quero fazer. Como já estava planejado, tenho certeza que só vou precisar de algumas horas para acabar. Apesar de eu realmente ter pensado que acabaria na última noite… por algum motivo, eu estava estranhamente cansado ontem”

(Shia): “… é-é mesmo? Yue-san. Es-está tudo bem se eu olhar algumas roupas?”

(Yue): “… nn, sem problemas. Eu queria olhar as barracas”

(Shia): “Ah, isso é bom! Ontem nós só vimos elas por um momento. Depois que terminarmos as compras, vamos comer”

Enquanto desviavam seus olhares, Yue e Shia começaram a falar sobre as compras. Mesmo que elas soubessem que elas eram as culpadas, elas não queriam admitir isso, então elas mudaram o assunto calmamente.

(Hajime): “… vocês duas, na verdade, estão se dando muito bem”

O murmúrio de Hajime apenas passou pelos ouvidos delas.


[1] Zero absoluto é a menor temperatura que qualquer coisa pode atingir no universo. Qualquer átomo ou molécula que chegar a zero da escala Kelvin (0º K ou -273,15°C) ficaria imóvel.