Dentro do veículo retornando

O [Veículo Mágico de Quatro Rodas] disparou pela estrada enquanto levantava uma tempestade de poeira, com a cordilheira do Norte em suas costas. Como era uma estrada percorrida por muitas pessoas no intervalo de muitos anos, ela estava em condições muito melhores comparada com a estrada que ligava a |Cidade de Ur| com a cordilheira do Norte. Graças as suspensões que ele instalou, as vibrações eram anuladas e o [Veículo de Quatro Rodas] avançava suavemente em direção a |Fhuren|.

Shia estava sentada no assento da frente e suas orelhas de coelho sacudiam com o vento por causa das janelas totalmente abertas. Ela parecia um pouco descontente já que ela gostava mais do [Veículo de Duas Rodas]. Afinal, ela gostava da sensação de suas orelhas de coelho cortando o vento e abraçar Hajime enquanto descansava seu rosto no ombro dele.

Naturalmente, Hajime era o motorista. No assento ao lado dele estava, logicamente, Yue. Will estava sentado no banco de trás.

Will ansiosamente perguntou a Hajime, enquanto inclinava ligeiramente seu corpo para frente.

(Will): “Me desculpeeee, está mesmo tudo bem deixar eles daquele jeito? Se você só falasse um pouco mais sobre isso… especialmente com Aiko-dono…”.

Sem virar sua cabeça, Hajime respondeu com indiferença.

(Hajime): “Nnnnn? Na verdade, sim, está tudo bem. No fim das contas, haveria apenas mais problemas se eu ficasse lá… a Sensei também pode tomar boas decisões mesmo se eu não estiver por perto”.

(Will): “… Provavelmente é como você diz, porém…”

(Hajime): “Você… deixando de lado se você é ou não uma boa pessoa… você não está preocupado demais com os outros?”

Mesmo ele escutando essas palavras de Hajime, Will ainda estava com uma expressão preocupada, o que fez Hajime sorrir ironicamente. Para realmente sentir dor e chorar pelos Aventureiros mortos, sem mencionar permanecer em uma cidade irrelevante, que estava a ponto de ser atacada por um enorme exército de Feras Mágicas, o que normalmente seria considerado forma de suicídio.

Perdoar Tio, que era o alvo de seu rancor, e agora, ele estava preocupado sobre o relacionamento entre aquele que ameaçou ele, Hajime, com Aiko e os outros. Ele era um nobre do |Reino|, e ele era extremamente excêntrico, já que ele estava desejando se tornar um Aventureiro. Contudo, mais do que isso, ele era uma pessoa bondosa que se importava com todos.

(Yue): “… uma boa pessoa”

(Shia): “Uma boa pessoaaaa”

(Tio): “Umu, um bom companheiro”

Will mostrou uma expressão confusa para essas palavras ditas simultaneamente. Apesar de ele ser elogiado, era uma análise indescritivelmente sutil para mulheres pensarem em um homem como “uma boa pessoa”.

(Will): “Por-por favor, parem de falar sobre mim… eu só queria te pedir por uma explicação completa do seu raciocínio…”

(Hajime): “… raciocínio?”

Com nada além de uma expressão suave, enquanto coçava suas bochechas, Will continuou a falar. Entretanto, as sobrancelhas de Hajime se contorceram em reação as palavras de Will.

(Will): “Isso mesmo. Sobre Aiko-dono, que foi provavelmente deixada com sentimentos ruins e sobre o porquê o garoto chamado Shimizu ser morto… a razão para suas ações”

(Hajime): “… eu já não expliquei isso? Ele era um inimigo…”

(Will): “Esse foi o motivo para você ‘matá-lo’ e não o motivo para você ‘não poder salvá-lo’, não é? No fim das contas, ele já tinha recebido um ferimento mortal naquele momento, e ele estaria morto em poucos minutos se você apenas o ignorasse… deve existir uma razão para você o matar de propósito, correto?”

(Hajime): “… você inesperadamente observou a situação muito bem”

O que Will suspeitava atingiu em cheio o alvo. Ele era um colega de classe, então o impacto de quando Hajime o matou enquanto Aiko implorava por ajuda foi forte demais. Assim, o fato de que não era necessário que Hajime o matasse estava bem escondido. Will, que notou esse fato, podia ser considerado como portador dos “olhos” de um nobre. O tom de Hajime carregava admiração por Will, que não foi enganado.

Até Shia, que estava com seu rosto para fora da janela aproveitando o vento, disse, “Agora que você mencionou isso, eu também tinha notado”, e ela se virou para olhar Hajime, que estava dirigindo, com um olhar inteligente. Hajime hesitou um pouco sobre como responder à pergunta, mas Yue respondeu a eles antes que ele pudesse dizer algo.

(Yue): “… Hajime é um tsundere[1]

(Hajime): “…”

(Shia, Tio e Will): “Tsundere?”

Talvez porque Yue acertou em cheio, Hajime manteve uma poker face e continuou em silêncio. Os outros só puderam imitar ela.

(Yue): “… retribuindo Aiko? Em outras palavras, você só estava preocupado com ela?”

(Hajime): “… isso foi só uma coincidência”

Pela forma como Hajime respondeu secamente e olhou para o outro lado, parecia que o palpite de Yue estava correto, então Shia e os outros pediram por uma explicação.

Como Hajime não queria respondê-los, Yue respondeu em seu lugar. Resumindo, ele tentou desviar a mente de Aiko de se sentir responsável pela morte de Shimizu.

Shimizu disse isso antes. O propósito de se encontrar com a raça dos Demônios era matar a ⟦Deusa da Boa Colheita, Aiko. Em outras palavras, Shimizu foi usado para matar Aiko. Até o último ataque atravessou o corpo de Shimizu na tentativa de eliminar ela.

É claro que Aiko não era responsável pela morte de Shimizu. Shimizu vendeu sua alma para a raça dos Demônios por vontade própria, o que resultou em sua morte. Como esse era o resultado de sua própria decisão, o próprio Shimizu era responsável por isso. Mesmo que ele não fosse responsável, seria responsabilidade da pessoa da raça dos Demônios que feriu mortalmente o aluno.

Contudo, Aiko iria concordar com isso? Afinal, o último ataque foi mirado nela. Essa era a razão para ela se sentir tão responsável. Aiko sempre pensava em seus estudantes primeiro. Shimizu morreu porque ela o envolveu. Na verdade, “Não foi culpa dela Shimizu estar morto?”, ela poderia pensar dessa forma. Assim ele pensou, “A mente de Aiko pode suportar isso?”, Hajime sentiu um pequeno medo.

Até Aiko podia sentir desconforto e medo como uma humana que foi invocada para um mundo diferente. Embora ela não lamentasse enquanto acobardava-se e tremia de medo, o motivo para ela poder trabalhar tão duro era por causa de seu orgulho como uma “professora”. Além disso, havia os “estudantes” que ocupavam a mente de Aiko como uma “professora”.

E um estudante morreu por causa dela. O impacto era maior do que quando ela ouviu que Hajime morreu, ou de quando Hajime disse que o motivo foi a traição de um colega de classe. Essa seria uma lâmina muito mais forte para ferir o coração de Aiko. Isso poderia até mesmo quebrá-la.

Os cálculos de Hajime seriam afetados se Aiko se quebrasse, mas ele estava definitivamente preocupado com ela. Hajime sentia que as palavras de Aiko eram um ideal impossível porque elas criavam muitas contradições.

Mesmo assim, as palavras ditas por Aiko o fizeram pensar que isso era definitivamente necessário para a futura felicidade de Yue e Shia. Foi por isso que mesmo se o mundo mudasse, e mesmo se Hajime mudasse, o “sermão” da “professora” de Hajime o fez se sentir em dívida com ela.

Dessa forma, Hajime matou Shimizu mesmo que ele fosse morrer logo sendo deixado de lado. Criando uma forte impressão, enfatizando que Shimizu era um “inimigo”. Isto foi acompanhado da impressão de Hajime ser aquele que matou Shimizu. O coração de Aiko não se quebraria. Ele pensou que essa era sua tarefa, assim sua “professora” não iria mudar.

(Shia): “Então foi isso o que aconteceu… fufu, que tsundere Hajime-san é”

(Will): “Então foi por isso…”

(Tio): “De fatoooo, o Mestre é inesperadamente fofo”

Yue terminou sua explicação para os outros membros, e seus olhos carregavam carinho enquanto olhavam para Hajime, mas ele continuou olhando para o outro lado.

(Yue): “… porém, eu acho que Aiko notou”

(Hajime): “…”

Hajime silenciosamente virou seu olhar para Yue. Yue devolveu o olhar de Hajime com olhos gentis.

(Yue): “… Aiko é a professora de Hajime. Uma pessoa cujas palavras permaneceram no coração de Hajime. É por isso que não tem jeito de ela não ter notado…”

(Hajime): “… Yue”

(Yue): “… está tudo bem, Aiko é forte. A situação vai definitivamente terminar como Hajime desejou”

(Hajime): “…”

Aparentemente, Yue confiava em Aiko porque ela ao menos poderia fazer Hajime se focar nele mesmo. Algo que Yue não poderia fazer. Para Yue, que o encarava com um olhar para cima, Hajime respondeu ao gentilmente semicerrar seus olhos. Por causa das palavras de Yue, as preocupações dele sobre Aiko e os futuros desenvolvimentos que nublavam sua mente, se dissiparam.

(Shia): “Haaaaa, para criar um mundo onde só vocês dois existem… não importa quanto tempo passe, eu também vou criar tal atmosfera…”

(Will): “Is-isto, o que eu posso dizer… eu meio que sinto algo doce em minha boca…”

(Tio): “Muuuuu, esta deseja que tu abuses desta, mas… até este tipo de situação não é ruim…”

Will e as outras se sentiram desconfortáveis devido a atmosfera doce de Hajime e Yue. Shia em particular estava estufando suas bochechas e fazendo beicinho em reprovação.

Yue notou Shia e desviou seu olhar para ela, e, mais uma vez, encarou os olhos de Hajime para silenciosamente apelar a ele. O conteúdo não era nada além da “recompensa de Shia”. Sem a magia única de Shia, Premonição, e sua ação desesperada, Aiko se tornaria alguém que não poderia ser salva devido a um buraco em sua cabeça. Shia salvou a professora de Hajime.

Como ele entendia isso, Hajime soltou um, “Uh”, moveu seu olhar para longe de Yue, olhou para Shia e disse.

(Hajime): “… Shia. É que, bem, você nos salvou. Embora esteja atrasado… obrigado”

(Shia): “… o quê?”

O resultado de ele mostrar sua gratidão, enquanto reprimia seu embaraço, foram essas palavras junto com uma expressão de espanto. Apesar de veias pulsarem na testa de Hajime, ele aguentou firme porque essa era a consequência de seus atos.

(Hajime): “… bem, eu acho que não há como evitar que você tome essa atitude… mesmo assim, eu estou realmente expressando minha gratidão, entendeu?”

Hajime encarou os olhos de Shia, que estava o observando firmemente enquanto ele expressava sua gratidão com um “Obrigado”. Graças as palavras honestas de Hajime, o corpo de Shia tremeu como se uma corrente elétrica corresse por todo o seu corpo, e ela ficou agitada. O olhar dela excitadamente corria por todos os lados enquanto suas bochechas ficavam completamente vermelhas. Suas orelhas de coelho estavam balançando em todas as direções.

(Shia): “É-é que, bem, nã-não é como se eu tivesse feito algo incrível, e está tudo bem se você não quiser dizer obrig… a-agh! O que há com esta brusquidão? De certa forma, isso parece mesmo embaraçoso… ehehe”

Hajime sorriu ironicamente enquanto observava o estado envergonhado de Shia, e ele fez as perguntas que ele tinha em mente.

(Hajime): “Shia. Embora eu esteja um pouco curioso sobre isso… por que você pulou sem hesitação naquele momento? Você nunca conversou sobre nada de importante com a Sensei, não é? Eu também não posso me lembrar de quando você se deu bem com ela…”

(Shia): “É porque… ela é alguém com quem Hajime-san se preocupa”

(Hajime): “… isso é tudo, huh?”

(Shia): “??? Sim, eu acho que é tudo?”

(Hajime): “… entendi”

Devido a expressão espantada de Shia, a expressão de Hajime determinava que ele não poderia dizer mais nada. Certamente, Aiko era a professora de Hajime. Seus colegas de classe seriam impactados se ela se fosse.

Ele estava honestamente feliz por ela não ter morrido. Contudo, ele se lembrou que ele não mostrou isso através de seu discurso e comportamento. Entretanto, Yue e Shia pareciam ser capazes de enxergar o que estava no coração de Hajime; elas eram pessoas que sempre sabiam de suas sinceras emoções. Embora ele só tenha pensado nisso agora, elas cruzaram os limites de serem apenas companheiras. Tal compreensão cruzou a mente dele.

Assim, mesmo que Yue não dissesse nada, ele pensou em recompensar Shia com algo. E então, Hajime, que ainda estava envergonhado, falou com ela.

(Hajime): “Shia. Há algo que você queira?”

(Shia): “Heh? Algo… que eu quero?”

(Hajime): “Ah. Você pode dizer que isso é um agradecimento ou uma recompensa… bom, algo do tipo. É claro que tem que ser algo dentro das minhas capacidades, okay?”

Shia estava um pouco perplexa devido a essas súbitas palavras. Já que ela pensava que o que ela fez era algo natural para se fazer por companheiros, ela pensou que isso era um pouco exagerado. “UuuuUuuun”, ela gemeu e quando casualmente olhou Yue a seu lado…

Yue estava observando Shia com uma expressão gentil, e então ela acenou com a cabeça. Seu olhar a dizia que estava tudo bem para Shia receber a gratidão de Hajime, Yue estava a incentivando. Shia, que leu a situação com precisão, deixou escapar uma risada forçada. Depois de pensar um pouco, ela tirou seu olhar de Yue, que revelava um sorriso enquanto acenava em direção a Hajime.

(Shia): “Então, por favor, tome a minha primeira…”

(Hajime): “Rejeitado”

(Shia): “… por quê? Não importa o quanto eu pense, finalmente a hora do dere CHEGOUUUU!!! Está na hora desse tipo de coisa, não é? Não é? Por favor, leia o clima!”

(Hajime): “Eu disse, ‘dentro das minhas capacidades’”

(Shia): “Isso com certeza está dentro das suas capacidades! Mesmo você sempre me mantendo longe, você faz isso com Yue-san! Eu sei que isso aconteceu! Meu coração fica vazio sempre que eu descubro sobre suas relações amorosas! Woo, quando nós chegarmos em |Fhuren|, eu vou mais uma vez partir em alguma tarefa sozinha e vocês vão fazer amor durante esse tempo, não é? ] Soluça [, mais uma vez, eu sozinha… passando o tempo sozinha… então eu vou fingir não ver Yue-san radiante… droga…”

(Hajime): “Não, por… não há motivos para chorar… eu estou apaixonado por Yue, e sobre você, bem, eu penso em você como uma importante companheira, mas isso não é amor… para eu aceitar outra pessoa…”

(Shia): “… ] Soluça [… Hajime-san, seu inútil!”

(Hajime): “… oi”

(Shia): “Um covarde! Um maldito que brinca com o coração de uma donzela! Um imprestável! Seu voyeur pervertido!”

“Chegou a hora!”, e ela estava a ponto de dizer seu desejo com uma expressão alegre, mas Shia ficou indignada porque ela foi rejeitada antes mesmo de terminar de fazer o seu pedido. Ela liberou toda a sua insatisfação acumulada até agora enquanto ela xingava Hajime e chorava.

Do assento de trás…

(Will): “Pfft… o homem que aniquilou várias dezenas de milhares de Feras Mágicas é… um inútil… pfft”.

(Tio): “Inesperadamente, o Mestre tem um coração puro, se tu ainda não estás nesse tipo de relação… isso significa que esta, que teve a primeira vez de sua bunda roubada, está um passo à frente…”

Essas palavras foram ouvidas apesar de serem ditas em sussurros. Hajime pensou seriamente, “Eu devo jogar eles para fora deste carro?”, por um momento. No entanto, Yue, que estava sentada ao lado dele, estava o olhando com um olhar reprovador, e ele soltou um “Guh”.

Em seguida, ele falou com Shia de novo com bochechas contraídas. Junto a isto, ele jurou em seu coração castigar Will mais tarde. Sobre a outra voz… ele iria deixá-la em paz porque ele não queria que ela fosse sua companheira.

(Hajime): “Shia. Por favor, diminua a dificuldade. Se for outra coisa…”

(Yue): “… Hajime, você não pode?”

Por algum motivo, Yue abraçou Shia. Shia disse com uma voz miserável enquanto se agarrava em Yue, “Yue-saaaaan”.

Obviamente, Yue parecia permitir que Hajime aceitasse Shia. Recentemente, Yue esteve realmente mimando Shia. Hajime pensou que fosse devido a uma profunda amizade, mas, de alguma forma, isso se tornou algo parecido com uma irmã mais velha ajudando sua irmã mais nova com problemas. Aliás, a mais velha era uma siscon[2].

Sua amada mulher estava o pedindo para dormir com outra mulher. Realmente, Hajime, que não sabia o que esta situação significava, só poderia segurar sua cabeça com ambas as mãos. No entanto, Hajime também tinha algo que ele queria dizer.

(Hajime): “… eu, o que meu coração quer é Yue, apenas você. Eu não odeio Shia, eu penso nela como uma importante companheira, mas… eu não posso tratá-la da mesma forma que Yue. Entenda, eu carrego o desejo de monopolizar Yue. Não importa que motivo seja, eu não irei permitir que ela esteja ao lado de outro homem. Você pode pensar nisso como ser mesquinho e egoísta, porém… eu quero que Yue pense o mesmo que eu, isso é algo que eu desejo. É por isso que, mesmo que seja Shia, você pode me perdoar por começar uma relação com outra mulher?”

(Yue): “… Hajime”

Com Shia se agarrando no braço dela, as bochechas de Yue coraram e ela olhou diretamente para Hajime com olhos marejados. Hajime, mais uma vez, gentilmente acariciou a bochecha de Yue com sua mão enquanto ele devolvia o olhar dela, e os dois formaram uma atmosfera suave novamente. Até a cor do ar parecia ter ficado rosa.

Os dois olharam um para o rosto do outro enquanto gradualmente se aproximavam, então…

(Shia): “… parece que eu… fui completamente esquecida… mesmo que a conversa fosse sobre a minha recompensa…”

Shia estava os repreendendo com um tom perigoso enquanto ela encarava Hajime e Yue que quase chegaram ao clímax. Assim, os dois finalmente notaram seus arredores e apressadamente se afastaram. Yue, que ainda se sentia envergonhada, estava timidamente enrolando seu lindo cabelo para se acalmar.

Hajime, que confessou seus sentimentos, tinha seu coração batendo descompassado pelo ataque surpresa. Sua falta de expressões ruiu, e sua boca naturalmente gaguejou em busca de uma desculpa. As palavras de ele querer monopoliza-la e ser monopolizado eram uma grande responsabilidade para uma pessoa, mas Yue estava extremamente feliz. O coração dela estremecia e ela involuntariamente se esquecia de tudo, exceto Hajime.

(Will): “… entendo, eu meio que entendi a relação entre vocês três… Shia-dono está passando por dificuldades”

(Tio): “Irritante… o vínculo com Yue é profundo… embora isso seja um empecilho para esta… bem, contanto que esta seja abusada, então isso será…”

A expressão de Will parecia como se ele fosse vomitar açúcar enquanto ele tentava adivinhar o relacionamento entre os três. Eles não queriam saber da existência da pervertida que começava a ofegar enquanto imaginava alguma coisa.

(Yue): “… Hajime, sinto muito. Mas Shia também é importante… eu quero recompensa-la. Assim, por favor, saia com ela por um dia dentro da cidade… você pode?”

(Shia): “Yue-saaaaan”

Dessa vez, Yue estava pedindo a Hajime pelo bem de Shia. Shia, cujo coração estava partido, teve sua cabeça acariciada, e estava agora pressionando e esfregando seu rosto em Yue. Hajime, que viu a aparência delas, respondeu com um sorriso sem graça.

(Hajime): “Está tudo bem, eu não ligo se for só isso. Não foi porque Yue pediu por Shia, okay? Mesmo se Shia fosse quem tivesse pedido isso, eu ao menos iria sair com ela”

(Shia): “Hajime-san… não, não há necessidade de se preocupar com isso, está tudo bem contanto que isso pode se tornar um fato estabelecido!”

(Hajime): “… é sério, você é…”

(Shia): “Bom, como isso ainda é impossível, eu vou resistir a isso por enquanto ao aumentar a aceitação através do encontro. Assim que chegarmos em |Fhuren|, por favor, me leve para a Ala de Visitação, okay?”

(Hajime): “Ah, ah, okay”

Por causa dessa ideia, Hajime pensou em mais uma vez lembrá-la que Yue era a única especial para ele. Contudo, Shia provavelmente já sabia, mas ela não ficou desanimada. Com uma expressão complexa, Hajime pensou, “Bem, está tudo bem deixar Shia fazer o que quiser fazer”, enquanto ele aceitava o encontro deles. Não havia mudança sobre o fato de que Shia já era uma existência importante para Hajime, e ele não poderia se relutante quanto a isso porque foi algo que Yue pediu a ele. Assim, ele confirmou que queria recompensa-la por seu trabalho duro.

(Will): “O que é este sentimento de ser um intruso? É a mesma sensação de invadir a reunião de outra família”

(Tio): “Hmm. Este tipo de ‘brincadeira de ignorar’ não faz esta se sentir nenhum pouco feliz… apenas solitária… ou melhor, não está na hora de alguém responder a esta? Está mesmo tudo bem para esta estar aqui?”

Will, que estava sentado atrás do banco da frente onde o flerte e a cena emocionante aconteciam, parecia muito desconfortável. Além disso, embora ninguém tenha falado com ela, Tio, a qual participou da conversa anterior, sem o conhecimento deles, tinha subido na carga enquanto colocava sua cabeça na janela onde a carreta era conectada com o veículo.

Antes da luta, ela pediu permissão para acompanhar Hajime. No fim, ela foi deixada para trás porque sua existência foi esquecida, então ela pulou dentro da carga do [Veículo Mágico de Quatro Rodas] em pânico. A visão dela ofegante por causa de seu tratamento cruel, enquanto espiava dentro veículo através da janela, fez todos dentro do veículo se espantarem, e decidirem tratar isso como se nada estivesse acontecendo.

No início, ele tentou se livrar dela ao fazer movimentos bruscos com grande velocidade exatamente como os dos filmes, mas ela usou magia em sua vantagem para se agarrar ao veículo. Aliás, como ela ficava mais e mais excitada, eles decidiram apenas ignora-la. A pervertida: quanto mais você reage a ela, mais satisfeita ela fica.

Graças a situação onde ninguém a respondia, Tio estava excitada porque ela pensou que isso era algum tipo de jogo para ignorá-la. Entretanto, ela começou a sentir o vazio da interação de Hajime e os outros, e, finalmente, se queixou com eles. Ainda assim, ninguém a respondeu, então Tio rastejou para dentro do veículo pela janela conectando o veículo e a carga. Com seus longos cabelos pretos pendendo para baixo, a aparência dela, que lentamente se arrastava para dentro, era exatamente a de Sadako-san de um certo filme chamado “O chamado”[3].

Como imaginado, Will não poderia ignorar a bizarrice enquanto ele gritava, “Uwah!”, e recuava para o lado da janela. Reagindo a sua voz, Hajime e seu grupo olharam para o banco de trás.

(Tio): “Ah? Ahhhhh, es-esta está presa. Os peitos viraram obstáculos… não pode entrar. Desculpe, garoto Will, tu podes puxar esta para dentro?”

Seus peitos, que eram muito maiores do que os de Shia, estavam resistindo a força enquanto eles continuavam a mudar de forma por causa do formato da janela. Tio pediu, “Por favor, puxe esta, okay?”, enquanto esticava as mãos para Will. Hajime, que viu a situação, silenciosamente puxou [Schlag] de seu coldre esquerdo. Sua mão se moveu sobre seu ombro e ele atirou sem nenhuma hesitação.

] DOPANh! [

(Tio): “HMMmm!?”

O tiro e o projétil voaram para fora, atingindo a testa de Tio, e a força do impacto jogou ela de volta para dentro da carga. Um som estridente ressoou pela carreta.

(Tio): “O qu-que tu fizeste? Para repentinamente fazer isso… isso não deixaria esta excitada?”

Com bochechas ruborizadas, ela esfregou sua testa com uma expressão feliz. Ela reclamou… não. Tio, da tribo ⌊Ryujin, não disse nada além de frases pervertidas. Talvez porque ela quisesse entrar com as pernas primeiro, ela as enfiou dentro da janela do veículo. Contudo, desta vez, sua enorme bunda ficou presa na janela, e seu fascinante traseiro, de alguma forma, conseguiu entrar no veículo depois alguma dificuldade.

Hajime silenciosamente disparou [Schlag] em sucessão. E apesar de ele querer mandar a bunda de Tio para fora do veículo, ela estava consideravelmente presa, e assim, não foi atirada para longe graças a suas nádegas carnudas amortecendo o impacto. No entanto, como ela fazia gemidos R18 todas as vezes que uma bala atingia sua bunda como, “Ah, an!”, “Que intenso!”, ou, “Mestreeee”. Com bochechas contraídas, Hajime relutantemente parou de atirar. Como esperado, era melhor não se tornar íntimo de uma pervertida.

Yue, que idolatrava a raça dos ⌊Ryujin, sentiu que a imagem que ela tinha deles não era nada além de uma fantasia, e os empurrou para o fundo de sua mente, e estava agora cobrindo seus olhos em choque.

Tio, que imaginou que os disparos tinham parado, por algum motivo, segurou sua bunda e peitos, soltou um suspiro, “Fuuuuu”, enquanto finalmente entrava no veículo.

(Tio): “Haa, haa, nossa… que indiscriminado. Um Mestre que não pode ser mudado. Mas não se preocupe, esta irá receber qualquer tipo de amor. É por isso que… está bem fazer mais do que isso, entendeu? Até ser mais intenso está bom também, entende?”

(Hajime): “Calada, pervertida. Não se incline para frente e não venha até aqui. Se possível, abra a porta e pule para fora agora”

(Tio): “Kh!? Haa, haa… para o Mestre saber o que é melhor para esta… porém, esta recusa. Esta já decidiu seguir o Mestre. Também há a tarefa como parte da raça dos ⌊Ryujin, e o assunto sobre assumir a responsabilidade, não há motivo para nos separarmos. Não importa o que o Mestre irá dizer, esta irá seguir a ti. Esta definitivamente não irá embora”

Tio, que finalmente entrou no veículo, lançou palavras pervertidas uma após a outra, e quando Hajime a respondeu friamente, a expressão de Tio parecia dizer que ela iria ficar ainda mais encantada por ele. Contudo, ela insistiu com firmeza em continuar. Embora isso tenha sido estragado por sua própria expressão.

(Hajime): “Pare de brincar. Que responsabilidade? Isso não é nada além da continuação de uma luta até a morte. Só fique contente que você não foi morta. Além disso, sua missão como parte da raça dos ⌊Ryujin tem relação com aquele ⌈Herói. A estrela desta invocação, então vá atrás dele”

(Tio): “Não quero. Definitivamente, não quero isso. Embora esta não saiba que tipo de pessoa esse ⌈Herói é, esta pensa que ele não seria capaz de punir esta cruel e impiedosamente como o Mestre! Além disso, não menospreze esta! Esta decidiu quem esta irá chamar de ‘Mestre’. Esta não é tão frívola para poder mudar os sentimentos desta pelo mestre dela”

Com olhos completamente abertos, Tio insistiu enquanto apertava seus punhos. Apesar de isso ser dito de forma comportada, ela eventualmente fez uma declaração pervertida que ela estava feliz por ser tratada impiedosamente por Hajime.

(Tio): “Esta irá perseguir a ti mesmo se tu fugires, okay? Quando esta partir procurando por todas as cidades com a história sobre a primeira vez desta sendo roubada. Sobre o corpo desta que não pode mais viver sem o Mestre, fazendo este e aquilo tipo de coisas, isso será contado junto da descrição do Mestre enquanto esta caminhar, okay?”

(Hajime): “… você éééé…”

Com veias pulsando, Hajime apertou seus olhos perigosamente enquanto pensava nela como uma pessoa realmente irritante. Embora ele tenha pensado em apenas matá-la, ela não era um inimigo e Yue iria impedi-lo, então ele pensou em apenas continuar batendo nela até ela perder sua memória. Entretanto, ela tinha uma autêntica robustez, e isso não chegou a lugar nenhum porque ela iria apenas se sentir feliz ao invés de ser atirada para longe junto com sua memória.

Como resultado, ele não poderia fazer nada além de encara-la com uma expressão enojada do fundo de seu coração. Contudo, esse olhar só fazia o corpo de Tio se convulsionar ainda mais. A condição dela já era irrecuperável.

(Tio): “Por favor, não faça esse tipo de cara enojada Mestre. Esta irá certamente ser útil. Apesar do grupo do Mestre ser fora da norma, esta não mostrou a prova durante aquela luta? Mesmo que esta não saiba do objetivo do Mestre, por favor, deixe esta acompanhar o Mestre. Por favor Mestre”

(Hajime): “Isso é fisiologicamente impossível”

(Tio): “Ah!?!?!? Haa, haa… nnh! Nnh!”

Para as palavras de Hajime, que pararam completamente o fluxo da conversa, Tio estava se abraçando com ambos os braços como se estivesse resistindo a alguma coisa enquanto ela se inquietava. Vendo Tio dessa forma, não apenas Hajime, mas todos dentro do veículo mostraram caras de desgosto. Depois de um tempo, Hajime suspirou profundamente e sua expressão parecia um pouco exausta.

(Hajime): “… embora eu queira dizer algo, isso será inútil, não importa o que eu diga, não é? Só faça o que você quiser contanto que você não vire um estorvo para nós. Eu não tenho mais energia para pensar sobre o que fazer com você…”

(Tio): “Oh? Ooooo, é isso, é isso! Hmm, então por favor, tomem conta desta a partir de agora, Mestre, Yue e Shia. Só chamem esta de Tio! Fufufu, parece que essa será uma jornada divertida…”

(Yue): “… argh”

(Shia): “Por-por favor, tome conta de mim também…”

Hajime suspirou de novo quando ele olhou para uma Tio alegre com os olhos semicerrados. Yue gemeu em descontentamento, e a perplexa Shia devolveu o cumprimento.

Uma nova companheira. Uma pervertida da raça dos ⌊Ryujin, Tio, se juntou a eles. E o grupo avançou em direção da |Cidade Comercial Neutra de Fhuren|.


[1] Tsundere é um termo japonês para uma personalidade que é inicialmente agressiva, que alterna com uma outra mais amável. Tsundere é uma combinação de duas palavras, tsuntsun e deredere. Tsuntsun é a onomatopeia para “frio, brusco”, e deredere significa “tornar-se amável/amoroso”.

[2] Siscon (abreviação de sister complex, em português “complexo de irmã”) é um termo para se referir a um amor excessivo de alguém por sua irmã, normalmente passando do ponto de uma relação comum entre irmão e irmã ou irmã e irmã. É normalmente usado como um insulto/provocação para uma pessoa que é superprotetora com seu/sua irmã. É derivado da palavra japonesa shisukon (シスコン).

[3] Referência a Ringu, filme de terror de 1998. É uma adaptação para o cinema do livro homônimo, escrito por Koji Suzuki. Serviu de inspiração ao remake estadunidense The Ring (2002). O filme fez muito sucesso no Japão, obtendo 15,9 bilhões de ienes.