O garoto egoísta

Era um território não muito longe da capital do |Reino de Courtois|. Suas vastas terras pertenciam a um dos três nobres mais importantes do reino, conhecidos como Três Lordes. Essa história aconteceu nas terras do Arquiduque Arses. A casa Arses pertencia a uma linhagem que cedeu à corrupção ao longo da história de Courtois.

Explorando o povo com altos impostos, esse território sofria com subornos desenfreados. Mas, como as pessoas eram incapazes de se mudar com facilidade, eles não tinham escolha a não ser suportar a situação.

Naquela casa nobre de vilões, o filho mais velho de cinco anos de idade, egoísta e arrogante, Rudel Arses, olhou para o céu com os olhos bem abertos.

(Rudel): “O qu-que é aquilo!?”

O que Rudel viu no céu foi um corpo poderoso e enorme de uma cor profunda de esmeralda com grandes asas e que se movia livremente como se tivesse sido feito para viver nos céus… suas escamas e chifres que lembravam um réptil davam a seu corpo uma aparência de grandiosidade.

Era um Dragão… e aqueles que são capazes de controla-los, os Cavaleiros que protegem o país, recebem o nome de Dragoon.

Rudel imediatamente perguntou aos servos ao redor dele sobre o Dragão que acabara de ver no céu. Seu tom era autoritário; não era o tipo de atitude que se esperaria de uma criança de cinco anos com adultos.

(Rudel): “O que era aquilo!? Eu nunca escutei… por que vocês não me falaram?”

Os servos acharam estranho o fato de uma criança deste país não saber nada sobre Dragões. Mas eles estavam lidando com o “odeio estudar”, “odeio me exercitar”, mal-humorado Rudel. Irritados, os servos explicaram de maneira cortês para o garoto sobre o Dragão e o Dragoon.

(Servo A):Dragões estão entre os mais poderosos entre os monstros e eles possuem uma grande inteligência”

(Servo B): “Aqueles que os Dragões obedecem são os Dragoons… os mais fortes entre os Cavaleiros de Courtois”

(Servo C): “Os Cavaleiros que se tornam Dragoons não possuem apenas força, eles são orgulhosos Cavaleiros da ‘virtude’”

Ao escutar essas palavras, os olhos de Rudel passaram de um peixe morto com orgulho para os olhos de um jovem garoto cheio de admiração. Mas mesmo ao ouvir isso…

(Rudel): “Quanto você tem que pagar para comprar essa tal de ‘virtude’!? Eu pago o quanto precisar, então me tragam uma dessas logo!”

Incapaz de compreender o conceito de virtude, sua afirmação sobre compra-la causou olhares irritados dos servos. Quando eles pensavam sobre o fato de este ser o próximo chefe da casa, os servos precisaram controlar sua intenção assassina… mas um dos servos teve uma ideia. Uma ideia de como ensinar este moleque estúpido sobre a dura realidade…

Naquele tempo, ninguém poderia imaginar que essas palavras iriam influenciar tanto na casa Arses e no |Reino de Courtois|. Isso mesmo, tudo começou com a “malícia” desses servos com excesso de trabalho.

(Servo): “Rudel-sama[1], ‘virtude’ é uma prova da dignidade e do caráter de uma pessoa. Não é algo que se possa obter com dinheiro. É um item extremamente valioso que só pode ser obtido com seu esforço sincero”

Com essas palavras, o rosto de Rudel assumiu a expressão de quem não entendeu nada. Rudel odiava estudar e era bastante egoísta. Ele tinha um tutor, mas nunca ouvia suas palavras. Ele só apareceu em suas aulas poucas vezes.

(Rudel): “Como posso me tornar um Dragoon? Eu quero ser um Dragoon!”

Ouvindo isso, os servos seguraram o riso. Você realmente acredita que pode se tornar um? Treinamento severo, testes de conhecimento e refinamento; Heróis de Courtois entre os Heróis; até mesmo os Dragões os obedecem… os servos esfregaram, educadamente, a realidade na cara de Rudel.

(Servo): “Eu acredito que será difícil… aqueles que se tornam Dragoons são os mais fortes entre os Cavaleiros do reino. Isso significa que eles fortalecem sua força e gentileza, conhecimento e cultura… você também precisa receber conhecimento dos Dragões

(Rudel): “Você está dizendo que é impossível para mim!?”

(Servo): “Sim. Mas o problema não é você. Simplesmente é difícil demais se tornar um Dragoon. É dito que mesmo na vasta terra de Courtois, é uma benção se dez Dragoons forem armados em um ano”

Rudel não aceitou essa explicação. Seus desejos depois de ver o primeiro Dragão na vida estavam queimando tão forte que marcaram o peito do jovem garoto.

(Rudel): “… como posso ser um? Se não é impossível, então isso quer dizer existe um meio, certo? Como posso me tornar um Dragoon!?“

Suspirando pela atitude de Rudel, os servos deixaram uma mensagem implícita em sua explicação: “então pare de ficar só bagunçando e melhore essa sua personalidade!”

(Servo): “Rudel-sama, se você continuar com seu estilo de vida atual, você nunca será um Dragoon. A vida apropriada para um nobre; sendo gentil com os outros; ser diligente também é importante… agora mesmo, você está falhando em todos os requisitos”

O servo falou claramente. Havia um motivo para eles falarem tão claramente. Falando de maneira simples, Rudel era um idiota.

Suas ações eram exorbitantes e ele sempre causava confusão por onde passava. Seus pais apenas viam seu valor como o próximo herdeiro, deixando ele por conta própria e ressaltando que ele era apenas o futuro herdeiro.

Ele sempre esquecia quando alguém o fazia de bobo. Isso explicava a atitude fria de seus servos.

Talvez Rudel fosse apenas uma pessoa patética. Sem ter nenhum amigo apropriado; sendo feito de bobo por seus servos… mas nesse momento, Rudel conheceu uma existência que o fez perder o interesse em todas essas coisas.

Rudel havia encontrado seu objetivo. Desse dia em diante, o garoto genuinamente egoísta e orgulhoso decidiu que seria um Dragoon de qualquer maneira.


No dia seguinte, Rudel acordou antes do nascer do Sol. Ele sempre se levantava depois do meio-dia. Não havia nem ao menos um servo em seu quarto enquanto ele colocava suas roupas de ginástica. Não, na verdade havia um servo lá, mas ele estava dormindo em sua cadeira, sem dar sinais de que iria acordar.

No dia em que os servos zombaram dele, ele correu pela casa perguntando a todos o que ele deveria fazer. Enquanto eles achavam isso um incômodo, os servos relutantemente explicaram e Rudel memorizou tudo com toda sua força de vontade.

(Rudel): “Acorde cedo e corra; coma comidas saudáveis e mastigue bem antes de engolir…”

Murmurando para si mesmo, Rudel deixou seu quarto e partiu… na luz ainda fraca da mansão, a forma errante e murmurante de uma criança era com certeza ameaçadora.

E a vasta propriedade era o que poderíamos chamar de castelo. Enquanto Rudel corria ao redor do jardim do castelo, ele rapidamente chegou a seu limite. Até então, sua rotina desordeira e o excesso de comida estavam o atormentando… e ele só tinha cinco anos!

Vendo-o daquela forma, os servos e soldados de guarda ergueram suas vozes e riram abertamente. Entre eles havia até aqueles que zombavam de forma grosseira. Mas apesar de tudo isso, Rudel correu sem prestar atenção na zombaria.

Quando terminou de correr, seu corpo estava coberto de suor e estava em um estado onde seria incapaz de aguentar qualquer tipo de alimento. Mas mesmo assim, ele se dirigiu a cozinha e implorou ao chefe algo saudável. Foi a primeira vez que Rudel fez um pedido tão sincero, mas ao ouvir isso, o chefe (que estava muito ocupado nessa manhã) nem parou para pensar sobre isso.

“Entendido”, foi tudo o que ele disse enquanto preparava uma refeição que satisfizesse o pedido.

As refeições de Rudel normalmente eram solitárias. Sem ser particularmente amado por seus pais, ele era continuamente desprezado pelos servos. E alinhado em sua mesa de jantar estava toda a comida que ele odiava… vegetais, derivados do leite e frango cheio de proteínas… na perspectiva de um plebeu, era um banquete extravagante, mas Rudel era o filho mais velho de um Arquiduque.

Isto era um tratamento terrível! E ainda por cima, não havia qualquer sinal de que o sabor foi feito para agradar seu gosto. Seus odiados vegetais ainda estavam amargos! E os outros pratos não eram o tipo de comida que uma criança gostaria de experimentar.

Isso era o quanto Rudel odiava essa situação. E mesmo se ele desejasse se vingar, ele era um idiota que iria esquecer logo sobre isso. Isso era o que eles diriam enquanto hostilizavam o garoto.

Mas mesmo assim, Rudel…

(Rudel): “Obrigado pela comida?”

… fez um cumprimento desconfortável enquanto tomava seu café da manhã. Amargo! Ele pensou, enquanto resistia para se tornar um Dragoon. E depois disso era hora de estudar com seu tutor particular. Mesmo Rudel encontrando sua motivação, seu tutor ainda não sabia o que era isso. Enquanto ele só respondia quando questionado, o resto foi jogado ao vento.

Mas mesmo assim, Rudel leu seu dever de casa, perguntando de tempo em tempo sobre as coisas que não entendia. O tutor particular, que pensava que Rudel era um idiota…

(Tutor): “Você não sabe nem ao menos isso, e mesmo assim está tentando se tornar um Dragoon? Você é mesmo um bobo”

 … cuspiu um pouco de cinismo… mas era aqui nesta mansão que os residentes estavam tendo um mal-entendido. Enquanto havia um problema com as atitudes e pensamentos de Rudel, sua mente não era totalmente ruim. Enquanto ele sempre agiu sem pensar nas consequências, sua cabeça não era de todo ruim.

Quando ele descobriu que não tinha o que era preciso para se tornar um Dragoon, ele perguntou aos servos e escutou suas respostas. E ele imediatamente começou a agir. Talvez fosse essa a força de Rudel. Se agir sem pensar era o defeito de Rudel, isso também era um de seus poucos méritos.

Em seguida foi o treino em esgrima e artes marciais. Mas mesmo assim…

(Instrutor): “Qual o problema jovem mestre? Tentando ser um Dragoon quando não pode nem bloquear este ataque… você está tentando me fazer rir?”

Rudel foi coberto por ataques impiedosos do soldado que era seu instrutor. Esse soldado sabia como maltrata-lo sem deixar nenhuma marca visível. Depois de se aposentar neste território, sua primeira missão foi ensinar esgrima ao idiota do Rudel… ele usava seus sentimentos de frustração contra o garoto.

Apesar disso, Rudel permaneceu de pé.

(Instrutor): “Quanta teimosia… bom. Vamos ver quanto tempo você pode aguentar!”


Você poderia dizer que o primeiro dia foi com certeza o pior. Ele estava sem fôlego logo após começar a correr; ele não conseguiu ir a lugar algum com seus estudos; e seu corpo estava gritando de dor depois da aula de esgrima. Ainda assim, Rudel pegou um livro de sua estante de livros e rastejou para sua cama.

[ “Dragoons são os mais poderosos Cavaleiros…“ ]

Era um livro de introdução sobre os Dragoons do reino de Courtois e era parecido com um livro de figuras. Enquanto Rudel lia em voz alta, o servo a seu lado ficou irritado.

(Servo): “Vá dormir de uma vez, maldito moleque! Aah! Eu estou com sono!”

Ele nunca foi capaz de perceber… o fato de que Rudel, que nunca foi capaz de estudar de forma decente, estava lendo um livro por conta própria…

Depois de terminar de ler o livro, os olhos de Rudel se fecharam com o livro ainda em sua cama.

(Rudel): “Com certeza vou me tornar um Dragoon…”

Ele dormiu imediatamente. O servo pegou o livro e o devolveu a seu lugar na estante. E se dirigindo a Rudel…

(Servo): “Como se você fosse conseguir. Você é mesmo um idiota… fhaaah. Eu preciso dormir um pouco”

O motivo desse servo estar lá em primeiro lugar era para agir em casos de emergência.

Ele definitivamente não estava em uma posição onde poderia dormir.


[1] O sufixo sama confere um sentido de nobreza e superioridade, utilizado para se referir às pessoas que possuem uma altíssima importância ou posição no Japão, como é o caso dos deuses ou imperadores.