O garoto e o noivado

Durante as férias antes do segundo semestre, Rudel voltou para casa. Lá, um evento o aguardava. Para ser mais preciso, era um acontecimento ligado ao evento de Aleist. Depois que Chlust recebeu a punição disciplinar, a ⟦Casa Arses ficou consciente de sua posição e decidiu arranjar um casamento para Rudel.

Essa parceira seria uma pessoa competente com a confiança da coroa. Originalmente, eles deveriam procurar alguém com um status social equivalente à sua casa, mas a ⟦Casa Arses era uma linhagem em declínio, e esse desejo só encontrou portas fechadas. Com várias circunstâncias envolvidas, as candidatas escolhidas eram duas Dragoons, Cattleya Ninias e Lilim. Cattleya vinha de uma casa nobre de baixo nível, mas ela era elogiada como um gênio entre os Dragoons e tinha a confiança da realeza.

Lilim era uma Elfa. Mas por sua aptidão com magia e sua longevidade, ela era um talento notável e os Dragoons depositaram grandes expectativas nela. Ela foi escolhida apenas por consideração, mas ninguém imaginaria que Lilim pudesse ser uma candidata. Em resumo, ela estava lá apenas para criar a ilusão de escolha. Esta era uma forma de hostilizar Rudel.

A ⟦Casa Arses discriminava os Demi-Humanos. E ainda assim, uma das únicas candidatas que eles conseguiram foi uma Elfa… era certamente uma desgraça. Além disso, a outra candidata era uma Dragoon… era impossível simplesmente rir de sua linhagem, mas todos imaginavam muitas ofensas para elas.

E é claro que elas foram convidadas entre algumas risadas…

Obviamente, depois de tudo isso, Rudel voltou para casa. Assim que ele voltou, ele entregou algumas lembranças para sua irmã Lena e disse a ela tudo sobre a academia… Lena estava agindo estranho. E quando ele percebeu isso, ele perguntou…

(Rudel): “Meu noivado!? Não, não é esquisito, mas isto veio do nada”

(Lena): “Você só vai escolher uma das candidatas para o casamento! Eu ouvi que elas são duas Dragoons

Com essas palavras, Rudel ficou profundamente emocionado! O bastante para fazer ele pular sem parar…

(Rudel): “É verdade Lena!? Elas são Dragoons… então eu tenho que me apressar e me preparar!”

(Lena): “Mano… você parece feliz”

(Rudel): “É claro que estou! Eu vou conhecer Dragões! Dragões, Lena!”

(Lena): “… você não mudou nada”


No dia do encontro, as duas montaram seus Dragões e seguiram para a terra dos Arses. As cidades se espalhavam embaixo de seus olhos, mesmo dos céus, elas podiam ver a falta de ânimo. O tráfego humano era assustadoramente pequeno… para os Dragoons que conheciam outras terras, o território de Arses era anormal.

(Cattleya): “Se casar neste território seria o pior”

Cattleya murmurou enquanto montava seu Dragão Vermelho… a bordo do Dragão do Vento atrás dela, Lilim respondeu a seus resmungos.

(Lilim): “Seu noivado já está decidido, mas eu acho que você está sendo apressada, Cattleya”

(Cattleya): “Hmm. Você com certeza está tranquila senpai[1]… de forma alguma você será escolhida”

Cattleya não era boa lidando com Lilim. Ela tinha uma péssima afinidade com seu estilo de luta, e ela era sua superior… além disso, ela era uma pessoa competente que foi escolhida por um Dragão do Vento, assim, Cattleya não podia queixar-se.

Lilim tinha cabelo louro e pele pálida… mas seus olhos permaneciam fechados. Não era como se ela fosse cega… ela tinha um motivo para não os abrir.

(Lilim): “Eu escutei da minha irmãzinha, mas, aparentemente, ele não é uma pessoa terrível, sabia? O Vice Capitão disse que ele tem bastante habilidade, então não consigo entender o motivo para você odiar ele… o rosto dele não é do seu agrado?”

(Cattleya): “… seu rosto é normal… mas se for ele, eu gostaria de evitar! Aquele garoto é…”

O rosto de Cattleya ficou sombrio… percebendo a atmosfera, Lilim não disse mais nada sobre o assunto.

Essa jornada questionável pelo céu chegou ao fim e as duas aterrissaram com seus Dragões no jardim da ⟦Casa Arses… mas lá, uma única pessoa apareceu. Para alguém ficar pulando sem medo dos Dragões… elas só tinham péssimos pressentimentos sobre isso.

Mas essa pessoa… abraçou o Dragão. Em resposta, o Dragão do Vento moveu suas asas para escapar. Como se houvesse um perigo mortal para ele, Lilim cautelosamente se aproximou da pessoa.

(Lilim): “O que você está fazendo?”

(???): “… sinto muito. Eu só fiquei muito feliz… eu vou refletir sobre os meus atos”

É claro que essa pessoa era Rudel. Abrindo um pouco seus olhos, Lilim confirmou as roupas que ele vestia e comparou sua aparência com a descrição de sua irmã. Ela se desfez de sua cautela e acalmou seu Dragão.

Ver um Dragão tão perto… seu corpo enorme e sua forma demoníaca invocavam muito medo. Para ser alguém tão excêntrico que nem mesmo um Dragão o atacaria… essa foi a primeira impressão de Lilim dele.


Guiadas para dentro da mansão, as damas se encontraram na sala em que as reuniões eram supostas para acontecer. Enquanto seu primeiro encontro estava planejado para acontecer nesta sala… como Rudel fez tamanha descortesia, as duas estavam bebendo chá enquanto esperavam.

(Cattleya): “Ele é estranho, não é senpai? Estou aqui por ordens da minha casa, mas por que você não recusou?”

Cattleya perguntou enquanto bebia seu chá, e Lilim respondeu.

(Lilim): “Eu sou uma Elfa. Não importa o quanto eu conquiste, eu nunca conseguirei um nome de família. A única exceção é me casar com um nobre, assim a criança nascida desta união irá receber o nome… isto é parte do pedido dos anciãos, mas… eu escutei que ele era um indivíduo que minha irmãzinha tem interesse, então eu quis conhece-lo. Bem, eu só estou aqui para importunar o líder da casa”

Mesmo agora, |Courtois| tratava mal os Demi-Humanos. O motivo para eles poderem até se tornar Cavaleiros do país era pelo fato do vizinho, o |Império Gaia|, ser um estado militar. Se eles não priorizassem os mais capacitados, uma lacuna iria se formar em pouco tempo.

Essa era a “Configuração do Mundo”.

Como se fosse para interromper a conversa, o líder (pai de Rudel) fez sua entrada.

(Pai): “Eu peço desculpas pela descortesia de antes… desse meu filho desastrado. Eu espero que vocês perdoem ele”

Enquanto suas palavras eram uma forma de pedir desculpas, sua atitude claramente demonstrava seu desprezo pelas duas. As duas não ligaram para isso. Elas se levantaram e ofereceram ao arquiduque algumas reverências de Cavaleiras. Assim que isso aconteceu, foi a vez de Rudel aparecer.

(Rudel): “E-eu fiz vocês esperarem!”

(Pai): “Rudel! O que você está pensando!? Sua desgraça para a ⟦Casa Arses… mantenha nossas convidadas acompanhadas”

Assim que ele disse isso, o pai de Rudel deixou a sala. Essa era uma interação horrível, mas do ponto de vista da ⟦Casa Arses, eles estavam lidando com uma nobre menor e uma Demi-Humana. Se elas não fossem Dragoons respeitadas pela nação, o pai de Rudel as veria como nada mais do que pedras ao lado da estrada.

(Cattleya): “É um prazer ser sua companheira, Rudel-sama. Por esta honra inenarrável, eu vou… hah”

Cattleya tentou saudá-lo, mas ela parou no meio, suspirou e se sentou em sua cadeira. Ela nem tentou olhar para o rosto de Rudel. Para ser mais preciso, ela se lembrava de sua malícia sempre que o fazia.

(Lilim): “Cattleya… minhas desculpas Rudel-sama. Estou certa que você não está satisfeito comigo, mas podemos falar um pouco? Eu sou Lilim… como você pode ver, eu sou uma Elfa

Rudel ficou deprimido com a atitude de Cattleya… era como ser odiado por seu ídolo favorito. Mas assim que Lilim o cumprimentou, ele se animou no mesmo instante.

(Rudel): “Eu sou Rudel Arses. É uma honra conhecer a Dragoon que eu mais admiro!”

Rudel conhecia quase todos os Cavaleiros Dragoons. Indiferente à popularidade. E entre eles, ele naturalmente conhecia o ilustre nome de Lilim. Como Rudel se aproximou com olhos brilhantes, Lilim se afastou um pouco.

(Lilim): “Você é exatamente como minha irmã disse… você realmente admira tanto os Dragoons?”

(Rudel): “Sim! Com certeza vou me tornar um!”

… Lilim pensou que isso seria difícil. Mesmo no caso dela, ela sabia que se tornar uma Dragoon foi um milagre.

Ela não achava que seria possível para Rudel que só tinha recebido avaliações razoáveis.

Mas talvez por isso… ela convidou Rudel para fora para montar nas costas de seu próprio Dragão.


(Rudel): “In-incrível! Incríveeeeel!!”

Lilim montou com ele. “Estou feliz que ele está encantado com a velocidade do meu Dragão do Vento… ela pensou. A resistência do ar era bloqueada pela magia do Dragão. Graças a isso, não importava o quão rápido eles se movessem pelo céu, eles podiam olhar livremente para o chão.

(Lilim): “Você está satisfeito, Rudel-sama? Suas preocupações foram jogadas para longe…”

(Rudel): “Eh?”

Havia outra razão para este noivado arranjado. Era para fazer Rudel ficar consciente de que ele era o próximo arquiduque.

Para fazê-lo parar de sonhar com Dragoons para sempre.

(Lilim): “Você deverá se casar com Cattleya e você precisa olhar melhor para a realidade. Se você se casar, como herdeiro, será importante para você ajudar o atual arquiduque”

(Rudel): “O-o que você está dizendo? Lilim-sama, eu…”

(Lilim): “Eu escutei de você da minha irmã. Notas excelente e mesmo que você tenha um ou dois problemas, você é tolerante com Demi-Humanos… você deveria colocar seu território em primeiro lugar e cuidar dele. Desista de ser um Dragoon. Sua esposa Cattleya irá cumprir suas tarefas de Cavaleiro em seu lugar”

As palavras que ele recebeu de sua respeitada Dragoon foram “desista”… essas palavras atingiram com força Rudel.


Assim que o encontro com Rudel terminou, as duas damas seguiram para seus alojamentos. O dia já estava escurecendo e, na hora em que elas chegaram, já era noite. Cattleya pensou em zombar de Lilim.

(Cattleya): “Você teve sucesso em se promover senpai? Mesmo assim, você é tão cruel… falando para ele desistir”

(Lilim): “Oh. Calada… esse era supostamente para ser o seu trabalho”

(Cattleya): “Bem, bem… mas ele provavelmente vai desistir com isso. Quero dizer, ele ouviu isso de uma Dragoon em atividade… e aquele olhar no rosto dele quando ele voltou! Era mesmo uma ‘cara de fim de mundo’”

Lilim achou isso um pouco estranho… normalmente, Cattleya não era o tipo de pessoa que dizia esse tipo de coisas. Ela era um gênio e, mesmo que ela menosprezasse as pessoas ao seu redor, não era nada tão terrível assim. Lilim ficou curiosa sobre o motivo que a fez ficar com sentimentos tão negativos.

(Lilim): “… eu me sinto um pouco culpada por ele…”

As palavras de Lilim nunca alcançaram Cattleya.


[1] Senpai é uma forma de se referir a alguém mais velho e mais experiente.