Ultrapassando Marty (Parte 2)

(Rudel): “Eu posso mesmo acariciar você?”

(Fina): “Sim. Eu não vou conseguir entender a menos que experimente por mim mesma”

[Fina]: (“Se apresse! Vamos para as carícias. Me acaricie agora!!! E assim eu serei capaz de adquirir essa técnica sagrada!”)

No quarto da princesa, as palavras da princesa criaram uma atmosfera bizarra. Por alguém pedir para que ele a acariciasse, Rudel só podia se lembrar de sua irmãzinha Lena. Se lembrando de sua irmã, ele tentou alegremente acariciar ela… mas foi impedido. Sem dizer nada, aquela que o impediu foi a Alta Cavaleira Sophina.

(Sophina): “Vo-você não pode! Algo tão indecente… Fina-sama, você deveria parar com isso agora!”

(Fina): “Por que isso não é bom Sophina?”

(Sophina): “Simplesmente não é bom!”

(Fina): “Então não tem jeito… neste caso, eu vou desistir de receber o carinho. Mas no meu lugar, Sophina, você será acariciada”

(Sophina): “Por que isso acabou assim!?”

(Fina): “Isso é uma ordem”

[Fina]: (“Ande logo. Eu devo aprender essa técnica a qualquer custo!”)

Sophina e Fina ficaram entretidas nessa conversa improdutiva sobre quem deveria ser acariciada ou não. Rudel não queria simplesmente retrair sua mão que estava pronta para acariciar alguém, então… ele colocou ela na cabeça de Mii, que estava por perto. No início, lentamente e gentilmente… recebendo um ataque surpresa, Mii teve a inocência de acreditar que iria ficar bem.

Ela se arrependeu disso.

(Mii): “Eh!? Esper… aí não… mn. Ah!”

As mãos dele alcançaram as orelhas de Mii. As pontas de seus dedos gentilmente afagaram elas… Mii caiu sobre seus joelhos, fazendo barulho enquanto atingia o chão. Com esse som, Fina parou sua discussão e olhou para ela.

(Fina): “Eu perdi isso… Sophina, é a sua vez”

[Fina]: (“Foi porque você foi barulhenta demais que eu perdi a visão de Mii sendo acariciada! Se responsabilize e vá receber o carinho!”)

(Sophina): “Não faça piadas comigo pri… eek!”

Enquanto ela tentava negar a ordem, Rudel deu a volta e começou a afagar as orelhas dela. Uma Alta Cavaleira tendo sua retaguarda tomada por um estudante já era em si uma falha. Mas como Rudel não tinha nenhum objetivo ruim, como ele só estava tomado pelo puro desejo de acaricia-la, Sophina foi incapaz de o notar. Sophina viu o inferno.

(Fina): “Wow. Isto é incrível”

[Fina]: (“Ele está gerando magia nas pontas dos dedos? Usar magia neste nível será difícil para mim… seis… não! Se eu me esforçar, então em três anos eu devo ser capaz…”)

(Sophina): “N-não! Não me acaricie assim!”

Enquanto o rosto de Sophina ficava vermelho, O corpo dela se contorcia e Fina assistia com intensidade. Para ser honesto, Sophina não era fofa, então Fina não tinha interesse nela. Ela era capaz de assistir essa cena como se fosse um simples experimento.

Foi aí que Rudel ficou interessado em seus próprios limites. Nesse ponto, ele tinha apenas usado exatamente o que tinha aprendido, mas agora, ele queria testar a técnica que ele ainda estava adquirindo. Essa técnica era…

(Rudel): “Que cabelo lindo… uma adorável tonalidade de roxo escuro. Você deve estar cuidado bem dele, Sophina-san, você é…”

Ataques verbais! De acordo com Marty Wolfgang, é importante expressar seu amor com palavras. Mesmo que sejam coisas que você não pode expressar em palavras, você não deve negligenciar o teste. Como essas palavras eram dirigidas para Dragões, o indivíduo chamado Marty era uma pessoa tão excêntrica quanto Rudel.

Mas Rudel estava lidando com um humano, a humana Sophina que não estava acostumada com esse tipo de situação. Se ela queria resistir ou aceitar isso, a própria pessoa já não sabia mais… seu quadril desistiu da mesma forma que o de Mii e ela caiu no chão.

(Sophina): “Hah, hah… eu-eu não estou feliz com…”

Sentada, seu corpo ocasionalmente se contraía enquanto apenas sua boca tentava resistir. Enquanto Rudel olhava de forma séria a reação de Sophina…

(Rudel): “Então eu ainda tenho muito o que melhorar…”

Ele estava irritado. Mas Fina pensava de forma bem diferente.

(Fina): “Bem, tudo depende da prática Rudel-sama”

[Fina]: (“E pensar que ele estava neste nível… e o homem que supera meu mestre, Marty Wolfgang… quão alto ele chegou? Que coisas magníficas ele pôde ver?”)


Depois disso, Rudel começou a visitar o dormitório das garotas para praticar com frequência. Mas a pessoa em questão só fazia isso porque não podia recusar uma ordem da princesa. Se ele precisava praticar, não precisava ser no dormitório das garotas.

Mas se um homem começa a aparecer todos os dias no dormitório feminino, é claro que as outras garotas iriam notar. Para deixar as coisas piores, uma pessoa que nunca deveria ser informada sobre isso acabou descobrindo tudo. Antagonista da tribo dos Gatos Brancos, uma jovem dama da tribo dos Gatos Negros, “Ness”, ouviu sobre esses rumores.

O motivo para que ela nunca devesse descobrir isso… era porque Ness amava Mii. Não do mesmo jeito que a outra pessoa… o amor dela ultrapassava a barreira de tribos rivais, e até mesmo a barreira dos gêneros. Ness era uma jovem senhorita com cabelos negros longos e macios. Ela tinha um corpo flexível, alto para uma mulher e que se destacava onde deveria.

Mas ela estava fora das tabelas de popularidade dos garotos. Ela era extremamente fria com homens. Unicamente interessada por garotas, o fato de Rudel estar frequentando o quarto da princesa e o fato de Mii estar lá eram insuportáveis para ela.

Uma vez, enquanto a curiosidade dela crescia e ela passava pelo quarto da princesa… como obra do destino, Mii acabou aparecendo. E vendo Ness, Mii se escondeu atrás dela.

Um passo atrás, a princesa Fina apareceu, e ainda mais atrás, Rudel caminhava para fora do quarto… Sophina já estava incapacitada, então ela não estava indo para lugar nenhum.

(Fina): “Não fuja Mii”

[Fina]: (“Fugir quando estávamos na parte boa… isto é provocação! Minha gatinha é mesmo astuta!!!”)

Já com os ânimos exaltados, Fina olhou para a Gata Branca se escondendo atrás de Ness sem expressão. Mas para Ness, sua amada Mii estava se escondendo atrás dela, pedindo por ajuda. De forma alguma ela não iria salva-la! No momento em que ela pensou nisso (havia algumas ideias indecentes no meio desses pensamentos), sua sorte acabou.

(Ness): “Pare com isso princesa! Você está assustando a minha M… Mii, não está!?”

(Fina): “Quem é você?”

[Fina]: (“Bom, é lógico que eu sei. Eu já investiguei todas as fofuras, incluindo as que já se graduaram… além disso, você acabou de dizer ‘minha Mii’, não foi? O que é este sentimento de traição que eu estou sentindo!? Você está me excitando, merda!”)

Por trás de todos esses pensamentos, Fina encarou Rudel e as Altas Cavaleiras que estavam atrás dela… mas Rudel não entendeu o que ela estava tentando dizer. Aliás, ele não queria entender. Desde que ele começou a se envolver com a princesa, um sentimento de terror começou a crescer dentro dele sempre que ele pensava nesta garota.

(Ness): “Eu sou Ness, uma estudante do quarto ano. Eu vou levar Mii para o quarto dela, então… esperem! Por que vocês estão me cercando!? N-não! Me deixem ir!”

As Altas Cavaleiras sussurraram pedidos de desculpa enquanto elas carregavam Ness e Mii para o quarto da princesa (o covil do mal).


Colocando suas mãos em um novo sacrifício, a princesa Fina prendeu Mii por conta própria, enquanto deixou Ness amarrada com uma corda. Rudel ainda não conseguia entender a situação. Ele estava entrando em pânico pensando sobre o que deveria fazer.

(Ness): “Me deixem ir!”

(Fina): “Isso não é bom. Pelo crime de tentar me trair com a minha Mii… eu vou recompensa-la com isso. É a sua vez mestre!”

[Fina]: (“Eu coloquei as mãos em uma fofura branca e outra negra… isto poderia ficar melhor? Se ficar melhor em vou enlouquecer!!!”)

(Rudel): “??? Você quer que eu desamarre ela?”

(Fina): “… do que você está falando? Você só precisa acariciar ela”

[Fina]: (“Por que ele ainda não entendeu depois de chegar tão longe? Se apresse e dê a ela uma boa dose de fofura!”)

Ouvindo isso, Rudel olhou para Ness… que o encarou com olhos cheios de ódio.

(Ness): “Eu não quero um homem perto de mim!”

Nesse ponto, ela demonstrava seu ódio independente de status ou autoridade.

(Rudel): “Parece que ela não quer ser tocada”

(Fina): “Hah. Mestre… se você for capaz de domar uma mulher que te odeia… e se dar bem com ela, então você poderá melhorar ainda mais”

(Rudel): “Entendi!”

Convencido por Fina, Rudel usou todas as técnicas que possuía para tentar se tornar amigo de Ness. Como resultado…

(Ness): “Pa-pare! Ah! Mi-minhas orelhas parecem tão bo… a cauda não!!!”

(Rudel): “Que cabelo lindo… sua cauda é tão bonita”

E no fim, mesmo que ela não tenha deixado de odiar os homens, o nascimento da Gata Negra Ness que iria aninhar-se com Rudel aconteceu. O característico ronronar de tribo das feras mostrou seu poder e ressoou dentro do quarto de Fina… Rudel murmurou…

(Rudel): “Eu tenho a impressão de que tem algo errado aqui…”

A dúvida de Rudel era irrelevante para Fina. A cena atual era sua justiça! Duas gatas com os rostos vermelhos caídas no chão de seu quarto. A humana Sophina deitada era meio que um bônus…

[Fina]: (“Chegou! Minha era finalmente chegou!!!”)