A irmãzinha e o ⌈Mago⌋ idiota

Nas férias prolongadas do quarto ano, Rudel voltou para sua casa pela primeira vez em muito tempo. Ele não teve oportunidade de conversar com seu pai na cerimônia de nomeação de Cavaleiros. Vendo Luecke e Eunius falando felizes com os líderes de suas casas, seus pais, ele queria agradecer seu próprio pai que o criou e o permitiu chegar até este ponto.

Durante seu terceiro ano, ele devotou todo o seu tempo com Chlust e foi incapaz de voltar, então ele estava ficando preocupado com sua irmãzinha Lena. Descendo da carruagem e vendo sua casa pela primeira vez depois de tanto tempo, Rudel estava surpreso com a recepção que ele recebeu.

(Rudel): “O que é isto?”

Foi a primeira coisa que ele disse. Os servos da mansão estavam todos alinhados para recebe-lo. Vendo os servos alinhados por todo o caminho do portão até a entrada, “Poderia ser que um convidado está vindo?”, foi o que Rudel pensou enquanto seguia para a porta dos fundos. Mas os soldados no portão se apressaram para impedi-lo.

(Soldado): “Jovem mestre, por favor, entre na mansão pela porta da frente”

(Rudel): “Jovem mestre? Não tem nenhum convidado vindo?”

(Soldado): “E-esse não é o caso, nós recebemos ordens para preparar uma recepção digna do próximo líder…”

Enquanto o guarda do portão não tentava nem ao menos olhar nos olhos dele, Rudel pensou um pouco. Assim que ele terminou de pensar, ele caminhou pelo caminho (com servos alinhados de ambos os lados) para entrar na mansão. Assim que ele entrou, ele foi recebido por um mordomo. Com esta recepção que ele nunca teve antes, Rudel ficou confuso sobre como reagir enquanto ele falava com o mordomo.

(Rudel): “Você não precisa fazer isso para as próximas vezes. Apenas faça como você sempre fez”

(Mordomo): “Mas isso… não, eu vou falar com eles”

O mordomo tentou dizer algo antes de desistir e levar Rudel até seu pai, no quarto do líder da casa. Mesmo que você dissesse que era o quarto do pai dele, não era um quarto para trabalhar ou estudar. Era o quarto que a amante dele usava. O mordomo bateu na porta e depois que ele informou ao chefe que Rudel tinha chegado, uma voz sonolenta saiu de dentro do quarto.

(Arses): “… entre”

O mordomo assumiu sua posição do lado de fora e Rudel entrou sozinho no quarto. Normalmente, era um quarto que ele nunca entraria, mas assim que Rudel entrou, ele apertou seus olhos.

(Rudel): “Pai, eu voltei da academia para as férias prolongadas”

(Arses): “Estou vendo, faça o que quiser”

Vendo seu pai desinteressado e enterrando seu rosto nos peitos de sua amante, Rudel refletiu se deveria dizer o que estava em sua mente. Ele tinha a sensação de que o local não era adequado. Tomado pelo cheiro de álcool, números vestidos caros e joias estavam descuidadamente espalhadas pelo quarto. Se curvando, Rudel saiu e seguiu direto para o seu próprio quarto.


(Rudel): “A mansão realmente está estranha ultimamente. Como eu poderia dizer isso? Quando eu pensei que eles estavam em pânico, a atitude deles subitamente mudou”

Assim que ele chegou em seu quarto, sua irmã mais nova Lena, que escutou sobre o retorno dele, já estava lá. Rudel não estava surpreso com isso, mas ele ficou chocado com o crescimento de Lena. A estatura dela era alta para uma garota de 12 anos, seus cabelos cresceram e estavam amarrados no lado esquerdo de sua cabeça. Ela ainda tinha vestígios que ele reconhecia, mas ele precisava dizer que ela cresceu demais.

Como a atmosfera da mansão mudou, ele tentou perguntar a ela, mas Lena só poderia dizer que a mudança foi repentina. Era uma resposta que combinava com Lena, que nunca prestou muita atenção a seus arredores, mas Rudel não poderia compreender a situação em que estava. Nesse ponto, havia muitos servos que não iriam reconhecer ele quando ele voltava para casa.

Ainda assim, a atitude de todos tinha mudado. “Isto está bizarro demais”, foi o que Rudel pensou.

(Lena): “Mais importante que isso, a academia é divertida? Você não veio ano passado e quando meu irmãozão não está aqui, eu… eu… ah, você trouxe alguma coisa legal?”

(Rudel): “Eu trouxe alguns bolos da cafeteria”

Quando ele entregou o bolo, Lena alegremente começou a comer onde estava. Ela cresceu mais alta e mais madura, mas vendo que ela não mudou muito por dentro, Rudel sorriu.

(Rudel): “Mesmo assim, eu não consigo me sentir tranquilo aqui. O que será que aconteceu? Tenho certeza que tem relação com Chlust sendo enviado para a fronteira, mas quando eles tomam ações tão descaradas… você me entende?”

(Lena): “Isto é o que Erselica me disse, mas agora que Chlust se foi, você é tudo o que sobrou, então eles têm que te tratar bem. Quando foi decidido que Chlust seria enviado para as fronteiras, Erselica estava chorando, sabia?”

Ouvindo o nome de sua outra irmã mais nova, Rudel se lembrou de Erselica, que se agarrava a Chlust desde que era pequena. E assim que ele o fez, desta vez, Lena falou como se estivesse se lembrando de algo.

(Lena): “Oh, é verdade! Erselica vai entrar na academia assim que ela completar quinze anos e ouça isso! Eu vou ir com ela! Como uma guarda, ou melhor, o líder disse para vigiar e ter certeza que nenhuma mosca apareça perto dela.  Erselica vai se casar por dinheiro, então a esposa me disse para ter certeza que nenhum pobre chegue perto dela na academia…”

Por volta da última parte, Lena perdeu sua animação, mas ouvindo isso, Rudel estava convencido de que seu território estava passando por apertos financeiros. Enquanto eles ainda estavam bem no momento, Erselica, que eles tanto mimaram, iria se casar com o dinheiro como único critério. O que significava que status e personalidade não tinham importância.

Se lembrando de sua própria mãe, Rudel ficou triste enquanto ele ponderava se esse caminho era o correto.

(Lena): “Mais importante que isso mano! Vamos ter um duelo. Eu aumentei minhas habilidades ainda mais no último ano, então talvez eu tenha até te superado”

(Rudel): “É mesmo? Então é melhor eu te enfrentar com tudo o que eu tenho”

Rudel e Lena pularam pela janela. Era algo que eles faziam desde que eram crianças e uma ação que eles tomavam sem sentir que nada estava errado. Segurando uma espada de madeira e um lança nos jardins, os dois lutaram até o anoitecer.


(Rudel): “Você quer ver a academia? Você ainda só tem doze anos. Espere mais três anos e você vai ter que ir, quer queira quer não, não é?”

Enquanto eles estavam no meio do descanso, Lena subitamente começou a se interessar pela academia e incessantemente importunou Rudel com isso. Como era um pedido de sua irmã, ele alegremente falou sobre sua vida na academia. Mas era uma vida escolar com Rudel como base.

Para colocar de forma simples, era uma vida escolar incorreta.

(Lena): “É um lugar onde você destrói muros fortes com magia e tem duelos de vida ou morte com seus colegas, não é? Eu quero ir conhece-la agora!”

Havia quase duas semanas de férias sobrando, mas Rudel pensou. Quem sabe não fosse uma boa ideia, ele decidiu. Quando ele confirmou com o mordomo, a resposta do seu pai foi “Faça o que você quiser”. Até mesmo agora, ele não iria nem mesmo responder mesmo se Rudel fizesse tal pedido.

Isso realmente fez ele se sentir desconfortável, então ele queria ir para a academia. Na academia, estavam Izumi e a ex-Deusa, então ele não ficaria chateado. E se ele levasse Lena até lá, então ela provavelmente ficaria feliz. Ele decidiu seguir esse sentimento agradável.


(Lena): “Whoooaah!! Então esta é a cafeteria da escola”

Rudel voltou para a academia depois de deixar a mansão de sua casa. Quando ele voltou com uma semana de folga sobrando, além de Izumi, Luecke e Eunius também estavam de volta. Voltando para a academia e seguindo primeiro para o dormitório dos garotos, Rudel se encontrou com Luecke no salão de jantar.

(Rudel): “Este é o salão de jantar do dormitório masculino. A cafeteria da escola fica no prédio da escola, então eu vou te levar lá mais tarde”

(Luecke): “Rudel? Você voltou mais cedo… quem é essa que está com você?”

Como Luecke ficou curioso com a pessoa ao lado de Rudel, essa pessoa, Lena, sorriu e o cumprimentou. As roupas que ela vestia eram roupas antigas de Rudel, então ela era uma bela mulher em roupas masculinas.

(Lena): “Prazer em conhecê-lo! Eu sou a irmãzinha do meu irmãozão, Lena”

(Luecke): “En-entendo”

Luecke olhou para Lena e acabou pensando nela como uma versão feminina de Eunius. Nesse caso, ele não fazia ideia do que dizer, então ele jogou a conversa de volta para Rudel.

(Luecke): “Mesmo você querendo trazer sua irmã aqui, não foi cedo demais para isso? Você não poderia esperar até o próximo ano?”

Vendo Lena e considerando a altura dela, Luecke pensou que ela iria se matricular na academia em um ano. Depois que Rudel explicou sobre sua irmã mais nova Lena, Luecke ficou surpreso.

(Luecke): “Doze!? Você é grande para alguém com doze anos… não, minhas desculpas”

(Lena): “Não se preocupe com isso, mais importante, há uma pessoa chamada Eunius por aqui?”

(Luecke): “Você conhece Eunius? Você tem negócios com ele!”

Dizendo isso, Lena puxou sua lança que ela mantinha em suas costas. Ela falou com deleite sincero.

(Lena): “Meu irmão disse que ele é forte, então eu queria tentar lutar com ele!”

(Rudel): “É melhor você desistir dessa ideia Lena. Ainda é cedo demais para você”

Depois que Rudel acalmou Lena, Luecke estava começando a vê-la como uma mulher com o jeito de Eunius. Uma jovem garota, como se Eunius e Rudel fossem combinados e a média saísse. Essa foi a impressão que Luecke teve dela. Enquanto Luecke brigaria com frequência com Eunius, quando ele viu um ponto similar em Lena, ele pensou…

[Luecke]: (“O-oh Deus, por que meu coração está acelerado!? Não, não pode ser, algo assim…”)

Uma olhada em Lena fez Luecke sentir emoções que ele nunca experimentou antes. E sem ele ser capaz de ter uma conversa apropriada com a garota, ela e Rudel seguiram para o dormitório feminino.


A razão para ele seguir para o dormitório feminino era buscar a ex-Deusa que ele deixou aos cuidados de Izumi. Durante as férias, ele entregou a Izumi o dinheiro que ele pensou ser o suficiente para as despesas alimentares e várias outras despesas que poderiam aparecer e a pediu para tomar conta da ex-Deusa. Rudel podia entrar no dormitório das garotas sem qualquer problema. Rudel achava que isso era normal e ele não pensou muito sobre isso.

(Lena): “Que tipo de pessoa é Izumi? Sua namorada?”

(Rudel): “… não. Ela é uma preciosa amiga”

(Lena): “Eeh, mas você sempre está tão feliz quando fala sobre ela, não é? Por que você está mentindo para mim?”

Lena estava interessada em Izumi, sobre quem Rudel iria falar na mansão. Sendo capaz de finalmente conhecer ela, Lena estava animada. Ainda assim, ela ficou insatisfeita com a declaração de Rudel que escondia seus verdadeiros sentimentos.

Enquanto eles estavam falando, Izumi e a ex-Deusa estavam comendo no salão de jantar do dormitório feminino. Enquanto a ex-Deusa comia sua montanha de bolo, Izumi mostrou um sorriso sem graça enquanto ela bebia seu chá e observava.

(Ex-Deusa): “…hmmhohmm”

(Izumi): “Hey, você não devia falar com comida na boca, não é mesmo? Bem-vindo de volta Rudel… e essa ao seu lado é?”

(Lena): “Oooooh! É Izumi em carne e osso! Eu consegui uma Izumi de verdade para mim!”

Izumi estava surpresa sendo citada assim, mas vendo a cor do cabelo de Lena, ela ponderou por apenas um momento se essa garota era do oriente.

(Rudel): “Esta é minha irmã mais nova Lena. Ela disse que estava interessada na academia, então eu a trouxe aqui”

Rudel cuidou da apresentação dela, mas a Lena em questão estava levantando a ex-Deusa como uma criança enquanto olhava para ela maravilhada. Era quase como se um adulto estivesse brincando com um bebê! Mas com uma criança.

(Lena): “Isto é uma ex-Deusa? Eu estava imaginando algo mais impressionante. Que decepção”

(Ex-Deusa): “H-hey você! O que você acha que está dizendo!? Mesmo que você acrescente o ex, eu ainda sou uma Deusa! Mesmo assim, com o que você está desapontada!?”

Vendo o rosto decepcionado de Lena, a ex-Deusa se irritou com creme grudado em sua boca. Mas perdendo o interesse, Lena se lembrou que era quase meio-dia. E este era o salão de jantar do dormitório feminino… ela olhou para Rudel com olhos suplicantes.

(Rudel): “Yeah, você pode pedir o que quiser”

(Lena): “Como esperado do meu irmão! Então uma porção grande do especial e uma porção grande daquele à la carte[1] e eu deveria comer este aqui também? Por último, a sobremesa, mas… bom, tanto faz”

(Ex-Deusa): “Espere aí! Quando eles têm sobremesas deliciosas, você não vai pedir nenhuma? Ao invés disso, pedindo uma porção enorme de tudo disponível no menu? E você se diz uma mulher?”

Terminando seu bolo, a ex-Deusa olhou para Lena, que não demonstrou interesse em sobremesas, como se estivesse observando uma espécie perigosa. Ignorando tudo isso, Lena recebeu suas porções gigantes da funcionária, tomou seu assento e começou a comer com grande ímpeto. Poderíamos dizer que ela possuía incríveis técnicas de mastigação.

(Ex-Deusa): “Ela me ignorou! Rudel, essa mulher acabou de me ignorar!”

(Rudel): “Eu sinto muito, eu vou conversar com ela mais tarde. Deixando isso de lado, você… você não causou nenhum problema para Izumi, causou?”

Rudel mirou seus olhos de uma ex-Deusa congelada para Izumi. Izumi mostrou um leve sorriso enquanto explicava que estava tudo bem. E a ex-Deusa a idolatrou por isso.


Com a adição de Izumi e a ex-Deusa no dormitório das garotas, os quatro caminharam para fora do dormitório juntos. E assim que eles fizeram isso, a forma de um Aleist fugindo da tribo dos Tigres apareceu. Tendo se conformado em treinar durante as férias, Aleist saltou em direção à Rudel assim que ele o viu. Agarrando Rudel por seu colarinho, Aleist chorava enquanto falava.

(Aleist): “R-Rudel… o que você fez!?!?!?”

(Rudel): “Hmm! O que houve Aleist?”

(Aleist): “Não me venha com ‘o que houve’! Dando o meu máximo contra esses caras assustadores todos os dias! Eu pensei várias vezes que eu realmente ia morrer, você escutou!? Esses caras estão sérios demais e eu não posso continuar neste ritmo e… geh!”

Notando algo, Aleist rapidamente continuou a correr. Desta vez, alguns homens da tribo dos Tigres apareceram correndo enquanto perseguiam Aleist. Assim que eles passaram pelo grupo de Rudel, eles abaixaram suas cabeças para Izumi.

Vendo o sorriso sem graça de Izumi, Lena falou…

(Lena): “Izumi-san é uma pessoa incrível. Para ter essas pessoas assustadoras curvando suas cabeças… ela na verdade é assustadora?”

(Izumi): “Nã-não! É que, bem… eu só permiti isso porque Rudel disse que ele precisava disso pelo bem de Aleist. Eu nunca pensei que as coisas chegariam a esse ponto”

Izumi tentou resolver o mal-entendido de Lena, mas como era de se esperar, ela se tornou uma existência que os Demi-Humanos não podiam ignorar. Tanto nobres quanto plebeus mantinham um olho nela. Os motivos eram ela falar normalmente com os filhos mais velhos dos Três Lordes e ela ser a responsável pelo controle das carícias de Rudel. Alheia a sua verdadeira importância, Izumi não tinha ideia da situação a seu redor.


Assim que Lena voltou para casa, Eunius perdeu a oportunidade de conhecê-la por pouco com o grupo de Rudel. Se encontrando com Luecke, Eunius ouviu sobre Lena e foi em busca de Rudel.

(Eunius): “O que é isto? Então a irmãzinha de Rudel já voltou?”

(Luecke): “É sua culpa por ficar brincando por aí. Bem, ela é uma boa garota”

Nesse momento, Eunius se lembrou das conversas de quando ele voltou para sua casa. Em troca de uma dívida, a Casa Arses iniciou conversas sobre um casamento entre Erselica e Eunius. O pai de Eunius e outros nobres foram contra, então as discussões acabaram rapidamente.

(Eunius): “Pensando nisso, Rudel, houve algumas conversas sobre um casamento entre mim e sua irmã”

(Rudel): “Como é!? Então do que eu devo te chamar a partir de agora? Já que vamos ser parentes, cunhado? Ou meu irmão?”

Rudel reagiu de forma séria a brincadeira de Eunius. Normalmente, isso não seria nenhum problema, mas escutando essa história, Luecke chegou a um mal-entendido.

(Luecke): “U-um casamento com a irmã de Rudel (Lena), é isso mesmo!?”

(Eunius): “Hmm? É isso, houve algumas conversas sobre um casamento com ela (Erselica)”

Ouvindo essa conversa, “De que irmã ele está falando?”, foi o que Rudel pensou. Mas Luecke estava certo que era a irmã mais nova Lena. Apesar de ele saber da existência de Erselica, a repentina declaração de Eunius e a impressão de Lena, quem ele acabou de conhecer, permaneciam em sua mente.

(Eunius): “Qual o problema com você?”

Eunius perguntou quando Luecke abaixou sua cabeça. Levantando seu rosto, Luecke fez uma declaração. Todos os presentes ficaram surpresos com as palavras que eles nunca escutavam vindo dele.

(Luecke): “Então é isso… Eunius, eu te desafio para um duelo!”


[1] A locução à la carte (um termo da língua francesa) é utilizada em uma referência a um menu de itens observados e adquiridos separadamente, ou seja, a operação usual de restaurantes. Outro uso gastronômico é ao pedir um item do menu por conta própria, por exemplo, um bife sem batatas e legumes é um bife à la carte.