A irmãzinha e a ‖Barreira‖

Mostrando um entusiasmo diferente do normal, o dia do torneio individual era mesmo um festival.

Na academia, os Cavaleiros e soldados de guarda nervosamente cuidavam de seus deveres, mantendo a vigilância da Realeza e dos nobres.

As áreas com poucos números foram fortalecidas com Cavaleiros dos Defensores.

Com a entrada dos competidores no ringue circular da arena, o clamor chegou ao máximo de uma vez. Havia uma enorme ovação pelo salão quando a Família Real apareceu, mas a plateia estava ainda mais animada com os competidores que tomaram seus lugares.

Entre os oito alinhados no ringue, além de Rudel, estavam Aleist e Eunius, Izumi e até mesmo Millia.

No fim da linha aparecia Fritz, que conseguiu conquistar sua nomeação apesar de ser um terceiranista.


Na sala dos visitantes nobres, que possuía uma visão completa do ringue, estavam sentados a Família Real e o Diretor. Entre a Guarda Real responsável pela segurança deles, uma única Alta Cavaleira estava presente.

Ela era a guarda de Fina, Sophina, e ela estava mandando olhares fugazes para seus antigos colegas ao redor dela. Para cada olhar tímido que aparecia em resposta, um sorriso triunfante também apareceria.

Até os Altos Cavaleiros que resistiram no começo reconheceram a situação e seguiram para a Guarda Real. Uma grande maioria de Cavaleiros se transferiu. A Guarda Real estava sob controle direto de Aileen, dando um considerável tratamento preferencial quando se tratava de benefícios.

Sophina encarou com pesar seus antigos colegas. Como ela sabia o que estava acontecendo por trás das cortinas, Sophina não poderia perdoar o fato de que todos os seus antigos colegas estavam dançando na palma da mão de Fina.

Correto. Fina estava se preparando para desmantelar os Altos Cavaleiros. Sophina colocou alguma resistência, dizendo que aqueles com mais lealdade iriam persistir como Altos Cavaleiros sem se transferirem para a Guarda Real. “Se isso acontecer, eu vou parar o desmantelamento deles”, Fina respondeu.

Mas olhando para os resultados, a maioria dos Cavaleiros tinha se transferido.

Fina estava se movendo em segredo, garantindo que Aileen não notasse. Ela fazia uma transferência e depois mais uma. Isso foi tudo o que ela fez, mas aproveitando a corrente, um enorme número de Cavaleiros escolheu se transferir. O número deles era tamanho que até Fina ficou surpresa.

[Fina]: (“Sua estúpida! É por sua culpa que os Altos Cavaleiros vão deixar de existir!!”)

Virando apenas seus olhos para observar Aileen sentada a seu lado, Fina a viu se alegrando com a entrada de Fritz na arena. Sentado do lado oposto ao de Aileen, sua mãe, a Rainha, cobria sua boca com um leque enquanto ela encarava sua filha mais velha.

(Aileen): “Aah, que incrível Fritz-sama é…”

Ouvindo essas palavras, o pai dela, o Rei, também olhou para Fritz, mas a expressão dele era de dúvida. Ele estava certo de tentar seu melhor para não deixar seus sentimentos transparecerem em sua expressão, mas pelo sutil movimento do rosto dele, Fina pôde ver que ele estava decepcionado.

Uma pessoa que odiava nobres e o homem que incitou uma rebelião entre os estudantes plebeus da academia. Ainda assim, Aileen o aceitou com essa visão. Ele só poderia ter uma má premonição sobre isto.

Fina olhou para o ringue.

[Fina]: (“Só há uma fofura lutadora… além da partida do mestre e da Cabelo Preto, eu só estou interessa na luta de Millia. Desta vez, não importa se o mestre ganhar ou perder, então como eu deveria passar o meu tempo? Hah, eu acho que não tenho escolha além de pensar seriamente sobre algumas coisas”)

Aos olhos de Fina, Aileen definitivamente ficaria descontrolada se as coisas continuassem assim. Isto era apenas uma previsão, mas a mãe dela estava chegando ao fim de sua paciência pelo fato de Aileen estar apaixonada por um plebeu.

Na verdade, ela honestamente queria aceitar Rudel, que despertou como o Cavaleiro Branco, na família. Se o problema com Chlust não tivesse acontecido, então não como um Arquiduque, estaria tudo bem se eles fizessem de Rudel o Rei. Mas nesse caso, ele teria que casar ou com Aileen ou com Fina.

O Rei Albach planejava casar Aileen com Rudel e Fina com Aleist. Ao invés de usar suas filhar como ferramentas diplomáticas, ele priorizou colocar suas mãos nos Cavaleiros Branco e Negro.

Mas Fina estava preparando um plano para se opor a seu pai. No momento em que ela descobriu isso, ela agiu rapidamente, começando conversas sobre um noivado entre Aileen e Aleist com a Rainha. A Rainha tinha uma fixação por Status e linhagens, mas ela era incapaz de ignorar o Cavaleiro Negro.

Cavaleiro Negro era o nome adotado pelo primeiro Rei de |Courtois|. E olhando os registros, havia relatos de técnicas que se assemelhavam com a forma com que Aleist lutava. Fina insistiu neste ponto, fazendo a Rainha recomendar unir Aileen com Aleist.

[Fina]: (“Bem, eu duvido que isso aconteça com minha irmã desse jeito… hah, então eu realmente tenho que me preparar”)

Para Fina, era perigoso se Aileen não cortasse relações com Fritz. A irmã dela, que era praticamente abençoada pelos céus, protagonizou uma cena em que ela seriamente apoiou Fritz. Essa cena flutuou diante dos olhos de Fina. Se ela não agisse com cautela, havia um temor que o próprio sistema da nobreza desapareceria.

Do ponto de vista de Fina, nobres desaparecendo ou perdendo poder não era um problema. Ela temia as insurreições que viriam com o processo de colapso da nobreza. Quando o enorme poder ao lado deles mostrava seu movimento, se eles continuassem discutindo entre eles, o país certamente entraria em colapso. No pior caso possível, os nobres iriam se voltar contra eles e os colocariam nas guilhotinas.

[Fina]: (“Eu quero ver o fofuraíso. Eu não quero morrer”)

Sem expressão alguma, mesmo assim infeliz, Fina encarou Aileen.


A importantíssima primeira partida foi deixada para Rudel e Izumi.

Com o objetivo de tornar este torneio individual um sucesso, a academia se esforçou bastante. Mas no fim, tudo se resumia ao desempenho dos competidores.

A academia simplesmente animou as coisas o máximo que podia, rezando para que tudo terminasse sem nenhum incidente.

Encarando um ao outro, Rudel e Izumi seguravam suas espadas de madeira reta e curvada enquanto eles aguardavam o sinal do árbitro. Eles não precisavam dizer nada um para o outro. Eles estavam muito concentrados, eles não precisavam trocar um breve cumprimento antes da partida. Isso era algo que os dois lados entendiam.

E assim que a partida estava a ponto de começar, a tensão do salão também subiu.

Depois de confirmar que as preparações estavam completas, o árbitro se virou para a plateia e enviou um sinal.

Um grupo com enormes círculos mágicos gravados em seus escudos começou a se mover ao redor da primeira fileira. Assim que os Cavaleiros Protetores ocuparam a primeira fileira, dessa fileira, que era a mais adequada para assistir as partidas, um único nobre se aproximou.

(Nobre A): “Oy, vocês! Se vocês não estão usando a primeira fileira, então me deem um assento! Há algum sentido para vocês ficarem aí? Eu tenho certeza que é algum tipo de magia, mas não desperdicem nosso tempo com algo inútil!”

O jovem nobre, cercado por alguns poucos seguidores, agarrou o homem que parecia liderar os Cavaleiros Protetores e interrogou ele. O fato de seu adversário ter um vago conhecimento de magia só fez com que o Cavaleiro tivesse mais problemas para explicar.

(??? A): “Então, veja, isto é uma formação para proteger os assentos da plateia e nós temos que nos mover para acompanhar a situação, então nós tivemos que deixar essa fileira vazia…”

O comandante era o veterano de Rudel, Vargas. Ele foi escolhido como líder da recém-formada unidade de Cavaleiros Protetores, liderando uma força de jovens Cavaleiros.

(Nobre A): “Como se um círculo mágico pudesse mostrar efeito se você se mover! Me traga a pessoa responsável por isso!”

(Vargas): “… ah, jovem mestre”

(??? B): “Não me chame assim Vargas! Mais importante ainda, o que é isso? Você está tentando me prejudicar?”

A pessoa que apareceu foi Luecke, vestindo um manto diferente do habitual. Para se distinguir dos espectadores, ele se vestiu com um manto branco ostentando o brasão de sua casa. A razão para Luecke estar tão animado era porque esta era sua oportunidade para revelar a unidade de Cavaleiros que ele mesmo formou.

Se isto desse certo, ele planejava expandir sua unidade para uma brigada. Mas agora, ele tinha outra razão para colocar ainda mais poder neste torneio individual.

(??? C): “Huh? Esta pessoa é Vargas-san? Prazer em conhece-lo, eu sou Lena Arses!”

A pessoa que estava ao lado de Luecke, capaz de conseguir um assento na primeira fileira na condição de ficar perto dele, era Lena. Esse era o tão aguardado último torneio de Rudel, assim, querendo vê-lo com seus próprios olhos, ela fez essa peregrinação.

Mas infelizmente, os assentos estavam todos ocupados. A aparição de Luecke levou para a situação atual.

(Luecke): “… você entende, não é Vargas? Eu não posso falhar aqui”

(Vargas): “Sim, mas é só porque a sua paixão está… eep! Entendido, eu vou voltar para minha posição!”

Apressadamente voltando para a sua posição, Vargas foi pressionado a fugir. Lena acenou sua mão para Rudel e Izumi do outro lado dele.

Assim que Luecke se voltou para o nobre que estava questionando Vargas, ele instantaneamente viu qual era sua casa e facção.

(Luecke): “Hah, é por isso que a facção Diade é tão problemática. Seria outra história se eles fossem ignorantes quanto a magia, mas e pensar que eles falariam coisas tão inadequadas”

(Nobre A): “Vo-você é…”

Pelo brasão no manto de Luecke e sua aparência, o homem viu que estava lidando com um futuro Arquiduque e mesmo que ele fosse de uma facção diferente, ele vacilou. Seus seguidores também propuseram que seu Lorde recuasse.

Em desvantagem, o nobre se virou e partiu. Perdendo interesse, Luecke viu que seus subordinados assumiram suas posições, então ele ativou a magia.

Um tênue dome azul, quase transparente, se espalhou para proteger a plateia. Os espectadores começaram a aplaudir essa magia que eles nunca tinham visto antes.

Mas, mais do que isso, para Luecke…

(Lena): “Luecke-san, obrigado por me deixar entrar na arena!”

Vendo o sorriso de Lena, que ignorou completamente a magia dele por ela estar encantada com o fato de poder entrar na arena, Luecke mostrou um sorriso gentil como resposta. Ele estava agindo de forma completamente diferente de como ele tratou Vargas e o nobre.

(Luecke): “Isso não foi nada”

(Lena): “E, hey, o que é esta coisa azul?”

(Luecke): “Hmm, isto é um campo especial. Eu usei marcações nos Cavaleiros Protetores para completar um círculo mágico. Suavizar impactos é uma tarefa simples, mas se os Cavaleiros se moverem, a magia que previne ataques diretos os acompanha”

Talvez isso fosse difícil demais para Lena porque ela segurou sua cabeça. Luecke desesperadamente deu uma explicação simplificada.

(Luecke): “É-é praticamente uma barreira!”

(Lena): “Oh, entendo. Então é uma barreira!”

Aliviado por Lena finalmente ter entendido, Luecke também mirou seus olhos em Rudel e Izumi. Durante a partida, Luecke teria que constantemente se concentrar no posicionamento dos Cavaleiros Protetores.

Para resumir, esta era uma situação onde qualquer um poderia dar o seu máximo.


(Árbitro): “Muito bem, que a primeira partida… comece!”

Recebendo o sinal do árbitro, os dois assumiram suas posturas. Enquanto Rudel segurava sua espada apontada para frente, Izumi preparou seu Iaidô[1].

Com essa postura desconhecida em |Courtois|, algumas vozes agitadas ressoaram da plateia. Como Rudel hesitou em assumir o primeiro movimento, Izumi tomou a iniciativa.

Assim que ela puxou rapidamente sua espada na direção de Rudel, que estava fora de seu alcance, Rudel subitamente pulou para trás. No lugar que ele estava, os vestígios de um corte permaneceram gravados no ringue.

Agora que a espada de madeira dela estava “desembainhada”, Izumi fez uma aproximação ousada e Rudel desviou de seus ataques enquanto ele a atraia. Mesmo ele mostrando tranquilidade, esses rápidos e afiados cortes estavam brincando com ele.

(Rudel): “O que foi isso agora há pouco? Eu não pude ver a luz da |Mana

(Izumi): “Isso se chama Iaidô. Normalmente, meu alcance é de poucos metros, mas eu vi sua espada mágica e tentei te imitar”

(Rudel): “Entendo!”

Se ele tomasse distância, esses cortes invisíveis iriam voar até ele. Rudel calculou o tempo em que ela ficou naquela posição inicial. Ele concluiu que essas ondas de choque não apareceriam se ela não estivesse com aquela postura.

Mas ela mostrou movimentos sutilmente diferentes do que ele conhecia. O estilo de luta era o mesmo, mas a cultura também variava de país para país. Diferente de Rudel e dos outros, que iriam saltar para encurtar a distância, Izumi iria caminhar.

Não era uma diferença tão grande, mas essas sutis discrepâncias prejudicaram Rudel.

O estilo de luta de Rudel de revestir sua espada em |Mana era possível para Izumi. Mas Izumi só ativava isso quando era necessário. Ela só usava o mínimo de |Mana requerido.

Dessa forma, ela poderia lutar uma batalha prolongada.

Enquanto Rudel estava medindo o alcance dela, Izumi mudou a forma como ela usava a espada. Era parecido com o movimento que ela usou para puxar sua espada na postura anterior, mas desta vez, ela não pretendia embainhar a espada.

(Izumi): “Normalmente, você utiliza a bainha da katana também. Mas uma espada de madeira não tem bainha, não é? Então, eu não preciso me apegar a isso”

Izumi sorriu gentilmente, mas ela estava basicamente dizendo que não precisava assumir aquela postura. Se ela pudesse projetar seus cortes mesmo sem uma bainha, então era natural que ela fizesse isso com qualquer postura que ela escolhesse.

(Rudel): “Isso é mesmo complicado”

Rudel apontou sua mão esquerda, começando um ataque com magia. Era um ataque invisível usando a ‖Magia do Vento‖. Com isso, parecia que ambos os lados estavam em condições iguais.

Mas as ondas de choque de Izumi facilmente atravessaram os ataques de vento de Rudel.

(Izumi): “Você pode parar de brincar Rudel? Eu estou séria aqui”

Vendo o rosto sério de Izumi, Rudel olhou para a borda de suas roupas que foram cortadas. Sem nenhum sinal de desgaste, era claramente um corte limpo.

(Rudel): “… é melhor você não dizer que isso foi desleal”

(Izumi): “Eu não irei”

Apenas com essas palavras, eles chegaram a um entendimento. Para as pessoas ao redor, eles já eram completamente um casal. Na sala de visitantes nobres, Fina estava furiosa.

Assim que Rudel decidiu que ele não poderia vencer com vento, ele usou a ‖Magia da Terra‖ que Luecke utilizou no ano anterior[2]. Esticando sua mão esquerda no ringue, ele manifestou uma parede para cercar Izumi.

Comparada com a de Luecke, a de Rudel diferia em tamanho e força.

Cercada por paredes, Izumi calmamente assumiu sua postura.


(Lena): “Ooh, meu mano é incrível”

(Luecke): “Yeah, fazer um desses tão rapidamente é bem difícil. Deixando a força de lado, com isto, ele selou os cortes invisíveis de Izumi. Essa é a vitória de Rudel”

Luecke estava convencido da vitória de Rudel, mas Lena sacudiu sua cabeça. Quando ela fez isso, seu rabo de cavalo no lado de sua cabeça balançou. Se virando para o rosto apaixonado de Luecke, ela disse a ele que Izumi não tinha desistido.

(Lena): “Ainda não, ele não ganhou. Não tem jeito da Izumi-em-carne-e-osso-san desistir aqui”

(Luecke): “I-Izumi em carne e osso?”

Ao invés de pensar na direção da batalha, Luecke estava mais curioso sobre o título “em-carne-e-osso”.

Logo após isso, a parede de terra cercando Izumi foi desfeita em pedaços por incontáveis cortes invisíveis. O salão convencido da vitória de Rudel se encheu de vozes de surpresa.

Foi em um único instante. Assim que fissuras se espalharam pela parede, Izumi apareceu com sua espada de madeira levantada. Rudel estava com um rosto satisfeito. E talvez Izumi também estivesse feliz por fazer Rudel a levar a sério.

Do ponto de vista da plateia, “Mulheres estrangeiras são assustadoras”, era o que preenchia as cabeças deles.

(Lena): “… viu?”

Com as palavras de Lena, Luecke ficou impressionado. Ele queria perguntar se ela previu os eventos que se desdobraram diante deles, mas primeiramente, ele confirmou que Izumi era uma ameaça ainda maior do que ele imaginou.

Mudando instantaneamente a posição dos Cavaleiros Protetores, ele mudou os Cavaleiros que estavam focados apenas em Rudel para que eles ficassem atentos com os ataques de Izumi.

[Luecke]: (“Se ela for destruída na primeira partida, minha barreira vai perder credibilidade”)

Luecke rezou para que a barreira não se despedaçasse com os ataques de Izumi. Mas ele não podia se impedir de imaginar ela cortando através de sua magia.

Graças a Lena, essa magia de alto nível passou a ser apelidada de ‖Barreira‖.


[1] Iaidô é a arte marcial japonesa do desembainhar da espada. Consiste em conjuntos de katas, técnicas ou movimentos que permitem ao praticante reagir de forma apropriada a determinadas situações.

[2] Essa é uma referência a luta entre Luecke e Eunius no capítulo 063, por um mal-entendido envolvendo as irmãs de Rudel.