Superando Marty (Parte 8)

Esplendidamente atualizando seu recorde de hospitalização na enfermaria, Rudel encarou a janela da sala de doentes.

Os filhos dos Três Lordes estavam todos reunidos nessa sala extravagante. Aleist também estava lá. Havia muitos que ficaram em mau estado neste torneio individual que esteve em uma escala diferente do de antes e garantir salas na enfermaria se tornou um desafio, então eles foram carregados para uma.

Os quatro sofreram sérios ferimentos e perda de |Mana e ainda estavam sob tratamento. Mas não havia forma de eles ficarem em silêncio…

(Eunius): “Por favor, caze-ze cumigu!”

(Luecke): “Hmm, esse foi bem parecido”

(Aleist): “Parem já com isso seus desgraçados!”

Com seu rosto completamente vermelho, Aleist encarou Eunius e Luecke deitados em suas camas com olhos marejados.

Eles estavam o provocando pela confissão sem precedentes no meio de uma partida. Luecke avaliava as imitações de Eunius e essa troca se repetiu várias vezes.

O torneio individual foi concluído e com esse peso a menos em seus ombros, todos estavam em um estado relaxado. A academia estava ocupada cuidando da limpeza do evento, mas os quatro que estavam hospitalizados não tinham nada além de tempo livre nas mãos.

Nesse caso, era natural que eles provocassem Aleist com esse assunto. Eunius ria enquanto ele continuava zombando de Aleist na cama de frente para Luecke.

(Eunius): “Não, não, nós realmente temos que te elogiar aqui. Além de manchar um torneio sagrado, quando a Família Real estava iniciando conversas sobre noivado, você ousadamente confessa seu amor diante deles… eu vou usar esta piada pelo resto de sua vida”

(Aleist): “Você só está zombando de mim! Eu-eu não podia fazer nada de diferente. Se eu não resolvesse o mal-entendido, eu nunca seria capaz de seguir em frente…”

Luecke refutou a desculpa de Aleist com um rosto sério.

(Luecke): “Mal-entendido? As conversas de noivado com aquelas cinco estavam prosseguindo bem, e quando houve até conversas sobre seu casamento com a Princesa Aileen, você chama isso de mal-entendido? Você não está confundindo o significado de estar noivo? Rudel, diga algo para ele também”

Assim que Luecke jogou a conversa para ele, todos os olhos se concentraram em Rudel.

(Rudel): “… noivado é um problema entre Aleist e sua(s) noiva(s), mas eu tenho a impressão de que ele tem muitas. Se ele continuar aumentando o número desse jeito, ele vai chegar a dois dígitos em poucos anos. Aleist, olhe para o seu corpo. Falando sério, há muitos Cavaleiros que se arruinaram com mulheres”

Ao invés de Cavaleiros, nesse caso, eles eram nobres. Assim que suas vidas na academia terminassem, os estudantes iriam ser tratados como adultos. Naturalmente, os nobres iriam se casar através de conversas entre suas casas. Entre Condes como Aleist, havia mesmo muitos casos onde um jovem homem sério seria engolido por uma mulher.

Embora fosse um caso diferente, o pai de Rudel se cercou de mulheres e ele não iria realizar nenhum trabalho. Entre os quatro reunidos, ele era o único que entendia bem o resultado que isso traria.

(Aleist): “Do q-que você está falando!? M-Millia é a única que eu…”

Enquanto Aleist murmurava, Eunius gargalhou assim que ele escutou algo interessante.

(Eunius): “Então, se Millia é tudo o que você quer, se livre das outras. Você quer que eu fale bem de você?”

Com as palavras zombeteiras de Eunius, o rosto de Aleist ficou pálido enquanto ele gritava para ele parar. Seu rosto sério surpreendeu Luecke e Eunius.

(Aleist): “É sério, pare com isso! Essas garotas, bom… as-as expressões de amor delas são completamente anormais. Quando elas agem como se isso fosse natural, eu sou cortado ou esmagado. Se eu falar sobre rompimentos, não há como dizer o que elas irão…”

As ações que faziam ele rir quando ele jogava o jogo, na realidade, não eram situações engraçadas. Aleist as experimentou com seu corpo. Ser agredido para que elas escondessem seus constrangimentos e ser esmagado contra paredes, ele tremeu quando se lembrou de terror real que ele sentiu.

(Rudel): “Bem, eu entendi que você está sofrendo, mas é melhor você assumir a responsabilidade. Izumi me disse que não assumir a responsabilidade é a pior coisa que um homem pode fazer”

Enquanto Aleist se escondia, Rudel o contou sobre o que Izumi o disse. Mas do ponto de vista de Aleist, ele subitamente recebeu cinco esposas. Ele olhou para a liberdade de Rudel com inveja.

(Aleist): “Você diz responsabilidade, mas você não pode dizer nada porque você nem está noivo! Se você tivesse uma namorada violenta, eu não acho que você seria capaz de dizer algo como isso”

(Rudel): “Sério? As expressões de amor da namorada de Marty-sama eram bem extremas, mas ele superou isso, aparentemente”

(Aleist): “Marty é o cara das carícias, não é? Eu tenho a impressão de que ele amava seu Dragão mais do que a sua esposa”

A imagem que Aleist pintou em sua mente de Marty era a de um maluco que amava Dragões mais do que sua família. Luecke pensava o mesmo.

(Luecke): “Verdade. Eu devo oferecer a mesma opinião de Aleist. Olhando para o livro, não há uma única menção para a família dele, mas há uma enorme declaração de amor para um Dragão

Enquanto Luecke ficava com um rosto cansado, Eunius sacudia a cabeça para dizer que ele não entendia isso. Mas então, Rudel informou a eles um novo fato surpreendente.

(Rudel): “… do que vocês estão falando? A namorada de Marty-sama era o Dragão da Água, Mystith. No começo, ela iria jogar bolas de água nele para esconder a vergonha, mas com o domínio das carícias, no fim, ela…”

(Eunius): “Espere um segundo! O que isso significa? Este tal de Marty nunca se casou?”

Eunius parou Rudel, confirmando o que tinha que ser respondido. Dragoons eram a elite em |Courtois| e um alvo de aspirações.

Mesmo Cavaleiros de origem comum eram frequentemente recebidos em casas nobres. A única razão para alguém não se casar residia no próprio indivíduo.

(Rudel): “??? Não, ele era casado. Havia Mystith-sama, e… quem era mesmo? O nome não está aparecendo, mas eu tenho a impressão de que ele era casado”

Rudel tinha investigado com seriedade a história de Marty, mas a família dele já estava no passado e Rudel não encontrou muitos detalhes sobre seus descendentes. E Rudel era um dos mais informados sobre Marty.

(Aleist): “Isso não é estranho!? Um casamento entre um Dragão e um humano? Então ele não poderia ter filhos, não é? E o tratamento de Marty com sua esposa humana não era simplesmente terrível?”

Enquanto Aleist segurava sua cabeça, Rudel mostrou olhos gentis e deu uma explicação esclarecedora.

(Rudel): “Yeah, mas isso foi um resultado que ambas as partes aceitaram. Não é algo para estranhos como nós nos intrometermos. E Dragões desconhecem o conceito de casamento. Para ser mais preciso, talvez isso fosse algo diferente de casamento”

(Aleist): “Por que você está falando disso como se fosse algo natural? Eu definitivamente não aceitaria isto, entendeu!?”

Aleist protestou dizendo que não aceitaria isso, mas aqui, Eunius ficou interessado na nova técnica de Rudel.

(Eunius): “Bem, vamos deixar isso de lado agora. Mais importante, você aprendeu uma nova carícia, não aprendeu Rudel? Me ensine algo”

(Rudel): “Recentemente, eu aprendi a abraçar e massagear, mas como Izumi disse que isso não era bom, eu as selei. Agora, eu estou tentando fazer algo com meus olhos mágicos”

Os olhos de Rudel eram os olhos do Pássaro negro, capazes de infligir status negativos. Depois que Rudel perdeu os dois olhos em sua luta com o Dragão Zumbi[1], ele recebeu novos olhos do Pássaro.

(Luecke): “… Rudel, sua cabeça está boa?”

Assim que Luecke olhou para Rudel com preocupação, Rudel e Aleist inclinaram suas cabeças. Eunius não poderia acreditar nisso, mas se foi algo que Rudel disse, então ele não poderia negar a possibilidade disto ser verdade.


[Sakuya]: (“Não! Eu estou indo ver Rudel!”)

Na |Morada dos Dragões|, o enorme corpo de Sakuya estava esticado no chão, batendo seus braços e pernas enquanto ela protestava com Mystith. Mas Mystith só poderia recusar.

[Mystith]: (“Pare com isso Sakuya! Você não pode voar de forma adequada e você ainda tem que aprender como voar corretamente como um Dragão. Neste ritmo, você só vai envergonhar Rudel”)

[Sakuya]: (“Eu também não quero iiiissoooo!”)

Embora Sakuya tivesse o dobro do tamanho de Mystith, ela levantou seu corpo e relutantemente balançou seus braços. Mystith estava a ensinando como lutar.

[Mystith]: (“E eu estou dizendo que isto não é bom o bastante!!”)

Dando uma volta no corpo dela, Mystith usou sua cauda para atingir as pernas de Sakuya e faze-la rolar. Encarando o alto, Sakuya deu um grito parecido com o de antes.

[Sakuya]: (“Eu não quero mais iiiissoooo!! Eu estou indo ver Rudel!!”)

[Mystith]: (“Hah, quando você não pode nem mesmo disparar um sopro adequado, o que você está dizendo?”)

[Sakuya]: (“Eu-eu posso disparar um! Eu posso disparar um grande!!”)

[Mystith]: (“Yeah, yeah, você pode disparar um grande e um forte. Mas será fatal se você não conseguir usar um normal”)

[Sakuya]: (“Está tudo bem, contanto que eu possa usar um grande…”)

Ficando tímida com sua enorme forma branca, Sakuya era uma criança transmigrada[2] como um Dragão. Mesmo seus atributos sendo altos, ela não era capaz de os utilizar.

Ataques de sopro eram geralmente os mesmos entre Dragões e se ela se segurasse para usar um, a bola de fogo iria explodir pelo caminho, espalhando bolas de fogo menores ao redor. Se ela disparasse um maior, o terreno seria destruído e o solo que subiria formaria um pilar. Era difícil encontrar um lugar onde os poderosos ataques dela podiam ser usados.

Sakuya era normalmente um Dragão difícil de controlar. Ela tinha o corpo da subespécie do Dragão Gaia e, acima da dificuldade em seu controle, ela era lenta no ar. Mesmo que seu poder e pele resistente fossem insuperáveis no chão, o valor de um Dragão estava em seus ataques no céu.

Ataques que criavam crateras na terra tornavam difícil coloca-la sob o comando dos Dragoons, que eram especializados em batalhas defensivas. As pessoas hesitariam em destruir a terra do seu próprio país.

Desta forma, havia muitos Dragões que diziam manter seus sopros em um nível “normal”. E Sakuya ainda não podia disparar um sopro impregnado com um elemento como Mystith fazia.

Ao contrário de sua estrutura, o valor de Sakuya como Dragão era pequeno. Foi para consertar isso que Mystith estava cuidando dela, mas…

[Mystith]: (“Hah, eu vou trazer ele aqui da próxima vez, então tenha certeza de melhorar para disparar o seu sopro”)

Mystith planejava usar o Dragão de Lilim para buscar Rudel. Assim, Sakuya mostrou um pouco de motivação, lançando um ataque em Mystith.

[Mystith]: (“Fraco demais!”)

Mordendo o pescoço de Sakuya, ela usou os princípios de um arremesso por cima do ombro para utilizar o impulso de Sakuya e joga-la no chão. Graças a Sakuya, a |Morada dos Dragões| estava gradualmente ficando mais barulhenta.

O enorme corpo de Sakuya subiu e, quando ela foi esmagada contra o chão, a área recebeu um enorme tremor.

[Sakuya]: (“Uuuurrrgh, ch-chega”)

Diante das frequentes queixas de Sakuya, Mystith suspirou.


(Rudel): “Eu estou te dizendo, é verdade!”

(Luecke): “Não, mas mesmo que você diga que tem olhos mágicos…”

(Rudel): “Você experimentou eles no treinamento na floresta durante o curso fundamental, não experimentou[3]!? Agora eu me tornei capaz de usar eles. E se eu fizer isso, eu posso fazer alguém se sentir bem sem nem tocar nela!”

(Aleist): “Que aterrorizante”

Enquanto Rudel desesperadamente tentava explicar seus olhos mágicos, Luecke não poderia aceitar isso. Aleist estava assustado ao pensar que Rudel usaria seus olhos mágicos para fazer as pessoas se sentirem bem.

Mas Eunius determinou que seria engraçado testar isso e fez uma proposta.

(Eunius): “Então Rudel, teste isso nas garotas que vierem nos visitar. Se eles verem isso em prática diante de seus próprios olhos, eu tenho certeza que todos aqui vão acreditar em você”

(Rudel): “… muito bem. Eu vou mostrar a vocês minha seriedade”

Sendo negado tantas vezes, Rudel disse que iria ficar sério e fechou seus olhos. A sala da enfermaria ficou em silêncio por um momento, mas Luecke sussurrou para Eunius.

(Luecke): “O que você está pensando? Se ele estiver falando a verdade, nós vamos ter mais vítimas em nossas mãos”

(Eunius): “Idiota, a única garota que vem para este quarto é Izumi, não é? Então enquanto estamos nisso, eu pensei que poderíamos usar esta oportunidade para fazer ela e Rudel se assumirem”

(Luecke): “Entendo. Bom, eu quero pensar que a parte do olho mágico é piada, mas…”

Enquanto os dois discutiam em sussurros, uma batida veio da porta. Não era a enfermeira, então Rudel abriu seus olhos e os outros três se prepararam para ver se uma garota apareceria.

Uma garota definitivamente apareceu, mas não era Izumi. Com Fina na liderança, Sophina e Mii apareceram para fazer uma visita.

(Sophina): “Como todos vocês estão?”

Sophina segurava um presente e ela deixou uma cesta de frutas na sala. Além de Rudel, com quem ela frequentemente se via, Mii nunca falou com nenhum dos outros antes.

Ela nervosamente se escondeu atrás de Fina.

Fina estava inexpressiva, mas ela não tinha motivos para se descontrolar aqui. Depois de deixar o presente, ela pretendia partir. Mas Rudel a chamou.

(Rudel): “Perfeito. Fina, venha até aqui”

(Fina): “Sim?”

O motivo para Rudel não usar nenhum honorífico era porque Fina era sua aprendiz. As pessoas em questão aceitavam isso, mas os outros viam isso de forma diferente.

(Eunius): “… desde quando vocês dois têm esse tipo de relacionamento? Isto é ruim, não é?”

(Luecke): “Yeah, vamos só rezar para que Izumi não apareça aqui”

Eunius e Luecke trocaram um olhar, rezando para que este local não se tornasse o palco de um massacre. Apenas Aleist não pareceu notar e ele estava animado para confirmar os efeitos dos olhos mágicos.

(Rudel): “Fina, olhe nos meus olhos”

(Fina): “Claro… (Por que eu tenho que olhar nos seus olhos? Isto é algum tipo de jogo… hah, se alguém ver a cena de nós nos encarando, eu vou conseguir espalhar rumores e cumprir meus objetivos)”

Esquematizando por dentro, Fina olhou para os olhos de Rudel. Ela instantaneamente sentiu uma sensação como se ela estivesse sendo sugada. Ficou difícil para ela se levantar e, como deveria ser, seu peito ficou apertado… e doloroso. Enquanto ela caia sob seus joelhos, ainda sem nenhuma expressão, seu rosto ficou vermelho.

(Fina): “Hah!? (Qu-qual é o significado disto!? Eu nunca pensei que seria encarada de forma tão séria, tão desejosa… po-poderia ser que o mestre está me desejando? Isto é ruim. Eu não estou vestindo minha calcinha da sorte hoje. Bem, ela ainda é branca, então eu serei capaz de apelar para minha inocência?)”

(Sophina): “Vo-você está bem Princesa!?”

Assim que Sophina e Mii se aproximaram, Rudel desviou seus olhos e se virou para os três homens.

(Rudel): “Vocês viram isso? O poder desses olhos?”

Eunius foi incapaz de acreditar no que ele viu e Luecke estava na mesma. Só Aleist estava desviando seus olhos de Rudel.

(Eunius): “… sem chances”

(Luecke): “Não, isso é impossível”

(Aleist): “… não olhe para cá”

(Fina): “M-mestre…”

Com seu coração apertado, Fina sentou enquanto estendia sua mão para Rudel. Mas Rudel foi brusco.

(Rudel): “Ah, bom trabalho. Com isto, meus olhos mágicos foram comprovados. Vocês podem ir agora”

Desta vez, as duas mulheres fizeram caras de que não podiam entender. Só Fina continuou a mesma de sempre.

(Sophina): “… eh?”

(Mii): “Rudel-sama, isso foi muito cruel”

(Fina): “… mestre. (O q-que é isso!? Me tratando com tanta crueldade… eu realmente senti isso)”

Recebendo as palavras de Mii, Rudel percebeu que essa não era a atitude correta para pessoas que vieram desejar sua melhora, então ele as agradeceu. Ele se acostumou a lidar com Fina em sua forma esclarecida e ele involuntariamente acabou a tratando como um simples objeto. Se sentindo culpado, ele repensou sua atitude.

Mas os efeitos de seus olhos mágicos continuaram.

(Rudel): “Você tem razão, eu sinto muito. Eu fiz algo ruim para as pessoas que vieram nos ver. Eu tenho que fazer algo para agradecer vocês”

Depois de se desculpar, Rudel sorriu e os rostos das três ficaram vermelhos.

E, com um timing terrível, outra batida veio da porta e as convidadas que vieram os visitar entraram na sala dos doentes.


[1] Essa luta aconteceu no capítulo 075.

[2] De acordo com algumas crenças, transmigrar significa mudar a alma de um corpo para outro.

[3] Esses eventos aconteceram no capítulo 020.