Superando Marty (Parte 9)

As pessoas que entraram na sala dos doentes eram Izumi e Millia.

Se encontrando por acaso na frente da enfermaria, elas estavam seguindo para o mesmo lugar, então as garotas foram juntas para o quarto de Rudel e dos outros.

Izumi e Millia apenas trocaram poucas palavras depois de se cumprimentarem. A atmosfera ficou excessivamente esquisita pelo caminho. Renovando suas determinações, elas abriram a porta com sorrisos, apenas para encontrarem Fina, Mii e Sophina sentadas no chão com os rostos vermelhos.

(Millia): “… o que aconteceu?”

De sua cama, Rudel mostrou a Izumi um sorriso, mas Luecke e Eunius estavam desviando o olhar. Apenas Aleist, com sua confissão, estava desviando os olhos de Millia com o rosto vermelho.

Millia olhou ao redor preocupada, mas ninguém respondeu as palavras que saíram da boca dela. Não, quando Rudel estava a ponto de tentar explicar, Izumi suspirou. Nos cinco anos desde que ela foi para a academia, os gestos de Izumi ficaram mais adultos.

Rudel e os outros cresceram em altura, ganharam músculos, seus corpos se adaptaram para a vida adulta. Seus rostos perderam a inocência e todos os quatro possuíam características maduras. Mas por dentro, eles ainda eram crianças.

(Izumi): “Hah, Rudel, o que você fez desta vez?”

Izumi arbitrariamente colocou sua cesta de frutas na estante antes de cruzar seus braços e encarar Rudel.

Para o olhar de Izumi, Rudel respondeu com um sorriso.

(Rudel): “Escute isto Izumi! Eu finalmente aprendi como usar meus olhos mágicos. Se você apenas juntar |Mana em seus olhos e ajusta-la, embora não chegue ao reino das carícias, você pode fazer alguém se sentir bem…”

(Izumi): “Pare aí mesmo Rudel”

Impedindo a explicação de Rudel, Izumi seguiu até as três sentadas no chão. Depois de ajuda-las a se sentarem em cadeiras ao redor do quarto, ela foi até o lado da cama de Rudel. Já havia um assento preparado para o lugar regular de Izumi e, depois de se sentar, ela encarou Rudel.

Rudel também olhou Izumi com olhos sérios, mas depois de um tempo, ele desviou esses olhos. Foi só nesse momento que ele notou que ele tinha feito algo errado.

(Rudel): “… eu fiz alguma coisa errada?”

Os garotos que ficaram animados com os olhos mágicos olhavam para Rudel e Izumi.

(Izumi): “Algumas coisas. Não é bom deixar a Princesa no chão e não é bom usar seus olhos mágicos em uma mulher”

(Rudel): “Espere Izumi! Se você selar meus olhos mágicos, então com quem eu deveria praticar…”

Enquanto ele olhava pelo quarto, os garotos acamados entraram em seus olhos. Luecke e Eunius imediatamente olharam para longe.

(Eunius): “Não olhe para cá Rudel!”

(Luecke): “Eu-eu não gosto disso!!”

Os dois mostraram suas recusas firmes, mas Aleist foi diferente. Rudel mostrou o poder de seus olhos mágicos diante dele. E no quarto da enfermaria, aquela por quem ele se confessou, Millia, apareceu para fazer uma visita. Se algum erro acontecesse, Aleist não seria capaz de aguentar isso.

Os efeitos dos olhos mágicos já tinham sido desfeitos, mas para proteger os olhos de Millia com suas mãos, Aleist moveu seu corpo. Ele se forçou a se levantar da cama, mas assim que ele seguiu para Millia, um dor intensa assaltou seu corpo. Ele sofreu ferimentos incomparáveis com o que ele já tinha enfrentado antes.

Não tinha forma do corpo dele se mover da forma que ele desejava. Mais do que isso, foi surpreendente ele poder até se levantar da cama.

Mas o resultado foi terrível.

(Aleist): “Millia, cuidado!”

(Millia): “Eh? Kyaaaaah!!”

Assim que Aleist repentinamente pulou da cama, os pequenos peitos de Millia acabaram sendo agarrados por ele. A mão de Millia voou violentamente em direção a bochecha esquerda de Aleist.


(Rudel): “… você está bem Aleist?”

Sendo forçado a voltar para sua cama, Aleist segurou sua bochecha esquerda enquanto ele virava seu rosto para o preocupado Rudel.

(Aleist): “Eu pareço bem? Eu estou completamente surrado”

Assim que Aleist deu uma resposta deprimida, Luecke segurou sua risada para entrar na conversa. Eunius riu descaradamente enquanto se juntava ao assunto.

(Luecke): “Principalmente psicologicamente. E pensar que teríamos um figurão no nível de Rudel entre nós”

(Eunius): “Nem Rudel faria algo tão direto!”

(Rudel): “… yeah. Hey, Izumi. O que todos pensam de mim? Eu definitivamente tenho interesse em mulheres, mas eu não fiz nada tão terrível”

(Izumi): “Me pergunto o mesmo. Para os olhos das pessoas ao redor, é como se você naturalmente atraísse coisas ainda maiores”

Incapaz de aceitar que ele foi usado na comparação de Luecke e Eunius, Rudel fez uma pergunta a Izumi. Izumi sabia que Rudel provavelmente não percebia e respondeu com um tom levemente irritado.

Com essas reações ao redor, não Aleist, mas o rosto de Millia ficou vermelho. Ela recebeu uma confissão, então ela pensou que teria a obrigação de responder, então ela fez uma visita. Mas o quarto não tinha o tipo de atmosfera onde ela poderia dar a sua resposta.

[Millia]: (“Erk, este não é o tipo de atmosfera para rejeitar ele”)

Aleist definitivamente tinha um futuro cheio de esperança, mas Millia era uma Elfa de vida longa. Diferente da raça humana, o momento após sua graduação era considerado cedo demais para um casamento. Assim que os nobres se graduavam, eles iriam se casar de acordo com as circunstâncias de suas famílias, para criar relações favoráveis entre casas. Você poderia dizer que este era o único momento que eles tinham para se divertir.

Mas a estudante plebeia Millia era diferente. Como uma funcionária ou uma oficial, ela foi para a academia para trabalhar por |Courtois|. Isto era ela mostrando que ajudaria o país como uma Demi-Humana, mas era difícil dizer se ela iria ser tratada com lealdade.

Mas ela se tornou uma aluna excelente e ela tinha o desejo de sair da academia e confirmar a amplitude de suas próprias habilidades.

Enquanto Millia segurava sua cabeça, Fina, que esteve em silêncio até esse ponto, se aproximou.

(Fina): “Você é Millia-senpai, certo?”

(Millia): “S-sim!”

Subitamente sendo chamada, a voz de Millia saiu estranha. Ela rapidamente corrigiu sua postura quando Fina a disse que elas estavam na academia e não em um lugar público, então ela não ligava para isso.

E diante de Aleist, Fina solicitou a Millia.

(Fina): “Você já decidiu seu caminho depois da graduação? (Bem, eu já sei que você vai para a fronteira. Mas Aleist está bem aqui, tornando isso perfeito, então vamos tentar fazer um convite)”

(Millia): “S-sim. Já foi decidido que eu vou ser mandada para perto da fronteira”

Era um posto que ela tinha pouco para se queixar, mas mesmo assim, ela tinha uma pequena esperança de que se ela trabalhasse duro, seu trabalho seria reconhecido. Para Millia, Fina fez um convite suave e natural para os Defensores.

(Fina): “É mesmo? Uma Cavaleira do seu calibre enviada para a fronteira… isso parece um desperdício”

(Millia): “Um desperdício? Eu realmente acho que a fronteira é uma posição importante”

(Fina): “Não, eu certamente tenho que baixar minha cabeça para os Cavaleiros e soldados trabalhando duro na fronteira. Mas eu acabei de testemunhar suas habilidades no torneio”

(Millia): “A-ahahaha”

Millia mostrou um sorriso sem graça, se lembrando de como suas emoções fugiram do controle e como ela mostrou seu lado vergonhoso diante da Realeza. Mas a impressão de Fina era algo diferente.

(Fina): “A coragem que você mostrou, sem recuar um único passo diante do Cavaleiro Negro, foi esplêndido. Então eu tenho uma proposta. Eu amaria adicionar seu poder nos recém-formados Defensores. Eu estava ‘um pouco’ envolvida na formação deles, então eu definitivamente gostaria de reunir alguns Cavaleiros promissores para isso”

Com o ato de Fina, Mii e Sophina sussurraram entre si.

(Mii): “A Princesa é incrível. E pensar que ela poderia fazer uma proposta tão séria”

(Sophina): “Sim, mas não ‘só um pouco’, ela é a responsável por trás de toda essa bagunça. Eu queria que ela fosse decente assim com mais frequência”

Embora Fina tenha escutado esses sussurros, ela confirmou que Aleist tinha se interessado pelo futuro de Millia. Pegando as mãos de Millia sem nenhuma expressão e virando seu rosto…

(Fina): “Senpai, o que você acha? (Me deixe morder essas orelhaaaas!!)”

(Millia): “U-ummm, se você me perguntar tão de repente, eu não vou saber como agir, ou como eu poderia explicar…”

Para a atitude indecisa dela, não foi Aleist, mas Rudel que se intrometeu. Com a entrada de Rudel na conversa, Fina pôs uma pausa em seu convite.

(Rudel): “Millia-san, você odeia os Defensores?”

(Millia): “Eu particularmente não os odeio”

Vendo Rudel olhando para ela tão seriamente, Millia acabou desviando seu rosto. Ela ainda tinha alguma parte dentro de si que não desistiu e, chegando tão longe, ela hesitou.

(Rudel): “Se você não tem um motivo, você deveria aproveitar esta oportunidade. É importante para Cavaleiros competentes buscarem um lugar onde eles possam atuar. Então, quando abençoados por tal chance, se você não a aproveitar, você irá se arrepender mais tarde”

Rudel não achava que a Demi-Humana Millia iria ser capaz de trabalhar na fronteira. Seria diferente se ela fosse abençoada com um bom superior, mas mesmo que eles tivessem habilidades, havia muitos Cavaleiros sem lugar para atuar. Além disso, ele não achava que o trabalho dela seria corretamente avaliado no atual |Courtois|.

A casa dele era preconceituosa e Rudel costumava ouvir algumas histórias. Os Cavaleiros de sua casa iriam se gabar das conquistas que eles roubavam dos Demi-Humanos enquanto riam e bebiam.

Ao invés de se preocupar com Millia, ele queria dizer que havia mais chances com os Defensores do que na fronteira. Rudel viu o lado feio dos humanos, mas antes de ir para a academia, ele tinha pouco interesse nas pessoas que não estavam relacionadas a ele.

O fato de ele se importar com outras pessoas era um enorme avanço. Enquanto Millia olhava para baixo, Fina a chamou.

(Fina): “Eu não estou esperando uma resposta aqui e agora. Vejamos… eu vou esperar até o segundo semestre. Até lá, Millia-senpai, por favor, escolha uma resposta que te satisfaça. (O mestre entrou no caminho, mas eu não tenho que pressionar aqui. É mais do que o suficiente atrair a atenção de Aleist! Se a garota acabar nos Defensores, eu vou morder essas orelhas!!)”

Fina solicitou ela e tentou a colocar dentro dos Defensores, mas depois de cumprir seu objetivo, ela graciosamente recuou.


(Luecke): “Hmm, foi precisamente pela astúcia de Lena que eu fui capaz de manter a ‖Barreira‖. Ao abrir um buraco no topo, eu consegui dar um ponto de saída para sua |Mana e a de Rudel. Minha afinidade com Lena é realmente a melhor. Você poderia até chamar isto de um encontro!”

Luecke se gabou orgulhosamente para Aleist, mas isto era algo que Eunius já tinha escutado inúmeras vezes. Ao abrir um buraco no topo da ‖Barreira‖, ele permitiu que os impactos escapassem para o céu, onde não havia nenhum espectador. Com isso, Luecke foi capaz de manter a ‖Barreira‖ e conservar a imagem da Casa Halbades.

Desde sua hospitalização, Aleist já tinha escutado essa história três vezes. Era uma sequência dele sendo provocado por sua confissão e escutando a mesma história alternadamente. A seu lado estavam Rudel e Izumi, cercados por um ar rosa.

Assim que Izumi descascou as frutas, ela distribuiu os pedaços cortados para os outros além de Rudel. Mas estava claro que os esforços dela estavam apenas nos pedaços de Rudel.

Comendo essa fruta cortada, Aleist apenas escutava as histórias de amor de Luecke, assim ele não ficaria no caminho de Rudel e Izumi a seu lado. Eunius também escutou a história, mas ele fingia estar dormindo para fugir.

E a razão para ele escutar Luecke em silêncio era que mesmo que ele reclamasse, ele só seria enganado como resposta. Não havia ninguém mais eloquente do que Luecke no quarto, então ninguém era capaz de argumentar com ele. Era mais fácil para todos apenas ficarem em silêncio e escutar.

Assim que Luecke ficou satisfeito e a história terminou, desta vez, Rudel começou uma conversa com Aleist. Ele buscou informação sobre a armadura que ele encomendou um tempo atrás.

(Rudel): “Aleist, os tamanhos enviados para a sua armadura estavam corretos?”

(Aleist): “Eh? Oh, a armadura. Yeah, você não precisa mudar o tamanho. Mesmo que fique um pouco folgada, eles ainda podem fazer alguns ajustes finos, certo?”

(Rudel): “Yeah, eles já até começaram o trabalho. Contanto que seu tamanho não tenha mudado de quando eles te mediram, eles disseram que serão capazes de terminar antes da cerimônia de graduação”

Aleist também estava curioso sobre a armadura que ele pediu do artesão oriental. Ele estava esperando com expectativa para ver que tipo de armadura iria aparecer.

Enquanto Rudel e Aleist falavam, Izumi entrou na conversa.

(Izumi): “Vocês estão falando sobre aqueles artesãos? Rudel, eles estão ajustando sua armadura, não é?”

(Rudel): “Yeah, eu precisei modificar o tamanho e eles disseram que queriam vê-la. Isso tomou mais tempo do que o esperado, mas quando eles vieram me encontrar, eu não queria ficar no caminho de Aleist, então eu não consegui falar com eles”

(Aleist): “Eu não teria me importado”

(Izumi): “… você pode pedir a eles que deem uma olhada na minha katana também? Eu estive cuidando dela desde que você a deu para mim, mas eu quero que ela seja verificada antes da graduação”

Rudel respondeu ao pedido de Izumi instantaneamente.

(Rudel): “Sem problemas. Eu também planejo pedir uma arma reserva, então eu vou fazer o pedido quando estiver falando sobre isso”

(Aleist): “Uma arma, huh. Meus pais disseram que fizeram um pedido para um ferreiro famoso”

Aleist perguntou a Rudel sobre uma armadura porque sua casa não tinha nenhum artesão que trabalhava com armaduras. Era preciso uma considerável quantia de dinheiro para manter um ferreiro talentoso sob sua asa e todas as casas estariam procurando uma oportunidade para toma-lo.

Mesmo que você não tivesse contratos exclusivos, você ainda poderia fazer um pedido e como ele era um ferreiro recomendado por um dos Três Lordes… ele recebeu uma carta de consentimento de seus pais. Em troca, eles escreveram dizendo que iriam procurar um famoso ferreiro para fazer a arma de Aleist.

(Rudel): “Você disse que queria uma armadura antes da graduação, mas eles estavam tão animados com isso que eles devem terminar ainda mais cedo. Eles estavam encantados por poderem fazer algo realmente bom”

Aleist se alegrou com as palavras de Rudel, mas a expressão de Izumi não era das melhores. Rudel notou o olhar deprimido dela.

(Rudel): “Qual o problema Izumi?”

(Izumi): “… não, eu acho que vai ficar tudo bem… um, eu tenho certeza que esses ferreiros orientais são habilidosos o bastante, mas…”

Incapaz de dizer de forma clara, Izumi fingiu que nada estava acontecendo. Rudel e Aleist ficaram curiosos, mas depois que ela disse que não havia nada para se preocupar, eles não perguntaram mais nada.

Em uma data futura, este assunto iria trazer um terrível arrependimento para Aleist.


Como Rudel esperava, a armadura foi completada consideravelmente mais cedo.

Antes de suas férias finais, ela foi entregue para Aleist. Mas diante da armadura entregue, Aleist caiu sob seus joelhos.

(Artesão A): “O que você achou chefe!? O acabamento desta armadura é insanamente bom!”

(Artesão B): “Totalmente! Você não encontrará outra como essa. Ela tem essa coisa perfeita!”

(Artesão C): “Só olhe para esses chifres cara! É simplesmente a melhor!”

Passando o ar de artesãos, alguns homens de meia-idade robustos e um homem de idade falaram esse tipo de coisa com rostos sérios. A razão era simples. Na primeira vez que eles foram para |Courtois| do Leste, eles viveram em um ambiente parecido com uma favela. As palavras que eles aprenderam lá não soavam muito elegantes.

Eram palavras que eles usavam com a melhor das intenções, mas eles se faziam soar terrivelmente levianos.

O fato da armadura de Aleist ter chegado dizia que Rudel e Izumi também estavam presentes. Diante dos olhos deles estava um conjunto de armadura completamente negro, com dois esplêndidos chifres dourados crescendo do elmo. À primeira vista, ao invés de um aliado, você pensaria que esse era o general inimigo… uma armadura sinistra que seria associada com um Lorde do mal estava completa.

(Artesão D): “Caraaaa, quando o chefe Rudel nos disse sobre o Cavaleiro Negro, nós colocamos todas as nossas mentes juntas e isto foi o que saiu. Mas isso não é maneiro!?”

Quando um ferreiro extremamente assustador pediu afirmação com tal tom…

(Aleist): “… é maneira”

Aleist foi incapaz de contestar. Izumi colocou uma mão em sua testa com uma cara que parecia dizer “Eu sabia”.

(Izumi): “Eu sinto muito. Eu nunca pensei que eles iriam tão longe”

Assim que Izumi se desculpou com Aleist, Rudel inclinou sua cabeça.

(Rudel): “Por quê? Ela não é legal?”

Diante de um Rudel perplexo, a armadura polida do Cavaleiro Branco estava colocada. Em contraste ao que claramente pertencia a um cavaleiro da justiça, a armadura de Aleist parecia pertencer a um Lorde Demônio. Além disso, chifres dourados, manto vermelho e os detalhes dourados conferiam a ela um estranho ar sinistro.

Herói Negro ou Lorde Demônio, a armadura parecia exigir que o usuário escolhesse um desses papeis.

(Artesão A): “Como esperado do chefe! Ele realmente entende!!”

(Artesão B): “Rudel-san, você entendeu!”

(Artesão C): “O chefe está dizendo isso, então não há dúvidas sobre isso!!”

Assim que os artesãos de caras sérias usaram essas palavras, Aleist só pôde encara-los sem expressão nenhuma.