A cidade portuária e o |Império|

Na |Cidade Portuária de Beretta|, Eunius e Aleist estavam se comprometendo com a tutela de Keith juntos de Rudel.

O grupo mostrou bastante interesse em uma lição de um Dragoon como Keith.

As Inspetoras Izumi e Millia também se sentaram, sob o céu azul, recebendo a brisa do mar salgado enquanto elas observavam Keith arrastando um quadro negro. Bennet se sentou ao lado de Rudel com a intenção de aprender o que ela pudesse.

Enquanto Izumi não se incomodava, Millia estava dando alguns olhares fugazes. Do ponto de vista de Izumi, ela queria que Millia ficasse mais preocupada com Keith, mas ela estava apreensiva sobre como poderia se fazer falar sobre isso. Para as inocentes Millia e Bennet, que não possuíam o conhecimento, Izumi tinha um pouco de resistência para explicar tudo desde o início.

As subordinadas de Aleist também estavam escutando atrás de Izumi. Enquanto elas pareciam ser um grupo gracioso com um olhar, o professor Keith parecia bem descontente.

(Keith): “Por que é que tem tantas mulheres? Vocês estão no caminho”

(Rudel): “Tenente, por favor, nos diga sobre o que é a aula de hoje!”

(Keith): “Boa pergunta Rudel. Hoje eu fazer você estudar para aprender a relação entre Dragoon e Dragão. Eu poderia te ensinar através da prática, mas seria melhor se você começasse nisso com o conhecimento básico no fim das contas”

Quando Rudel levantou a mão para fazer uma pergunta, Keith instantaneamente sorriu. Ele estava inabalável como sempre. Apertando a bainha de sua amada katana em sua mão esquerda para que ela pudesse saca-la a qualquer momento, Izumi não baixou a guarda em nenhum instante.

(Keith): “Primeiramente, nós vamos falar sobre as relações atuais e passadas. No passado, Dragoons eram mais focados em lutar para proteger as costas de um Dragão. Isso realmente não mudou, mas falando de forma simples, contra um monstro capaz de penetrar as escamas de um Dragão, um humano é impotente!”

Assim que Keith subitamente rejeitou a razão de ser de um Dragoon, Rudel dirigiu olhos sérios. Com seu rosto enrubescendo, Keith continuou sua explicação.

(Keith): “Então se tudo o que você tem que fazer é descobrir formas para atacar de médio e longo alcance, você só tem que extrair o poder do próprio Dragão. É assim que eu vejo”

No quadro negro, Keith desenhou um “X” sobre a imagem de um ⌈Cavaleiro disparando magia das costas de seu Dragão. Embora Keith fosse definitivamente fraco, ele ainda tinha cumprido os critérios físicos básicos para ser um ⌈Cavaleiro.

(Keith): “Proteger as costas de um Dragão á algo do passado. Na era atual, nós estamos mudando para controlar nossos ⌊Dragões, porém… isso realmente não faz sentido, entende? Quer dizer, tudo o que eles estão fazendo é remover a parte ‘proteja as costas’ de seus deveres, aqueles preguiçosos”

(Bennet): “Mas ataques de médio alcance são…”

(Keith): “Eu estou te dizendo que eles são inúteis anã”

A objeção de Bennet foi cortada por Keith. Então, Rudel ao lado dela tentou conforta-la.

(Rudel): “Está tudo bem Major! Eu também acho que ataques de médio alcance são importantes”

(Bennet): “A-aye”

Millia e Keith observaram essa conversa com irritação. Izumi pensou que a forma como Bennet alegremente abanava sua cauda era fofa. Depois de limpar sua garganta, Keith seguiu para uma explicação sobre o porquê isso ser desnecessário. Era certamente por causa da ênfase que Rudel colocava nos métodos de ataques de médio alcance. Se fosse apenas a opinião de Bennet, ele já teria descartado isso.

(Keith): “Se tudo o que seus próprios ataques podem fazer é servir como uma distração, então você estaria melhor se concentrando em dar ordens ao Dragão. Essa é a verdade genuína e simples. Mas eu pensei em dar um passo além. É melhor que você coloque as palavras ‘extrair o poder de um Dragão‘ em sua cabeça”

(Izumi): “Extrair o poder dele?”

Quando Izumi soltou sua voz, “Isso mesmo”, Keith murmurou com um estalar de língua. Rudel e Bennet mergulharam em pensamentos.

(Bennet): “O que você quer dizer com extrair o poder dele?”

Bennet perguntou. Se as ordens dela tivessem prioridade, o Dragão iria se mover, sempre foi assim e ela não entendia o significado das palavras em si. Era uma questão bem adequada para Bennet, que adquiriu uma forma de atacar a médio alcance para proteger as costas de seu Dragão.

“Tudo o que você sempre fez foi dar ordens. O que eu estou tentando dizer é exibir as habilidades dele. Vejamos… eu não estou dizendo para acrescentar um pouco de força extra. O que é importante é o controle. Você tem que operar o poder de um Dragão. Eu tenho esta técnica chamada de ‖Miragem Arco-Íris[1] e esse é um excelente exemplo desta teoria sendo usada!”

Enquanto ele orgulhosamente revelava o nome de sua técnica, ninguém ao redor parecia entender o que isso era. Assim que Rudel olhou para os lados preocupado, Izumi estendeu uma mão amiga.

(Izumi): “Rudel, um… ele está falando sobre aquela técnica de dublê de corpo. Provavelmente”

(Rudel): “Você está falando daqueles dublês de corpo Tenente!?”

Contra os olhos brilhantes de Rudel, Keith vacilou. Assim que Izumi sorriu com sua pequena vingança por todo a conduta usual dele, com um rosto humilhado, Keith mudou o nome de sua técnica de ‖Miragem Arco-Íris para dublê de corpo.

Esses clones de água que ele produzia, Rudel também tinha os visto. Ele só não sabia o nome do ataque, e Izumi tinha de alguma forma notado e conectado os pontos. Ser entendido o deixou com um humor bem desagradável.

(Keith): “As capacidades latentes de um Dragão são altas. Para que nós Dragoons os controlemos, mais do que a ligação telepática que compartilhamos, nós precisamos entender um ao outro. Mas… no seu caso, seu Dragão é uma subespécie, então isso será difícil”

(Bennet): “Será difícil?”

Com a pergunta de Bennet, Keith informou a ela que não havia nenhum documento disponível. Você não pode extrair o que não está lá. Tudo começa ao olhar nos registros passados para ver que tipo de coisas os ⌊Dragões deles fizeram, e do que eles são capazes. Essa era a forma de Keith agir sobre isso.

Mas o Dragão de Rudel, Sakuya, era uma subespécie ⌊Gaia. Além do mais, mesmo que a aparência dela tivesse alguns pontos em comum, era mais fácil dizer que essa era uma espécie completamente diferente.

(Keith): “Nesse caso, o problema é que o Dragão em questão não notou seus próprios atributos. Ela ainda é jovem. Não, ela é jovem demais”

Vendo Keith refletindo seriamente, Eunius ficou surpreso. Ele sussurrou para Aleist, que estava sentado ao lado dele.

(Eunius): “Ele é surpreendentemente decente. Eu pensei que ele fosse ser um pouco mais uma causa perdida”

(Aleist): “Hah? É claro que Keith-san é decente”

(Izumi): “… mas de onde é que essa confiança sua vem? Você precisa me dizer algum dia”

Izumi endossou a opinião de Eunius enquanto ela se preocupava com a castidade de Aleist. Mas para Izumi, Rudel estava na frente em sua ordem de importância. Ou seja, mesmo que Aleist fosse atacado de alguma forma por Keith, ela iria permitir que isso acontecesse.

Ela não estava o abandonado. Se Izumi levantasse a mão, ela entendia que a situação iria claramente tomar um rumo para o pior. Embora a castidade de Aleist fosse importante, ao proteger ele, não havia garantias de que as integrantes de seu harém não iriam confundir algo.

Do jeito que as coisas estavam, Millia ainda precisava ficar cautelosa com Keith. Do ponto de vista de Izumi, ela estava atenta com a inofensiva Bennet, e que desperdiço de esforço isso era.

(Keith): “Se você der para um Dragoon mediano o valor um, enquanto todos os ⌊Dragões têm diferenças individuais, a diferença de poder os coloca com um valor maior de cem. Afinal, normalmente é impossível para um humano vencer um Dragão

Depois de escrever que humanos não podiam derrotar ⌊Dragões no quadro, ele deu uma olhada ao redor como se perguntasse, “Então, o que eles deveriam fazer?”.

(Keith): “Adicionar seu próprio poder a eles é sutil e insignificante. Se tudo o que você está fazendo é proteger as costas dele, então você deveria fortalecer o Dragão. É por isso que eu decidi extrair a força do meu Dragão. Os dublês de corpo são parte disso. Você forma a figura de um Dragão com água e imita a superfície”

(Rudel): “Isso é mesmo possível? Pensando na capacidade de |Mana, você não seria capaz de usar tanta magia muitas vezes”

Rudel inclinou sua cabeça. Então, Keith falou com um sorriso.

(Keith): “Hahaha, eu não posso criar essas cópias por conta própria. Quem você acha que eu sou? Eu não tenho esse tipo de |Mana, e eu não tenho o controle. É por isso que eu deixo meu próprio Dragão cuidar disso. Eu entendo suas características exatas, transmito uma imagem clara, e ajudo ele nos detalhes. Só com isso, a força de um Dragão rapidamente aumenta. Você não precisa de magia de médio ou longo alcance. Mais do que isso, contanto que você possa fazer algo como isto, você está se saindo bem como um Dragoon

Enquanto os olhos observando Keith ficavam surpreendentemente favoráveis, Bennet estragou sua exibição.

(Bennet): “Hey… isso não significa que você está excluindo tudo além do combate aéreo?”

(Keith): “E daí? Algo tão selvagem como lutar na sujeira não é adequado para mim. Aquela gorila da Cattleya faz isso ou algo parecido?”

“Alguma coisa aconteceu com Cattleya?”. Izumi pensou, enquanto a lição de Keith chegava ao fim. Assim que Aleist seguiu para ajudá-lo a limpar, Eunius se aproximou de Rudel.

(Eunius): “Oy, Rudel”

(Rudel): “O que foi? Eu estava planejando ajudar o Tenente”

(Eunius): “Já faz algum tempo, vamos ter um duelo. Você está indo para todos os lados e isso está me entediando até a morte. Você não está curioso para ver quão forte eu me tornei?”

(Rudel): “… Eunius”

Enquanto Rudel mostrava um rosto cansado, Izumi entendia. Ele não estava cansado por Eunius o desafiar para um duelo.

(Rudel): “É melhor você não se arrepender disso”

(Izumi): “Santo Deus. Vocês continuam os mesmos”

Uma sombra sinistra apareceu no sorriso de Rudel que poderia ser chamada de vício por batalhas. Vendo essa expressão, Eunius também mudou para um sorriso feroz.

Bennet olhou para os dois com olhos cansados, mas ela parecia um pouco feliz.

Contudo…

(Millia): “Eu não posso mais aguentar isso!”

Olhando para Rudel e Bennet, Millia finalmente explodiu.


(Millia): “Eu estou te dizendo, a Major definitivamente é perigosa!”

(Izumi): “Se-se acalme. A Major não é nada perigosa. Mais do que isso, aquele idiota logo ali é…”

(Millia): “Eles são ambos homens, não são? Do que é que você está falando Izumi!?”

(Izumi): “… hey?”

(Millia): “Quê?”

Parecia que Millia estava consciente da ⌈Cavaleira da tribo dos ⌊Lobos próxima de Rudel. Embora eles se dessem bem, Eunius via isso como a relação entre superior e subordinado. Ele sabia que seu amigo próximo Rudel e as ações de Bennet não tinham nenhuma relação com as de um homem ou uma mulher.

Mesmo assim, Millia estava atenta com Bennet. Ainda assim, com tais acusações, Bennet se manteve resoluta, mas sua cauda e orelhas de lobo estavam em um estado terrível.

(Eunius): “Por que aquela mulher está tão nervosa?”

(Rudel): “Você está falando de Millia? Ela não tem concordado com Izumi ultimamente. Tem sido assim desde que chegamos aqui… Izumi sendo agressiva com o Tenente Keith, e Millia sendo cautelosa com a Major Bennet. Eu também não sei o motivo”

(Eunius): “Ah, entendo. Certo, certo. Esse é o tipo de cara que você é”

Se lembrando de como Rudel não estava atento com Keith, Eunius estava convencido de que a castidade de seu amigo estava sendo protegida por Izumi. Ele subitamente se perguntou se Aleist ficaria bem, mas ele tinha várias integrantes de seu harém com ele, então ele provavelmente ficaria bem, então Eunius mudou sua linha de pensamento.

Como Rudel não entendia, ele se perguntou se deveria informar a ele que Keith era perigoso precisamente porque eles eram membros do mesmo sexo. Na verdade, mesmo que os dois tivessem suas inocências roubadas, ele pensou que isso se tornaria uma história engraçada.

Embora ele estivesse preocupado, ele estava interessado, não importava que caminho a história tomasse. Keith estava tão encantado com Aleist e Rudel que ele calculou que não havia perigo de ele se tornar uma vítima.

Mais importante que isso…

[Eunius]: (“Esta não é a atmosfera para se ter um duelo”)

O fato de ele não ser capaz de lutar com Rudel desagradou Eunius. Parecia que Millia e Izumi acabaram com o clima.

Os argumentos das mulheres gradualmente se intensificaram. No início, elas iriam discutir quem era o mais perigoso, Keith ou Bennet, gradualmente mudando para coisas do passado. Eunius pensou que mulheres que nunca esqueciam de seus ressentimentos eram assustadoras.

(Millia): “Você me chamou de inseto na academia, não foi!?”[2]

(Izumi): “Is-isso só surgiu na minha mente durante a partida e… is-isso não tem nada a ver com o que está acontecendo no momento!”

Duas integrantes do harém de Aleist interviram para acalmá-las, mas o problema foi que isso não teve o menor efeito. Dentro dessa discussão sem fim, Bennet puxou a manga de Rudel.

(Bennet): “Eu-eu fiz algo ruim?”

Enquanto ela agia de forma firme, sua voz tremia. Os olhos dela estavam ficando marejados. Para tal Oficial Comandante, Rudel falou gentilmente.

(Rudel): “Isso não é verdade! Você é a superior ideal Major! Eu posso dizer com orgulho que eu estou feliz por ser seu subordinado”

(Bennet): “En-entendo”

Enquanto ela desviava seu rosto, a cauda de Bennet estava balançando alegremente da esquerda para a direita. Sua figura trazia a mente a imagem de um cão se alegrando depois de receber um elogio de seu mestre.

Mas pensando que era estranho para as vozes terem sumido, Eunius olhou para Millia e Izumi só para sentir um intenso arrependimento.

(Millia): “Olhe para aquilo! Olhe como a cauda dessa mulher está abanando! Ela definitivamente está se atirando em Rudel!”

(Izumi): “Eu estou te dizendo, esse não é o tipo de coisa com que estamos lidando! Você não pode se controlar logo?”

Vendo a conversa entre Rudel e Bennet, as duas se aqueceram ainda mais. As integrantes do harém de Aleist já tinham desistido de persuadi-las.

[Eunius]: (“Essas daí são inúteis!”)

“Eu não vou conseguir lutar com Rudel hoje”, o instinto de Eunius prontamente o informou.


(Fina): “… eles são mais vingativos do que eu imaginei”

(Sophina): “Não parece ser o caso”

O quarto de Fina na academia já estava em um estado mais parecido com o de um escritório equipado com uma cama. Entrando em seu ano final, Fina só tinha poucos meses sobrando até a formatura.

Embora Sophina pensasse que uma vida escolar que terminava com fofuras e trabalho era um erro, ela não disse isso em voz alta. Para começo de conversa, se ela não tivesse a desnecessariamente competente Fina, ela nunca teria chegado tão longe.

Acima dos nobres e autoridades conectados a Aileen, o potencial de guerra reforçado da Guarda Real…

Tudo se juntou.

(Fina): “Quando temos que nos preparar em duas frentes, a fronteira e o palácio, eles só têm que se preocupar com o palácio, então eles com certeza são sortudos”

(Sophina): “No pior cenário possível, não podemos manter o palácio? Nesse cenário, nós podemos concentrar nossas forças”

(Fina): “… isso não seria bom”

Embora Fina não soubesse como os dois lados estavam conectados, ela suspeitava que cada lado reagiria e se moveria de acordo.

Embora eles provavelmente se movessem no momento que o lado dela mostrasse uma abertura, o país inimigo estava mostrando movimentos como se eles soubessem precisamente quando a hora iria chegar. Era uma situação perigosa, Sophina pensou sobre o pior cenário possível e queria concentrar suas forças no palácio.

Em invés de tentar vencer em ambas as frentes, ela queria deter a imprudência de Aileen que estava definitivamente a ponto de entrar em erupção.

Mas a opinião de Fina era diferente.

(Fina): “No caso em que o |Império| ganhe os meios para enfrentar o |Reino|, não há sentido suprimirmos apenas o palácio. Se eles conseguirem roubar uma grande quantidade de terra, então eles irão ganhar ainda mais poder na revanche. O alto escalão do |Reino| vai precisar de algum tempo para se recuperar desse caos, e nesse momento, o |Império| deve ser capaz de reunir seu potencial de guerra. Se não suprimirmos ambas as frentes, não iremos sobreviver”

O ódio do |Império| contra o |Reino|, do ponto de vista do povo do |Reino|, não era nada além de falsas acusações. “Vocês vivem em uma terra abundante, então passem para cá”, era o que eles estavam dizendo. Esse era o reconhecimento do país pelo |Império|.

Sophina sabia que as terras do |Império| eram estéreis. Além do mais, ela sabia o quão importante era para eles invadirem |Courtois| e roubarem seu solo.

(Fina): “Quando territórios são roubados, haverá alguns nobres que se tornarão vira-casacas. E se eu deixar minha irmã se safar, definitivamente vamos ter nobres começando uma rebelião. Nós temos que vencer em ambos os lados, aconteça o que acontecer”

Assim que ela aceitou alguns documentos de Fina, Sophina ficou com uma cara sombria. Os nobres que elas reconheciam como aliados de Aileen. Em uma situação onde eles não poderiam perder para o |Império Gaia| ou Aileen, o país de |Courtois|… os poderes de Fina estavam acuados.

Não, eles não estavam sendo acuados para um canto. Fina começou esta luta bem ciente de sua desvantagem.

Dentro do estado atual que apenas poderia ficar mais duro conforme mais tempo se passasse, Fina estava tentando construir um palco onde ela pudesse vencer. Sophina também estava se movendo e emprestando seu poder por esse motivo.

(Sophina): “… em todo o caso, é nossa sorte uma princesa ser permitida dentro da academia. Antes do inimigo se mover, nós fomos capazes de construir nossas forças pessoais assim. Se estivéssemos no palácio, nós nunca seríamos capazes de nos mover até aqui”

A opinião de Sophina não estava errada. No palácio, elas nunca seriam capazes de estabelecer tantas conexões. Ao mesmo tempo, elas conseguiram se mover para longe dos olhos de Aileen. Poderia se mesmo chamar isso de sorte.

(Fina): “Eu sei, não é!? É porque eu sou amada! Eu sou uma donzela amada pelo Fofuraíso acima de tudo! Você pode me chamar de Donzela da Fofura se quiser… não, isso não parece certo. Eu tenho a sensação de que donzela está seguindo a direção errada. Este meu corpo não vai permanecer puro por muito tempo”

Vendo a tensão de Fina subindo repentinamente, Sophina notou que estava quase na hora da concentração dela se esgotar. Como ela fez Mii preparar o chá, Fina saltou de seu assento e seguiu em direção a moça da tribo dos ⌊Gatos Brancos.

(Sophina): “Se ela só não tivesse este lado, ela seria perfeita…”

Sophina suspirou enquanto ela encarava Fina sem nenhuma expressão acariciando Mii.


(Mies): “Os resultados do caso experimental?”

Mies Licorise vestia um jaleco de laboratório.

No laboratório, seus subordinados estavam atarefadamente fazendo registros das jaulas contendo os monstros negros. Os ajustes finais nos monstros fortalecidos eram feitos nesse laboratório do |Império Gaia|.

〈Ogros e 〈Orcs, 〈Wyverns[3] e uma grande variedade de monstros diferentes, você poderia dizer que os experimentos controlados deles estavam prosseguindo sem percalços.

(Subordinado): “Sem problemas a relatar. Já recebemos um bom parecer ao trazermos monstros para dentro do território imperial”

Recebendo os documentos de seu subordinado, Mies leu o relatório da unidade recém-formada. Quando operavam monstros, se receber comandos fosse possível, eles precisariam de uma unidade exclusiva para fazer isso. Para isso, eles estavam conduzindo experimento atrás de experimento, combatendo monstros no solo imperial.

Vendo os papéis que relatavam não haver problema algum, o subordinado dela parecia autoconfiante. Mas Mies estava começando a ficar com um pouco de medo.

(Mies): “Se nós continuarmos tendo sucesso desta forma, vai parecer um pouco bizarro. Mais importante, parece que alguns monstros fugiram na direção de |Courtois|, mas como está a administração disso?”

(Subordinado): “Nada com que se preocupar. É uma ocorrência comum. Alguns monstros comuns foram expulsos para as montanhas”

Como seu subordinado não mostrou nenhuma preocupação em particular, Mies o avisou para não baixar sua guarda. Para ela, esta pesquisa possuía um significado vital.

(Mies): “Nós estivemos nos esforçando demais neste último ano. Os superiores nos disseram para não criarmos um tumulto grande demais antes da invasão, então seja cuidadoso a partir de agora”

(Subordinado): “Si-sim”

Assim que seu subordinado deixou a área, Mies seguiu para o espaço na frente da mais vasta jaula. Seu protótipo de um monstro enorme chamado 〈Gora sentava-se silenciosamente, ainda com sua expressão feroz em seu rosto. Além das presas que se projetavam para fora de sua boca, como se tratava de uma variação melhorada, sua pele e pelo foram tingidos por um tom de preto, o tornando uma visão realmente sinistra.

Por algum motivo, uma tatuagem branca se espalhava por seu corpo, e enormes asas parecidas com as de um morcego se estendiam de suas costas. Os olhos do 〈Gora se estreitaram enquanto ele olhava para Mies, quase parecia que ele estava rindo.

(Mies): “… seu monstro”

Com suor frio percorrendo suas costas, Mies partiu com pressa.


[1] Miragem ou espelhismo é um fenômeno óptico muito comum em dias ensolarados, especialmente sobre rodovias, em paisagens desérticas, ou também em alto-mar. Trata-se de uma imagem causada pelo desvio da luz refletida pelo objeto, ou seja, é um fenômeno físico real (ilusão de óptica) e não deve ser confundida com uma alucinação.

[2] Millia está se referindo a luta que ela teve com Izumi no capítulo 027, durante o torneio interclasses.

[3] Serpe, também conhecida pela palavra inglesa Wyvern, é todo réptil alado semelhante a um dragão, mas de dimensões distintas, muito encontrado na heráldica medieval. Geralmente as Serpes apresentam apenas duas patas (ao contrário dos dragões ocidentais, que sempre possuem quatro), sendo que no lugar das dianteiras estão suas asas, o que a torna similar a uma ave. Diferentemente dos dragões citados em diversas histórias, é muitas vezes tida mais como um ser desprezível do que como sábio.