A Major e Aleist

Depois de voltar para a |Cidade Portuária de Beretta|, Rudel passou seus dias com Izumi, confortando uma Sakuya deprimida.

No meio de tudo isso, Rudel fez um pequeno escudo de luz sobre sua mão direita e pensou. O escudo que não tinha nem mesmo dez centímetros enrolado sobre a palma de sua mão.

Sentado e encarando o escudo, Rudel passava um pouco de seu tempo livre na frente da toca de Sakuya, repetindo uma prática similar todos os dias. Neste ponto, ele era até capaz de produzir um escudo de luz na ponta de seus dedos dos pés.

Enquanto ele testava a sugestão de Bennet, isso era surpreendentemente fácil. Mais ainda, ele poderia apenas ficar perplexo sobre o porquê ele sempre ficar fixado com a mão esquerda.

(Rudel): “Mesmo assim, eu queria algumas cartas a mais para jogar”

O estilo de luta de Bennet era uma coisa, mas Rudel também queria garantir os métodos de pilotagem de Keith. Quando ele começou a olhar para isso dessa forma, ele começou a ver o que estava lhe faltando. Espada e magia eram insuficientes. Ele não poderia se impedir de pensar assim.

Bennet era uma ⌊Demi-Humana da tribo dos ⌊Lobos, e ela compensava sua deficiência em magia com uma abundância de métodos de ataques. Rudel sabia disso.

Ele tentou usar o bumerangue, mas ele não parecia adequado em suas mãos. A admiração dele por Bennet apenas fazia disso tudo mais irritante.

(Rudel): “Então são facas de arremesso afinal?”

Assim que ele pensou em tudo isso, Izumi apareceu como de costume com uma bolsa em ambas as mãos. Ela continha almoço e bebida.

(Izumi): “Você está pensando em algo de novo? Se você planeja inventar outro movimento especial, se possível, eu gostaria de te pedir para parar”

Enquanto Izumi o mostrava um sorriso sem graça, Rudel não podia entender o motivo para ela ser contra isso. Contudo, nesse momento, ele não estava pensando em um movimento especial, assim, por enquanto, ele concordou.

(Rudel): “Sem problemas. Neste momento, eu estou pensando em novas formas de ataque. Exatamente como a Major, eu quero formas de atacar a médio alcance sem ser com magia”

Izumi organizou a comida que ela tirou do cesto em uma pedra na frente de Rudel enquanto ela escutava.

(Izumi): “Eu não acho que há qualquer problema com sua |Mana Rudel. Mesmo que você não esteja no nível de Aleist, você definitivamente faz parte do grupo mais abundante”

(Rudel): “Eu definitivamente tenho um pouco…”

As palavras dele foram ficando confusas, Rudel esticou uma mão para a comida diante de seus olhos. Então, ele percebeu que a habilidade culinária de Izumi aumentou.

(Rudel): “Isto é bom. Você esteve praticando?”

(Izumi): “Obrigado. É tudo por causa de Bennet-san. Aquela pessoa pode fazer tudo no fim das contas”

Geralmente onipotente no trabalho doméstico e de primeira classe como uma ⌈Cavaleira e Dragoon. Ela era uma admiração tanto para Rudel como para Izumi.

(Rudel): “Eu estou feliz por ter vindo para a fronteira. Eu consegui dois superiores talentosos para admirar”

Quando Rudel disse isso com satisfação, Izumi assentiu com a cabeça impotente.

(Izumi): “Yeah. Você está certo. Bennet-san é uma boa pessoa. Yeah. Mas…”

Izumi não poderia se fazer reconhecer Keith, e Rudel a dirigiu uma cara perplexa. Ele não pensava que o homem em questão tinha qualquer problema em particular. Para Rudel, eles eram ambos Oficiais Superiores admiráveis.

(Izumi): “Enfim! Como estão as coisas do seu lado? Bennet-san estava encantada dizendo que você cresceu um pouco”

Correspondendo a mudança de tópico de Izumi, Rudel tragou o sanduíche em sua boca com chá antes de responder.

(Rudel): “Eu tenho um longo caminho a percorrer. Eu tenho que trabalhar nos pequenos detalhes. Usar magia enquanto estou em movimento ainda é meio… nesse caso, que tal eu acionar a magia antes de me mover? Mantendo ela ativa há uma certa distância de mim o tempo todo?”

Subitamente refletindo em algo, Rudel mergulhou em pensamentos enquanto olhava para o mar. Izumi o observou com um sorriso acolhedor.


Entre os membros que Keith levou para o palácio, o grupo de Aleist não estava incluído.

(Eunius): “Você realmente não vai voltar?”

(Aleist): “Yeah. Eu tenho alguns lugares para ir”

Com suas palavras ficando atrapalhadas, Aleist viu Rudel treinando todos os dias, e depois do recente ataque de monstros, ele pensou sobre isso.

Como resultado, por um tempo, ele queria partir em uma jornada.

(Cavaleira A): “O Capitão nos tem com ele, então vai ficar tudo bem”

Enquanto as integrantes de seu Pelotão davam grandes acenos com a cabeça, o homem em questão só poderia suspirar e assistir. Normalmente, ele iria recusar, mas as garotas disseram que elas iriam com ele e não iriam escutar mais nada.

(Eunius): “Bem, eu vou voltar, então isso é tudo. Eu vou entregar uma carta para o seu superior, mas o que você planeja fazer a partir de agora?”

Eunius não parecia especialmente preocupado, mas se possível, ele queria voltar com eles. Por alguma razão, ele ficou com uma cara incomodada quando olhou para Keith. Pelo contrário, Keith parecia satisfeito.

(Keith): “Fufufu, uma viagem pelo céu sozinho com Eunius-kun”

(Eunius): “Espere aí. Você não estava atrás de Aleist?”

(Aleist): “Vocês dois parecem estar se divertindo”

Quando Aleist disse isso, Eunius ficou com um rosto realmente incompreensível. Do ponto de vista de Aleist, tanto no jogo quanto neste mundo, a impressão de que Keith era uma pessoa boa e confiável era forte demais. Ele não poderia nem mesmo imaginar que ele era um alvo para Keith.

(Keith): “Agora vamos aproveitar nossa jornada pelas nuvens!”

(Eunius): “Oy, se aproxime mais e eu vou te fatiar! Estou falando sério!”

(Keith): “Vo-você está falando sério… que proposta apaixonada. Então eu devo responder a esses sentimentos fumegantes!”

(Eunius): “Gyaaah! Fique longe!”

O ⌊Dragão da Água Spinnith esticou suas asas enormes e subiu para o céu. A figura dele era realmente linda.

Depois de despedir-se do Dragão que voou com uma confusão em suas costas, Aleist se virou e olhou para as mulheres que formavam seu Pelotão. Com o objetivo de informá-las de seus planos futuros.

“Há uma grande cidade por perto, e eu estou pensando em seguir até lá. Nós temos que encontrar alguém para cuidar da [Espada Sagrada] que obtivemos, e mais do que tudo, nós seremos capazes de operar por lá por um tempo”

Havia fartura de trabalhos de caça de monstros a ser encontrada ao redor da fronteira com amplas instalações para cuidar de armas e armaduras. Sua própria armadura também estava sendo cuidada por um artesão dessa região.

Por que Aleist não estava voltando com Eunius? Era porque Aleist tinha chegado a seu próprio tipo de resposta a respeito de sua força.

Aleist pensou sobre sua força. Ele sabia que não poderia acompanhá-los se ele seguisse o mesmo caminho que Rudel e os outros.

Ele não era o mesmo tipo de lunático e não era como se a técnica dele fosse particularmente alta. Um talento em magia que ele nunca poderia dominar não serviria nem mesmo como plumas emprestadas.

Porém… havia algo que ele poderia fazer.

[Aleist]: (“Isto não é um jogo, mas eu não posso pensar em mais nada. Poder é poder. Eu tenho que fazer o que eu puder…”)

O que ele se lembrou foi sua conversa com Bennet. Quando Aleist voltou para |Beretta|, ele escutou de Rudel que ela era extremamente forte. Se ela realmente era tão forte, ele e Eunius tentaram perguntar a ela.


(Bennet): “O que vocês deveriam fazer para ficarem fortes?”

(Aleist): “Si-sim”

Bennet era pequena em estatura, praticamente uma garotinha, ainda assim, diante dela, Aleist ficava perturbado. Não importava como ele olhasse para isso, ela parecia uma garota na ponta dos dedos dos pés para falar com ele e ele sentia que seu rosto ficava cada vez mais relaxado. Enquanto ele foi capaz de alguma forma resistir a isso, Eunius só desistiu e chamou ela de Bennet-chan.

Embora a expressão da garota não mostrasse nenhum sinal de se incomodar com isso, sua cauda iria inclinar-se impotentemente. E enquanto ela claramente parecia se incomodar com isso, até isso era fofo também.

(Bennet): “Se você pudesse estabelecer algo como isso, nós não teríamos nossos problemas. Mesmo que, hipoteticamente, houvesse um método definitivo, nossos pré-requisitos são diferentes demais. O que eu sei não é garantido”

O que Bennet estava tentando dizer era que, embora ela pudesse dar conselhos, ela não iria assumir a responsabilidade por isso. Mesmo com Rudel, quem ela foi incumbida de vigiar, ela disse que estava apenas o acompanhando todos os dias para confirmar os resultados. Pelo que Aleist podia dizer, ele não pensava que isso poderia fazê-lo forte, mas por enquanto, ele queria alcançar Rudel o máximo possível.

Enquanto Luecke e Eunius tinham crescido em suas áreas de especialização, tudo o que ele esteve fazendo foi limpeza. Ele estava começando a entrar em pânico.

Talvez sentindo a impaciência de Aleist, Bennet decidiu tentar ajudá-lo. Emprestando uma sala aberta na estação, ela conversou com ele individualmente.

(Bennet): “Não é como eu fosse a sua superior. Eu não posso te dar nenhuma ordem, e eu não posso assumir a responsabilidade. É bom que você coloque isso em sua cabeça”

(Aleist): “Sim senhora”

Dando uma resposta vaga, Aleist sentou de frente para Bennet enquanto ela servia uma bebida. Ele fez o seu melhor para transmitir seu próprio pânico e ansiedade.

Evitando quaisquer termos de jogo, ele disse isso de forma que Bennet pudesse entender. Mas Bennet fez uma cara perplexa.

(Bennet): “Então, com o que você está preocupado?”

(Aleist): “Eh? Mas…”

(Bennet): “Se você sabe como ficar mais forte, que razão poderia ter para não seguir esse caminho?”

(Aleist): “Eu… não tenho nenhuma. Mas isso parece um pouco covarde, ou pouco realista, ou melhor, na minha cabeça, eu não aceito que isso vá funcionar. Mesmo que eu diga que eu vou ficar mais forte quanto mais monstros eu derrotar, isso não parece um pouco errado?”

Falando em termos de jogos, ao derrotar monstros, ele ganharia pontos de experiência e passaria de Level. Mas não era como se ele pudesse ver algo como seu próprio Status.

Por alguma razão, Aleist estava começando a ficar envergonhado. Mesmo vendo seu rosto avermelhado, Bennet não riu.

(Bennet): “… conversas sobre derrotar monstros para ficar mais forte, você pode encontrá-las em qualquer lugar. No lugar em que eu nasci, o rito de passagem de um homem era caçar monstros. Havia uma superstição que dizia que você roubaria a força da vida que você tomou, mas eu realmente tenho a sensação que isso te torna mais forte. Não é uma mentira completa”

Ao invés de ficar mais forte pelo ato de exterminar o monstro, Bennet pensava que com o ato de o derrotar, você ganharia experiência de combate e coragem.

Tendo dependido de seu conhecimento do jogo e falhando, Aleist já tinha oferecido a ele um adeus. Mas todos ao redor dele estavam ficando mais fortes, e mesmo que ele não estivesse ali, |Courtois| não ficaria bem? Ele tentou se convencer. Mas ele não poderia suportar a sensação de que estava ficando para trás. Ao mesmo tempo, ele começou a pensar que queria ficar ombro a ombro com Rudel.

Mas foi nesse momento que ele notou que ele não tinha nada de sua autoria. O que ele desejou foi por |Mana inesgotável e status social. Enquanto ambos se tornaram o poder de Aleist, eles não eram dele mesmo. Era precisamente por isso que seus amigos íntimos, que subiram com seus próprios poderes, pareciam radiantes em seus olhos.

(Bennet): “Isto pode soar cruel, mas, no fim, poder é apenas poder, nada mais, nada menos. Se eu fosse você, eu buscaria esse poder sem hesitação. Eu não vejo nenhum problema específico com sua metodologia. Nenhum problema. Não, como um ⌈Cavaleiro, seria ruim se você não se reportasse para o seu Oficial Comandante”

(Aleist): “Ah, verdade, tem isso também. Eu estive fazendo tanta limpeza nesses dias, eu parei de pensar em mim mesmo como um ⌈Cavaleiro

Enquanto Aleist abaixava sua cabeça em uma risada impotente, Bennet gentilmente o chamou.

(Bennet): “Você é o ⌈Cavaleiro Negro. Mantenha sua cabeça erguida”

(Aleist): “Vo-você está certa”

(Bennet): “Eu escutei sobre você de Rudel. Eu sei que você não é uma pessoa ruim, mas você se preocupa demais. Só faça o simples… não adianta apenas ter poder. O problema está em como você usa ele. Se houver algo que você deseja realizar, você ganha poder por isso”

Quando ele pensou sobre o que ele queria fazer, Aleist chegou à conclusão de que ele definitivamente precisaria de mais poder do que ele tinha agora. Ele não poderia mais pensar que só porque as pessoas ao redor dele eram fortes, ele poderia apenas deixar tudo com elas.

(Aleist): “Eu serei capaz de fazer isso?”

Mas Bennet não iria tranquilizá-lo.

(Bennet): “Quem sabe?”

Bennet olhou para Aleist e o disse que isso seria decidido por ele.

(Bennet): “É quando você domina sua força que ela finalmente se torna sua. E se você teme se afogar em seu poder, então não se aflija. A razão é…”


Se lembrando das palavras de Bennet, Aleist começou a caminhar.

Mas se virando uma vez para olhar a cidade portuária, ele ficou com inveja de Rudel. Desde que ele se alistou nos Defensores, tudo o que ele aprendeu foi a limpar. A diferença no ambiente entre ele e Rudel, aos olhos daqueles ao redor, talvez parecesse que ele estivesse recebendo tratamento preferencial.

Mas pensando em seu próprio crescimento, Rudel estava em melhores circunstâncias.

(Aleist): “Eu quero uma superior assim também…”

Além disso, ele tinha um pouco de arrependimento persistente com Millia, mas não houve nenhum desenvolvimento nesse campo. Mesmo se ele tentasse falar com ela, as coisas nunca saiam como ele desejava. Ele acabaria falando tão naturalmente que suas subordinadas a seu redor não poderiam se fazer acreditar que ele realmente estava apaixonado por ela.

(Aleist): “Se eu me afogar no meu poder, então Rudel e os outros vão me deter, eh… amigos realmente são incríveis”

As palavras finais de Bennet… se Aleist algum dia saísse de seu caminho, seus amigos iriam aparecer para detê-lo. Com toda certeza, Rudel e Eunius… e Luecke, provavelmente o impediriam.

Seus outros amigos dos dias de escola tinham o salvado várias vezes. O simples fato de ele poder pensar que não estava sozinho era uma bênção para Aleist.

Mas quando ele pensava em seus amigos alegremente atacando seu eu afogado em poder, ele sentiu um leve tremor. Os maníacos por batalhas Rudel e Eunius rindo enquanto atacavam com suas espadas, enquanto Luecke o usava como cobaia, o martelando com sua magia, ele podia imaginar isso muito vivamente.

(Cavaleira B): “Qual o problema Capitão Aleist?”

Assim que uma de suas subordinadas o chamou preocupada, Aleist se forçou a fazer um sorriso e disse que estava tudo bem.

Para pôr em prática um método de fortalecimento típico do jogo, Aleist estava avançando novamente. Jurando que ele nunca iria se perder em seu poder…


Na mansão da Casa Arses, Erselica estava em pânico.

Uma carta chegou de seu irmão mais velho Chlust, mas os servos a jogaram fora. Se Lena não tivesse descoberto isso por acaso e a levado para o quarto de Erselica, ela nunca teria notado.

O conteúdo da carta que ela abriu na frente da porta escureceu seu rosto.

(Erselica): “Isto é… mas, não pode ser…”

A carta de seu irmão declarava que ele queria informação precisa e atual das relações entre nobres no palácio. Enquanto parecia que ele estava em uma situação séria, Erselica não tinha informação o bastante para responder as esperanças de seu irmão.

Com Chlust enviado para a fronteira, o estado da Casa Arses ficou apenas pior.

Graças ao filho mais velho Rudel, ela ocasionalmente era chamada para festas, mas, a princípio, ela e seus pais as evitavam. Neste momento, seus pais iriam se exibir, mas com o objetivo de assegurar o casamento de Erselica com um nobre ou um mercador rico, ela não tinha permissão para sair.

Os nobres proeminentes estavam esperando e vendo a abordagem para a situação da Casa Arses. Se Rudel tomasse a posição de Arquiduque, eles iriam se aproximar, mas os rumores de discórdia entre ele e seus pais estavam passando por uma súbita propagação. A atitude do pai dele na cerimônia de nomeação dos ⌈Cavaleiros estava voltando para atormentá-los.

Por causa disso, Erselica não poderia dizer que ela tinha uma noção precisa da atual situação.

(Lena): “O que ela diz?”

Enviando um olhar severo para a animada Lena, Erselica a puxou para dentro do quarto.

Fechando a porta e colocando o trinco, diferente dos quartos de Lena ou Rudel, o esplêndido quarto da filha de um Arquiduque se espalhava.

(Erselica): “… há alguma outra carta?”

(Lena): “Essa foi a única que eu encontrei. Veja, quando eu pensei em assar algumas batatas com papel usado, havia uma carta lá dentro”

Vendo Lena coçando sua cabeça e sorrindo, Erselica se sentiu irritada. Embora ela soubesse que Lena não tinha nenhuma intenção ruim, o conteúdo da carta sugeria que ele esteve enviando cartas há algum tempo. O que dizia que os servos estavam esmagando as tentativas de Chlust enviá-las.

Enquanto o conteúdo não entrava nos detalhes, era certo que ele precisava de informação com urgência. Erselica respirou fundo antes de fazer um apelo a Lena.

(Erselica): “Eu tenho um pedido”

(Lena): “O que é?”

(Erselica): “Se você ver algum dos servos jogando fora qualquer carta de Chlust, eu quero que você as entregue a mim”

(Lena): “Eu não me importo”

Enquanto Lena facilmente aceitava o pedido de Erselica, os problemas não acabavam aí. Erselica não tinha as conexões para responder a demanda de Chlust. E mesmo se ela conseguisse receber as cartas dele, seria difícil para ela responde-las.

(Erselica): “De alguma forma, eu tenho que dar um jeito de investigar isso… mas…”

Mesmo que ela quisesse investigar, pelo conteúdo da carta, ela entendia que esse não era o tipo de coisa que ela poderia fazer tão facilmente com qualquer um. Além do mais, o fato das cartas não estarem chegando a seu destino a fez imaginar o pior cenário possível. Dentro da mansão, havia um indivíduo impedindo as cartas de Chlust de chegarem nela.

Se eles só quisessem destruir Chlust, isso não seria um problema para eles. Erselica via isso como um enorme problema, mas o verdadeiro problema seria eles verem através das ações de Chlust.

Enfurnada em seu quarto, Erselica estava em uma situação onde ela não poderia fazer nada. Então, Lena leu a carta que ela derrubou na confusão.

(Lena): “Relacionamentos entre nobres? Eu conheço alguém que realmente é informado sobre isso”

(Erselica): “Qu-quem!?”

A súbita declaração de Lena fez Erselica pular nela e deu a impressão que ela estava se agarrando na grande estatura de Lena.

(Lena): “Não, se você apenas perguntar a Luecke-san, você será capaz de descobrir mais coisas. Ele é mesmo instruído”

(Erselica): “… bom, yeah, tenho certeza que ele é”

Erselica estava consciente de Luecke, da ⟦Casa Halbades. Conversas sobre um noivado com Eunius, da opositora ⟦Casa Diade, apareceram. Mas falando de modo geral, os ⟦Três Lordes tinham uma relação antagônica um com o outro. Se possível, ele era alguém que ela queria evitar. Mais do que qualquer coisa, o fato de que ele tinha uma relação amigável com Rudel fazia dele alguém que ela não poderia aceitar psicologicamente.

(Lena): “Eu vou tentar pergunta-lo da próxima vez. Eu estou recebendo muitas cartas dele esses dias”

(Erselica): “Espere, você quer dizer que vocês são amigos por correspondência[1]?”

(Lena): “Não somos. Elas só continuam chegando, e eu respondo cerca de uma a cada dez cartas. Eu não sou boa na escrita, entende? Quando eu estou tentando escrever uma resposta, a próxima chega, então eu tenho que escrever algo novo”

Vendo Lena rindo, Erselica não sabia o que ela deveria dizer. Embora houvesse um problema em Lena, ela sentia que também havia um problema em Luecke.

A história continuou a fluir sem demora.


[1] Pen pals (literalmente “amigos de caneta”) são pessoas que escrevem umas às outras regularmente, particularmente através de correio postal. Uma relação por correspondência é normalmente usada para praticar a escrita e leitura em uma língua estrangeira, para melhorar a alfabetização, para aprender mais sobre outros países e estilos de vida e para fazer amizades.