A caixa de ofertas “Eu quero viver confortavelmente”

Eu duvidei de meus ouvidos com o pedido da garota sobre matar ela.

Contudo, não importava como eu interpretasse isso, era um pedido para contratar um assassino.

(Haru): “Mestre, ela parece ser uma Escrava alugada. Matar uma escrava dessas sem um motivo legítimo poderia te levar a julgamento das Deusas, o fazendo se tornar um bandido”

(Ichinojo): “Entendo. Bem, em primeiro lugar eu não tenho intenção de matar ela”

Então é papel das Deusas decidir se uma pessoa se tornou um bandido ou não huh. Que coisa ambígua.

De fato, olhando para o [Colar de Escravo] de Carol, havia sete luzes acesas.

O que significa que ainda restam sete horas em seu aluguel.

(Ichinojo): “No entanto, se você é uma Escrava alugada, então por que você estava enterrada? Mesmo que você tenha que ser levada de volta para o comerciante de escravos…”

Eu tirei Carol de dentro do barril e a deixei de pé me encarando.

Longos cabelos roxos e uma altura de um metro e vinte.

Ela parecia uma jovem garota fofa normal, mas por que ela queria morrer tão desesperadamente?

Ela odeia ser uma Escrava?

E por que ela estava enterrada em um buraco?

(Ichinojo): “… bem, está tudo bem se você não quiser falar. Haru, vamos desmantelar os monstros. Será muito trabalhoso para você fazer tudo sozinha, portanto vou te ajudar”

Eu disse isso e me aproximei de Haru, sussurrando “Eu vou trocar seu emprego para Caçadora em seu ouvido de loba.

Desmantelar monstros usando a habilidade ‖Desmantelar‖ garante pontos de experiência para os Caçadores.

Aliás, o que devemos fazer com os corpos dos aventureiros?

(Haru): “Em casos onde os aventureiros morrem, suas posses são passadas para quem os encontrar. Devemos coletar os equipamentos deles?”

(Ichinojo): “Não, não… nós já temos uma boa quantidade de ouro e será problemático se isso nos colocar em alguma encrenca”

Eu esfolei a pele dos Ursos usando a adaga que eu peguei de um dos bandidos.

O equipamento que eu obtive dos bandidos é bastante útil.

Contudo, eles não tinham uma qualidade tão boa.

No meio do desmantelamento, eu fui informado que monstros estavam se aproximando de novo, então eu guardei os monstros quase desmantelados dentro da minha [Bolsa de Itens] e parti. Eu acho que eles foram atraídos pelo cheiro do sangue.

Eu acho que os corpos dos aventureiros não iriam ficar bem em minha [Bolsa de Itens].

Não era porque eu não podia tratar pessoas mortas como itens, mas porque eu não teria estômago para viajar carregando corpos.

Em condições normais, eu deveria levar eles para suas famílias.

(Ichinojo): “Carol, nos guie para a cidade”

(Carol): “…”

Carol concordou em silêncio.

Nós saímos da floresta depois de quase uma hora.

Eu podia ver uma cidade a distância. Então essa é a cidade |Belasra| huh.

Parece maior do que a cidade de |Florence|.

Aparentemente, o |Labirinto| gerenciado por Torerul está aqui. Por enquanto, o objetivo dentro desta cidade é completar o |Labirinto|. Antes disso, eu preciso devolver Carol para o comerciante de escravos.

Uma das luzes no [Colar de Escravo] desapareceu e só sobraram seis.

(Ichinojo): “A propósito, Escravos alugados não irão obedecer ordens dos donos depois que o tempo de aluguel acabar, portanto, eles não poderiam escapar?”

(Haru): “Eles são ordenados a não escapar e também são proibidos de cometer suicídio. No entanto, eles não são proibidos de contratar outras pessoas para matar eles. Contudo, nunca houve um caso onde uma pessoa matou um Escravo alugado porque ele foi contratado para isso”

Eles iriam virar bandidos se fizessem isso. E também haveriam outras penalidades.

No meu caso, a coisa que mais me incomodaria caso eu me tornasse um bandido, seria a perda do meu Desempregado.

Se isso acontecer, o Desempregado iria desaparecer e eu não seria mais capaz de adquirir as habilidades desse emprego no futuro. Eu devo a todo custo evitar isso.

Nós caminhamos por outros 30 minutos.

O vigia do portão era um velho homem robusto.

Eu mudei meu segundo emprego para Plebeu. A taxa de entrada seria mais barata se eu escolhesse o Mascate, mas eu não sei se a cor da bola de cristal iria mudar se eu escolhesse ele como meu ‖Terceiro Emprego‖ e acima disso tudo, eu queria pagar as taxas.

Havia dois grupos na nossa frente pagando suas taxas de entrada, mas nossa vez chegou logo.

Então, o velho vigia deu uma olhada em Carol…

(Vigia): “… mortos, huh”

… e disse apenas isso.

(Carol): “Sim”

(Vigia): “Entendo”

Carol concordou com a cabeça e ele não disse mais nada sobre isso.

(Vigia): “Vocês estão aqui para devolve-la, certo? Obrigado”

O velho se curvou e voltou para a cuidar de seus afazeres.

Eu coloquei minha mão na bola de cristal e ele confirmou que eu não era um bandido.

Minha taxa de entrada foi 50 sense, enquanto a de Haru foi 60 sense. As taxas dos Escravos são mais caras, huh?

Foi confirmado que Carol deixou a cidade ao amanhecer, então ela não precisaria pagar a taxa de entrada.

Ichinojo subiu de Level

O Plebeu chegou ao Lv36.

Teria sido melhor se a taxa fosse um pouco maior…

(Carol): “A loja do mercador de Escravos pode ser vista daqui. É aquela construção de tijolos marrons”

(Ichinojo): “A construção que parece um armazém de tijolos vermelhos, não é?”

Yokohama, Hakodate ou Tsuruga[1]?

Era algo que faria alguém se sentir viajando pela história se ele visse isso no Japão, mas neste mundo, eu posso imaginar que esta é uma construção recente.

Era uma construção extremamente grande.

(Ichinojo): “O comércio de Escravos é lucrativo?”

(Carol): “Há um salão de jogos de azar nesta cidade. Portanto, há muitos Escravos devido as dívidas”

Carol me explicou. Se endividando com as apostas e se vendendo, huh? Não posso mesmo sentir simpatia por eles. Sucumbir a apostas é o caminho para a autodestruição. Parece que isso não muda tanto no Japão quanto no |Outro Mundo|.

Caminhando lentamente, nós chegamos em uma praça e eu vi aquela garotinha daquela vez… a estátua de Torerul estava no centro da praça.

Havia muitas pessoas orando para a estátua.

A estátua de Torerul parecia ser um tipo de atração turística nesta cidade.

(Haru): “Eu mencionei que Torerul também é chamada de Deusa das Apostas, não é? Como esta é a cidade com um |Labirinto| gerenciado por Torerul, há muitos que fazem apostas entre si para ganhar a bênção dela”

Entretanto, mesmo se realmente exista uma bênção de Torerul, os únicos que vão adquiri-la são os clientes?

Eles não consideraram que os apostadores que vivem nesta cidade e abriram salões de apostas já devem ter essa bênção?

Bom, eu não posso imaginar aquela Deusa-sama preguiçosa dando sua bênção para ninguém.

Havia uma caixa de ofertas[2] colocada na frente da estátua e muitas pessoas estavam depositando moedas de cobre dentro dela.

Em um mundo sem as moedas de um ou cinco ienes, com o menor valor sendo um sense, ou em outras palavras, uma moeda de cobre, a quantidade na caixa de ofertas deve ser bem razoável. As caixas de ofertas no Japão tinham mecanismos antifurto, mas essa só está sendo segurada por uma corrente. Eu estava preocupado em pensar que toda a caixa poderia ser roubada, no entanto, roubar dinheiro da estátua de uma Deusa com certeza te tornaria um Ladrão.

Eu acho que não devem existir muitas pessoas que pensariam em um ato tão profano.

(Haru): “A caixa de ofertas foi proposta pelas pessoas perdidas do Japão mais de cem anos atrás. Elas permitem doações sem os procedimentos trabalhosos e espalham a fé pelas Deusas, então os integrantes da igreja as adotaram imediatamente. Até em |Florence|, há uma estátua da Deusa da Batalha e da Vitória, Setolance-sama, com uma caixa de ofertas instalada em sua frente”

(Ichinojo): “Ooo. Eu não sabia disso… Haru é tão bem informada”

(Haru): “Quando eu era mais nova, eu gostava de ler livros no arquivo do palácio real onde meus pais serviam e eu me equipei com conhecimento a partir daí”

Então, quando Haru era mais jovem, ela viveu com sua família em algum palácio real?

Agora que penso sobre isso, eu nunca perguntei a razão de Haru ter se tornado uma Escrava e pensando um pouco mais sobre isso, eu percebi que não sabia nada sobre Haru.

Eu também preciso falar com Haru sobre meu Desempregado, então eu vou arrumar algum tempo para nós conversarmos no futuro.

(Ichinojo): “Bom, devemos fazer uma doação também?”

Eu peguei três moedas de cobre da minha [Bolsa de Itens]. Eu passei uma para Haru e uma para Carol.

(Carol): “Está tudo bem mesmo?”

Carol perguntou.

(Ichinojo): “Crianças não precisam se preocupar com isso”

(Carol): “Mas Carol tem 16 anos”

Sério! Eh. A idade de uma garota do ensino médio?

Ela parece com uma criança do fundamental, não importa como eu olhe para ela.

(Carol): “É porque eu sou uma meia Minihume[3]

Haru mais uma vez deu uma explicação para mim, o ignorante.

Aparentemente, Minihume é uma raça com metade da altura de um humano. Meio Minihume é um mestiço entre um humano e um Minihume, então sua altura para por volta de um metro e vinte e eles têm uma aparência mais jovem do que a dos humanos.

(Ichinojo): “Bem, com 16 anos, você ainda é uma criança para mim”

(Haru): “Erm… está tudo bem para mim também? Mesmo eu tendo 18 anos”

Haru disse isso reservadamente.

(Ichinojo): “… eh? Haru é mais jovem do que eu!?”

(Haru): “… mestre, você não sabia da minha idade?”

(Ichinojo): “Yeah. Eu acho que é rude perguntar sobre a idade de uma mulher”

Ela é tão confiável que eu pensei que ela era um pouco mais velha que eu.

A cauda de Haru desfaleceu.

Ah. Eu fiz algo ruim. Eu vou comprar um pouco de carne seca para ela. É claro que vão ser aquelas desinfetadas com álcool.

(Ichinojo): “Oh. Carol, Torerul-sama é chamada de Deusa do Prazer e das Apostas, mas sua verdadeira natureza é ser a Deusa-sama que pensa que o melhor é viver confortavelmente. Eu não sei o motivo, mas ao invés de dizer que quer morrer, reze para que você possa viver com conforto. Tente ser a única pessoa rezando para relaxar dentro da massa de pessoas rezando para vencer suas apostas. Isso definitivamente irá se destacar e ela deverá atender seu pedido”

Eu disse essas palavras que soavam como se eu estivesse enganando ela e fiz ela segurar a moeda de cobre.

Assim, eu joguei minha própria moeda de cobre dentro da caixa de ofertas.

A moeda de cobre quicou uma vez, duas vezes e foi para o fundo da caixa.

Então, eu a agradeci pela bênção dos ‖1/20 pontos de experiência necessários‖ que eu recebi.

Olhando para o meu lado, eu vi Carol com as mãos juntas, fazendo seu pedido com sinceridade.

Do outro lado, a cauda de Haru estava agitada enquanto ela fazia seu pedido. Me pergunto o que ela estava pedindo.


[1] São todos nomes de importantes portos japoneses.

[2] A caixa de ofertas é usada em templos para que as pessoas façam seus pedidos depois de fazer uma doação.

[3] Literalmente mini humana.