A noite em que pressionamos nossos ombros

Depois que terminamos nosso jantar, eu notei que a vela foi consumida surpreendentemente rápido, assim eu comprei outra.

Então, eu voltei para o quarto e cuidei de meus equipamentos.

Eu fiz a manutenção correta da espada de aço, mas eu também tinha que cuidar da espada de ferro, a [Espada do Goblin] e a adaga. Elas não vão enferrujar imediatamente porque eu as mantenho na minha [Bolsa de Itens], mas eu não posso relaxar e ficar sem fazer as manutenções regulares.

Da mesma forma que eu, Haru começou a cuidar de suas espadas curtas.

(Ichinojo): “… agora que penso sobre isso, apesar desta espada de ferro e a adaga serem daqueles Ladrões, está tudo bem para nós ficarmos com elas? Pensando bem, esse não é um ato de roubo?”

(Haru): “Não tem problema se a pessoa que derrotou o Ladrão ficar com os pertences dele. Contudo, eu acho que isso não é exclusivo apenas para aqueles com o emprego de Ladrão

(Ichinojo): “Entendo… mas, havia apenas um Ladrão naquele grupo de bandidos, então parece surpreendentemente difícil chegar nesse emprego. Nenhum daqueles que nos ameaçaram mais cedo era um Ladrão também”

(Haru): “Yeah. A linha divina que decide sobre a punição é muito sutil e a punição não acontece imediatamente. Por exemplo, se você assassinar alguém, você se tornará um Ladrão, mas se você agiu em legítima defesa, então não receberá nenhuma punição. Da mesma forma que o mestre não se tornou um Ladrão depois de matar aqueles dois bandidos. Todos os crimes são julgados sob o nome da Deusa do Julgamento, Libra-sama. Libra-sama vê tudo”

Ela investiga os crimes de todas as pessoas no mundo, huh.

Então existe uma Deusa-sama trabalhadora, diferente da Deusa Torerul.

Contudo, tenho sorte por roubar itens de bandidos não ser considerado um crime.

ah. Acabei de me lembrar. Além da espada e da adaga, eu também peguei uma caixa de madeira do covil dos bandidos.

Eu esqueci completamente disso. Porque eu coletei ela quando a adrenalina ainda estava no máximo.

Além disso, era uma caixa de madeira imunda, então eu não esperava muito de seu conteúdo.

(Haru): “Mestre, esta caixa de madeira era a que estava no local onde Norm-sama estava presa, certo?”

(Ichinojo): “Yeah. Eu agarrei ela no calor do momento e esqueci de verificar seu conteúdo”

Eu disse isso e tentei abrir a tampa da caixa.

(Haru): “… não parece ser um Mímico

Não, não. Se fosse um monstro Mímico, eu não poderia ter guardado ele na minha [Bolsa de Itens].

O pior cenário seria a caixa estar cheia de roupa suja dos bandidos, mas a caixa de madeira estava toda pregada, o que tornava essa possibilidade baixa. Se ela não tivesse importância, eu não acho que seria feita dessa forma tão difícil de abrir.

Eu coloquei a adaga no buraco sob a tampa e fiz força para abri-la.

Então… lá dentro estava…

(Ichinojo): “Pedras?”

(Haru): “Parece ser algum tipo de minério”

Uma grande quantidade de pedras apareceu. Diferente de pedras comuns, uma porção brilhava como prata, portanto isso certamente parecia ser um tipo de minério.

Já sei. Vou usar o ‖Avaliar Minério‖.

Como resultado, eu imediatamente recebi minha resposta.

[Minério de Mithril][1]: Minério contendo Prata de Mithril. A habilidade de um Alquimista de alto nível é necessária para fundir Prata de Mithril

Como imaginei, este mundo tem Mithril, já que é parecido com um mundo de videogame.

Julgando por isto, Orichalcum[2] também deve existir aqui.

No entanto, não havia nenhuma arma de Mithril sendo vendida na loja de armas. Será possível que elas sejam consideradas itens raros? Eu consultei Haru enquanto pensava sobre isso, mas a resposta foi pior do que eu esperava.

Mithril é com certeza um minério que pode criar equipamentos valiosos.

Contudo, você precisa ser um Alquimista de alto nível para fundir minérios de Mithril.

Além disso, para processar Mithril em armas e armaduras é necessário um Ferreiro de alto nível.

Graças a isso, muitos países monopolizam os processos de produção e eles até monopolizam as minas que produzem Mithril.

Ademais, o preço de venda é igual a uma soma inatingível.

Eu não faço ideia de onde os bandidos roubaram esse minério de Mithril, mas eles devem ter passado por muitos problemas decidindo como lidar com isso. Seria um desperdício jogar isso fora, mas trocar isso por dinheiro seria muito complicado…

Se é este o caso, minha única escolha é me tornar um Alquimista e um Ferreiro por conta própria e fazer minhas próprias armas e armaduras.

Portanto, eu tenho que temporariamente usar meus empregos de Usuário de Martelo e Aprendiz de Alquimista a partir de agora.

A propósito, eu ainda sou capaz de criar apenas poucos itens como um Aprendiz de Alquimista.

Eu posso purificar estanho, cobre, ferro, chumbo e zinco dos minérios e combina-los em ligas metálicas.

Equipamentos de Mithril devem raramente aparecer neste mundo, mas não é como se eles não existissem, então eu não vou atrair suspeitas se possuir alguns.

Eu vou mudar para outro emprego também.

Vamos nos tornar um Mulherengo.

⌈Mulherengo ⌈Plebeu⌋ Lv30

– Isto acontece quando você não encontra um emprego e continua como um ⌈Plebeu.

– Um emprego que pode aprender habilidades incomuns.

Condição para aquisição de pontos de experiências especiais: Juntar o corpo com o sexo oposto.

Em outras palavras, eu planejo fazer aquilo.

Depois de cuidarmos de nossas armas, eu agarrei Haru.


História secundária

Enquanto isso, havia outro casal se agarrando.

Era Jofre e Elise que estavam perambulando pela floresta.

(Elise): “… estou faminta Jofre”

(Jofre): “Yeah. Nós estamos sem comer desde a última noite Elise”

Na montanha, fazia calor durante o dia e frio durante a noite.

Enquanto os dois estavam completamente despreparados para a jornada, obviamente, assim que o suprimento de comida acabou e eles estavam sem nenhuma ferramenta para fazer uma fogueira, os dois se abraçaram para se manterem aquecidos.

Olhando para Centauro comento grama… o nome do burro que eles supreendentemente escolheram… Jofre teve uma ótima ideia.

(Jofre): “Se Centauro pode comer essa grama, então não podemos comer também?”

(Elise): “É isso Jofre! Nós definitivamente podemos come-la!”

Naturalmente, não era uma teoria que poderia funcionar simplesmente pela diferença nas funções de seus corpos. Entretanto, sem perceber que essa não era uma boa ideia, mas sim uma péssima ideia, os dois tentaram comer a grama, Elise acidentalmente pisou no rabo de Centauro.

A dor deu um susto em Centauro que começou a comer em uma velocidade assombrosa.

(Jofre): “Por favor, espere Centauro! Não sabemos que grama comer se você não estiver aqui!”

(Elise): “Por favor, espere Centauro!”

Porém, a velocidade de Centauro não diminuiu.

Ele aumentou sua velocidade em um instante, mas uma parede de pedra apareceu diante de seus olhos.

Ele vai bater!

Os dois instintivamente pensaram isso, mas algo aconteceu.

O corpo de Centauro atravessou a parede de pedra.

Os dois se olharam e se aproximaram da parede.

Então, quando eles tentaram toca-la, os dois perceberam que não era uma simples parede.

Eles serviram naquele covil de bandidos por menos de um dia.

A parede de lá era exatamente a mesma desta: uma ‖Parede Ilusória‖.

Os dois concordaram um com o outro e atravessaram a parede.

O teto estava brilhando um pouco.

(Elise): “Jofre, isto é…”

(Jofre): “Yeah. É um |Labirinto|! Além disso, é um |Labirinto| desconhecido! Incrível! É uma grande descoberta!”

(Elise): “É incrível Jofre! Que nome devemos dar ao |Labirinto|?”

(Jofre):|Labirinto EliseJofre|! Já que nós encontramos este |Labirinto| porque Elise está aqui”

(Elise): “Isso soa ótima, |Labirinto EliseJofre|! Não, nós encontramos este |Labirinto| porque Jofre está aqui”

Os dois se abraçaram, mas Ichinojo não estava lá para impedir.

Os dois só perceberam isso um pouco depois.

O novo |Labirinto| só tinha uma única sala.

E uma única espada estava presa no meio dessa sala.

A propósito, Centauro estava saboreando a grama que crescia dentro do |Labirinto|.


[1] Mithril é a chamada Prata dos Anões do mundo inventado por J. R. R. Tolkien. Nas obras deste autor, Mithril é um metal mais valioso do que o ouro. É valioso devido à sua raridade, ao seu brilho, ao peso incrivelmente leve e à resistência imensa.

[2] Orichalcum, ou Oricalco, é um tipo de metal que teria sido usado em Atlântida, citado em “Crítias”, obra de Platão. De acordo com Crítias, o oricalco era considerado muito valioso, depois apenas do ouro. Teria sido achado e explorado em muitos lugares de Atlântida em tempos remotos.