A cidade na fronteira

Hoje eu vou pagar dois tipos de taxas em um total de quatro vezes.

A taxa de entrada na cidade da fronteira do lado do |Reino Arundel|.

Em seguida, a taxa por cruzar a fronteira de |Arundel|.

Além disso, eu tenho que pagar a taxa por cruzar a fronteira e entrar no país |Dakyat|.

Por último, será a taxa de entrada na cidade da fronteira do lado de |Dakyat|.

(Ichinojo): “Portanto, precisamos pagar quatro taxas diferentes… isso com certeza é demais”

(Carol): “Ichino-sama, por que você está rindo?”

(Ichinojo): “Eu não estou”

Na verdade, eu estava sim.

Muito bem, eu preciso me lembrar de mudar um de meus empregos para Plebeu.

É lógico que ouro é importante, então eu vou usar o privilégio de Mascate de Carol.

Desconto para taxas de entradas em cidades.

Aparentemente, o valor muda entre as cidades e o desconto aqui era de 30%.

Parece que a taxa para cruzar a fronteira sairia pela metade do preço.

Mesmo que seja metade do preço, ainda será o mesmo que pagar ela dez vezes para mim.

Assim, naturalmente, eu não pude segurar minha risada.

É claro que eu já aumentei bastante o Level do meu Plebeu, então não vai ser tão fácil subir de Level agora.

Mas eu quero chegar ao Lv99 e obter o título Ápice do Plebeu.

Nós conseguimos entrar na cidade tranquilamente sem precisar esperar na fila.

Nós conseguimos entrar, porém… hnnnnn.

Carol falou comigo quando viu que eu estava confuso.

(Carol): “Qual o problema?”

(Ichinojo): “É duro ver que meu Level não aumentou nem mesmo por pagar 105 sense”

Eu não ganhei um único Level.

105 sense. 400 vezes essa quantia seria quase 400 mil sense em pontos de experiência.

Em ienes, seria uma taxa de aproximadamente quatro milhões de ienes[1].

(Carol): “400 vezes essa quantia seria… mestre, qual é o Level do seu Plebeu?”

(Ichinojo): “Lv72”

Carol me perguntou com a cabeça inclinada.

(Carol): “O quê-quê… quantas taxas Ichino-sama já pagou?”

(Ichinojo): “Aproximadamente 1,2 milhão de sense”

(Carol): “Hya… que soma incrivelmente enorme…”

(Ichinojo): “Haru ganhou isso em um dia[2]

Não era uma memória assim tão velha para mim, mas eu ainda murmurei isso com um sentimento de nostalgia.

Haru, que estava no assento do cocheiro balançando sua cauda, falou com uma voz ligeiramente animada.

(Haru): “Isso foi mesmo divertindo. Eu quero tentar de novo”

(Ichinojo): “É melhor maneirarmos nas apostas. Vai ser ruim para Gorsa-san se Haru jogar com seriedade”

Entretanto, a atual Haru não foi capaz de derrotar Gorsa-san quando ele ficou sério.

Se Haru tem visão super-humana, Gorsa tem técnica super-humana.

Eles não são compatíveis.

Mesmo assim, eu queria ter aproveitado um pouco mais o caça-níquel.

(Ichinojo): “Agora que penso sobre isso, havia máquinas caça-níqueis, não é? Vocês sabem quem fez elas?”

(Carol): “Carol não sabe. Carol escutou que elas apareceram por volta de 20 anos atrás, mas Carol nunca esteve em uma casa de apostas”

Havia padrões nas máquinas caça-níqueis.

Melancias, melões, a palavra “BAR” e o número “7”.

É só uma curiosidade, mas o padrão de frutas nas máquinas caça-níqueis da Terra originalmente eram padrões desenhados em máquinas que vendiam goma de mascar.

Não era como seu eu gostasse de apostas, eu só me lembrei do conhecimento que um amigo do tempo de meus empregos de meio-período compartilhou comigo. Contudo, se isso for mesmo verdade, então por que os caça-níqueis deste mundo tem esse mesmo padrão de frutas?

Se o caça-níquel foi criado primeiro neste mundo antes de ser criado na Terra, isso poderia ser explicado pela intervenção no subconsciente mencionada por Koshmar-sama, porém, desta vez, a ordem está invertida.

Em outras palavras, as máquinas caça-níqueis neste mundo foram criadas por um Andarilho… quero dizer, alguém da Terra.

Me pergunto o motivo para não ter percebido isso.

Não é uma situação onde eu posso simplesmente pensar: “Bem, se esse é o caso, e daí?”

Quantas pessoas da Terra será que vivem neste mundo?

Me disseram que a maioria dos Andarilhos esconde sua identidade e apenas vive sua vida, então eu acho que nunca irei saber.

A Deusa-sama disse que uma a cada um bilhão de pessoas poderia reencarnar no |Outro Mundo|.

Parece um número bem pequeno se você pensar nisso desse jeito, mas na verdade, da mesma forma que eu recebi Bênçãos de Koshmar-sama e Torerul-sama, se um único pilar das Deusas-sama reencarna uma pessoa entre um bilhão, com seis pilares das Deusas-sama, seria algo em torno de uma em cada 170 milhões de pessoa, huh?

(Haru): “Mestre, posso seguir para entrarmos em |Dakyat|?”

(Ichinojo): “Hmm. Carol, há alguma atração deste lado da fronteira?”

O conhecimento de Carol é útil neste tipo de situações.

Como já estamos aqui, eu quero ver se há algo interessante.

(Carol): “A atração local desta cidade é a mesma que a do lado de |Dakyat|, uma ponte de pedra dita ser a maior do mundo e que nós vamos ter que atravessar quando cruzarmos a fronteira”

(Ichinojo): “Uma ponte de pedra como atração, huh? Bem, é provavelmente incrível”

Qual é a ponte de pedra mais popular no Japão?

Talvez a Ponte Megane[3]?

Bom, seriam todas pontes suspensas se pensássemos nas pontes do Japão.

O comprimento da Ponte Akashi-Kaikyo[4], pelo menos até o momento em que vim para este mundo, era a maior entre as pontes suspensas do mundo.

(Carol): “Yeah. Ela é incrível em certo aspecto”

Ouvindo as palavras de Carol com esse significado escondido e ditas com um sorriso, eu não perguntei mais nada.

O jeito que Carol me disse isso parecia dizer que ela queria me surpreender.

Eu vou obedientemente entreter ela.

Avançando em linha reta por todo o caminho desde a entrada da cidade, havia um portão de madeira para a ponte.

Graças a esse portão, eu não podia ver o que havia nela, mas o tamanho da ponte era muito grande.

Carol e eu descemos da carruagem e contamos que nós éramos Mascates e falamos o conteúdo de nossos produtos.

Por último, Carol colocou suas mãos em um cristal e ele ficou verde. Nós pagamos 300 sense pela taxa para cruzar a fronteira.

Ichinojo subiu de Level

Ótimo, passei de Level!

O Plebeu chegou ao Lv73.

(Guarda): “Eu recebi a quantia correta. A propósito, eu acho que vai ser impossível, mas por favor, não façam compras na ponte”

Depois de ver o portão se abrindo… no momento em que eu a vi…

(Ichinojo): “Que diabos é isso?”

Eu fiquei realmente surpreso.

A ponte tinha quase dez metros de largura e seu comprimento era de quase dois quilômetros.

De alguma maneira, uma cena ultrajante estava diante de meus olhos nessa ponte gigante.

Lá havia…

(Ichinojo): “Por que há uma cidade… na ponte!?”

Uma cidade com um grande número de barracas alinhadas se espalhava por toda a vista.


História secundária: O despertar

Dois dias antes de Ichinojo e seu grupo chegarem na cidade da fronteira.

Os movimentos de Centauro eram extremamente despreocupados.

Ele estava animadamente comendo a isca.

As duas pessoas montando Centauro entraram no território de |Dakyat|.

E as duas pessoas tinham aparências extravagantes.

Jofre parecia uma figura heroica com seu corpo coberto por uma armadura dourada e ele tinha uma espada dourada também.

E Elise estava envolvida em uma túnica de prata e segurava um chicote metálico.

O que aconteceu com esses dois?

(Jofre): “Minha habilidade de Herói despertou Elise”

(Elise): “Minha habilidade de Mestra de Monstros também despertou Jofre”

Nesse momento, os dois riram alegres.


[1] Aproximadamente R$ 116.260,00.

[2] Esses eventos aconteceram no cassino no capítulo 041.

[3] Uma das três pontes mais famosas no Japão, a ponte Megane atravessa o rio Nakashima na província de Nagasaki. É uma ponte de arcos duplos construída de pedra e tem 22 metros de comprimento.

[4] A Ponte AkashiKaikyo, localizada no estreito de Akashi entre a cidade de Kobe e a ilha Awaji, faz parte de uma rede nacional de estradas que conecta as ilhas Honshu, Awaji e Shikoku com o objetivo de estimular o crescimento econômico e o intercâmbio cultural do oeste japonês. Além da fundamental importância para o desenvolvimento da ilha Awaji, o tamanho da ponte é outro fator que chama a atenção. Concluída em 1998 com 3.911 m de comprimento.