|Ferruit|, a cidade da entrega. A nova bagagem é uma ⌈Artista de Rua⌋

(Marina): “Eh… erm. Você também… é um… erm”

Marina me olhou várias vezes atrás da vendedora, Kannon.

… eu sinto que a personalidade dela está completamente diferente da de antes.

(Ichinojo): “Eu também sou um Andarilho

(Marina): “Entendo… erm… sim, erm”

Nós não estamos mesmo conversando.

Quando eu pensei nisso, Kannon suspirou e devolveu a máscara negra que ela tirou de Marina.

Como resultado, a expressão dela mudou.

(Marina): “Oo. Eu não esperava encontrar um compatriota em um lugar tão remoto. Eu irei ignorar seu ato de repentinamente se referir a mim como ‘você’[1]. Vamos beber um saquê juntos até ficarmos intoxicados para celebrar nossa reunião”

(Ichinojo): “… Kannon… eu quero te perguntar uma coisa. Marina é…”

(Kannon): “Yeah. Ela tem medo extremo de estranhos. Quando ela coloca a máscara que é encantada com magia para tratar a timidez dela, sua personalidade muda. O nome real dela é Malina, mas quando ela está com esta personalidade, ela se nomeia Marina”

Uma máscara encantada com poder mágico?

… é apenas uma máscara, não importa o quanto eu olhe para ela… talvez ela esteja sendo enganada?

Entretanto, está tudo bem se isso realmente tratar o medo de estranhos dela, mesmo que ela esteja sendo enganada, então vou ficar quieto sobre isso.

(Ichinojo): “Marina, você é uma Escrava? Se você é uma japonesa, então você deveria ter recebido alguma bênção especial. Você não deveria ter tanta dificuldade para viver”

(Marina): “Yup. Não tenho dificuldades. Minha bênção é a capacidade de adquirir empregos únicos. Em outras palavras, eu posso fazer a habilidade de uma Arquimaga flores… ah… Kannon, por favor… máscara… devolva”

Kannon roubou a máscara e Marina… não. Malina sentou no chão derrotada.

(Kannon): “Você já deve ter notado, mas o emprego dela é Artista de Rua, um emprego especializado em exibições públicas. Também foi a primeira vez que eu escutei sobre tal emprego. Mas ela tem esta personalidade… de forma alguma ela poderia conduzir grandes exibições, então ela usou todo o seu dinheiro e se tornou uma Escrava

(Ichinojo): “… por que exatamente você virou uma Artista de Rua?”

(Malina): “To… Torerul-sama… quando eu disse a Torerul-sama que eu queria uma bênção que me permitisse me dar bem com muitas pessoas… ela escolheu este emprego para mim porque eu seria capaz de chamar atenção de várias pessoas”

Então foi por isso que ela virou uma Artista de Rua, huh.

Porém… Torerul-sama… ela definitivamente escolheu isso de forma irresponsável.

Ela com certeza não pensou sobre o que poderia acontecer no futuro.

(Kannon): “Assim, eu comprei ela, dei uma máscara que iria eliminar seus medos como um presente e nós viajamos pelo mundo, só nós duas, mas…”

(Malina): “… por favor, Kannon, não me deixe para trás”

(Kannon): “Eu já te disse, não? Eu prometi para alguns velhos conhecidos fazer algumas tarefas, então eu decidi te vender aqui. Aliás, eu mencionei que eu iria dar a liberdade a Malina se você ganhasse 10.000 sense com suas apresentações. Atualmente, quanto você tem guardado?”

(Malina): “1.820 sense”

(Kannon): “Isso significa que eu vou te vender para o filho do chefe da cidade da fronteira do lado de |Dakyat|, famoso por ser um conquistador”

(Malina): “Não… sem chances… eu… eu não posso fazer nada”

(Kannon): “Não importa que você não possa fazer nada. O outro lado veio até mim por contra própria”

(Malina): “… sem chances”

Malina já estava chorando.

(Kannon): “Ah… tudo bem, eu entendi. Portanto, eu vou pensar sobre isso se você terminar minha tarefa”

(Malina): “Tarefa?”

(Kannon): “Yeah. Me pediram para entregar esta faca de cozinha para a proprietária da estalagem na capital de |Dakyat|, |Ferruit|. Se você voltar antes de eu arrumar minhas coisas, eu vou te levar comigo na minha jornada”

(Malina): “… sem chances… isso é impossível para eu fazer sozinha”

Kannon cobriu Malina com a máscara.

Fazendo isso, a Malina que estava no chão chorando se levantou, apontou para mim e declarou.

(Marina): “Caro compatriota. Descendente do Herói e descendente da terra do Sol nascente…”

(Ichinojo): “Não. Meus ancestrais eram pessoas comuns. Eu não sou descendente de um Herói

(Marina): “Meros detalhes não importam. Que tal isso? Você precisa da escolta de uma Arquimaga? Se você está indo para |Dakyat|, se você decidir agora, eu vou te escoltar de graça”

Eu pensei por um momento e decidi ignorar isso…

(Ichinojo): “Sinto muito, nós vamos cuidar disso por conta própria”

… e disse isso porque ela parecia ser uma criança complicada.

(Marina): “O quê? Você ainda não acredita nas minhas habilidades? Se é assim, eu devo te mostrar meu truque premiado”

Dizendo isso, Marina pegou sete bolas de seu bolso.

Além disso, você… você acabou de dizer que era um “truque”!

(Marina): “Com a minha ‖Magia de Levitação‖, eu vou manipular essas sete bolas!”

Dizendo isso, ela começou a jogar as sete bolas.

Para cima e para baixo, para a esquerda e direta e até para trás.

As bolas batiam nas paredes e produtos e às vezes elas batiam umas nas outras, mas elas sempre voltavam para as mãos de Marina.

Com esses movimentos estranhos, a plateia espalhada se reuniu de novo.

(Marina): “Que tal isso? Estes movimentos das bolas não fazem parecer que elas estão vivas!? Esta é uma magia tabu. Injetar almas transientes[2] nessas bolas inanimadas é uma arte secreta que manipula as bolas como se fossem coelhos pulando e voltando para mim”

Er. Você não acabou e falar que era ‖Magia de Levitação‖? Além disso, pode até ser bem avançado, mas isso não é só malabarismo?

No entanto, o que era impressionante era que essas bolas eram feitas de madeira. Apesar de parecer ser um material ligeiramente macio, elas não quicavam tão bem quando bolas de borracha.

Mesmo assim, o malabarismo dela era perfeito.

Então este é o verdadeiro poder de uma Artista de Rua, huh.

Cinco minutos depois, o que restava era uma Marina com uma expressão de satisfação enquanto coletava uma montanha de moedas de cobre.

(Marina): “O que você achou da minha super magia?”

(Ichinojo): “Mesmo que você peça a minha opinião…”

(Kannon): “Eu também te peço isso. Esta garota… ela é assim quando está com a máscara, mas aparentemente, ela era uma Hikikomori[3] com excesso de ansiedade. Eu vou ficar preocupada se ela for nessa viagem sozinha. Eu vou te dar o [Cajado de Aklapios] como um presente se você concordar”

Esse [Cajado de Aklapios] é bem questionável. Além disso, ele é bem medíocre.

Se eu fosse pesquisar sobre o [Cajado de Aklapios] na internet

[Cajado de Aklapios] não foi encontrado. Você quis dizer [Cajado de Asclépio]?

É um produto tão questionável que algo desse tipo iria acontecer.

O aumento de 1% no poder mágico também é bem duvidoso.

Para ser honesto, 1% pode ser considerado algo como a margem de erro dependendo da condição física da pessoa no dia.

(Ichinojo): “Haaaa… bem, eu tenho várias coisas que eu quero perguntar, então não tem jeito. Em troca, por favor, pague por sua parte na taxa para cruzar a fronteira e a taxa para entrar na cidade. A propósito, por favor, faça o seu melhor para voltar sozinha de |Dakyat| até aqui”

(Kannon): “Negociações estabelecidas. Então, fique com isto. Os documentos que permitem que você seja o mestre desta criança, a faca de cozinha, e a carta endereçada para a proprietária. Entregue tudo corretamente, okay?”

(Ichinojo): “Eu preciso mesmo virar o dono de Marina?”

(Kannon): “Ela não vai poder cruzar a fronteira do país se não estiver com seu mestre porque eles iriam suspeitar que ela é uma Escrava fugitiva, não é?”

Se é esse o motivo, então como ela vai voltar?

Ela vai ser capaz de cruzar a fronteira de volta sem o seu dono?

Ou nós vamos ter que trazer ela na viagem de volta também?

Eu definitivamente não quero isso.

(Ichinojo): “Haru, Carol, então ela irá se juntar a nós por enquanto, mas, bem, ela não parece ser uma pessoa ruim”

Eu acho que não teremos nenhum problema só por viajarmos com ela.

As duas também concordaram.

(Ichinojo): “Aliás, está tudo bem deixar os pombos sozinhos?”

(Marina): “Eh? Aaaa! Por favor, voltem! Taro! Hanako! Ichiro!”

Marina balançou as duas mãos para o céu.

Depois disso, levou quase dez minutos até que os pombos voltassem e nós, com a adição de uma Artista de Rua, subimos na carruagem e seguimos para |Dakyat|.


História secundária: A verdadeira identidade de Kannon

Assim que a carruagem com Ichinojo e as outras saiu de sua vista, Kannon coletou seus produtos e habilmente desceu a escada feita de corda que estava amarrada na ponte.

Além disso, ela se livrou das pedras que eram usavas para guardar a espada e o cajado no fundo do rio.

Ela pensou que como essas pedras foram tiradas desse lugar, esse seria um ato em que ninguém iria critica-la.

Assim, quando ela estava a ponto de entrar na pequena cabana construída em cima da jangada, Kannon notou uma presença no lado de dentro.

(Kannon): “Eu me lembro de ter dito que você esperasse até amanhã”

Tremendo de raiva, Kannon falou com o homem lá dentro através da porta.

Então, a porta se abriu.

Lá dentro estava um homem ruivo envolto em uma capa negra.

Como ele odiava o Sol acima de tudo, sua pele era branca ao ponto de ser pálida.

Não importava o quanto dissessem que era uma farsa terrível ele ter cabelos vermelhos como o Sol, ele realmente gostava dessa cor.

Por isso, ele não cortava seu cabelo já há algumas centenas de anos, o fazendo chegar até o meio de suas costas e ele estava preso por um fio feito a partir da barba de um Dragão.

(Kannon): “Já faz muito tempo, terceiro general do exército do Lorde Demônio, Vampiro Jarl[4] Valf”

(Valf): “Já faz mesmo muito tempo. Você com certeza ficou boa em imitar os humanos, Demônio Kannon”

Ao mesmo tempo em que ele disse isso, a malícia de Valf aumentou, fazendo com que os dois chifres que Kannon estava escondendo aparecessem.

(Valf): “Um dos selos do Lorde Demônio-sama foi desfeito. Eu te disse que não tínhamos tempo. Se os seus negócios estão completos, então se apresse e comece seu trabalho. Você recebeu uma ordem do Marechal-dono[5] para investigar o |Reino Arundel|. Eu vou garantir que você vai imediatamente embarcar para lá”

(Kannon): “O que o Jarl irá fazer?”

(Valf): “Eu tenho negócio em |Dakyat|. Mesmo agora, eu tenho novos peões que estão se movendo por mim”

(Kannon): “Novos peões… você está usando os humanos como brinquedos de novo? Que trabalho nojento”

(Valf): “Você não faz o mesmo? Ela disse se chamar Malina? Ela tem um talento interessante. Eu também quero obter uma peça de xadrez como ela”

Quando Valf disse isso, a malícia de Kannon aumentou.

As pupilas de Valf que eram negras ficaram vermelhas como sangue.

(Kannon): “Você não vai se livrar fácil se colocar suas mãos em Malina”

(Valf): “Parece que você passou a gostar bastante desses humanos. Muito bem. Mesmo que ela tenha um emprego diferente, é um emprego estranho que não é útil em batalhas. Eu vou deixa-la em paz. Não se esqueça Kannon. A ressurreição do Lorde Demônio-sama está próxima”

Valf saiu depois de dizer essas palavras e sua figura desapareceu dentro de uma fumaça negra.

Então, Kannon que estava sozinha bufou e disse…

(Kannon): “Naturalmente, eu já sabia desse tipo de coisa mesmo que você não tivesse mencionado”


[1] O “você” que ela usou é um termo para se referir a pessoas com status igual ou inferior.

[2] Transiente significa algo que não permanece; que passa; transitório, passageiro.

[3] Hikikomori (literalmente “isolado em casa”) é um termo de origem japonesa que designa um comportamento de extremo isolamento doméstico. Os hikikomori são pessoas geralmente jovens, entre 15 a 39 anos, que se retiram completamente da sociedade, de modo a evitar o contato com outras pessoas.

[4] Jarl era como eram chamados os homens de classe alta e grandes proprietários de terras. Provavelmente, essa palavra é relacionada à palavra que originou a palavra anglo-saxã earl.

[5] Marechal é a designação de várias patentes e cargos superiores, tanto no âmbito militar como civil. Na Idade Média, em alguns países, marechal era o título de um alto oficial militar do Estado, responsável pela disciplina e pela logística dos exércitos em campanha.