Encontrando o ⌈Herói⌋

No fim, nossas compras foram concluídas com Haru apenas comprando um pouco de carne seca como aperitivo (e ela já estava até mastigando uma), assim como poções de emergência para situações onde nosso |MP seja gasto por completo. Nós seguimos para a Guilda de Aventureiros que era o local onde iríamos encontrar Carol.

Já era quase o horário combinado e nós começamos a nos sentir com fome, mas eu decidi esperar até Carol chegar antes de pedir comida, então eu pedi algumas bebidas e nós esperamos.

Havia limonada dentro da lista de bebidas, então eu pedi uma.

(Ichinojo): “O que você gostaria Haru?”

(Haru): “Eu vou querer o mesmo”

(Ichinojo): “E você Malina? Você pode beber saquê se quiser”

(Malina): “… eu não sou boa com álcool… eu vou querer a limonada também… além disso, minha máscara… por favor, minha máscara”

Malina é dependente demais desta máscara.

Contudo, mesmo com seu medo de estranhos e sua ansiedade social, esta personalidade tem um senso comum melhor.

Tirando os momentos em que eu quero perguntar algo para ela, eu prefiro deixa-la desse jeito, então eu não vou devolver a máscara.

(Ichinojo): “Os olhos de Malina são lindos, então seria um desperdício cobrir eles com uma máscara”

(Malina): “… máscara”

Ela não está ouvindo as palavras dos outros.

Depois de pouco tempo, antes das bebidas chegarem, Carol apareceu.

(Carol): “Obrigado por esperar, mestre”

(Ichinojo): “Bem-vinda de volta. Como foi?”

A expressão de Carol não estava boa. Talvez ela tenha recebido alguma notícia ruim?

(Carol): “Eu tenho uma boa e uma má notícia e um rumor que está se espalhando pela cidade”

Três informações diferentes em um intervalo de tempo tão pequeno, huh?

(Ichinojo): “… então, vamos começar com a ruim. Quais são as más notícias?”

(Carol): “Um deslizamento de terra aconteceu na estrada do vale na fronteira com a cidade ao Sul e parece que vai levar algum tempo para arrumarem isso. Se estivermos indo para |Porto Kobe|, eu acho que será mais rápido voltarmos para |Arundel| ou irmos para |Korat|

Voltar para |Arundel|, huh?

Olhando para a expressão de Malina, ela estava com a cabeça trêmula e os olhos cheios de água.

Não é como se eu pudesse deixar ela aqui.

(Ichinojo): “Nós não seremos capazes de vender nossas especiarias e o ferro, então será melhor seguirmos para |Ferruit| agora”

(Carol): “A boa notícia é que os preços de compra tanto para as especiarias quanto para o ferro aumentaram, então nós vamos conseguir um lucro maior se vendermos eles nesta cidade”

Então não precisamos mais seguir para |Ferruit|.

Eu mais uma vez olhei para Malina.

Ela já estava chorando. Suas lágrimas caíam sempre que ela balançava a cabeça, fazendo suas lágrimas se espalharem pela mesa.

(Ichinojo): “Bem… mesmo que eu goste de provocar Malina, eu me sinto mal por ela. Vamos para |Ferruit|. Uma viagem de ida e volta de levar quatro dias, não é? Nós não estamos mesmo com pressa para viajar”

(Malina): “Uuu… muito… obr-obrigado.”

Malina me agradeceu bebendo a limonada que tinha acabado de ser servida enquanto ainda estava chorando.

(Ichinojo): “Então, que rumores são esses?”

(Carol): “Por algum motivo, o Herói e seu grupo também estão na cidade”

(Haru): “!?!?!?”

A cauda de Haru se levantou em resposta as palavras de Carol.

Herói, huh

Eu escutei que para Haru, o Herói é um inimigo que derrotou o Lorde Demônio, mas foi a consideração do Herói que há permitiu ser uma Escrava em um lugar com um tratamento relativamente melhor.

Contudo, se o Herói não tivesse aparecido, o Lorde Demônio não teria sido derrotado e o pai dela não teria sido sentenciado a morte.

Eu acho que isso é algo complicado.

(Ichinojo): “Haru, o que você quer fazer? Você quer se encontrar com o Herói?”

Se Haru falar que ela não quer, então nós iremos dormir mais cedo hoje e deixar a cidade será a primeira coisa a se fazer na manhã seguinte.

Era nisso que eu estava pensando…

(Haru): “… eu acho que eu vou me encontrar com ele”

Haru disse isso após se decidir.

(Ichinojo): “Entendi. Carol, onde o ⌈Herói está agora?”

(Carol): “Desculpe, eu não sei de mais nenhuma informação sobre isso. Mas aparentemente, o ⌈Herói está juntando informações, então podemos encontrar ele se seguirmos para um lugar com muitas pessoas”

(Ichinojo): “Um local com muitas pessoas, huh?”

Talvez nós possamos encontrar eles a pé? Parece que só há três estalagens nesta cidade, então podemos tentar encontra-los em um desses lugares, mas existe a possibilidade de eles ficarem na casa de algum conhecido ao invés de ficar em uma estalagem.

(Malina): “Erm. Ichino-san. Já está na hora… minha máscara…”

Malina continua falando sobre sua máscara.

Esta pessoa com certeza segue o seu próprio ritmo… hmm?

(Ichinojo): “… é isso!”

Eu gritei e fiquei de pé.


(Marina): “Contemplem, minha super magia! E se encantem! Só por este momento na eternidade do tempo que flui infinitamente, neste ponto da expansão do universo onde todos nós estamos agora”

A mascarada Marina anunciou isso enquanto ela pegava um arco, sete pratos que seriam usados como alvos assim como sete flechas.

(Marina): “Com a minha super magia, as sete flechas irão espetacularmente atingir os alvos usando ‖Magia do Vento‖

(??? A): “Ha? Isso não é apenas habilidade com arco e flecha ao invés de Magia? ”

Uma pessoa da plateia gritou.

(Marina): “Hmph. Apenas observe se você acha que isso é apenas ‖Arqueirismo‖

Ela disse isso enquanto ela apontava o arco.

Ela o apontou na direção do sol. E estava na direção oposta dos alvos.

Ela disparou as flechas.

As flechas voaram em uma direção inesperada.

Contudo, elas subitamente mudaram de trajetória e seis flechas atingiram seis alvos atrás dela.

Aplausos impressionados vieram da plateia.

Se virando, ela viu que seis das sete flechas acertaram os alvos.

Apesar de uma flecha ter errado o alvo, essa técnica com certeza foi boa o bastante para ela poder usar o termo “super”.

E ela nem possui a habilidade ‖Equipar Arco‖.

Essa super magia… ou melhor, esse truque da ‖Exibição de Rua‖ é extremamente simples, o que explica o porquê ele ser tão difícil.

Eu perguntei a Malina como ela fez isso quando ela ainda estava sem a máscara.

A parte de trás das flechas tem fios amarrados. Esses fios se desamarram das flechas assim que ela os puxa.

Ela puxa os fios e muda a trajetória das flechas.

Teoricamente, isso é possível, mas você precisa de uma técnica super-humana para acertar os alvos.

(Marina): “Merda. Errei uma flecha”

Se virando, Marina mostrou uma expressão de desapontamento com o seu resultado.

(??? B): “Foi incrível mesmo que uma flecha não tenha atingido o alvo! Foi mesmo uma super magia!”

(??? C): “Você é tão legal Nee-chan[1]!”

(??? D): “Foi lindo!”

Marina ignorou todos os elogios e caminhou até a flecha que ela errou.

(Marina): “Havia um ser com uma intenção maligna, então eu acabei mandando a flecha para cá sem perceber”

Ela ergueu a flecha e preso em sua ponta estava um sapo morto.

Vendo isso, a plateia explodiu em vivas e aplausos.

Muitas gorjetas foram colocadas dentro do chapéu de seda que ela tirou.

(Marina): “Muito bem. Eu devo mostrar a todos a minha próxima super magia?”

Ela tirou sua echarpe preta. Isso revelou o [Colar de Escravo] dela, mas nenhum dos clientes se preocupou com isso.

Então, ela cobriu o chapéu de seda com a echarpe e subitamente puxou ela.

No instante seguinte, as gorjetas dentro do chapéu desapareceram sem qualquer vestígio.

A exibições dela estavam apenas começando.


(Marina): “Foi um grande sucesso, Ichino”

Marina disse isso contente enquanto ela contava as gorjetas na mesa da Guilda de Aventureiros.

A maioria delas eram moedas de cobre, mas havia algumas moedas de prata no meio.

(Marina): “Eu cheguei ao Lv30 e adquiri uma nova magia”

Aparentemente, o método para ganhar pontos de experiência para Artistas de Rua é, tirando o combate, obter gorjetas.

Aliás, o limite para um único cliente parece ser uma moeda de prata.

Então não é possível adquirir pontos de experiência repetindo os atos com um único cliente e jogando moedas de ouro como gorjeta.

O método de contratar uma plateia falsa para jogar moedas de prata parece não ser vantajoso. Acho que derrotar monstros regularmente em um grupo é mais eficiente.

(Marina): “Vamos ter um banquete hoje. A garçonete ali, por favor, me traga suco de uva vermelho como sangue”

Parece que Marina também não se dá bem com álcool.

Deixando isso de lado, eu segui para o assunto principal.

(Ichinojo): “Haru, aquele ali é o ⌈Herói?”

(Haru): “Não, eu não vejo ninguém que pareça com ele… e também não sinto o cheiro dele”

(Ichinojo): “Entendo… mesmo assim, ele tem um emprego esplêndido”

Então, nós vamos ter que procurar ele a pé, huh?

Justo quando eu estava pensando nisso…

(???): “Com licença… eu posso ter um pouco de seu tempo?”

Um homem falou conosco de nosso lado.

Ele veio atrás de Marina?

Quando eu olhei para o lado enquanto pensava nisso, eu suspirei espantado.

Lá estava um Ikemen[2].

Um homem com cabelo preto curto, armadura de prata e uma espada presa em seu cinto.

Atrás dele estavam três lindas Escravas.

(???): “Eu sou Suzuki Kota. Eu sirvo como um Herói neste mundo”


[1] Nee-chan significa “irmã mais velha” em japonês, mas pode ser usado para se referir a mulheres que são mais velhas que a pessoa que está falando.

[2] Ikemen é um termo para se referir a um homem muito bonito.