Um visitante raro e inesperado

(???): “… haha, ha…”

O Espadachim riu sem graça.

Foi quando Haru vendeu os monstros em nosso lugar.

Eu não tenho certeza se posso dizer que isso era esperado, ou se eu teria que passar por isso uma quarta vez depois de já termos enfrentado essa situação três vezes, mas um único Espadachim veio nos dar um sermão.

O motivo era simples.

Não era hora para caçar monstros durante uma situação tão anormal onde todos estavam fazendo reconhecimento e preparando as defesas com o objetivo de proteger esta cidade.

Ele nos deu uma razão dessas.

Era algo chato, então eu só ignorei ele e perguntei para a recepcionista da Guilda se poderíamos trazer os pássaros que estavam do lado de fora e que estavam sendo protegidos por Marina e Carol para dentro da Guilda.

Assim, nós transportamos os pássaros.

10, 20, 30… nós começamos a atrair a atenção de todos quando o número ultrapassou 40.

50, 60, quando passamos de 70, o Espadachim que tentou nos incomodar riu sem graça e não consegui mais me olhar diretamente.

80, 90, 100, 110, 120, 130 pássaros e além disso, frutas.

(Recepcionista): “Tudo isso. Vocês caçaram todos eles na floresta do Leste?”

A recepcionista com pouco mais de 30 anos me perguntou isso e eu confirmei.

(Recepcionista): “Bom, se foi só dessa vez… apesar de não gostar de dizer ‘só dessa vez’, eu não acho que o ecossistema vai ser prejudicado se foi só dessa vez, mas será melhor implementarmos um período de proibição de caças por um tempo. Nós estamos em uma situação de emergência, então isto ajuda muito, mas por favor, não cace tanto assim com frequência”

(Ichinojo): “Sim, não vamos esquecer desse aviso”

Eu respondi apenas para não deixar a recepcionista preocupada. Um pássaro nos rendia 30 sense, 133 pássaros totalizaram 3.990 sense e junto com o preço das frutas, nós recebemos 4.500 sense.

1.100 sense por pessoa… quase 110.000 ienes[1], huh?

Mesmo assim, a maioria foi ganha por Haru e Marina.

(Ichinojo): “Então, tio Espadachim. Você tem algum negócio conosco?”

(Espadachim): “Nã-não, não é nada. |Ferruit| seria um lugar pacífico se tivéssemos Caçadores como vocês por aqui. Haha, hahaha”

O homem disse isso enquanto se afastava e deixava a Guilda.

Nesse momento, a recepcionista terminou os procedimentos.

(Recepcionista): “Parabéns. Com este pedido, Haurvatat-sama avançou do rank F para o E

(Haru): “Obrigado”

Haru abaixou sua cabeça com seu rosto sem expressões. Sua cauda estava balançando, então ela estava feliz.

Os ranks dos aventureiros vão de G a SSS e, aparentemente, Haru chegou até o rank F enquanto ela ainda era uma Escrava de aluguel e antes de me conhecer.

Deve ser por isso que ela aceitava pedidos de escolta mesmo quando ela ainda era uma Escrava de aluguel.

Com um rank mais alto, você pode ser capaz de obter informações da Guilda de Aventureiros e será capaz de aceitar pedidos mais difíceis.

Deixando a Guilda, eu disse a Carol e Marina que Haru foi promovida e as duas a parabenizaram também.

(Ichinojo): “Devemos ter algum tipo de festa pela promoção de Haru? Apesar de ser um pouco difícil de fazer isso hoje…”

(Haru): “Já que a cidade está neste estado…”

Ainda havia muitas pessoas se movendo pela cidade, mas havia uma sensação de inquietação.

Este é um mundo sem internet nem rádio. A informação viaja a pé.

Parece que todos também estão desesperados para obter informação.

Nesse sentido, eu preciso agradecer a Carol.

Nós voltamos para a estalagem.

O salão de jantar estava deserto.

Lá dentro, a tia da estalagem e, se eu me lembro corretamente, o tio da taverna abaixo estavam tendo uma conversa.

(Taverneiro): “Aquele Sutchino, eu aposto que ele está com Julio”

(Estalajadeira): “Parece que Julio-kun não voltou para casa desde ontem também. Com a cidade está neste estado eu estou preocupada com a possibilidade de que eles foram atacados por monstros”

(Taverneiro): “Não se preocupe, ele não é mais uma criança. Mesmo assim eu vou precisar dar uma lição nele assim que ele voltar”

Parece que esses dois são marido e mulher e eles estão falando sobre o filho deles que não voltou para casa.

Aparentemente, isso normalmente não é um grande problema, mas com a cidade nesta situação, os dois estão preocupados.

Parece que eles não nos notaram, então eu falei com eles.

(Ichinojo): “Boa noite”

(Estalajadeira): “Ara. Bem-vindos de volta. A comida já está pronta”

(Ichinojo): “Então nós vamos comer agora, por favor. Está tudo bem para vocês, certo?”

Eu perguntei e todas concordaram.

A refeição era um prato com carne como ingrediente principal, mas a quantidade era menor do que a de ontem.

(Estalajadeira): “Desculpe. É por causa desta situação. O país está nos pressionando a racionar comida. Em troca, eu vou devolver uma das porções que você já pagou”

Ela me devolveu 12 sense.

Eu obedientemente os recebi.

A quantidade era menor, mas a comida ainda era muito saborosa.

(Ichinojo): “Proprietária-san, você recebeu alguma informação sobre a horda de monstros? Pelas conversas que eu escutei, exércitos de subjugação estão sendo organizados e eles vão ser enviados amanhã”

(Estalajadeira): “Eu também só escutei isso. De acordo com as pessoas que foram fazer o reconhecimento, é verdade que os monstros estão ‘transbordando’ do |Labirinto|. Falando sério, os monstros provavelmente estão transbordando porque nosso Sr. Importante país foi e monopolizou o |Labirinto| sem abri-lo para o público. Entretanto, os três aventureiros que estavam segurando os monstros também recuaram, então eu acredito que o esquadrão de extermínio irá enfrentar os monstros amanhã à noite”

A tia falou enquanto nós terminávamos nossa refeição e carregou os pratos para lava-los.

Assim, nos reunimos em um quarto.

Com o objetivo de verificar o poder do ‖Meu Mundo‖

(Ichinojo): “Muito bem, eu vou sair por um tempo. ‖Meu Mundo‖

Uma fissura no espaço apareceu e eu entrei nela.

Quando eu me dei conta, eu estava na terra de sempre com seu solo avermelhado.

O céu branco brilhava acima de mim.

Havia uma flecha espetada na terra diante de meus olhos.

Evidentemente, eu irei chegar no mesmo local, independentemente de onde eu entrar.

Em outras palavras, se eu fizer uma casa aqui, eu serei capaz de voltar para casa não importa onde eu esteja?

Em seguida, eu deveria tentar fazer algo como uma fonte de água?

Justo quando eu pensava sobre isso… algo chamou minha atenção.

Na terra avermelhada onde não deveria existir nada… não, não deveria haver ninguém…

Lá havia uma bela garota com longos cabelos que eram azuis como o céu da manhã.

Ainda é uma garota que eu não me lembro de ter visto antes.

Não, eu sinto como se eu já tivesse visto ela em algum lugar.

Mas onde foi que eu vi ela?

(Ichinojo): “!?!?!?”

Eu me lembrei do local onde eu a vi… e arfei.

(???): “Prazer em conhece-lo, Ichinojo-san”

Ela era uma beldade vestida em um vestido branco e ela tinha uma atmosfera encantadora.

Ela parecia transiente[2] e muito distante.

A atmosfera dela era assim, então esse não era seu corpo real.

A primeira vez que eu a vi foi na igreja.

(???): “Eu sou Libra. A Deusa da Ordem e do Equilíbrio

Por que a garota que era exatamente igual a bela estátua da Deusa ao lado da estátua de Setolance-sama está no meu mundo?

Então uma Deusa pode entrar e sair sem permissão, huh. Foi nesse momento que eu percebi o maior defeito da habilidade ‖Hikikomori‖.


[1] Aproximadamente R$ 3.205,00.

[2] Transiente é algo que não permanece; passageiro, transitório.