A competição de artes marciais de Haru e as outras (Parte 03)

(Haru): “Eu ouvi que vocês foram atacados por alguém e sofreram ferimentos sérios, mas…”

Em um quarto de uma certa estalagem na vila dos Cait Siths.

Quando ela foi até esse quarto depois de ouvir que Jofre e Elise sofreram graves ferimentos, Haurvatat viu os dois conversando e um Mikke furioso.

(Mikke): “Isso não é uma piada nya! Eu pedi a ajuda de vocês porque vocês me disseram que eram fortes, mas vocês não serviram para nada com essas habilidades nya! Stella, isso foi coisa sua nya?”

(Stella): “Eu não fiz nada nya!”

Stella negou com firmeza o olhar questionador de Mikke enquanto ele estava a ponto de explodir de raiva.

(Haru): “Em primeiro lugar, o que está acontecendo? Pelo que eu posso ver, só suas pernas estão machucadas”

Jofre e Elise, ambos tinham curativos em volta de suas pernas.

Mesmo eles bebendo [Poções], seria fácil dizer que eles estavam feridos. Beber [Poções] iria estimular a recuperação, mas para os casos de ossos quebrados, seria preciso ao menos alguns dias para eles sararem por completo.

Se eles não fossem curados imediatamente, então seria preciso usar a ‖Magia de Cura‖ de um Médico, mas o número deles era extremamente pequeno e entre os Cait Siths, havia ainda menos indivíduos que foram promovidos para esse emprego. Aparentemente, havia apenas um… um atendente do atual primeiro príncipe, o irmão de Mikke e Stella.

Para se tornar um Aprendiz de Médico, a pessoa deve aumentar o Level do seu Plebeu. Derrotar monstros ou pagar taxas é necessário para ganhar pontos de experiência como Plebeu. Contudo, na vila dos Cait Siths, o conceito de taxas não existe e há poucos trabalhadores, então o número de Cait Siths por aí como Plebeus é extremamente baixo.

(Jofre): “Nós ficamos presos embaixo da mesa sabia? Hah, estou quebrado. A mesa era surpreendentemente pesada. Vou precisar de três dias para me recuperar completamente da fratura”

(Elise): “Eu estava mesmo chocada sabia? Tão chocada que até o meu soluço parou. Para mim, dois dias até a recuperação completa”

Os dois explicaram com um tom que mostrava que isso não era um problema sério.

Haurvatat estava um pouco curiosa. As mesas na vila dos Cait Siths eram feitas de madeira. Ela se perguntou se ficar presa debaixo de uma mesa de madeira causaria tais ferimentos sérios.

(Haru): “Por que a mesa quebrou? Você mencionou que eles foram atacados, então alguém mexeu na mesa para fazê-la se quebrar?”

(Jofre): “Não, não foi isso. Nós estávamos no meio de uma suntuosa refeição oferecida pelas pessoas organizando o torneio. Então, justo quando estávamos a ponto de aproveitar a comida, Centauro entrou de fora…”

(Elise): “… e pulou na mesa. Centauro é pesado, então as pernas da mesa se quebraram…”

(Jofre): “… e foi assim que os ossos de nossas pernas também se quebraram”

Haurvatat não tinha nada a dizer sobre a péssima piada de Jofre. Stella suspirou e…

(Stella): “Isso claramente não tem nenhuma ligação conosco nya. Mais importante que isso, você pediu a Maru-onii-chan para tratar eles nya?”

(Mikke): “Eu pedi nya. Mas ele me disse que Potch tem que usar a ‖Magia de Cura‖ para o torneio de amanhã e depois de amanhã, então ele precisa descansar nya… haa. Então eu tenho que competir com três pessoas logo no início… já ficou impossível nya”

Mikke ficou com um humor sério.

(Mikke): “Mas esse não é o único problema nya. Depois de investigar, descobriu-se que dentro da comida que foi preparada para os dois… havia centenas de vezes de uma dose letal de veneno, o suficiente para matar até mesmo um Dragão, dentro da comida nya. Nós checamos os Cait Siths que carregaram a comida e parece que eles foram afetados por uma magia de hipnose nya. Foi claramente uma tentativa de assassinato nya. Se o criminoso é um dos participantes do lado de Stella, você será desqualificada por esse motivo nya!”

Ele mostrou um sorriso atrevido.

(Stella): “Nós não faríamos isso nya!”

Stella gritou de raiva, mas Haurvatat estava chocada.

(Haru): “Então, Centauro-san que comeu essa comida…”

Nessa situação, essa foi a primeira vez que Haurvatat ergueu sua voz. Mesmo que fosse um burro, Haurvatat pensava nele como um companheiro que desafiou um |Labirinto| com eles uma vez.

(Mikke): “Ah, aquele burro…”

Mikke suspirou profundamente como se ele estivesse cansado do fundo de sua alma.

Essa imagem fez com que eles imaginassem o pior cenário possível.

Assim, Mikke falou com palavras pesadas.

(Mikke): “Depois de comer a maior parte da comida, ele ainda está comendo grama nos fundos da estalagem nya. Eu realmente quero abri-lo e examinar que tipo de estômago ele tem nya”

Ele disse e riu. Sua risada já tinha se tornado uma risada desanimada.

[Haru]: (“Talvez Centauro-san veio correndo para ajudar Jofre-san e Elise-san quando eles estavam em perigo… nah. Ele provavelmente só queria comer a comida”)

Haurvatat especulou, mas provavelmente, apenas Centauro sabia a verdade.

Então, Haurvatat falou…

(Haru): “Nós definitivamente não tentaríamos envenenar esses dois. Eles são nossos amigos afinal”

(Marina): “Fumu. Além disso, nosso mestre não desejaria que algo assim acontecesse”

Marina comentou depois que ela vestiu sua máscara sem que ninguém notasse.

O mestre que Marina se referia não era Stella, mas sim Ichinojo.

(Haru): “Além disso, não temos razão para ferir os dois. Analisando este caso, o criminoso deve estar entre os participantes. Poderia ser Maru-san?”

(Stella e Mikke): “Maru-onii-chan nyão faria algo assim nya!”

Stella e Mikke falaram em sincronia.


Enquanto isso…

Norm e Kannon que entraram na vila dos Cait Siths foram até o local da construção da arena.

Mesmo que ela fosse chamada de arena, eles aparentemente só planejavam criar assentos para a plateia em uma área deserta e eles nem iriam fazer um palco.

Atualmente, os Cait Siths estavam continuando com a construção em um ritmo veloz.

(Kannon): “Você tem certeza que não quer ir? Você conhece Jofre e Elise, não é? Eu realmente não quero encontrar os dois já que eles compraram minhas armas falsificadas. Nihihi”

(Norm): “Eu também não tenho boas memórias deles, então…”

Norm explicou evasivamente. Ela não iria visitar os dois não porque ela não queria encontrar Jofre e Elise. Era porque ela estava desconfortável em deixar Kannon sozinha.

No coração de Norm, ela sentia que Kannon tinha algum tipo de segredo.

Por outro lado, Kannon sabia que mesmo que Norm não tivesse descoberto sua verdadeira identidade, ela sabia que Norm tinha uma vaga intuição de que Kannon não era uma pessoa comum, mas ela estava aproveitando isso.

Mesmo que Malina tivesse viajado com ela por anos, ela não fazia ideia da verdadeira identidade de Kannon.

(Norm): “Hn? Aquele Cait Sith… ele está com humanos. Ele é o Príncipe Maru?”

O que Norm viu foi um Cait Sith junto de três humanos.

Kannon olhou para eles e os olhos dela se encontraram com os olhos de um dos homens. Um homem com um sorriso ousado.

Kannon congelou.

(Norm): “Kannon-san, qual o problema?”

Kannon não respondeu mesmo com Norm a questionando.

Foi porque, junto daquele Cait Sith que possivelmente seria o Príncipe Maru, um dos humanos…

Não, ele não era um humano.

(Kannon): “Por que… ele está aqui?”

Essa pessoa era o Terceiro General do exército do Lorde Demônio, o Vampiro Valf.