Carregador de smartphone

Eu estava atento com a força desconhecida do Guerreiro da Morte chamado de Grande Mestre. Ele tinha sacado sua Espada e parecia que iria machucar se ele me cortasse com uma arma dessas, assim, eu apliquei uma voadora com a esperança de apenas desarma-lo, mas quando eu voltei para a minha posição inicial, o ⌈Guerreiro da Morte Grande Mestre já estava pregado na parede.

Eu não passei de Level, então eu provavelmente não o assassinei, mas eu me senti um pouco culpado.

Mesmo que ele tivesse um emprego de criminoso, era possível que ele tivesse cometido o crime devido a circunstâncias além de seu controle.

Contudo, pensando mais cuidadosamente sobre isso, qualquer um que fosse contratado para ser guarda de um grupo de contrabandistas naturalmente seria um vilão também… então eu releguei a responsabilidade e olhei para o líder da tripulação de contrabandistas.

Ele começou a me chamar de “Grande Mestre” e me passou uma bolsa cheia de moedas de prata como taxa contratual.

Cada uma das bolsas continha cem moedas de prata, ou, em outras palavras, o equivalente a uma moeda de ouro (dez mil Sense). Nesse caso, eu pensei comigo mesmo, “Não seria melhor me passar apenas duas moedas de ouro”? Mas moedas de ouro não poderiam ser usadas em lojas regulares e elas poderiam ser rastreadas se elas parassem nas mãos de um cambista[1] na hora de mudá-las para moedas de prata, então moedas de prata eram provavelmente a melhor escolha.

Na verdade, eu tinha muitas moedas de ouro, mas além de Carol usando elas quando ela comprava produtos de fornecedores e quando eu usei elas para comprar Haru, a maioria delas permanecia intocável no fundo da minha [Bolsa de Itens].

Falando de moedas de ouro, elas eram equivalentes a um milhão de ienes[2], não é? Mesmo nos restaurantes de fast-food no Japão, pagar com uma nota de dez mil ienes[3] iria exigir uma confirmação verbal especial dizendo, “Recebendo dez mil ienes”, então você causaria pânico se pagasse com um milhão de ienes… ah, não, o caixa iria apenas pegar a nota de dez mil ienes que estivesse mais para o alto e iria devolver as outras 99 notas de dez mil ienes e o troco. No passado, em um comércio, houve uma cena onde a pessoa disse algo como, “Gerente, recebi um milhão de ienes”, mas algo tão bobo como isso provavelmente nunca aconteceu[4].

Ah, eu meio que me perdi um pouco no assunto, entretanto, eu iria receber vinte mil Sense apenas por agir como o guarda para uma única viagem de contrabando… dois milhões de ienes[5], huh?

Contrabando certamente é lucrativo.

[Ichinojo]: (“Bem, eles contrabandeiam exatamente pelo lucro”)

(Ichinojo): “Então, onde está o navio?”

(Líder): “Sim, o navio está ainda mais no subterrâneo. O carregamento de mercadorias vai ser finalizado em breve, então Grande Mestre Ichinojo e Mestre Suzuki, por favor, relaxem aqui por enquanto”

O líder do grupo de contrabandistas me disse isso antes de se dirigir a seus subordinados.

(Líder): “Oi, desgraçados! A hora do descanso acabou! Se apressem e carreguem as mercadorias!”

(Tripulação): “Sim chefe!”

(Líder): “Não me chamem de chefe! Isso faz parecer que somos criminosos! Me chamem de Diretor!”

O líder gritou furioso. A propósito, o emprego dele era ⌈Ladrão, então ele era inegavelmente um criminoso.

(Suzuki): “Cara, esse foi um trabalho brilhante Kusunoki-kun. Talvez você seja até mais forte do que eu?”

(Ichinojo): “Hmm, não faço ideia? Nós estamos livres por ora, então o que vamos fazer?”

(Suzuki): “Devemos ler um pouco de histórias em quadrinhos? Você ainda tem mais, não tem?”

(Ichinojo): “Eu tenho ‘Esta é Shibu’ se você quiser ler”

(Suzuki): “’Esta a é cabine de polícia[6] do distrito de Shibuya[7] na frente do Parque Yoyogi[8]‘!? Wah, Eu li esse. Quantos volumes você tem?”

(Ichinojo): “Eu tenho tudo até o último volume”

(Suzuki): “Até o último volume!? Eh, ‘Esta é Shibu’ acabou? Você está brincando comigo, eu pensei que ela iria durar para sempre”

Suzuki estava extremamente chocado. Bom, “Esta é Shibu” ainda estava sendo publicada quando este cara veio para este mundo, então não era estranho que ele ficasse surpreso.

(Ichinojo): “A transmissão da animação de ‘Pode ser que esteja tudo bem sorrir’ também acabou”

(Suzuki): “Heh, entendo”

Parecia que ele não estava realmente interessado nessa outra já que ele começou a silenciosamente ler os 198 volumes de “Esta é Shibu” que eu emprestei para ele.

Eu estava entediado então eu peguei meu smartphone.

(Suzuki): “Smartphone!?”

Ele mostrou a maior surpresa de todas até o momento.

(Suzuki): “Eh, por que… não me diga que você criou uma bateria estável usando magia…”

(Ichinojo): “Sem chances, sem chances. Mas Miri, aquela garota trouxe um gerador”

(Suzuki): “Gerador!? Sua irmã mais nova faz coisas incríveis como de costume… ela estava planejando acampar ou algo do tipo antes de ser transferida?”

(Ichinojo): “Não, aparentemente, ela estava escalando o Monte Fuji[9]

(Suzuki): “Ela escalou o Monte Fuji enquanto carregava um gerador!?”

Bem, no Japão sem um [Bolsa de Itens], isso era algo impossível para uma única pessoa.

Embora parecesse que Miri era capaz de usar ‖Magia de Espaço-Tempo, então isso foi fácil para ela.

(Suzuki): “Hey, Kusunoki-kun. Você pode carregar meu smartphone também?”

(Ichinojo): “Qual é o modelo?”

(Suzuki): “Lphone 4S”

(Ichinojo): “É o mesmo modelo que o meu celular antigo. Eu tenho uma bateria reserva”

Eu entreguei a bateria extra para Suzuki enquanto ele me agradecia e eu pegava uma bateria com painel solar da minha [Bolsa de Itens].

(Suzuki): “Uma bateria com painel solar também… isto também é da sua irmã mais nova?”

(Ichinojo): “Ela trouxe três dessas”

(Suzuki): “Por que ela estava carregando tantas… esquece, isso é de grande ajuda. Você tem certeza que eu posso pegar isto emprestado?”

(Ichinojo): “Eu vou dá-la a você. Meu smartphone atual é um Anbroid, então eu não posso usar ele. De qualquer forma, eu tenho cinco baterias com painel solar para Anbroid”

(Suzuki): “Obrigado”

Suzuki me agradeceu e conectou diretamente a bateria extra.

Depois de um tempo, ele apertou o botão para ligar.

(Suzuki): “Funciona… graças a deus”

(Ichinojo): “A bateria tinha acabado?”

(Suzuki): “Yup, ela acabou logo quando eu cheguei neste mundo. Eu esqueci de carregá-la no dia anterior”

(Ichinojo): “Entendo…”

Com o nostálgico som de inicialização, o smartphone foi ligado.

(Suzuki): “Fora de serviço, como esperado”

Suzuki disse o fato consumado.

(Ichinojo): “Bom, nós estamos no subsolo afinal”

Eu respondi com a resposta apropriada.

Então, Suzuki olhou para uma foto.

Eu imaginei que ele tivesse salvo alguns Doujinshis, mas ele estava na verdade olhando para a foto de um homem que parecia um médico.

(Ichinojo): “Este é…”

(Suzuki): “Meu pai. Faz três anos desde a última vez que eu o vi”

(Ichinojo): “Entendo…”

Meu smartphone não tinha uma foto do meu pai. Eu mudei o celular um ano antes e não transferi os dados.

Foto do pai, huh… enquanto eu pensava que havia provavelmente um retrato fúnebre do pai na [Bolsa de Itens] que Miri deixou para trás, eu comecei a ler os livros digitais que eu baixei no meu smartphone quando eu ainda estava no Japão.


Ambos Suzuki e eu comemos lámen[10] de frango juntos. As pessoas ao redor estavam babando com o cheiro, mas depois de assistirem minha luta com o ⌈Guerreiro da Morte Grande Mestre, eles não se atreveram a se aproximar de nós com medo de pisar da cauda do tigre.

(Suzuki): “Whew, isso é delicioso. O lámen de frango é o mais saboroso de todos”

(Ichinojo): “Concordo, ele fica extraordinário assim que você coloca um ovo sobre ele”

Pavlov se aproximou enquanto comíamos.

(Pavlov): “Esse cheiro é incrível”

Ele encarou o conteúdo da tigela sem mostrar nenhum medo contra nós dois.

(Suzuki): “Hey, Pavlov. Quer comer conosco?”

(Pavlov): “Está tudo bem?”

(Suzuki): “Claro, não é? Kusunoki-kun”

(Ichinojo): “Você é realmente um cara com boa aparência quando se trata do seu interior… com certeza Pavlov. Vamos comer juntos”

Ele não fedia mais e eu me sentia culpado com apenas nós dois comendo comida boa.

Eu coloquei o lámen de frango na tigela de Pavlov e coloquei água fervendo dentro.

(Pavlov): “Hora de atacar!”

(Ichinojo): “Ah, espere…”

(Pavlov): “Delicioso!”

O lámen de frango não ferveu nem mesmo por um segundo antes de Pavlov tirar ele da água fervendo com suas mãos nuas e comê-lo em uma única mordida.

Foi minha culpa que eu não expliquei isso de antemão, mas… não estava quente?

Depois disso, Pavlov bebeu toda a sopa do lámen de frango… ou melhor, a água quente.

(Líder): “Hey, Pavlov! As preparações estão terminadas! Agora é a sua vez! Grande Mestre Ichinojo e Mestre Suzuki, por favor, venham também! Está na hora de partir!”

Parecia que era hora de partir.

Nós dois fomos guiados pelo líder, com Pavlov seguindo atrás, enquanto descíamos as escadas que levavam para o subterrâneo.

Foi então que eu vi um enorme navio lá.

No entanto…

Qual o significado disto? Havia um navio, mas nada de água.


[1] Os cambistas eram, no contexto histórico, aqueles se dedicavam ao câmbio. Nas feiras medievais e nos núcleos urbanos do feudalismo, eles trocavam moedas de vários valores, por uma de valor único (o valor das moedas dependia do metal com que eram produzidas). Eles também podiam fornecer papéis que comprovassem um depósito feito em outro lugar podendo ser retirado pelo depositante em outra localidade, mantendo assim seguro o dinheiro do comerciante. Esses papéis eram chamados de letras de câmbio. Por meio da cobrança de algumas taxas estes cambistas realizavam atividades típicas dos bancos atuais, como empréstimos, câmbio, emissão de títulos e pagamento de dívidas.

[2] Aproximadamente R$ 33.430,00.

[3] Aproximadamente R$ 334,30.

[4] No Japão, não existe uma nota de um milhão de ienes, dessa forma, a pessoa precisaria pagar com um pacote de 100 notas de dez mil ienes para chegar nesse valor.

[5] Aproximadamente R$ 66.860,00.

[6] Uma Cabine de Polícia (Cabine Telefônica Policial Pública) é uma cabine telefônica usada pela polícia para ligar para o departamento de polícia ou membros do interesse público para ajudar a polícia. Diferente das Cabines Telefônicas comuns, a Cabine Telefônica Policial tem do lado de fora de sua estrutura um pequeno compartimento e um letreiro com instruções de uso. É comum no Reino Unido.

[7] Shibuya é um dos 23 bairros especiais de Tóquio, no Japão. Um dos principais centros comerciais e financeiros do mundo, abriga as duas estações mais movimentadas do mundo: a Estação de Shinjuku (na parte sul) e a Estação de Shibuya.

[8] O Parque Yoyogi é um dos maiores parques de Tóquio localizado próximo à estação Harajuku e Santuário Meiji, em Shibuya. O parque é um destino popular em Tóquio. Aos domingos, ele é especialmente cheio quando é usado como um local de reunião para os fãs japoneses de rock. Na primavera, milhares de pessoas visitam o parque para aproveitar a florada das cerejeiras durante o hanami (costume tradicional japonês de contemplar a beleza das flores). O parque possui áreas de piquenique, caminhos e aluguel de bicicleta e quadras de esporte públicas.

[9] O monte Fuji é a mais alta montanha da ilha de Honshu e de todo o arquipélago japonês. É um vulcão ativo, porém de baixo risco de erupção. O monte Fuji localiza-se a oeste de Tóquio (de onde pode ser visto num dia limpo) próximo da costa do oceano Pacífico da ilha de Honshu, na fronteira entre as províncias de Shizuoka e de Yamanashi. O monte Fuji é um dos símbolos mais conhecidos do Japão, sendo frequentemente retratado em obras de arte e fotografias e recebendo muitas visitas de alpinistas turistas.

[10] Lámen, ou ramen, é um alimento japonês. Um prato de lámen normalmente é composto por um tipo de macarrão chinês, uma sopa com caldo à base de ossos de porco, peixe ou frango, e temperados com uma base tarê (molho) que dá sabor ao caldo base, para a confecção da montagem do prato. É comum o uso de ingredientes como algas verdes, pedaços de carne de porco, brotos de bambu marinados, cebolinha e naruto (massa de peixe com formato de redemoinho rosa). O lámen se tornou um prato barato e popular após a Segunda Guerra Mundial, com farinha de trigo importada dos Estados Unidos. O macarrão instantâneo, criado em 1958 por Momofuku Ando, popularizou o lámen, com a sua preparação em três minutos. É considerado um símbolo japonês, reiterando a cultura japonesa.