Este país está podre

Há cinco soldados vestindo armaduras pesadas na frente do portão. Uma pessoa está de pé em frente ao portão enquanto os outros quatro estão parados de cada lado para proteger o portão. Contudo, eu não conseguia pensar neles conversando de maneira tão animada como os soldados que deveriam proteger a entrada da cidade.

O mercador na nossa frente passou pelo portão e entrou na cidade, então nós somos os próximos.

Eu e Grave-san tiramos nossos [Cartões da Guilda] para mostrar para o soldado no meio. Da mesma forma que fizemos em |Zukhra|, nós estamos tentando fazer todos passarem usando Grave-san como o responsável. Enquanto isso, os outros soldados chamaram o grupo feminino.

(Soldado A): “] assobiando […uma fila de lindas mulheres. Que tal beberem com a gente esta noite? E se vocês quiserem, nós também podemos continuar a diversão até de manhã”

(Heroínas): “…”

Nosso grupo feminino não escondeu seu desconforto e expressou seus sentimentos de irritação por essa atitude não respondendo nada para as palavras do soldado como se dissessem “Não fale comigo”.

Os soldados que foram ignorados ergueram suas vozes em descontentamento.

(Soldado B): “Oi!! Vocês nos escutaram!? Eu estou dizendo para nos acompanharem esta noite se quiserem entrar nesta cidade!! Nós podemos satisfazer vocês mais do que esse magrelo…”

O soldado não conseguiu terminar sua frase. O motivo era a ponta da espada curta de Sarona a um fio de cabelo de distância de sua garganta.

Narellina também estava apontando sua espada para um dos soldados da mesma maneira enquanto Haosui e Floyd ficaram na frente dos outros dois soldados bloqueando seus movimentos.

Floyd tinha seu pseudo-sorriso de sempre, mas nosso grupo feminino olhava para os soldados com olhos frios.

(Sarona): “Fale mais do que isso… eu irei te matar…”

Sarona só disse isso com um olhar sombrio em seu rosto. Eu também estava com medo de olhar para ela com essa sede de sangue ao seu redor… bom, se nosso grupo feminino não fizer um movimento, eu vou espancar esses soldados sozinho.

Deizu, como um adulto, não disse nada e só fechou seus olhos enquanto cruzava os braços.

Apesar de ele não se mover, sua cauda continuava atingindo o solo com ] peshi-peshi [, então talvez ele também estava irritado. Eu acho que ele está cruzando os braços para manter o controle, assim eles não vão tomar nenhuma atitude violenta.

Os soldados que não podiam compreender a ação repentina eram incapazes de se mover. É melhor vocês se comportarem pelo seu próprio bem.

Ao meu lado, Grave-san coçou sua cabeça um pouco antes de chamar o soldado na nossa frente.

(Grave): “Isso é um problema… é melhor vocês não encostarem em meus companheiros…”

O soldado soltou uma voz de surpresa depois de confirmar o [Cartão da Guilda] de Grave-san.

(Soldado C): “Rank S… aventureiro-sama…”

O soldado que verificou o [Cartão da Guilda] e os soldados que estavam provocando o grupo feminino ficaram alarmados.

(Grave): “Sim, eu sou! Portanto, podemos passar, correto? Vocês fizeram algo rude. Normalmente eu iria causar um tumulto com isso, mas desta vez vou me fazer de cego. Não vamos nos questionar. Além disso, eu vou tomar a responsabilidade pela identidade de meus companheiros, então não temos problemas, não é?”

(Soldado C): “Ma-mas… tem um Homem-Fera no seu grupo, não tem? Deixar uma besta selvagem estrangeira entrar na cidade é um pouco…”

(Grave): “O Homem-Fera é um escravo desse sujeito ao meu lado, ele também tem um colar, então eu não vejo nenhum problema em deixa-lo entrar na cidade, certo?”

Grave-san apontou para mim e mostrou o colar de escravo falso no pescoço de Deizu para convencer o soldado.

(Soldado C): “Entendido… então, se o Homem-Fera fizer algo prejudicial para esta cidade, o aventureiro-sama rank S vai se responsabilizar, não é?”

(Grave): “É o que eu estou tentando te dizer!”

(Soldado C): “Bem, só por precaução, você poderia fazer a documentação necessária?”

Dito isso, o soldado preparou um papel, um pouco de tinta e uma pena para Grave-san escrever algo.

Grave-san não poderia ter visto porque estava escrevendo, mas o rosto do soldado formou um sorriso afetado.

Quem sabe, eles pensaram que viemos para esta cidade sem saber sobre a condição dos Homens-Fera que foram sequestrados e escravizados. Neste caso, Deizu descobriria sobre a situação e causaria uma comoção e eles teriam uma boa desculpa para jogar a responsabilidade em Grave-san… mas todos sabíamos sobre isso e estávamos muito ansiosos para começar com a violência…

Grave-san simplesmente escreveu “Grave, um aventureiro rank S, irá assumir a responsabilidade”, enquanto já sabia sobre tudo.

Talvez, ele estava se referindo a tomar responsabilidade por permitir que este país chegasse neste ponto e iria definitivamente acabar com esse plano. Eu tenho a sensação de que a “responsabilidade” aqui tem tal significado… soldado-san, minhas condolências!

Grave-san derrubou um pouco de sangue ao lado de seu nome e apertou seu polegar para deixar uma marca. O soldado em frente ao portão abriu o caminho assim que finalmente conseguimos nossa permissão. Desta forma, nós fomos capazes de entrar na cidade.

(Grave): “Parece que a situação é pior do que eu imaginei…”

(Wazu): “Yeah…”

O interior da cidade era mais terrível do que imaginamos. Muitas construções estavam aos pedaços, os cidadãos magros e com olhos que perderam a luz estavam espalhados aqui e ali. Era uma situação onde você não sabia dizer se eles estavam vivos ou mortos.

Apenas os mercadores estavam entrando e saindo pelo portão. Quando os cidadãos tentavam passar pelo portão, os soldados puxariam suas espadas, ameaçariam e os arrastariam a força de volta para a cidade.

Dentro das tavernas que passávamos, nós vimos soldados rindo felizes enquanto bebiam ou gritavam com os donos e empregados por qualquer coisinha que deixava eles irritados.

Homens-Fera com colares de escravos estavam sofrendo entre esses donos e empregados. Quando algo nãos os agradava, os soldados chutavam, socavam e abusavam deles enquanto riam.

Essas cenas podiam ser vistas por toda a cidade. Este país não pode mais ser salvo. Eu devo eliminar este país o quanto antes.

(Wazu): “Deizu… você não precisa mais continuar com isso. Nós vamos seguir direto para o castelo para cortar o mal pela raiz. Você pode continuar seu caminho agora. Você quer procurar por sua filha, não é?”

(Deizu): “Estou grato por terem me trazido até aqui!!”

(Floyd): “Então eu vou ajudar Deizu-sama também. Deixo o castelo para Wazu-sama e o resto de vocês”

(Grave): “Eu também vou ir com Deizu. Será melhor ter um número maior de pessoas para ajudar a salvar seus companheiros”

Parece que Floyd e Grave-san vão ajudar Deizu. Certamente deve existir muitas pessoas para Deizu lidar sozinho. Se esses dois acompanharem ele, o perigo será menor. Contudo, o problema é…

(Wazu): “O que devemos fazer com os colares de escravo?”

(Floyd): “Não há problema com isso. Eu serei capaz de remover os colares de escravo quando for preciso”

(Wazu): “Como posso dizer isso… você é tão versátil em tudo…”

(Floyd): “É porque eu sou um mordomo”

Floyd seria um mordomo perfeito se esse lado duvidoso desaparecesse… bem, vamos esquecer disso!

(Wazu): “Então eu deixo a cidade para Floyd, Grave-san e Deizu. Eu vou direto para o castelo com as outras… tenham cuidado! Bom, eu realmente não acho que deva me preocupar com vocês”

(Grave): “É com o seu grupo que não precisamos nos preocupar, não é?”

Grave-san finalmente sorriu. Nós concordamos um com o outro antes de nos separarmos.

O grupo de Grave-san entrou em um beco e desapareceu dentro da cidade. Depois de termos certeza que as figuras deles não podiam mais ser vistas, nós deixamos este lugar e andamos até o castelo.