A cidade marítima |Lança do Mar|

Eu me movi na direção que a Deusa do Mar indicou e enquanto eu estava me perguntando se eu estava chegando perto, uma cidade realmente apareceu. Para ser preciso, ela era feita de muitos navios amarrados com correntes e ela consistia de algumas dezenas de barcos e no meio havia um enorme navio que poderia carregar uma centena de pessoas.

Eu diminuí minha velocidade e afundei no mar com cuidado para não deixar nenhum vestígio na superfície da água e comecei a nadar. Eu poderia simplesmente atacar, mas como eu não sei onde Navirio e sua equipe estão, eu não posso descuidadamente coloca-los em perigo.

Eu nadei até chegar ao navio mais próximo e me infiltrei pelo buraco no casco onde os canhões ficavam.

Eu me infiltrei sem nenhum problema, mas não há ninguém aqui. Eh?

Este é um navio pirata, certo? Então por que não tem ninguém? Eles não precisam ficar de vigia? Agora que eu penso sobre isso, nós estamos no mar. Não há terra nem ilhas na vizinhança.

Entendi, eles acham que aqui, ninguém seria capaz de encontra-los. Mas que pena, porque eu já estou aqui. Vocês estarão acabados se tiverem feito algo com meu cunhado e meu melhor amigo Orlando. Ou melhor, mesmo que vocês não tenham feito nada, eu não posso perdoa-los. Eu já decidi exterminar todos os piratas daqui. Meus pêsames.

Quando eu saí do deque, eu examinei a situação e entendi que havia pessoas se reunindo no navio maior no meio. É porque eu podia ouvir muitos aplausos e gritos daqui.

Eu comecei a pular de navio em navio e me aproximei do navio maior para verificar a situação.

No deque desse navio, um grande número de piratas estava reunido e eles pareciam estar cercando algo que estava no meio porque eles todos estavam se empurrando. No centro estava uma pirata com cabelo louro opaco vestindo um grande chapéu de pirata, uma grande e espessa capa negra estava em seus ombros e diante dela estava Navirio e companhia amarrados.

Estou feliz que eles ainda estão bem. A pirata segurou o queixo de Navirio e ergueu seu rosto para olhar para ele.

(Pirata): “Fufufu. Seu rosto me agrada muito… eu gostei de você, eu vou te dar muito amor”

No momento em que eu ouvi isso, eu pulei de onde estava e segui para o círculo do meio do deque e gritei.

(Wazu): “Não tente aumentar meus problemas!!”

E assim, eu desferi um soco contra a pirata que capturou Navirio com velocidade o bastante para que ela pudesse desviar. Naturalmente, ela se esquivou e se afastou de Navirio.

Bom, essa foi a minha intenção e seria bem complicado se ela não tivesse desviado. Não é como se eu estivesse tentando matar ela. Entretanto, se fosse uma questão de vida ou morte, a conversa seria diferente… eu realmente me questionei se algum dia eu precisaria fazer algo assim…

Assim que eu aterrissei na frente de Navirio, a pirata reagiu gritando “Matem ele!” e os piratas vieram me atacar com suas armas.

Com um movimento instantâneo, eu nocauteei todos os piratas em um piscar de olhos e voltei para o lugar onde eu estava. Do ponto de vista dos piratas, além de não saber o que aconteceu, eles começaram a ver seus companheiros voando para longe.

Nesse momento, eu cortei as cordas que prendiam Navirio e seus companheiros com um machado que eu roubei de um dos piratas que me atacou. Os Cavaleiros que estavam com Navirio e Orlando parecem ser os mesmos daquela batalha[1], porque eles se lembraram de mim e me agradeceram.

Tomando vantagem da confusão dos piratas que ainda não sabiam o que estava acontecendo, os agora livres Navirio e Orlando me chamaram.

(Navirio): “Já faz muito tempo Wazu, você nos salvou”

(Orlando): “Estou feliz por nossa reunião, mas o que você está fazendo aqui?”

Ouvindo as palavras de gratidão de Navirio e vendo o rosto surpreso de Orlando, eu também sorri.

(Wazu): “Bem, muita coisa aconteceu… vamos deixar as explicações para mais tarde…”

Nesse momento, os piratas ficaram mais atentos comigo e Navirio e seus companheiros que foram libertados. Com armas em suas mãos, eles liberaram suas intenções assassinas contra nós.

(Pirata): “Eu vou me divertir com o ruivo mais tarde, então mantenham ele vivo! Matem o resto! Ensinem a eles sobre o lugar onde eles estão agora!!”

Onde estamos? Na fortaleza de uma centena de piratas, não é? Ao invés disso, eu irei mostra-los com quem vocês estão lidando.

Eu percebi algo quando eu olhei para os piratas que iriam nos atacar. Eu estraguei tudo! Navirio e sua equipe não tem armas! Eu não preciso de uma, mas eles sim.

Eu me aproximei de alguns piratas que estavam vindo em nossa direção, mandei eles para longe enquanto roubava suas armas e então as dei para Navirio e companhia.

Navirio e sua equipe começaram a enfrentar os piratas que estavam nos atacando com as armas que receberam de mim. Eu também fiquei vigiando eles enquanto eu estava derrubando os piratas, mas como já esperado de uma equipe de eliminação de piratas, eu não precisei me preocupar com eles.

Mas agora que eu olho para eles, suas roupas parecem rasgadas e eu posso ver impaciência em seus rostos. Bem, eu não posso culpa-los. Eles eram prisioneiros até um momento atrás, então eles não descansaram.

Pensando nisso, eu comecei a colocar mais força em meu corpo para diminuir o trabalho de Navirio e seus companheiros. E nesse momento, eu vi uma abertura no caminho para a proa[2] do navio, então nós seguimos para lá.

Em alguns minutos, o fim já estava à vista.

Na proa do navio para onde seguimos já havia uma pequena montanha com quase cem pessoas. É claro que Navirio e sua equipe não estavam no meio dessa montanha. Essa montanha era composta pelos piratas que estavam aqui. Eu fiz isso ao me mover rapidamente e mandar eles voando para cá.

Agora só falta a chefe; a pirata era a única que estava de pé…

(Pirata): “Impossível!! Nós somos os piratas que comandam esses mares!!”

Isso está errado. Aquela que comando o mar é a Deusa do Mar, ou foi o que eu pensei. Ou para ser mais preciso, foi ela que descobriu vocês aqui. Apesar de eu ainda ter algumas objeções sobre o último assunto que ela mencionou…

(Navirio): “Renda-se agora!!”

Mas bom, agora mesmo, a pirata está sendo cercada por Navirio e seus homens e ela não tem lugar para ir. Pouco depois, Navirio a atingiu com um golpe em seus pontos vitais e a deixou inconsciente.

E só depois de ver isso eu consegui respirar tranquilamente…

Estou feliz que Navirio e companhia estão bem!!


[1] Wazu está se referindo a batalha do capítulo 065 no antigo Reino Mabondo.

[2] Proa é a parte da frente de uma embarcação.