O lado de Fran

Nota do autor (Tanaka Yu):

As marcações de favorito agora passam de 200.

Obrigado!


(Fran): “Fu… ha…”

Banhos são os melhores. Quando eu disse ao Mestre que eu amava banhos, ele parecia surpreso…

(Mestre): “Mesmo você sendo uma gata?”

… ele disse.

Gatos não gostam de banhos? Eu sou da tribo dos Gatos Negros, mas eu nunca vi um gato antes. Os nobres da capital parecem ter alguns deles. Mamãe disse que eles vivem vidas melhores que as nossas.

Eu quero ver um deles com o Mestre algum dia.

Mestre é uma espada muito incrível. Ele é a primeira espada com quem eu falo, mas se eu julgar por sua voz, ele me parece um Humano.

Ele é muito forte. Ele também me fez forte. Eu não serei superada por uma Fera Demoníaca. Mas como eu estou agora ainda não é bom. Eu não posso sempre depender do Mestre. Eu vou virar um fardo para ele.

Mesmo aqueles Goblins com que lutamos hoje, se o Mestre lutasse sozinho, não só a luta teria sido mais fácil, como ela iria acabar mais rápido também.

Dominar os poderes que eu recebi do Mestre deve ser minha prioridade máxima. Depois disso, eu vou ficar ainda mais forte. Se eu treinar desse jeito, tenho certeza que eu serei capaz de atravessar a Parede.

E assim, hoje eu falei com egoísmo e lutei contra os Goblins. Mestre me repreendeu no começo, mas ele me perdoou e até me elogiou.

Eu estava muito feliz. Eu também irei lutar no dia depois de amanhã. É outra oportunidade para ficar mais forte.

(Recepcionista): “Oh. Fran?”

(Fran): “Nn?”

(Recepcionista): “Nos encontramos no almoço. Como a Guilda tem uma parceria com esta estalagem, todos os funcionários da Guilda podem usar a casa de banhos”

Aah. Esta pessoa é uma das recepcionistas.

(Recepcionista): “Você está hospedada aqui?”

(Fran): “Nn”

(Recepcionista): “Aaaaah. Fofa como sempre. Huhhhh”

(Fran): “???”

(Recepcionista): “Kyaaaa. O jeito como você inclina a cabeça é o melhor!”

Quando ela estava trabalhando, ela passava a impressão de ser uma pessoa quieta. Ela estava escondendo sua verdadeira natureza?

(Recepcionista): “Hey. Teria problema se eu te chamasse de Fran-chan?”

(Fran): “Não ligo”

(Recepcionista): “Muito obrigado! Fran-chan!”

De repente, ela me abraçou. Eu não ligo, mas foi meio surpreendente. O peito dela fez um leve ] funii [ e era confortável, então eu permiti isso.

(Recepcionista): “A grande subjugação vai acontecer depois de amanhã, huh”

(Fran): “Nn”

(Recepcionista): “Você ouviu o comunicado?”

(Fran): “???”

(Recepcionista): “Parece que não. Aparentemente, os Goblins parecem estar surgindo de algum tipo de |Calabouço|

(Fran):|Calabouço| próximo?”

|Calabouços| são naturalmente famosos assim que eles são descobertos, mas eu nunca ouvi falar de um deles perto de |Aressa|.

(Recepcionista): “Parece que ele surgiu recentemente… até agora só havia uma caverna lá”

(Fran):|Calabouços| podem ser construídos tão rápido?”

(Recepcionista): “Mhm. Podem sim”

(Fran): “???”

(Recepcionista): “Ahh. Você não sabia? Como uma espécie de desafios para a humanidade, o Deus do Caos faz elas aparecerem em vários lugares diferentes com frequência”

(Fran): “Não sabia. Deus do Caos e Deus do Mal: diferentes?”

(Recepcionista): “Puxa. Você também não sabia disso, huh. Sua irmãzona aqui vai explicar tudo para você”

E assim, a recepcionista me explicou sobre as lendas.

(Recepcionista): “Para simplificar, este mundo tem 88 Deuses. Entre eles, há dez que são especialmente fortes”

Primeiro, o Deus do Sol, o Deus da Lua, o Deus do Mar, o Deus da Terra, O Deus das Chamas, o Deus das Tempestades, o Deus das Florestas e o Deus das Feras criaram o mundo e todos os seus habitantes.

O Deus do Hades[1] criou o Anel de Samsara[2] e as leis do mundo foram feitas.

Os 78 Deuses Crianças criaram vários materiais e trouxeram eles para o mundo que os Deuses Pais fizeram, assim o mundo ficou maior.

(Fran): “Deuses Crianças?”

(Recepcionista): “Isso mesmo. O Deus da Ferraria[3], o Deus das Espadas, o Deus da Escuridão e o Deus da Culinária são bons exemplos deles”

Finalmente, o Deus do Caos, como o nome sugere, espalha o caos no mundo. Mas esse é um mal necessário para prevenir a estagnação do mundo… ou foi o que a recepcionista disse. É um trabalho que parece bem desafiador.

Eu entendi isso bem. Superar adversidade te leva ao crescimento. Lutando contra os Goblins, eu fui capaz de crescer.

(Fran): “E o Deus do Mal?”

(Recepcionista): “Originalmente, o Deus do Mal era o Deus da Guerra. Mas depois de se deliciar demais com o poder e tentar dominar o mundo, os outros Deuses o derrotaram. É dito que os seres malignos que aparecem graças ao excessivo rancor dele são uma maldição que se espalhou por todo o mundo”

(Fran): “Entendo”

Então, no fim, o Deus do Caos é bom. O Deus do Mal é ruim. Ele é como o Mercador de Escravos que me sequestrou.

(Recepcionista): “De qualquer forma, como eu disse, |Calabouços| são um dos desafios criados pelo Deus do Caos. Os Mestres dos Calabouços são seguidores do Deus do Caos e ativamente criam caos por causa disso”

Mestres dos Calabouços… será que eles têm [Pedras Mágicas] para o Mestre comer? Eles com certeza devem ter muitas habilidades fantásticas.

(Recepcionista): “Ainda está sendo investigado, mas parece que a primeira coisa que acontece na criação de um |Calabouço| é a criação de seu núcleo. A criatura que estiver mais próxima do Núcleo quando ele é criado se torna o Mestre do Calabouço

(Fran): “Fracos e fortes, então”

(Recepcionista): “Yep. A dificuldade do |Calabouço| depende da força do Mestre do Calabouço, então, quando um animal acaba se tornando o Mestre, a dificuldade tende a ser menor”

(Fran):Mestres dos Calabouços estranhos também?”

(Recepcionista):Dragões, Orcs, Lobos, Cocatrices[4]…contanto que eles emitam uma força vital, eles podem se tornar um Mestre do Calabouço

(Fran): “Pessoas?”

(Recepcionista): “É claro. Mestres dos Calabouços humanos já apareceram muitas vezes no passado”

|Calabouços| feitos por humanos… interessante.

(Recepcionista): “Bem… mesmo que seja considerado um desafio de Deus, não é algo simples”

Como as pessoas podem acabar morrendo, não há nada que possamos fazer. As pessoas que estão procurando por uma batalha como eu são minoria.

(Recepcionista): “Contudo, no caso de Feras Demoníacas raras estarem habitando o |Calabouço|, isso pode ajudar a vida dos Aventureiros

|Calabouços| não são puramente ruins. Há pessoas que podem ficar ricas com eles.

(Recepcionista): “Há [Baús do Tesouro], armas fortes e itens mágicos também”

Existe uma lenda de um Herói que derrotou um Dragão Maligno com uma arma que ele encontrou em um |Calabouço|; mais tarde, ele fundou um país. Mas como eu tenho o Mestre, esse tipo de coisa é desnecessário.

(Recepcionista): “Mas no fim, alguns itens dos |Calabouços| são fortes demaaaais. Eles podem ser usados em guerras e causam tanto mal quanto bem, você não concordaaaa?”

No fim, a conversa se transformou em reclamações da recepcionista.

Eu não odeio o Deus do Caos por me permitir ficar mais forte nos |Calabouços|.

(Fran): “O dia depois de amanhã: ansiosa por isso”


[1] Na Bíblia cristã, Hades pode simbolizar o “Sheol”, ou seja, local destinado ao mundo dos mortos que anseiam a ressurreição, denominada de “morte temporária”. Ao mesmo tempo, encontram-se textos com referências à Hades como sinônimos de túmulos ou inferno.

[2] O Samsara pode ser descrito como o fluxo incessante de renascimentos através dos mundos. Na maioria das tradições filosóficas da Índia, incluindo o Hinduísmo, o Budismo e o Jainismo, o ciclo de morte e renascimento é encarado como um fato natural.

[3] Ferraria é um estabelecimento que manuseia o ferro artesanalmente, fabricando objetos com múltiplas utilidades.

[4] A Cocatrice ou Cocatriz é uma criatura fantástica que, na maioria de suas descrições tem um corpo de um réptil alado com pernas e crista de galo e uma cobra na cauda. Em algumas versões, é dito que a Cocatrice possui várias formas, sendo ou um réptil alado, ou uma quimera completa. Desde a Grécia Antiga, o animal entrava na categoria de seres fantásticos conhecidos como Basilisco, e esse se tornou a imagem da fera, uma cobra gigante com uma coroa e uma pluma, porém, na Idade Média, o basilisco possuía duas retratações, a de serpente e a de uma criatura metade galinha, metade réptil. Daí a segunda imagem se tornou um monstro distinto, o Cocatrice. Esta, possui a habilidade de transformar em pedra aquele que fixa o seu olhar ao dele.