O Rei Fantasma

Trinta minutos se passaram desde que derrotamos o Esqueleto Lendário, mas nós ainda estávamos sentados na sala dele. Fran e Jean estava recuperando seus |MPs através de poções, mas eu estava parado esperando que o meu se recuperasse naturalmente.

Eu ainda estava longe de estar pronto para explorar apesar do fato que nós já tínhamos descansado por um bom tempo. Minha |Durabilidade estava na metade e eu tinha menos de 500 pontos de |MP sobrando.

A armadura de Fran estava quase completamente despedaçada, assim, Jean invocou um Esqueleto para reparar ela. Ele estava tão preparado para qualquer situação que ele até tinha a [Pedra Mágica] necessária em mãos.

Eu decidi usar este tempo para inspecionar algumas habilidades que eu ganhei com a exploração do |Calabouço|.

Aquelas que eu olhei primeiro foram as que eu consegui do Esqueleto Lendário. Especificamente, eu foquei na Interferência de Avaliação e Invocação Automática antes de olhar em três das habilidades que eu consegui em outras partes do |Calabouço|, cujos nomes são: Emissão Mágica, Barreira Física e Força Hercúlea. Todas essas cinco habilidades estavam atualmente no Lv1.

A primeira habilidade que eu tentei usar foi, naturalmente, a Interferência de Avaliação. E, como esperado, as funções da habilidade pareciam relativamente limitadas porque ela ainda estava presa no Lv1. Como outras habilidades do tipo informação, ela não seria capaz de se provar útil a menos que eu apontasse isso.

Os feitiços da Invocação Automática eram bem fracos também. Uma criança poderia causar a mesma quantidade de dano se ela apenas jogasse uma pedrinha em alguém. Yeah, eu realmente não sei o que esperava de uma habilidade Lv1.

Emissão Mágica fazia exatamente o que o nome dizia e me permitia emitir |Poder Mágico. Eu podia usar isso tanto para ataque quanto para defesa ao dispará-la como eu faria com uma arma ou espalha-la ao redor de mim como eu faria com uma barreira. Era uma ótima habilidade, mas de novo, ela realmente não era capaz de fazer muito no Lv1.

Barreira Física era basicamente o mesmo que uma das habilidades que eu já tinha, Barreira Mágica. A única diferença era que a primeira tinha uma defesa melhor contra ataques físicos, enquanto a última tinha uma melhor defesa contra magia.

A Força Hercúlea era um bônus[1] ativo. Ela iria temporariamente aumentar a |Força do usuário após o uso. Porém, eu realmente não tinha certeza sobre o que sentir sobre os números, eles pareciam meio patéticos. A versão Lv1 iria apenas aumentar o Status em dois pontos por dez minutos, mas eu estava curioso sobre o que iria acontecer se eu aumentasse isso.

Falando honestamente, nenhuma das habilidades que eu adquiri iriam realmente ser úteis em uma luta, logicamente, excluindo o Liberar Potencial Latente.

Mas eu não me importava. Todos os confrontos e lutas com Chefões pelos quais passamos no |Calabouço| permitiram Fran e Urushi aumentar de Level dez e 15 vezes, respectivamente. Apenas esses aumentos de Level tinham melhorado nossa proeza de combate mais do que o suficiente.

(Fran): “Nom, nom”

(Urushi): “Chomp, chomp”

(Jean): “Esplêndido, outra refeição tão deliciosa quanto possível”

Fran, Urushi e Jean comiam sem reservas. Os três estavam avidamente enfiando pedaços do meu frango frito especial em suas gargantas, embora eu ache que isso devesse ser chamado de monstro frito, já que ele era feito de carnes obtidas de uma variedade de Feras Demoníacas no lugar de, bem, você sabe, frango. Parecia que comida frita era excepcionalmente difícil de se encontrar, e agora que eu pensei sobre isso, eu não conseguia me lembrar de ter visto alguma vez alguém empanando[2] algo antes de fritá-lo… embora eu tenha visto pessoas despejando comida em óleo quente sibilante. As comidas fritas que eu faço eram aparentemente tão incomuns que até pegaram Jean de surpresa.

Urushi estava especialmente cheio de alegria. Ele conseguiu mais do que o normal porque ambos Fran e Jean continuavam o dando ossos assim que terminavam com a carne.

(Jean): “Hmm… parece que Fly descobriu outra porta. Hahahaha! E desta vez ele encontrou o [Núcleo do Calabouço] atrás dela!”

(Fran): “Chefão?”

(Jean): “Me conceda apenas um momento para responder essa pergunta”

Jean parou.

(Jean): “…”

(Mestre): “Qual o problema?”

(Jean): “Eu perdi o sinal de Fly”

(Fran): “Morto?”

(Jean): “Parece que sim, mas ele já me informou do caminho que devemos seguir. E assim, eu devo assumir a liderança”

Os monstros do décimo andar do |Calabouço| eram basicamente os mesmos do nono, mas nós tivemos mais facilidade lidando com eles. Nós sabíamos que estávamos a ponto de terminar o |Calabouço|, então começamos a avançar com força renovada ao mesmo tempo que também usávamos nossos itens com mais generosidade.

(Jean): “Contemplem, companheiros meus! Aquela porta logo ali é o que marca a sala do Chefão”

Nós finalmente conseguimos chegar no Chefão final do |Calabouço| depois de três dias inteiros de exploração.

Eu absorvi muitas [Pedras Mágicas] durantes todas as lutas que tivemos por nosso caminho até aqui, então eu consegui recuperar quase toda a minha |Durabilidade junto de 2.000 pontos ou mais de |MP.

Os movimentos de Fran subiram um nível também. A luta com o Esqueleto Lendário proporcionou a ela muita experiência de combate.

Mas apesar de nossas melhorias, nós continuamos a manter nossa vigilância.

(Fran): “Chefão?”

(Jean): “Fly não foi capaz de nos fornecer qualquer informação, mas simplesmente não há forma da sala estar desprotegida”

(Mestre): “O Mestre do Calabouço provavelmente está na sala do [Núcleo] também”

O Mestre do Calabouço poderia se provar ser algo muito poderoso dado a escala do |Calabouço| que ele foi capaz de criar. Ele era até capaz de comandar Feras Demoníacas de Rank B, então nós sabíamos com certeza que ele não seria apenas um molenga aleatório.

(Jean): “Eu preciso de algum tempo para me preparar”

(Mestre): “Preparar o que?”

(Jean): “Wahahahahaha! Estou feliz por você perguntar. A resposta é, logicamente, meu trunfo. Ele implica um grande custo, então eu desejo evitar sua aplicação sempre que possível. Contudo, a presente situação me pede para me preparar para o pior”

Jean estava certo. Nós precisamos fazer tudo ao nosso alcance para nos prepararmos para a batalha por vir… só que eu não sei o que ou como me preparar.

(Fran): “Habilidades de ressuscitação?”

(Mestre): “Isso é algo que eu estava considerando…”

Eu ainda tinha 25 pontos da Auto Evolução sobrando, mas eu tinha que ter certeza de usá-los sabiamente.

(Mestre): “Eu acho melhor que eu os guarde por ora, assim eu posso aumentar qualquer coisa que acabarmos precisando para derrotar o Chefão”

O Chefão do andar tinha que ser no mínimo um Nível de Ameaça B, e não tínhamos a menor ideia sobre o que iríamos enfrentar. Aumentar habilidades agora poderia acabar nos complicando ao invés de nos trazer algum benefício.

(Jean): “Fran, Mestre, eu gostaria de pedir a vocês que me devolvam alguns itens que eu deixei dentro dos seus Armazenamentos Dimensionais

(Mestre): “Quais?”

(Jean): “O primeiro que eu gostaria de recuperar seria o pingente”

O pingente? Oh, yeah, tinha algo desse tipo, não tinha?

(Fran): “Este?”

(Jean): “Precisamente. Eu gostaria que você o usasse”

Que diabos? Quem quer que tenha feito essa coisa tinha alguns problemas, é sério. Havia um rosto incrivelmente realista de um Zumbi colado no pingente.

(Jean): “Esse pingente funciona como uma proteção para o usuário no caso de ele receber um golpe mortal”

(Mestre): “Sério?”

Parecia completamente com o tipo de item que você usaria para amaldiçoar alguém ou invocar um Zumbi ou algo do tipo.

(Jean): “Hahaha! Suas dúvidas são justificáveis. Eu cometi o mesmo erro no passado e só comprei o item porque eu assumi que isso teria algum uso na Necromancia

(Mestre): “Bem, yeah. Quero dizer, é literalmente a cabeça de um Zumbi no pingente”

(Jean): “Seu efeito é mesmo incrível apesar disso, não é?”

O pingente iria impedir o usuário de morrer ao mesmo tempo que recuperaria ambos seu |HP e |MP pela metade. A última parte do efeito era impressionante e evidenciava que o pingente era um item bem caro. Outros itens parecidos iriam apenas deixar o usuário com um único ponto de |HP.

(Mestre): “Bom, se você tem certeza que não se incomoda, nós gratamente aceitamos”

(Jean): “Sem problema. Deixando isso de lado, eu também gostaria que vocês retirassem vários outros itens”

(Fran): “Quais?”

(Jean): “A maioria dos amuletos. Na verdade, eu preferiria que você os usasse também”

Fran acabou pegando cerca de dez amuletos mágicos diferentes. Eu não poderia mesmo sentir muito |Poder Mágico emanando deles, mas eles ainda eram uma boa forma de nos trazer tranquilidade.

(Jean): “E com isso terminado, eu também devo me preparar para a batalha”

Nós retiramos muitas ferramentas diferentes e remédios a pedido de Jean.

Um dos itens que ele pegou era uma caixa enorme e retangular. Dentro estava um cajado com aparência sinistra na forma de uma coluna vertebral com uma caveira na ponta. Isso combinava muito com Jean por causa da forma ameaçadora que ele adquiriu, e realmente aumentava esse ar de Necromante que ele transmitia.

Eu rapidamente examinei o cajado e o avaliei.

 

Nome:Desconhecido

Huh, não parecia possível para eu o avaliar.

(Jean): “Hahahahaha! Este cajado é um pouco especial. Você precisa de mais do que uma mera habilidade de Avaliação para ver o valor dele”

(Fran): “Por quê?”

(Jean): “Seu nome é [Bênção de Hades], um item nomeado que eu acabei obtendo em um |Calabouço| durante uma de minhas aventuras”

Parecia que os atributos do cajado eram tão altos que eu precisaria de alguma versão melhorada ou especial da habilidade de Avaliação para ser capaz de ver através dele.

(Mestre): “A habilidade dele é…”

(???): “Kukakakakakakaka!”

(Mestre): “Quê!!”

(Fran): “Nn?”

(Urushi): “Woof?”

O que foi isso? Pareceu com uma risada humana, e a princípio eu pensei que veio do cajado, mas Jean parecia surpreso também, então isso não podia estar certo.

(???): “Kukakakaka!”

A risada também era estranhamente irritante. Só escutar isso era o bastante para me aborrecer.

Eu rapidamente comecei a examinar a sala em busca da fonte da voz.

E foi então que a situação deu uma repentina guinada para o pior.

Um alto ] shing [ ressoou pelo corredor, acompanhado por uma luz forte e brilhante.

(Mestre): “Um círculo mágico!?”

Minha Detecção de Crise começou a disparar assim que um círculo mágico apareceu no corredor.

Merda!

(Mestre): “Fran, Urushi!”

Merda, não parecia que seríamos capazes de escapar disso.

O círculo mágico começou a se expandir. Só levou poucos segundos para ele crescer ao ponto onde enchia todo o corredor com sua luz cegante.

(???): “Vocês me mantiveram esperando por tempo demais. Se vocês não vão vir, então eu só vou trazê-los direto para mim! Kukakakakaka!”

Nossos arredores mudaram completamente no momento que a luz desapareceu. Nós então estávamos de pé dentro de uma enorme sala, várias vezes maior do que as outras que atravessamos no |Calabouço| até o momento. Mas apesar disso, todos nossos olhares estavam focados em um único alvo.

Ou melhor, não tínhamos escolha além de dirigir nossa atenção diretamente a nossa frente. Nós simplesmente não tínhamos a liberdade para escolher qualquer outra opção.

(???): “Kuakakaka! Bem-vindos, meus intrusos”

A figura que estava diante de nós estava emanando uma quantidade enorme de |Poder Mágico. A própria existência dele parecia colocar uma pressão ridícula sobre nós, mas, sobretudo, ele era absurdamente repulsivo de se contemplar.

Seu Nível de Ameaça estava estimado como B, mas eu simplesmente não podia ver ele como algo que ficaria lado a lado com o Esqueleto Lendário que derrotamos mais cedo. Ele era tão poderoso que eu provavelmente teria sujado minhas calças se eu não fosse uma espada.

A cor foi sugada do rosto de Fran enquanto ela aumentava a força de seu aperto em meu punho. Ela foi capaz de resistir a um Demônio sem nem mesmo vacilar, mas o ser diante de nós era tão intimidador que ela começou a tremer de medo.

(Mestre): “Não se preocupe Fran”

Ver Fran desse jeito me acalmou em um instante. Por que diabos eu estava ficando com tanto medo? Eu não podia me deixar levar, eu ainda tinha que protegê-la. Por enquanto, eu decidi considerar nossas opções de fuga. Nós ainda podíamos usar a [Pena de Transferência] se fosse realmente preciso.

(Mestre): “Nós vamos fugir dele Fran”

[Fran]: (“Entendido”)

(Mestre): “Jean, vamos dar o fora daqui”

(???): “Guarde esse pensamento apenas por um momento”

Fran já tinha segurado o braço de Jean e eu já tinha preparado a [Pena de Transferência]. Não havia nenhuma forma de nós sermos capazes de enfrentar o monstro que estava diante de nós.

Porém…

(Mestre): “Que merda!?”

A [Pena de Transferência] se recusou a se ativar. Eu não sabia o que tinha acontecido, nem sabia o que dizer. Eu devia ter mais |Poder Mágico do que o necessário.

(???): “Kukakaka! Infelizmente para vocês, esta sala foi designada para impedir fugas através de teleporte. Vocês não têm escolha além de lutar comigo até a morte! Kukakaka! Kukakakakakakaka!”

O monstro, o Lich[3] de pé diante de nós riu alegremente enquanto anunciava sua declaração cruel.


[1] Aqui o autor usa o termo Buff, que é usado para se referir a feitiços e habilidades que melhoram o Status do alvo.

[2] Empanar, ou panar, é o ato de cobrir de farinha de rosca ou de farinha de trigo o alimento antes de assar ou fritar.

[3] Um lich é um tipo de morto-vivo que adquiriu a imortalidade. Geralmente foram, em vida, magos poderosos. Suas características são meio ósseas e também são, comumente, mas não sempre, apresentados fortes poderes mágicos. A origem do lich varia de acordo com o universo em que ele existe. Por exemplo, hospedar a própria alma ou parte dela em um objeto, tornando-se imune à mortalidade, ou usando métodos mágicos mais específicos. O termo foi inventado por Gary Gygax em 1978 com a primeira edição do famoso jogo de RPG Dungeons and Dragons. A palavra está relacionada com o termo do inglês antigo e da língua alemã, lych Leiche, que significa cadáver.