Fazendo poções

A primeira coisa que decidimos fazer depois de escaparmos do |Calabouço| foi seguir de volta para o laboratório de Jean.

(Jean): “Então Stephan se foi, eu presumo?”

(Mestre): “Yeah. Ele se foi com um enorme sorriso no rosto”

(Jean): “Magnífico. Transcender de tal forma é a melhor coisa possível que pode acontecer a um Morto-Vivo

Jean acordou, mas ele parecia ainda não ter se recuperado de todas as ativações da [Bênção de Hades]. Ele acabou caindo poucos momentos depois que terminou de falar. Ele ainda estava consciente, mas ele nem se incomodou em levantar, provavelmente porque ele ainda se sentia exausto.

A única outra coisa que ele se incomodou em dizer foi que ele queria comer curry, e, bem, dado o estado em que ele estava, eu não poderia exatamente dizer não.

Fran relutantemente concordou em dividir um pouco com ele também.

Jean nos disse que poderíamos ficar no quarto de hóspedes se quiséssemos, então nós decidimos usar alguns dias para descansar antes de voltarmos.

(Mestre): “Hey, uh… você tem certeza que não se incomoda conosco ficando com todos esses itens? Você nos contratou, então eles deveriam ser seus por direito”

(Jean): “Eu não me incomodo nem um pouco, pois eles são de pouco uso para mim. Faça com eles o que você quiser”

(Mestre): “Tudo bem então”

E isso resolveu tudo, missão completa. Nós fomos recompensados com muito mais do que eu estava esperando. Jean generosamente entregou 400 mil Gorudo juntamente com metade do saque que encontramos em nossa aventura no |Calabouço|.

Os itens mais notáveis que nós recebemos foram os dois deixados pelo Esqueleto Lendário: a [Espada Mágica Olhar da Morte] e uma capa com o nome de [Manto de Hades]. Os atributos delas eram os seguintes:

 

Nome: Olhar da Morte (Espada Mágica)
Ataque: 880
MP: 600
Durabilidade: 400/400
Condutividade do Poder Mágico: B+
Habilidades
Morte Instantânea: O item tem 3% de chance de matar instantaneamente qualquer inimigo que for cortado

 

Nome: Manto de Hades
Defesa: 40
Durabilidade: 600/600
Efeitos
|Força Física: + 10
|Resistência: + 20
|Inteligência: – 20
|Destreza: – 10

Os efeitos do Manto pareciam muito bons, mas não poderíamos usá-lo. Ele era o tipo de equipamento dado a idiotas que não sabem como fazer nada além de usar força bruta.

Alguns outros itens atraíram meus olhos também. Especificamente, nós pegamos um objeto estranho em forma de “S” parecido com uma flauta e parecia ser feito do chifre de um bode e um pequeno, porém lindo, anel.

 

Nome: Chifre do Impacto
Efeito
Tocar este chifre enquanto canaliza |Poder Mágico nele irá ocasionalmente criar uma onda de choque. Contudo, há uma chance de 4% desse chifre se quebrar após o uso.

 

Nome: Anel dos Pesadelos
Defesa: 8
Durabilidade: 200/200
Efeito
Usar este anel causa pesadelos.

Que merda… o [Anel dos Pesadelos] é claramente um item amaldiçoado, não importa como você olhe para ele. Eu realmente não podia ver ele tendo qualquer uso, a menos que você o dê para alguém que você não goste ou algo assim.

Nós também recebemos: uma [Poção de Vida de Alto Nível], uma [Poção de Mana de Alto Nível], uma [Poção Explosiva de Nível Intermediário], um [Incenso para Atrair Morto-Vivo] e uma [Garrafa de Veneno Vodu][1].

As poções não eram tão significantes. Er, bem, isso tecnicamente não é verdade. Elas eram do tipo que custariam uma fortuna ou duas em uma loja, mas meu repertório de habilidades e feitiços os fazia não serem tão necessários para nós. Eu os aceitei mesmo assim, vendo como levá-los conosco não nos custaria nada.

Fran e Bernardo entraram assim que eu terminei de verificar toda a pilhagem.

Eles realmente não pareciam naturais um ao lado do outro, então eu fui atingido por um estranho senso de desarmonia.

(Mestre): “O que foi?”

(Fran): “Nn. Aprendendo a fazer poção”

(Bernardo): “Ela disse que queria aprender como fazê-las, então, aqui estamos”

(???): “Eu vou, ensiná-la”

Outro Esqueleto entrou na sala.

(Bernardo): “Este aqui é Peter”

(Peter): “Prazer em, conhecê-lo, eu sou, Peter”

Parecia que este rapaz Peter, er, Esqueleto, era capaz de usar tanto Alquimia[2] quanto criação de remédios. Os subordinados de Jean certamente têm uma grande variedade de habilidades.

(Mestre): “Fazer poções não deveria ser algo como uma habilidade super especial? Você tem certeza que está tudo bem casualmente a ensinar como fazê-las?”

(Peter): “Sim, minha parte, na troca”

(Mestre): “Troca?”

(Peter): “Curry, receita”

Hey! Vocês simplesmente fizeram esse acordo sem a minha permissão!

Espere, Jean está realmente disposto a deixar Fran aprender a como fazer poções em troca de algo tão insignificante como a receita do curry? Minha nossa, ele realmente ficou viciado nisso.

(Peter): “Naturalmente, eu não, irei espalhar, a receita “

(Mestre): “Eh, está tudo bem. Eu realmente não me importo”

Em primeiro lugar, isso não foi algo em que eu tinha pensado, e eu estava bem curioso sobre que tipo de receitas derivadas as pessoas deste mundo iriam fazer se o curry se tornasse popular.

(Fran): “Não tenho que dividir mais”

(Mestre): “Oh, então é esse o motivo por trás de tudo isso…”

(Fran): “Nn. Assunto muito importante”

Agora que eu pensei nisso, eu também tinha as habilidades para fazer poções. Eu simplesmente nunca tentei fazer nada com elas.

(Mestre): “Você se importa se eu me juntar a vocês? Parece bem divertido fazer um teste”

(Peter): “Eu não, me importo”

E assim, nós acabamos decidindo aprender a como fazer poções, mas…

(Fran): “Cansada”

(Mestre): “Já!?”

Bem, não era como se eu não entendesse a razão para isso.

Fran não era exatamente do tipo de garota que seria capaz de se sentar e moer uma porção de ervas ao ponto onde você extrairia a sua essência.

(Fran): “Urushi, aqui”

(Urushi): “Woof?”

(Fran): “Aqui”

(Urushi): “Woof!”

Ela eventualmente decidiu desistir e passou a missão para Urushi. O grande lobo negro executou a ação com facilidade ao segurar o almofariz[3] com suas patas dianteiras e mover o pilão com sua boca.

(Urushi): “Woof. Ruff, ruff, woof”

(Mestre): “Wow, você é bem habilidoso Urushi”

(Urushi): “Woof!”

Certo, é melhor eu me esforçar mais também!

(Mestre): “Oryaaaa!”

(Urushi): “Woooof!”

(Fran): “Vai, vai”

Fran nos animou enquanto se sentava ao nosso lado e bebia suco.

Depois que terminamos de triturar tudo, seguimos para o passo seguinte: extrair sua essência. Para fazer isso, nós precisaríamos misturar o conteúdo de nossos almofarizes com água, colocar a infusão resultante em um objeto parecido com um tubo e fervê-la.

Normalmente, eu esperava que isso tomasse quase uma hora, mas esperar por tanto tempo realmente não fazia o processo parecer uma técnica especializada ou algo assim.

(Mestre): “Eu vou tentar usar algum tipo de feitiço para acelerar o processo”

Usar magia enquanto cozinho aumenta a velocidade das coisas e aumenta a qualidade do produto final. Alquimia parecia bastante similar, então eu estava certo que poderia aplicar esse mesmo princípio.

Isso não deveria ser um grande problema mesmo se eu estragasse tudo porque eu só estaria desperdiçando metade do lote.

Eu destilei a água necessária com Magia de Água, controlei as chamas com Magia do Fogo, manipulei a pressão usando Magia do Vento, e acelerei o processo usando a Magia de Espaço-Tempo. Heh, perfeito.

(Fran): “Mestre, trapaceando?”

(Mestre): “Eu prefiro que você chame isso de usar a cabeça”

O resultado dos meus esforços foi uma [Poção de Vida] bem decente. Cara, eu sou tão talentoso que eu às vezes me assusto. Mesmo assim, a poção que Peter fez com os métodos regulares ainda era de maior qualidade.

Sabe, na verdade eu poderia ser mais adequado para as tarefas chatas regulares como cozinhar e criar poções. Aumentar os Levels dessas habilidades tomou tempo e esforço, porém, pensar sobre o que você poderia fazer te permitiria brincar com os resultados. Eu acho que isto é algo que provavelmente mereça uma investigação. Eu acho que vou procurar por receitas e materiais na próxima vez que formos para a cidade.

Pensando nisso, Fran realmente é uma gata. Ela ficou entediada com o que estava fazendo, então ela não apenas parou, mas até terminou indo para fora para brincar. Por outro lado, Urushi era totalmente seu lacaio; ele seguiu as ordens dela quase desesperadamente.

Peter me ensinou algumas receitas depois de terminarmos nossas [Poções de Vida]. No total, eu aprendi a fazer dez tipos diferentes, com as mais notáveis sendo [Poções de Mana], [Antídotos] e [Poções Espiritual].

Eu realmente não pensava que uma mera receita de curry valeria tanto em retorno, mas ambos Fran e Jean insistiram que ainda havia mais a ser pago. Quero dizer, eu acho que está tudo bem já que eles concordaram com os termos. Os dois eram entusiastas de curry, e isso não era em si um grande problema, mas a paixão deles por isso chegou a níveis apavorantes se você quer saber minha opinião.

(Peter): “Mestre, senhor, Meu Lorde está, chamado por, você”

Jean me pediu para vê-lo em seu quarto logo depois da refeição. Lá, eu o encontrei com uma aparência mais saudável do que antes.

(Mestre): “Como você está se sentindo?”

(Jean): “Fuahaha, melhor, para dizer o mínimo”

(Mestre): “Ótimo. De qualquer forma, o que você precisa?”

(Jean): “Ah, sim, por que não vamos direto aos negócios? Você por acaso leu o diário que Stephan deixou com você?”

(Mestre): “Ainda não”

Quer dizer, ele me entregou isso, mas eu achei que seria melhor deixar Jean ler primeiro.

(Jean): “Quem sabe você poderia me emprestar ele?”

(Mestre): “Eu estava imaginando que ele deveria pertencer a você em primeiro lugar. Eu não estava planejando ler ele até você ter terminado”

(Jean): “Obrigado”

(Mestre): “Não se preocupe em ter que se apressar ou algo do tipo. Nós estamos planejando passar alguns dias a mais aqui mesmo”

(Jean): “Entendido, e obrigado”

(Mestre): “Sem problemas”

Jean gentilmente pegou o diário de mim e lentamente o abriu.

Ele era realmente grosso, então eu estava duvidando que ele seria capaz de terminar tudo em um dia. Hmm… o que eu deveria fazer nesses próximos dias? Eu acho que eu poderia fazer poções, mas eu gostaria de fazer algo diferente também… oh, já sei! Eu devo verificar todas as minhas habilidades e atributos.


[1] Voodoo, ou vodu, são termos que se referem aos vários ramos de uma tradição religiosa baseada nos ancestrais que tem as suas raízes primárias entre os povos Ewe-Fon do Benim (país africano vizinho da Nigéria), onde é, hoje, a religião nacional, com mais de 7 milhões de adeptos. Além da tradição fon, ou do Daomé (um estado de Benim), que permaneceu na África, existem tradições relacionadas que lançaram raízes no Novo Mundo durante a época do tráfico de escravos (século XVI – século XIX) e que persistem até hoje, como o candomblé brasileiro, o vodu haitiano, a santería cubana, o vodu da Luisiana (Estados Unidos), etc. “Vodum” pode designar tanto a religião quanto os espíritos centrais nessa religião.

[2] Alquimia foi a química da Idade Média que procurava descobrir o remédio contra todos os males físicos e morais, e a pedra filosofal, que deveria transformar os metais em ouro. Ela foi uma prática que combinava elementos da Física, Medicina, Semiótica, Misticismo, Espiritualismo, Arte, Química, Antropologia, Astrologia, Filosofia, Metalurgia e Matemática. É reconhecido que, apesar de não ter caráter científico, a Alquimia foi uma fase importante na qual se desenvolveram muitos dos procedimentos e conhecimentos que mais tarde foram utilizados pela Química. A alquimia foi praticada na Mesopotâmia, Egito Antigo, Império Persa, Índia Antiga, China Antiga, Grécia Clássica, Império Romano, Mundo Islâmico, América Latina Pré-colombiana, Europa Medieval e Renascentista.

[3] O almofariz (também chamado gral, moedor ou morteiro) é um utensílio que serve para moer pequenas quantidades de produtos, por vezes misturando vários ingredientes. Trata-se de uma tigela de paredes grossas na qual se coloca o material a ser moído por uma outra peça, chamada pilão ou “mão do almofariz”, que é um bastão com ponta semiesférica, geralmente feito do mesmo material que o almofariz (madeira, barro, pedra ou metal).